browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Cristal de origem extraterrestre foi descoberto na Rússia

Posted by on 27/10/2016

etcrystal-rocha

Foi descoberto na Rússia um Raro Cristal Extraterrestre.

MessageToEagle.com – É um momento notável quando um objeto de origem extraterrestre é descoberto, mas é claro, não é certamente algo que acontece todos os dias. Para encontrar um raro cristal, que remonta ao nascimento de nosso sistema solar e extraterrestre, em torno de 4,5 bilhões de anos atrás, é, portanto, uma experiência única e extraordinária!

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Foi descoberto um Raro Cristal Extraterrestre, seria tão antigo como nosso Sistema Solar ou até mais. Foi descoberto em uma região remota do mundo, na Rússia. 

Fontehttp://www.messagetoeagle.com/raretcrystal.php 

Esta descoberta surpreendente de um cristal muito raro do espaço foi feita nas Montanhas Koryak, no Extremo-Oriente da Sibéria, na Rússia, um canto muito remoto do mundo. Os cientistas acreditam que o mineral pode ser ainda mais antigo mesmo do que a própria Terra! 

De acordo com uma equipe internacional de pesquisadores liderada por cientistas da Universidade de Princeton, dos EUA, um mineral raro e exótico, tão incomum que se pensava impossível de existir, veio para a Terra viajando pelo espaço em um meteorito.

etcrystal-montanhaskoryak

As Montanhas Koryak, no Extremo-Oriente da Sibéria, na Rússia.

A descoberta que ocorreu naturalmente fornece evidências para as origens extraterrestres da única amostra conhecida do mundo de um elemento quasicrystal. “A descoberta é uma evidência importante de que quasicristais podem se formar na natureza em condições astrofísicas (fora da Terra), e fornece evidências de que esta fase da matéria pode permanecer estável ao longo de bilhões de anos”, disse o físico Paul Steinhardt, do Professor em Ciências na Universidade Albert Einstein de Princeton. 

Embora quasicristais sejam minerais sólidos que parecem perfeitamente normal por fora, a sua estrutura interna torna ele fascinante para os cientistas. Em vez de os aglomerados regularmente repetidos de átomos vistos na maioria dos cristais, o quasicristal contem um arranjo atômico mais sutil e complexo envolvendo dois ou mais grupos de repetição. Como resultado, os átomos de um quasicristal podem ser arranjados de formas que não são normalmente encontrados em cristais, tais como a forma de um icosaedro de 20 faces com a simetria de uma bola de futebol. 

O conceito de quasicristais – junto com o termo – foi introduzido pela primeira vez em 1984 por Steinhardt e Levine Dov, ambos da Universidade da Pensilvânia. O primeiro quasicrystal sintético, uma combinação de alumínio e manganês, foi relatado em 1984 pelo cientista israelense de materiais Dan Shechtman e seus colegas do Instituto Nacional dos EUA de Padrões e Tecnologia, um achado para os quais Shechtman ganhou o Prêmio Nobel em 2011.  

Desde que o trabalho de Shechtman foi publicado, os cientistas criaram cerca de 100 novos tipos de quasicristais sintéticos, alguns dos quais são agora usados em revestimentos duráveis e lâminas cirúrgicas. Os cientistas também os estão explorando para uso em revestimentos em frigideiras e isolamentos térmicos para motores. 

A busca por quasicristais naturais

Durante anos, muitos especialistas acreditavam que quasicristais, embora interessantes, poderiam ser feitos somente sob as condições cuidadosamente controladas disponíveis em um laboratório. Muitos também pensavam se os materiais eram instáveis e deveriam, após um período de tempo prolongado, se reverter para cristais comuns. Steinhardt, que era cético em relação a este ponto de vista, decidiu lançar uma pesquisa para ver se talvez a natureza tinha batido os cientistas nessa luta, e já havia produzido quasicristais. Em 1999, ele e seus colaboradores iniciaram uma intensa busca por quasicristais naturais. 

A equipe de busca em uma base de dados de resultados experimentais de mais de 80.000 materiais conhecidos à procura de sinais de estrutura quasicristalinas. Em seguida, os pesquisadores começaram a vasculhar museus e coleções particulares para as amostras que contêm certas combinações de metais, incluindo alumínio, freqüentemente encontrados em quasicristais sintéticos.

Em 2008, os pesquisadores finalmente descobriram uma vantagem quando eles foram contatados por Luca Bindi, um mineralogista do Museu de História Natural de Florença, Itália. 

Bindi sugeriu que Steinhardt testasse alguns dos seus espécimes, incluindo um mineral raro chamado khatyrkite, que era composto de cobre e alumínio. A amostra foi armazenada em uma caixa como parte de 10.000 minerais adquiridos pelo museu a partir de um colecionador particular, em Amsterdã. A marcação na caixa indicou que a amostra era proveniente da região das montanhas Koryak, na parte nordeste da Rússia, na remota e longínqua Península de Kamchatka. 

etcrystal-amostra

Os investigadores estudaram uma pequena amostra do mineral khatyrkite, que esta montado sobre um pedaço em forma de pirâmide de argila ao lado de uma moeda para ilustrar a pequena dimensão da amostra. (Imagem cortesia de Luca Bindi e Paul Steinhardt)

Quando a amostra chegada da Itália, no entanto, tinha sido cortada da rocha circundante, deixando Steinhardt com grãos microscópicos para trabalhar, e onde não havia espaço para erro. “Se tivéssemos deixado cair a amostra, ela teria sido perdida para sempre”, disse Nan Yao, colega de Steinhardt em Princeton. Yao meticulosamente isolou a pequena amostra, que media a largura de um cabelo humano, para as lascas ainda menores necessários para sondar a estrutura para ver se ele era um quasicrystal. A técnica que eles usaram, de microscopia eletrônica de transmissão, envolve o disparo de um feixe de elétrons em uma amostra e observando como a curvatura dos elétrons, ou a difração, acontecem quando atingem a amostra. 

Dentro de uma lasca da pedra russa, os pesquisadores descobriram que o padrão de difração de assinatura de um quasicrystal, consistindo de alumínio, cobre e ferro, incorporado ao lado do khatyrkite e outros minerais.”Fiquei muito animado quando vi o padrão de difração”, disse Yao, que havia começado a trabalhar no dia de Ano Novo para fazer os estudos quando o laboratório estava mais tranqüilo. A equipe – que incluía Yao, diretor do Centro de Imagem e Análise no Instituto de Princeton para a Ciência e Tecnologia de Materiais, e Peter Lu na Universidade de Harvard – publicaram as provas para a descoberta do primeiro quasicrystal, natural em um artigo de 2009 na revista Science.e que hoje é conhecido como icosahedrite. 

Descobrir a origem extraterrestre

Para descobrir as origens da amostra quasicrystal natural, a equipe de Steinhardt, Bindi e Yao trabalhou com John Eiler e Guan Yunbin do Instituto de Tecnologia da Califórnia, Lincoln Hollister de Princeton e Glenn MacPherson, do Instituto Smithsonian. Os pesquisadores examinaram as inúmeras possibilidades para a origem do material, incluindo a chance de que a amostra era na verdade um subproduto da produção industrial que, de alguma forma acabou na coleção do museu. Através de uma série de investigações, a equipe descobriu evidências que apontavam claramente para um outro começo. 

Uma pista encontrada foi a presença de um mineral chamado stishovite, um tipo de sílica que constitui apenas sob pressões extremamente elevadas e temperaturas distantes das condições utilizadas em qualquer atividade humana no planeta. Stishovite foi encontrado em meteoritos. Uma descoberta chave é que o quasicrystal foi incorporado nos grãos stishovite, indicando que o quasicrystal e o stishovite se formaram e fundiram em conjunto através de algum processo de alta pressão natural. “Nós realmente encontramos o contato físico entre meteoritos, o quasicrystal e minerais, e que nos convenceu de que tínhamos encontrado algo importante”, disse Hollister, um emérito professor de geociências. 

etcrystal-rocha

A rocha, encontrada nas montanhas Koryak, na Rússia é um misterioso “quasicrystal ‘, uma espécie de cristal descoberto em materiais sintéticos, em 1982. Até agora, acreditava-se que quasicristais não ocorressem na natureza – e assim todos os homens foram feitos. Crédito da imagem: Princeton University

Em seguida, os investigadores sondaram os rácios de versões diferentes, ou isótopos, de oxigênio, que variam dependendo se os minerais foram formados na Terra ou no espaço. Os pesquisadores descobriram que a proporção de isótopos de oxigênio em piroxênio e olivina, dois minerais intercrescidos entre as lascas de quasicrystal, eram semelhantes aos encontrados para alguns dos meteoritos extraterrestres mais antigos e conhecidos como condritos carbonáceos CV3. Outros minerais detectados na amostra também foram consistentes como de origem meteórica. 

Os resultados vieram como uma surpresa, disse Hollister, que inicialmente pensou que o quasicrystal viria a ser um subproduto industrial dada a sua configuração incomum de ferro, cobre e alumínio. “Na natureza, é altamente incomum encontrar alumínio metálico,” disse Hollister, referindo-se ao fato de que na natureza o alumínio agarra átomos de oxigénio e é sempre encontrado sob a forma de óxido de alumínio. “Estávamos tentando descobrir onde na Terra a partir do núcleo para a superfície poderíamos ter condições que levam à formação de quasicristais.” 

Outros pesquisadores ficaram impressionados com os resultados. “Fiquei muito surpreso quando li que o relatado anteriormente de quasicristal icosaédrico era de origem extraterrestre”, disse Robert Downs, professor de geociências na Universidade do Arizona, que não esta associado com a pesquisa. “Mas um momento depois, era óbvio. Como poderia uma tal variedade exótica de elementos ter sido formado e preservado?” 

Downs descreveu o trabalho como “um grande achado que atravessa todos os tipos de fronteiras da ciência – ciências dos materiais, física, química, geociências, astrofísica -. E de uma só vez” Ele acrescentou: “E por diversão, ele fornece um instantâneo do nosso sistema solar antes de ele ter se formado.” 

etcrysta-stishovite

Acima: Esta figura, que se assemelha a uma pintura abstrata, mostra duas substâncias. A substância rosa e branca é um mineral raro chamado stishovite, encontrado apenas em meteoritos e impactos de meteoritos. O material escuro no meio é quasicrystal. Assim, esta imagem prova que o quasicrystal é de origem extraterrestre.(Imagem cortesia de Paul Steinhardt)

No ano passado, Steinhardt e Bindi lançaram uma busca ambiciosa para traçar as origens cósmicas da amostra russa analisada, com o objetivo de confirmar a sua origem e obter mais quasicristais. Os pesquisadores rastrearam a viúva do coletor de Amsterdam que primeiro vendeu o mineral para o museu italiano. Ela mostrou-lhes um diário há muito escondido que descreve a aquisição da rocha de um laboratório do governo russo durante a era soviética. 

Juntando essas informações com um nome mencionado em uma publicação científica russa, Steinhardt e Bindi eventualmente localizaram o mineralogista russo que em 1979 havia escavado na rocha de uma camada azul-verde grossa de argila em um leito nas montanhas Koryak de Chukotka, no extremo leste da Rússia. A aventura culminou em uma expedição ao local na Rússia no verão passado para que o leito, e as amostras recolhidas durante a viagem agora estão em processo de serem analisadas. 

MessageToEagle.com com base em material fornecido pela Princeton University

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *