browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Revoltas populares unem-se contra governos incompetentes e corruptos

Posted by on 23/03/2014
Venezuela_Protestos

A “bolivariana” Venezuela …

Revoltas populares unem-se contra governos incompetentes, CORRUPTOS e infestados por oportunistas e se alastram pelo planeta

É difícil olhar os acontecimentos atuais na Ucrânia, na Venezuela, no Egito e na Tailândia sem relacioná-los, em algumas de suas raízes, aos eventos que influíram na Primavera Árabe, incluindo a Síria, depois as breves manifestações populares na Turquia, iguais às manifestações no Brasil mais ou menos no mesmo período.

Edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

Revoltas populares unem povos inteiros contra governos incompetentes e CORRUPTOS:

http://portuguese.ruvr.ru/

Giovanni Lorenzon –  Fora que ainda podem ser repetidos nesses mesmos e em outros lugares cujo caldeirão de insatisfação popular está fervendo, como pode ser o caso da Argentina já e em outros que não perdem por esperar.

O alcance, a violência e as consequências das explosões das ruas não foram iguais, mas os fios condutores que as unem têm a ver com o excesso de calamidades causadas pelo esgotamento dos modelos econômicos, supressão das liberdades e corrupção política endêmica, além das variáveis advindas desse tripé.

Mais em uns, menos em outros, quando não tudo junto e misturado, a realidade é que há uma absoluta falta de paciência com os sucessivos desastres de governos corruptos, incompetentes compostos por salafrários.

A protester gestures in front of a fire during a protest against corruption in Kadikoy in Istanbul, on February 25, 2014. Leaked voice recordings which allegedly feature Prime Minister Recep Tayyip Erdogan instructing his son to hide vast amounts of cash amid an ongoing corruption operation has caused people to take to the streets in a number of provinces on February 25 to protest the widening corruption scandal that has implicated Erdogan's close associates and even his own family, and called on the prime minister and his Cabinet to resign. The premier's office on February 25 said the recordings are fake and Erdogan condemned them as a "vile attack" as he grappled with the latest setback in a damaging corruption scandal.   AFP PHOTO / GURCAN OZTURK

Fica a impressão, até, que muito pouco nesses países – e em mais um punhado de outros que poderiam ser adicionados aqui – convulsionados por revoltas populares há de descontentamento com o (a falta de) conteúdo político-ideológico de seus governantes.

Com as exceções de sempre Cuba, Coreia do Norte, Arábia Saudita, Irã e outras tiranias fechadas, sem o mínimo espaço interno para combatê-las (por enquanto), todos os outros estão sob alguma forma de democracia ou vivendo algumas das suas liberdades. Mesmo os países árabes que viram seus ditadores caindo a partir de dezembro de 2010, na Tunísia, se aproveitaram das brechas iluministas que os regimes se esqueceram de fechar. E as tecnológicas, como a da informação.

Naturalmente, a partir de um ponto qualquer que serviu de estopim, entre aquela grade de motivos, gradualmente a insatisfação avançou para outras políticas adotadas por esses governos. Havia um represamento, isso é certo.

turquia-protestos

Vários protestos marcaram as principais cidades da Turquia nessas últimos semanas.

Mas neste século XXI as pessoas querem ser felizes e com acesso ao que é de direito natural. Se enquanto isso é oferecido – ou pelo menos uma fração em regiões já amansadas pelo infortúnio institucionalizado – os idiotas de plantão podem mesmo desfrutar com um pouco de tranquilidade seus pendores de déspotas ou de lunáticos, até que sejam substituídos no rodízio normal das democracias. Ou não, como a China, exemplo de dar muito com uma mão e subtrair um tanto com a outra. E assim vai levando.

Nicolás Maduro teve a chance de continuar tentando mudar oficialmente a data do Natal, beijar a mão dos irmãos Castros de Cuba, ver imagens de Hugo Chávez até na porta de seu banheiro ou até roubar alguns direitos da população venezuelana, mas foi deixar faltar papel higiênico no início e depois faltar de tudo um pouco, como agora, para boa parte da população querer abreviar seu governo. Vai minando aos poucos sua ampla base de apoio, enquanto responde com mortes.

Na Ucrânia, há quase um paralelo, guardadas as devidas proporções. Se o ex-presidente Viktor Yanukovich não terminasse de empurrar a economia do país para o precipício, bem provavelmente teria sido suportado mais tempo pelos ucranianos, já acostumados a governos corruptos e a uma democracia imperfeita. Nem o Leste do país, sua base étnica e política de apoio, o ajudou decisivamente a enfrentar o Maidan, o movimento que cresceu – e o forçou a abandonar Kiev.

brasil

No Brasil se preparam novos protestos durante a Copa do mundo de futebol.

A versão ocidentalizada de que foi o seu favoritismo à integração econômica com a Rússia, e não à Europa (que até deverá ocorrer), o único motivo para a violenta rebelião popular não convence. Se a Ucrânia não tivesse precisado do socorro urgente – oferecido sem entusiasmo (e em condições draconianas) pela União Europeia e finalmente dado pelo presidente russo Vladimir Putin – a vida na Transcarpátia seguiria como estava.

Na Tailândia, foi o projeto de lei de anistia da premiê Yingluck Shinawatra para facilitar o regresso de seu irmão Thaksin, um político corrupto autoexilado no Reino Unido, que detonou o governo de Bangkok nas últimas semanas.

À beira de um ataque de nervos estão os governos da Turquia e do Brasil, entre os que já foram ameaçados pelas ruas, e não estão tendo mais vida fácil, e os que vão acabar virando vidraças mais dia, menos dia. Entre os últimos, a politizada e orgânica Argentina, com a paralisação econômica progressiva do país pelas incompetências em escala da presidente Cristina Kirchner.

Na Turquia, o autoritarismo e a tentativa de tirar o país do secularismo fez o presidente Recep Erdogan enfrentar as barricadas, em junho passado, a partir do momento em que uma praça foi ameaçada de ser destruída em Istambul para dar lugar a um shopping center.

tailandia-bangkoc-protestos

Onda de protestos paralisa Bangkok na Tailândia

No Brasil, também a partir do meio de 2013, o “gigante acordou” depois de um simples aumento coletivo das passagens de ônibus urbanos, mas com muita gente farta do ufanismo que não sobrevivia, e sobrevive, ao mensalão, corrupção, gastos desnecessários com Copa do Mundo, compadrio político e deterioração econômica, etc.

Os protestos foram expropriados até agora pelos “sem causa” black blocs, mas não se lhes tira o incômodo a um governo prepotente. Falta ao Brasil um pouco mais de coesão e homogeneidade social para que muitos não se deixem mais levar e se distrair pelas migalhas das esmolas públicas.

ContagemRgressiva

Contudo, a porta foi aberta, e, como diz o ditado, onde passa um boi passa uma boiada.

(n.T. E com o escândalo do ASSALTO à PETROBRÁS vindo à tona, o futuro político do Brasil é incerto)

Dessa cronologia mundial toda, fica a sensação de que isso ainda vai piorar, E MUITO.

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

12 Responses to Revoltas populares unem-se contra governos incompetentes e corruptos

  1. Liz Lee

    Visito seu blog todos os dias, mas creio que a matéria é tendenciosa e sem uma análise político social mais profunda somente notícias tiradas das grandes redes midiáticas, com o viés americanizado.

    • Thoth3126

      Viés americanizado !?, cara Liz voce deve estar visitando diariamente outro BLOG que voce confundiu com o nosso. Muita Luz e Paz.

  2. Anubis

    Não podemos ignorar a forma como estas revoluções são orquestradas e executadas.
    Através do pretexto de um povo sedento por um governo mais democrático e menos corrupto, anseios imperialistas se tornam realidade. Os americanos infiltram e financiam protestos, utilizando jovens universitários (verdadeiros rebeldes sem causa), para instabilizar governos que não seguem interesses dos “donos do mundo”. Sabendo destas táticas, a Rússia nunca permitiria a estratégica Ucrânia ceder à estrutura de uma nova organização mundial. Estamos assistindo um retardo ao domínio mundial por um só grupo. Não podemos nos iludir: economia estável nos dias de hoje, com ajuda de bancos internacionais, é sinônimo de aprisionamento moral e intelectual de nossos filhos.

  3. liz Lee

    Carto Thot,
    Admiro sim seu blog, acho a maioria dos post interessantes, mas este para mim foi um tanto fraco, é a minha opinião, nada mais do que isto. Não sou de ficar criar ódio pela internet ou criar polemicas. O fato é que acho que TODAS manifestações que estão ocorrendo pelo mundo afora, e também no Brasil,são causadas pelas forças das trevas, com o proposito de desestabilizar a humanidade. Tem um vídeo no youtube onde manisfestantes da Ucrânia reclamam que não receberam o dinheiro da UE dos motins encomendados.
    Paz Profunda.

    • Renato Bueno

      Então as “Forças da Luz” estão comandando os governantes corruptos? Muito interessante seu raciocínio, abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *