browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Caso da queda de UFO em Roswell – Entrevista com Philip J. Corso

Posted by on 26/08/2016

roswellivrocorso

ROSWELL – Entrevista com o Coronel Philip J. Corso

A partir do momento que ele chegou em Roswell, Novo México, na semana passada, o coronel Philip Corso estava sendo constantemente procurado para dar entrevistas à imprensa. Apesar da idade avançada, Corso era enérgico, lúcido e muito generoso com seu tempo. 

O editor de notícias da CNI Michael Lindemann teve a sorte de ser convidado para uma entrevista em particular do coronel em seu quarto de hotel na manhã de sábado, 05 de julho de 1997. 

Também estiveram presentes o filho do coronel, Philip Jr. e William Birnes , co-autor com o coronel Corso do livro bomba, The Day After Roswell(O Dia Depois de Roswell).

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O Caso Roswell, queda de UFO em Roswell – Entrevista com o coronel Philip J. Corso

Por Michael Lindemann, da Fonte: UFOArea Website 

Fonte: http://www.ufoarea.com/index.php

Sobre a história pessoal do Coronel Corso ver mais em: 

  1. http://en.wikipedia.org/wiki/Philip_J._Corso

No livro, Corso diz que uma genuína nave espacial alienígena, com os corpos dos tripulantes foi recuperada perto da cidade de Roswell, no Novo México, em 1947. Ele diz que, pessoalmente, viu um dos cadáveres dos alienígenas.

O Coronel Philip J. Corso em Roma dias antes de sua morte em 1997.

Mais importante, ele diz que durante o início dos anos 1960, ele estava servindo no Pentágono, sob o comando do General Arthur Trudeau , e lhe foi atribuída a tarefa super-secreta de dividir os destroços e as peças da nave espacial alienígena entre várias empresas relacionadas que produziam armas de defesa para o governo dos EUA com as que poderiam reverter a tecnologia alienígena para ser tecnologia humana útil.

A partir deste programa, de engenharia reversa da tecnologia alienígena, disse Corso, novidades tecnológicas surgiram como importante evolução estratégica, como o circuito (Chips) integrado para computadores, tecnologia de fibras ópticas, tecnologia de visão noturna avançada, raios lasers e várias outras invenções.

Michael Lindemann chegou ao quarto de Corso assim que a entrevista anterior estava concluída. O Coronel e o Sr. Birnes estavam explicando como Corso tinha arranjado para a fuga e passagem segura de cerca de 10.000 refugiados judeus de Roma para a Palestina, logo após o fim da Segunda Guerra Mundial. Lindemann aproveitou esse tema para começar a entrevista da CNI News, como segue:

ML = Michael Lindemann, PC = Philip Corso e BB = Bill Birnes 

Michael Lindemann: Não só você é um oficial militar altamente condecorado, mas parece que você sempre esteve disposto a ser um pouco mais que um arranjador de casos quando se trata de “fazer a coisa certa”, embora possa fazer algumas outras pessoas se sentirem desconfortáveis – até que ponto esta última divulgação sobre Roswell parece essencialmente se caracterizar para você. Mas esta é uma grande revelação, um maior afastamento das normas do que em suas ações anteriores, você não acha?

Philip Corso: Bem, algumas coisas foram muito importantes. Gosto de ouvir quando eu ajudei os 10.000 judeus, eu não pensei em nada, mas as pessoas diziam que era uma coisa grande. Pôr de volta os seus pés em Roma era importante. Eu não acho que isso é maior do que algumas dessas outras coisas. Mesmo os olhares sobre as famílias, as ‘faces na frente do Congresso [quando ele testemunhou sobre os prisioneiros de guerra americanos deixados na Coréia do Norte], que foi muito importante para essas pessoas.

corso-trudeau

Coronel Philip J. Corso e seu chefe o General Arthur Trudeau.

E este aqui, Roswell penso eu, está em sintonia com todos os outros. Sim, é importante, porque, como eles dizem,poderia ter mudado o curso do mundo. Bem, eu tenho que dar muito crédito ao General Trudeau, que o tornou possível, e para as outras pessoas que estavam comigo. Talvez a gente mudou o curso da história do mundo. A única coisa que eu fiz agora que vai afetar o futuro. É por isso que eu trago as crianças para isso, os jovens. Somos velhos agora, vamos seguir em frente.

Mas eles vão estar aqui. Deixe-os saberem do que aconteceu. Eu acho que é de grande importância que as crianças vão ler isso e saber o que aconteceu e de como isso surgiu, e que era verdade.E que aconteceu. Eles têm de saber no que estão envolvidos, e para onde eles estão sendo levados. Eles são os únicos que estarão envolvidos no resultado a que isso conduzirá. Desse ponto de vista, é a coisa mais importante que já fiz.

ML: Até onde você acha que isso nos levará? Você alude no seu livro (“The Day After Roswell“(O Dia Depois de Roswell) a possibilidade de que talvez exista um potencial hostil nesses fatos.

Philip Corso: Quando você está entre os militares, você sempre tem que perceber a figura sobre a parte hostil. Você não pode ignorar isso. O nosso lema era: “Apenas para o caso, nós vamos estar preparados.” O que é que vai ser no futuro? Nós o chamamos no Pentágono de P e D [Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento do Exército], no alvorecer de uma nova era, talvez um novo mundo. O mundo não vai parar. Talvez esta foi uma semente que foi semeada para iniciar um novo mundo. Olha o que fizeram com o computador, com o chip- em poucos anos, como ele floresceu em um supercomputador.

roswellivrocorso

Capa do livro do Coronel Philip J. Corso sobre o caso ROSWELL, a queda e o resgate pelo exército dos EUA de dois (talvez até três espaçonaves com nove tripulantes, um ainda vivo) UFOs e seus tripulantes, em julho de 1947, em Roswell, Novo México.

Eu disse ao general Trudeau, “O que estamos a desencadear sobre o mundo, General? Se isso pode se integrar com o cérebro, não há grande perigo.” Ele disse: “Sim, Phil, mas as pessoas que vêm depois de nós, esperamos, irão eventualmente compreender e levar isso em consideração. Mas talvez não ainda em nossa existência.” Ele não via isso acontecendo durante sua vida. Ele morreu há três anos (1994).

ML: Nós já sabemos como construir o tipo de embarcação alienígena que foi encontrada em Roswell?

PC: Eu acho que nós vamos conseguirA área onde estávamos perdendo um monte de capacidade tecnológica foi nos sistemas de orientação e nos sistemas de propulsão da espaçonave. Chegamos à conclusão disso anos atrás, e agora está começando a pegar, mesmo entre os cientistas, que a razão pela qual perdemos isto foi que o próprio piloto extraterrestre, ele mesmo era o sistema de orientação da espaçonave. Ele fazia parte do sistema, que era simbióticoNós nunca havíamos imaginado essa possibilidade.

Sobre comandos SIMBIÓTICOS espaçonave-piloto ver mais em: 

  1. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  2. http://thoth3126.com.br/apolo-xx-missao-secreta-nave-mae-gigantesca-e-cidade-alienigena-na-lua/
  3. http://thoth3126.com.br/roswell-o-dia-depois-da-qaeda-de-um-ufo-de-final/
  4. http://thoth3126.com.br/area-51-entrevista-de-david-adair-parte-2/

Um dia eu estava andando no corredor com o General Trudeau, e eu virei para ele e disse: “General, eu acho que meu filho é um pouco louco. Ele diz que os motores falam com ele.” O general virou para mim e disse: “Phil, nunca diga isso novamente. As pessoas têm certas relações com os motores, com a matéria sólida, que nós não entendemos. Mas isso está lá. Veja, isso está começando a vir à tona agora.”

roswell-ufocrash

Foto do que seriam os destroços de uma nave recuperada próxima à Roswell

E era estranho que meu livro tinha que estourar quando essa reunião está acontecendo aqui em Roswell. Eu nunca esperei ver o que eu vi ontem à noite, o que eu vi aqui. [A partir do momento que ele chegou em Roswell, o Coronel Philip Corso foi cercado pela imprensa e por pessoas em busca de entrevistas.] Alguém como eu sempre viveu nas sombras. 

De uma vez por todas ver isso acontecendo ao meu redor, e eu sendo um ponto focal – Eu sinto que eu deveria estar em casa sentado na minha poltrona, e não aqui. E, no entanto, ontem à noite [durante o banquete à noite] eu estava quase cercado.

roswell1

Outra espaçonave em destroços, com um dos corpos alienígenas, já morto, embaixo à direita da foto. 

ML: Você sabia que o público americano (e mundial) tem essa fome de informações a respeito desse assunto UFO e ETs, e esta pronto para acreditar em você?

PC: Claro que eu sabia. Meu sobrinho é diretor de pesquisa da (inaudível) universidade [e eu tenho as cartas que o jovem escreveu para mim. Ele disse, “olha tio Phil, por favor, diga a eles para nos dizerem a verdade. Nós não vamos arrancar os cabelos para fora em pânico. Queremos ouvir isso.” 

Em todas as minhas entrevistas, ultimamente, eu venho dizendo que vou provar isso a vocês. É minha própria experiência: Eu comandei um batalhão de 1.500 homens. A média de idade era dezenove anos e meio. Esses garotos não entraram em pânico e correram. Eu disse ao meu comandante, meu deus, estamos levando bebês para o combate.

roswellEBE1

Um corpo de um Et morto, o que aparece na foto anterior, fora da espaçonave acidentada.

Não entraram em pânico. Ficaram e lutaram contra alguns dos maiores exércitos que o mundo já viu, e os derrotaram. Muitos deles morreram. Mas eles não fugiram, eles lutaram. Então eu digo, esta é a idade mais jovem entre as populações – não vamos entrar em pânico. Deixe-os saber. Eles querem saber. Aquilo que Orson Welles mostrou [Guerra dos Mundos “, 1938] jogou com um monte de pessoas. Hoje isso não vai ser feito assim.

ML: Você acha que nós estamos prontos para saber a verdade sobre este assunto?

PC: Estávamos prontos. Há muito tempo atrás.

ML: Você teve que intencionalmente violar qualquer juramento ou promessas pessoais para os militares ou com o país, a fim de fazer o que você fez?

PC: Não. O juramento que eu tinha era com o General. Eu segurei o juramento até que ele morreu, porque ele era um homem honrado, um homem honesto. Eu gostava dele. Ele era um grande homem. Quanto a ser um oficial do exército, eu mantive meu juramento de 35 anos. Eu não violei qualquer nível de segurança, e eu tinha todos os espaços e acessos. Eu era o único que costumava impedir as pessoas de violar a segurança. Eu não revelei nada que fosse prejudicial ou que devesse ser mantido quieto.

ML: Tem havido rumores e especulações de que Roswell, e aquilo que veio de Roswell – a nossa forma de explorar a tecnologia alienígena de Roswell – pode não ter sido a primeira vez que uma coisa assim aconteceu. Houve até mesmo indicações ou especulações de que os nazistas alemães haviam feito tal coisa antes de nós, que alguns de seus extraordinários desenvolvimentos tecnológicos durante a segunda guerra mundial podem ter vindo de uma fonte extraterrestre semelhante. O que você sabe sobre isso?

PC: Sim. É verdade. Eu tinha cientistas alemães no meu time. Eu discuti isso com eles. Eu discuti isso com Oberth, com Werner von Braun (NASA). Eu fiz parte do Projeto Paperclip com o General Trudeau. Há um exemplo no livro. No meio do livro há uma fotografia de Edward O’Connor , um dos antigos amigos de pôquer do presidente Truman na Casa Branca – ele era um especialista em União Soviética – o General Trudeau, eu e Victor Fediay da Biblioteca do Congresso, que falava russo fluentemente. Fediay estava indo para a Rússia. Dei-lhe uma série de perguntas.

