browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

ROSWELL: a queda de UFOs nos EUA, final.

Posted by on 24/08/2015

roswellivrocorso

ROSWELL: O dia depois da Queda do UFO – CAPÍTULO VII do livro ”The Day After Roswell”, parte final.

Capa do livro do Coronel Philip J. Corso  sobre o caso ROSWELL, a queda e o resgate pelo exército dos EUA de dois (foram três) UFOs e seus (seriam nove, um ainda VIVO) tripulantes, em julho de 1947, em Roswell, Novo México.  

Fonte – CAPÍTULO VII do livro ”The Day After Roswell“ http://www.bibliotecapleyades.net

Sobre a história pessoal do Coronel Philip J. Corso ver mais em: http://en.wikipedia.org/wiki/Philip_J._Corso

A ENTIDADE EBE (Extraterrestre, continuação do capítulo VII) 

FonteCAPÍTULO VII do livro “The Day After Roswell

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Assim, não havia nenhuma maneira para os médicos avaliarem a natureza dos lóbulos cranianos, ou “esferas”, como eles chamavam no relatório.  Assim, apesar da especulação desenfreada sobre a natureza poderosa dos cérebros das criaturas – projeção de pensamento, poderes psicocinéticos, telepatia e assim por diante – não existiam provas concretas de nada, e os relatos eram muito claros em dados científicos reais.

Quando a possibilidade de alguns indícios sobre o funcionamento especial do cérebro alienígena existir havia o que eu me referi nos meus relatórios como as “Tiaras“. Entre os artefatos que foram recuperados nos destroços da aeronave estavam os dispositivos que se pareciam com “Tiaras”, mas que não tinham nem adornos, nem a decoração semelhante a qualquer tipo de tiara humana. Incorporado às “Tiaras” por algum tipo muito avançado de processo de vulcanização, com um tipo de plástico flexível, estavam o que sabemos agora serem condutores elétricos, ou sensores, semelhantes aos condutores em um eletro encefalograma ou polígrafo.

Estas faixas/tiaras eram montadas em torno da parte do crânio alienígena logo acima das orelhas, onde o crânio começava a se expandir para acomodar o grande cérebro. Na época, os relatórios do local do acidente e posterior análise em Wright Field indicaram o que os engenheiros da Air Materiel Comand pensaram que eles poderiam ser dispositivos de comunicação, como microfones na garganta que os nossos pilotos usavam durante a Segunda Guerra Mundial. Mas, como eu iria saber quando eu avaliei o dispositivo e o enviei para o mercado de engenharia reversa, ele tanto era um microfone de garganta assim como se uma forma de caneta primitiva pudesse ser considerada a precursora da impressora de imagens a laser em cores.

O Patche símbolo do Esquadrão de Bombardeio 509° (com a figura de um ET !!) que participou do resgate do caso Roswell. Patches são insígnias. Aqueles elementos bordados que militares usam para demarcar suas missões. Em geral, grupos táticos, e esquadrões possuem seus próprios patches. O moto em latim “Gustatus similis pullus” significa ESTRANHAMENTE “GOSTO DE FRANGO”!!!! (parece que alguem andou degustando extraterrestres…)

Basta dizer que nas poucas horas em que o material estava em Walker Field, em Roswell, mais do que um oficial do Esquadrão 509° deslizou cautelosamente essa coisa sobre a sua cabeça e tentou descobrir o que ele fazia. No início ele não fazia nada. Não havia nenhum botão, sem opções, sem fios, nada que poderia até ser considerado como tendo sido um painel de controle. Assim, ninguém sabia como ligar ou desligar aquela coisa. Além disso, a Tiara não era realmente ajustável, apesar de ter a elasticidade suficiente para ser de tamanho único para as criaturas cujos crânios eram grandes o suficiente para acomodá-los. No entanto, os relatos que eu li sobre o dispositivo declarava que os poucos oficiais militares cujas cabeças eram grandes o suficiente para terem feito conexão com a gama completa de condutores do aparelho, tiveram o maior choque de suas vidas até então.

Em suas descrições da Tiara, esses oficiais relataram de tudo, desde uma sensação de formigamento baixo dentro de suas cabeças até uma dor de cabeça lancinante e um conjunto breve de uma dança de luzes ou cores explodindo no interior de suas pálpebras na medida em que giravam o dispositivo ao redor de suas cabeças e colocavam os sensores em contato com diferentes partes de seu crânio/cérebro. Estas impressões das testemunhas em seus relatórios sugeriram-me que os sensores estimulavam diferentes partes do cérebro, enquanto ao mesmo tempo, trocavam informações com o cérebro.

Novamente, usando a analogia de um eletro encefalograma, esses dispositivos eram um mecanismo muito sofisticado para traduzir os impulsos elétricos do cérebro das criaturas alienígenas em comandos específicos (comando SIMBIÓTICO). Talvez esses dispositivos na cabeça compusessem a interface do piloto com o sistema de navegação e propulsão da espaçonave, combinada com um dispositivo de comunicações de longo alcance.

roswellivrocorso

Capa do livro cujo capitulo VII é aqui apresentado

No começo eu não sabia, mas foi só quando começou o desenvolvimento do projeto de pesquisa sobre as ondas cerebrais, já no fim do meu mandato no Pentágono que eu percebi o que tinha na mão, o que era aquele aparelho semelhante a uma Tiara e como ela poderia ser desenvolvida. Demorou um tempo para colher essa tecnologia, mas cinquenta anos depois de Roswell, novas versões destes dispositivos se tornaram um componente do sistema de controle de navegação para alguns dos helicópteros mais sofisticadas do exército e em breve estará no mercado americano de produtos eletrônicos de consumo como dispositivos para entrada do usuário para jogos de computador pessoal.

Os primeiros analistas e engenheiros do Exército e da Força Aérea, tanto no 509° e em Wright Field também foram atormentados pela falta de controles tradicionais e sistema de propulsão na espaçonave acidentada e recuperada na região de Roswell. Olhando para os seus relatórios e os artefatos recuperados a partir da perspectiva de 1961, porém, eu imaginei que as chaves para compreender o que fazia a embarcação decolar e voar o seu vôo não estava só dentro da nave em si, mas também na relação entre os pilotos e as embarcações. Se aceitássemos a hipótese de um sistema teleguiado por ondas cerebrais (um sistema SIMBIÓTICO entre a espaçonave e o piloto), que seria o mais específico com a assinatura dos pilotos eletrônicos assim como estaria com o da espaçonave, então nós estávamos olhando para um conceito totalmente revolucionário de vôo orientado em que o (a sua mente) piloto era o sistema.

Imagine dispositivos de transporte em que a chave da ignição é um código digitados derivado de sua assinatura eletroencefalograma de seu cérebro e que é lida automaticamente pelo dispositivo posto em sua cabeça (aquele com formato de Tiara). Esse era o modo que eu acreditava que a espaçonave/sonda navegaria, pela interação direta entre as ondas eletrônicas geradas nas mentes dos pilotos e os controles de direção da embarcação. Os sinais eletrônico emitidos pelo cérebro seriam interpretados e transmitidos pelos dispositivos de tipo Tiara, que serviria de interfaces.

Sobre comandos SIMBIÓTICOS espaçonave-piloto ver mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/apolo-xx-missao-secreta-nave-mae-gigantesca-e-cidade-alienigena-na-lua/
  2. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  3. http://thoth3126.com.br/roswell-entrevista-com-o-coronel-philip-j-corso/
  4. http://thoth3126.com.br/area-51-entrevista-de-david-adair-parte-2/

Eu nunca consegui obter uma cópia da  autópsia do corpo alienígena feita em Bethesda Naval Medical Center que a Marinha recebeu do General Twiningeu só tinha o relatório do Exército. Os corpos restantes foram mantidos em armazenagem inicialmente em Wright Field. Em seguida, eles foram divididos entre a Marinha, Exército e Força Aérea. Quando a força aérea se tornou um ramo separado do serviço militar dos EUA, os corpos restantes, armazenados em Wright, junto com a espaçonave, foram enviados para a Norton Air Force Base, na Califórnia, onde a Força Aérea começou experimentos para replicar a tecnologia do veículo. Isso fazia sentido. A Força Aérea se preocupava com as capacidades de vôo da nave e de descobrir como construir defesas contra ela e sua tecnologia.

Experimentos foram realizados em Norton Air Force Base e, finalmente, na Base Aérea de Nellis, em Nevada, na famosa (depois conhecida como  ÁREA 51Base de Groom Lake, onde a tecnologia Stealth foi desenvolvida. O Exército cuidou apenas dos sistemas de armas a bordo da espaçonave e de como eles poderiam serem re-projetados para nosso próprio uso. A nave original recolhida em Roswell manteve-se em Norton, porém, onde a Força Aérea e a CIA mantinham uma espécie de museu de tecnologia alienígena, foi o local do repouso final da nave espacial de Roswell. Mas experiências replicadas com tecnologia de uma nave alienígena continuaram a ser feitas através dos anos, os engenheiros tentaram adaptar os sistemas de propulsão e de navegação para o nosso nível de tecnologia. Isso continua até hoje quase à olhos vistos para pessoas com nível de certificado de segurança que são levados para onde os veículos são mantidos em suas bases secretas.

N.T. Abaixo o maior campo de testes militares do planeta, com base militar subterrânea, no estado de Nevada-EUA: a ÁREA 51 

area51satelite

ÁREA 51 é uma base militar, e um destacamento remoto da Edwards Air Force Base . Ela está localizada na porção sul do estado de Nevada no oeste dos Estados Unidos, 83 milhas (133 km) a norte-noroeste da cidade de Las Vegas. Situado no centro, na costa sul de Groom Lakeé um aeroporto militar de grande porte. É objetivo principal  da base apoiar o desenvolvimento e testes de aeronaves experimentais e sistemas de armas. 

A base se situa dentro do grande campo de treinamento e teste nuclear no estado de Nevada da Força Aérea dos Estados Unidos-USAF. Embora as instalações do local serem geridas pela Base Aérea Wing 99 na Nellis Air Force Base, a instalação de Groom Lake aparenta ser comandada como um adjunto do Centro de Teste de Vôo da Força Aérea  (AFFTC) na Edwards Air Force Base, no Deserto de Mojave, cerca de 186 milhas (300 km) a sudoeste de Groom Lake e como tal a base é conhecido como Air Force Flight Test Center (Destacamento 3).  

Embora o nome ÁREA 51 seja usado em documentação e documentos oficiais da CIA e governo dos EUA, outros nomes utilizados para as instalações incluem Dreamland ( Terra dos Sonhos !!), Paradise Ranch ,  Home Base , Faixa de Watertown , Groom Lake , e, mais recentemente Aeroporto Homey.  A área é parte da Área de Operações Militares Nellis , e o espaço aéreo restrito ao redor do campo é referido como (R-4808N), conhecida pelos pilotos militares na região como “The Box” ou ” A CAIXA”. O segredo intenso em torno da base, a própria existência da qual o governo dos EUA quase não reconhece, a tornou alvo freqüente de teorias da conspiração e um componente central para o folclore sobre objetos voadores não identificados – UFOs/OVNIs.


Ao longo dos anos, os veículos replicados com a tecnologia alienígena, tornaram-se uma saga em curso, em um círculo interno no topo do ranking entre os oficiais militares e membros do governo, especialmente os senadores e os membros da Câmara que votam favorecendo as linhas orçamentárias e interesses dos militares. Aqueles para quem são mostrados os segredos são imediatamente vinculados pela legislação nacional de sigilo e não podem revelar nada do que viram. Assim, a camuflagem oficial é mantida, apesar do grande número de pessoas que realmente sabem a verdade. Eu admito que nunca vi a espaçonave da Norton Air Force Base com meus próprios olhos, mas li e vi o suficiente em relatórios passados através de minha mesa durante meus anos sobre a área de Tecnologia Alienígena de forma que eu sabia do que se tratava o segredo e como ele foi mantido ao longo desses anos todos.

Não houve explicações tecnológicas convencionais para a forma como o sistema de propulsão das espaçonaves de Roswell operavam. Não havia motores atômicos, nem foguetes, nem jatos, nem qualquer forma de propulsão por hélice. Aqueles de nós que trabalhávamos em Pesquisa & Desenvolvimento de todos os três (Marinha, Força Aérea e Exército) ramos do serviço militar tentaram por anos adaptar o sistema de propulsão da espaçonave para a nossa própria tecnologia, mas, até os anos 1960 e 1970, ficamos aquém de conseguirmos operacionalizar algo idêntico. A espaçonave alienígena era capaz de deslocar a gravidade através da propagação de ondas magnéticas, controlada pelo deslocamento dos pólos magnéticos em volta da nave, de modo a controlar, ou vetorizar, não um sistema de propulsão, mas a força de repulsão de cargas iguais (mesma polaridade) existentes no próprio planeta.

Uma vez que isso foi percebido, os engenheiros que trabalhavam para as empresas com contratos do (fabricantes de armamentos e desenvolvimento de tecnologias para uso militar) nosso governo federal para a defesa preliminar do país discutiram entre si para descobrir como a embarcação poderia conservar a sua capacidade elétrica e como os pilotos que nela navegassem pudessem viver dentro do campo de energia de uma onda magnética dentro da qual a espaçonave se deslocava. A questão não era apenas uma grande descoberta científica, mas a chance fantástica de contratos para o desenvolvimento multibilionário para toda uma nova geração tecnológica de aviões/aeronaves militares, navios  e outras embarcações e de submarinos.

As primeiras revelações sobre a natureza da espaçonave e sua interface com o piloto veio muito rapidamente durante os poucos primeiros anos de testes nas instalações da Base Norton. A força aérea descobriu que todo o veículo funcionava apenas como um capacitor gigante. Em outras palavras, o próprio veículo armazenava a energia necessária para propagar as ondas magnéticas que o deslocava em vôo, permitindo-lhe atingir velocidade de escape da gravidade da Terra, e permitindo-lhe atingir velocidades de mais de sete mil milhas (onze mil e duzentos quilômetros) por hora.

roswellEBE1

Um dos corpos recuperados na queda de UFOs em Roswell

Mesmo com essa velocidade, os pilotos não seriam afetados pela enorme força-G que se acumula na aceleração de aeronaves convencionais, pois para os tripulantes alienígenas no interior de sua aeronave, era como se a gravidade estivesse a ser dobrada ao redor do exterior da onda magnética que a espaçonave estava envolvida. Talvez fosse como viajar no interior do olho de um furacão, onde tudo é absolutamente calmo. Mas como os pilotos faziam a interface com a forma de onda que eles estavam gerando?

Eu relatei ao General Trudeau que o segredo para este sistema podia ser encontrado no macacão de peça única skin-tight que as criaturas vestiam. O alinhamento longitudinal atômico do estranho tecido era uma pista para mim que de alguma forma os pilotos passaram a fazer parte do armazenamento e geração elétrica da própria aeronave em si mesmo. Eles não apenas navegavam ou pilotavam o veículo, mas que se tornavam parte do circuito elétrico do mesmo, com uma vetoração de uma forma semelhante à maneira como você “pedir” a um músculo voluntário de seu corpo para se mover. O veículo era simplesmente uma extensão do próprio corpo dos alienigenas, porque estava “amarrado” em seus sistemas neurológicos de formas que ainda hoje estamos apenas começando a entender e utilizar.

roswell-ufocrash

Uma das espaçonaves recuperadas no incidente de Roswell.

Então as criaturas eram capazes de sobreviver por longos períodos vivendo dentro de uma onda de alta energia, tornando-se o circuito primário no controle da onda. Eles estavam protegidos por suas vestimentas, à qual eles se uniam da cabeça aos pés, mas seus macacões lhes permitiam se tornarem unos com o veículo, literalmente, parte da onda.

Em 1947, esta era uma tecnologia tão nova para nós que era tão assustadora assim como frustrante. Se pudéssemos desenvolver a fonte de energia necessária para gerar uma onda magnética bem definida de forma consistente ao redor de um veículo, podíamos ter aproveitado uma tecnologia que teria ultrapassado todas as formas de foguete e propulsão a jato. É um processo que ainda estamos tentando dominar ainda hoje, cinquenta anos (isso em 1997) depois que a espaçonave caiu em nosso poder.

Eu me esforcei a terminar durante a noite para completar o relatório para o General. Pelo menos eu queria que ele visse que a nossa estratégia estendeu a probabilidade de que mesmo que apenas em uma avaliação básica do material recuperado foram cobertas, as sementes estavam lá para produzir produtos específicos que poderíamos desenvolver no futuro. Eu queria começar o processo inteiro, escrevendo-lhe um relatório de fundo sobre a natureza dos seres que nós autopsiamos e o que poderíamos entender da tecnologia a partir de uma análise de suas naves espaciais recuperadas.

No momento em que eu terminei, já estava um pouco antes do Sol nascer e eu parecia ter saído do inferno. Este era o dia que eu ia largar o meu relatório final na mesa do General Trudeau, a primeira coisa que eu faria. Eu tinha direito de pedir a atenção dele na sua frente e dizer: “Aqui está o relatório que você estava esperando, General”, confiante de que continha mais do que ele jamais havia pensado que seria porque o assunto era tão  novo e complicado. Mas eu queria estar barbeado e com uma clara e limpa camisa. Isso era o que eu queria. Eu nem sequer precisava dormir porque o meu otimismo e confiança naquele momento eram mais poderosos do que qualquer coisa que poucas horas de sono poderia me dar. Eu sabia que estava metido em algo aqui, algo que poderia mudar o mundo.(N.T. E mudou o mundo só que a maioria das pessoas não percebeu…)

Aqui no porão do Pentágono, permanecendo em dormência latente por mais de uma década, estavam segredos que meus antecessores tinham apenas começado a descobrir antes de serem paralizados. Talvez tivesse sido a Guerra da Coréia, talvez a CIA ou outra agência de inteligência havia lançado um véu sobre a operação de Pesquisa & Desenvolvimento, mas esses dias acabaram agora. Eu estava na mesa de Tecnologia dos Negócios Alienígenas e a responsabilidade sobre este material era minha, como o General Twining havia dito que deveria ser 14 anos atrás.

roswell-FBI-memorandun

Nota do tradutor: Acima um documento oficial do FBI de 22 de março de 1950 afirma que a força aérea norte americana teria recuperado (recovered) três óvnis/UFOs, em ROSWELL, no estado do Novo México, cada um com três tripulantes, com cerca de 1 metro de altura, vestidos com uma roupa de tecido metálico. 

Linkhttp://vault.fbi.gov/ na PÁGINA 34

Nestas gavetas eu tinha encontrado as peças do puzzle para uma nova idade da tecnologia humana. Coisas que eram apenas idéias cintilantes nas mentes dos cientistas e engenheiros estavam bem aqui na minha frente, artefatos tão duros e frios de uma cultura alienígena avançada (pelo menos tecnologicamente falando). Aeronaves que navegaram pelo espaço movidas por ondas cerebrais e flutuavam em uma onda de energia eletromagnética, criaturas que olham através de dispositivos que ajudavam a transformar a noite em dia, e feixes de luz de forma restrita e concentrada (laser) que não se podia vê-los até que ricocheteassem em um objeto distante .

Durante anos os cientistas haviam pensado sobre como seria gostar de viajar no espaço, especialmente desde que os russos colocaram as suas sondas Sputnik em órbita da Terra. Planos para uma Base militar na Lua operada pelo Exército dos EUA tinham sido desenvolvidos na década de 1950 sob a liderança do General Arthur Trudeau em P & D, mas acabaram por serem arquivados por causa da criação/formação da NASA. Esses planos tinham tentado enfrentar as questões das viagens espaciais por longos períodos de tempo e adaptação do ser humano a um estado de baixa gravidade na lua.

philipcorso

Coronel Philip J, Corso

Mas aqui, bem em frente de nós, havia uma evidência de como uma cultura alienígena havia se adaptado às viagens longas em escala espacial, interestelar, gravidades diferentes, e a exposição a partículas de energia cósmica e as ondas de energia quebrando em uma nave espacial aos bilhões.Tudo o que tínhamos a fazer era empacotar a vasta gama de recursos nas Forças Armadas e da indústria bélica em Planejamento & Desenvolvimento disponível e literalmente “colhermos” a tecnologia alienígena. Estava tudo preparado para nós, se soubéssemos como usá-la. Este foi o início e eu estava ali à frente dela.

Então, os primeiros minutos de luz fraca apenas surgiram no limite do horizonte, uma promessa do dia por vir, eu fui para casa, para um banho, fazer a barba, tomar um bule de café, e pôr o mais novo uniforme que eu poderia encontrar. Eu estava dirigindo para o leste, para o alvorecer de uma nova idade, o meu relatório estava à direita, ao meu lado na minha maleta no banco da frente. Haveria outros relatórios e os detalhes de projetos de longo prazo complicados para eu enfrentar no futuro, eu sabia, mas este foi o primeiro, era a fundação, o feixe de luz em um passado oculto e um futuro incerto. Mas era uma luz, e é isso que era importante.

Não há mais tempo para dormir agora. Havia (e existe) muito o que fazer.

Fim do sétimo capítulo.

“DESPERTA, TU QUE DORMES, e levanta-te dentre os MORTOS (INCONSCIENTES), e CRISTO te esclarecerá. Portanto, vede prudentemente como andais, não como NÉSCIOS, mas como SÁBIOS   Efésios 5:14,15

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

34 Responses to ROSWELL: a queda de UFOs nos EUA, final.