Eu disse a ele: Pergunte a um general da KGB na Rússia sobre estas questões [todas sobre UFOs]”.  Assim, Victor volta e diz: “Phil, eu perguntei-lhes as questões. Você sabe o que o general me disse? Ele disse, ‘Eu sei o que você quer. Mas você quer me matar?” Agora, isso foi na Rússia. A Alemanha? Sim. O Canadá e a Inglaterra também, e alguma coisa na Itália. Houve várias outras quedas de UFOs em outros lugares, e se juntaram material também. Os alemães estavam trabalhando nisso. Eles não conseguiram resolver o sistema de propulsão do UFO. Eles fizeram um monte de experiências com discos voadores. Eles tinham um que subiu 12.000 metros. Mas onde todos, nós e eles, ficamos de fora foi no sistema de orientação da espaçonave. Na divisão de Pesquisa & Desenvolvimento, foi que começamos a perceber que o ser alienígena que era o piloto era parte do sistema de orientação da espaçonave, parte do próprio aparelho em si mesmo (a sua consciência), até porque ele não tinha órgãos sexuais (n.t. todos os nove seres resgatados eram clones, produzidos pelos Greys e chamados de Corts). Isto foi o ponto onde a maioria dos pesquisadores se perderam.

roswell2

Acima Primeira manchete publicada em jornais locais (há exatos 65 anos, em JULHO de 1947) fala do resgate de um “Flying Saucer”, literalmente UM DISCO VOADOR. Abaixo: Notícia desmentida no dia seguinte pelo exército dos EUA, visando o acobertamento do fato.

Mais informações acesse o link:

  1. http://thoth3126.com.br/roswell-o-dia-depois-da-queda-de-um-ufo/;
  2. http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua/

ML: Você acha, então, que se vão desenvolver uma forma de viagens interestelares, teremos que desenvolver uma relação simbiótica semelhante com as nossas naves espaciais?

PC: O homem não pode viajar no espaço hoje. Os clones foram criados para viajar no espaço, especificamente. Eles podem viajar no espaço. Nossos músculos, os ossos, o nosso cérebro, não podem suportar uma viagem espacial, mesmo hoje. Nós não podemos fazê-lo ainda.

ML: Nós poderemos fazer isso de alguma forma?

PC: Bem, quando eles, os russos vão para a estação Mir, eles ficam lá dois ou três meses (houve casos superiores há um ano), e quando eles voltam, eles têm que ser levados. Seus ossos não agüentam. Se eles ficaram um pouco mais, eles nunca serão capazes de andar de novo. Mas a grande coisa que não se fala é [que] o cérebro é afetado por lá. [Pode ser essa a razão pela qual os cosmonautas russos continuam a errar sobre a sua missão e, assim, pôr em perigo a estação MIR? – Pergunta feita por Jeroen W.]

ML: Como é isso?

PC: A gravidade, a radiação cósmica- passa através daquele espaçonave orbital, a MIR. Olhe para o senador [John] Glenn (ex astronauta), ele viu “pirilampos” que vinham através de sua cápsula. Aquilo não eram vaga-lumes, mas eram uma espécie de coisa eletromagnética que veio por ali. Os seres alienígenas são criados especificamente para viajar no espaço (pelo menos os encontrados em Roswell).

ML: Falando do senador Glenn, meu entendimento é que ele é do tipo ambivalente sobre o assunto dos OVNIs. Como você definiria isso? 

PC: Ele me disse exatamente o que ele pensava. Eu me encontrei com o senador Glenn. Era para eu encontrá-lo durante meia hora, e ele me reteve durante uma hora e meia. Durante o decorrer da conversa, falamos sobre UFOs, e ele disse: “Coronel, eu sou agnóstico.” Eu disse: “Mas você não disse que não acredita”, e ele sorriu. Essa foi a sua palavra exata para mim – ele é agnóstico.

Então entramos no Project Horizon. Eu tinha todo o projeto [o documento], em 310 páginas, e que ele queria. Eu tive que dar a ele. Ele ficou surpreso quando viu que [já em] 1959, muito antes que ele subisse ao espaço na cápsula lunar, nós já tínhamos todos os planos feitos para colocar uma colônia militar na lua. O DoD (Depto de Defesa) retirou isso de nossas mãos. Eles não gostavam do Exército também, assim eles tomaram o projeto de nós e entregaram à NASA.

roswell-fbi-memorandum

Um documento oficial do FBI de 22 de março de 1950 afirma que a força aérea norte americana teria recuperado (recovered) três ovnis/UFOs, em ROSWELL, no estado do Novo México, cada um com três tripulantes, com cerca de 1 metro de altura, vestidos com uma roupa de tecido metálico.

Link para o documento: 

  1. http://vault.fbi.gov/UFO/UFO%20Part%208%20of%2016/view  na PÁGINA 34

ML: É possível hoje para qualquer civil por as suas mãos sobre o relatório Horizon Project? Como poderemos descobrir a verdade sobre esse assunto?

PC: É material não classificado (como secreto). Eu era o oficial de desclassificação. Há 50 páginas dele dentro do [meu] livro. Eu escrevi para a divisão histórica do Corpo de Engenheiros do Exército, e eu disse a eles onde os documentos estavam e que era, e eles o encontraram e me enviaram cópias do mesmo imediatamente. O original é em cores. Lindo. Eu gostaria de colocar minhas mãos nele (no original). [Corso folheia as páginas do seu livro através do apêndice enquanto ele fala.]

Olha, há um módulo lunar para alunissagem na Lua. Isso aconteceu em 1959. Os melhores cérebros do mundo trabalharam nisso, todos os alemães, a equipe toda de Werner von Braun, que trabalhou para isso. Eu conversei com um alemão, em Huntsville, Alabama, há alguns meses atrás, e ele disse: “Eu me lembro disso. Eu trabalhei nisso.” O Horizon Project era um documento impressionante. E aqui estão as instruções gerais do General Trudeau que começou tudo. Ultimamente, o meu amigo cientista do Instituto de Estudos Avançados no Texas [provavelmente uma referência ao Dr. Hal Puthoff ] teve uma reunião com os cientistas [top] na NASA, e ele jogou o Horizon Project sobre a mesa, e ele diz que eles ficaram chocados. Eles não podiam acreditar. Eles nunca souberam nada sobre ele. O DoD (Depto de Defesa) matou o projeto, e a CIA também teve uma participação em fazê-lo.

ML: Ainda há poucos dias, a Força Aérea emitiu sua última explicação oficial do que aconteceu em Roswell. Tenho certeza que você deve ter dado algumas risadas sobre isso. Como você está respondendo a isso? E como a imprensa o esta tratando, agora que você já assumiu a sua posição de forma clara e, agora, que a Força Aérea-USAF já disse, mais uma vez, que é tudo um monte de bobagem?

PC: Estão me tratando melhor do que eu esperava. Eu esperava críticas. Assim como da Força Aérea, nós lutamos juntos na Coréia. Eu tenho um monte de amigos na Força Aérea, e não vou criticar um serviço coirmão. Mas vou criticar seus superiores, o secretário da Força Aérea e assim por diante. Espanta-me e eu não posso compreender por que eles fazem isso. Eles não deviam mais fazer isso. Por que eles querem ser vistos como tolos? Mesmo as crianças pequenas estão me dizendo, “manequins, manequins”?  e, em seguida, eles riem. Eu não posso compreender por que eles tratam do assunto desse modo. O que eles tem em mente? Se eu tivesse escrito algo como isso, o General Trudeau teria me jogado para fora pela janela superior do Pentágono.

ML: E sobre o problema com o prefácio do seu livro do senador Strom Thurmond? O editor Simon and Schuster emitiu um pedido de desculpas sem graça, dizendo que eles vão retirar fora o prefácio de Thurmond de futuras impressões do livro. Qual foi o seu entendimento com o senador?

PC: Eu conheço Strom Thurmond por quase uma vida inteira. Ele é um indivíduo honesto, sincero e muito corajoso. Nós sempre estivemos próximos. Descobri recentemente o que sua equipe fez. Eu não acho que o velho sabia disso, e acho que o velho homem acabará por me ligar. Nós fomos muito próximos por muitos anos também. Enviei o prefácio original para o outro livro [Thurmond escreveu um prefácio para um livro intitulado “I Walked With Giants”-Eu Andei com Gigantes] de volta para o senador, e eu lhe disse: “Se você quiser me enviar outra declaração para este novo livro, isso é bom. Se você não quiser, tudo bem também. “Eu discuti com ele sobre UFOs. Eu dei a ele uma cópia do Project Horizon. Cerca de uma semana depois, não só eu recebi as duas páginas que estão no livro, mas eu também tenho uma nota dele, que autoriza Simon and Schuster a imprimi-lo. Bill Birnes tem tudo isso. Ele tem o prefácio original – o que enviei antes – e ele tem um novo.

ML: Bill Birnes me disse quando cheguei aqui hoje que ele estava sob a impressão de que Thurmond ou, talvez, a sua equipe foi pressionada a partir de cima para retroceder com isso.Você pode dizer algo sobre isso?
[Filho do coronel Corso, presente durante toda a entrevista, fez sinais com as duas mãos muito visíveis para o coronel, neste ponto, indicando que o coronel não devia responder a esta pergunta.] .
PC:  Não é possível verificar de uma forma ou de outra.

ML: Perdoe-me, coronel, se eu perguntar ao Sr. Birnes para me dizer algo sobre isso. [Birnes estava no quarto envolvido em uma conversa lateral neste momento.] Bill, o coronel acaba de recusar abordar a questão de saber se o senador Thurmond ou a sua equipe poderia ter sido pressionada por superiores. Você indicou que ele poderia ter sido. Você pode explicar?

Bill Birnes: Este é apenas o meu entendimento e a partir de histórias de que ouvi. O pessoal realmente não tinha conhecimento do acordo que o coronel Corso e o senador fizeram sobre o prefácio do livro. Foi um acordo entre dois amigos, mais do que de dois colegas de trabalho. O pessoal do senador ficou fulo quando descobriu. Em outras palavras, “Como se atreve a fazer algo sem consultar a sua equipe sobre o que você está escrevendo?”  Assim, a reação preliminar imediata dos funcionários foi: “Oh não, este foi o prefácio para o livro “I Walked With Giants”.

O que o pessoal não sabia era que o Coronel Corso mandou o primeiro prefácio de volta para o senador e conseguiu um novo prefácio em troca. Tenho cópias de ambos. Então, obviamente, eles não estavam no circuito. Quando lhes foi dito que este é um novo prefácio que o senador escreveu, a história mudou imediatamente. “Bem, não fomos informados, e nós não podemos fazer isso.” Finalmente, um dos membros da equipe do senador disse: “Vocês não entendem que o senador não pode sair na capa do livro, escrever um prefácio, um livro que diz que o governo dos Estados Unidos utilizou a tecnologia alienígena para vencer a Guerra Fria? Não Vocês não percebem que este homem é o quarto na linha para suceder o presidente? Você não sabe que este homem é o presidente do Comitê de Serviços Armados do Congresso.

Não, ele não pode dar esse prefácio. “Então eles foram ao editor Simon and Schuster e disseram: “Você tem que mudar a capa do livro. Tirá-lo da prateleira, tirar o prefácio do senador e fazer uma nova capa.” A Simon and Schuster disse absolutamente que não. Então eles deixaram tudo muito claro para a Simon and Schuster, dizendo: “Vocês fazem parte de um grande conglomerado. Seu grande conglomerado tem de lidar com os órgãos reguladores do governo dos EUA. [De acordo com Birnes, Simon and Schuster que é de propriedade da Paramount, que por sua vez é propriedade da Viacom.] Vocês realmente querem estar nesta posição? A Viacom vai antes da FCC. Vocês tem um eleitorado de acionistas para quem vocês tem que responder.

ML: Você está sugerindo que foi chantagem política?

BB: Foi absolutamente chantagem política

ML: É possível verificar se isto é o que estava acontecendo?

BB: Eu tenho que dizer que este é o meu entendimento do que estava acontecendo por causa de discussões confidenciais que tive com o pessoal legal (advogados) da Simon and Schuster, e de declarações que os membros da equipe fizeram para a família Corso no que diz respeito à pressão que estava sendo colocada sobre eles para obterem a retirada desse prefácio do livro. O que eu sei de fato é que eles exigiram que a Simon and Schuster retirassem o livro das prateleiras. A Simon and Schuster se recusou e disse que tinha uma autorização assinada.

Então [o pessoal do staff do senador] voltou e disse: “Por uma questão de cortesia, se dissermos que o senador não havia entendido realmente sobre a natureza do livro …” e Simon and Schuster, disse, “Bem, se é uma questão de cortesia, então certamente podemos entender que, no calor do material que passa pelas nossas mãos e para trás, mal-entendidos podem acontecer.” Então, esse foi o acordo  básico.

ML: Então, uma vez que as sutilezas da linguagem foram usadas, o acordo era que o prefácio seria retirado das futuras impressões do livro?

BB: Sim, exatamente. Mas ele permanecerá como está, com esta capa, para esta impressão.

ML: Cortando para outras notícias, há uma história que estourou aqui ontem de manhã [sexta-feira 4 de julho] sobre um objeto que tinha sido testado por vários cientistas. Seu conteúdo era quase inteiramente de silício puro, com pequenos traços de metais como o germânio e zinco. Isso parece muito com algum tipo de artefato em estado sólido, e se mostrou com proporções altamente anômalas de isótopos que um cientista disposto a dizer sobre o artefato é que ele tinha a aparência de manufatura extraterrestre. Isso pode ser comparado com algo que você viu no Pentágono, coronel?

PC: Eu não sei nada sobre isso. Nem sequer soa familiar para mim.

ML: De acordo com o seu livro, você passou a maior parte de seu tempo lidando com os artefatos e os restos do incidente alienígenas de Roswell, mas e sobre os alienígenas envolvidos, e sobretudo, qual a situação sobre os Aliens hoje em dia? Qual é a natureza da presença alienígena, se houver, sobre a Terra hoje?

PC: Do meu conhecimento, no momento, eu não sei de qualquer presença alienígena na Terra. Há ainda relatos de discos voadores, claro, mas eu não sei de nenhum relatório de um corpo ou organismo vivo, ou qualquer um que o tenha visto [um alienígena] recentemente.

ML: O que você acha sobre pessoas abduzidas, como as que se dizem realmente estar vendo essas criaturas?

PC: Os meus relatórios são de 35 anos atrás. Se há alguma coisa (em 1997) agora, eu não estou ciente disso. Eu sei exatamente o que eu vi naqueles dias, e a verdade como eu a vivi. Se há algum alienígena agora, eu gostaria de vê-los. Eu não sei onde eles estão. Eu gostaria de ver se eles se comparam com os que eu vi.

[Devido a outros compromissos do coronel naquele dia, a entrevista terminou aqui.]

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

45 Responses to O Caso da queda de UFO em Roswell – Entrevista com Philip J. Corso

  1. ALEX

    Bem impressionante os relatos do coronel…
    mesmo com tantas informações nos dias de hj e sempre bom saber de pessoas que poderam presenciar e vivenciar os acontecimentos da época …

    Sempre que posso venho acompanhado suas entrevista e vejo o quanto e superficial as informações que nós são passadas pelos governos, e vejo esses homens com coragem de expor as verdadeiras historias.

  2. Joao

    Claramente ele desconversa que não há aliens aqui no final da entrevista.. pq ele não quer adiar sua morte

  3. ISAIAS

    A Bíblia, em sua linguagem original, é toda alienígena. Basta lê-la não misticamente. Veja o livro de Ezequiel capítulo 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *