browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Rússia e China assinaram acordo de $ 400 bilhões

Posted by on 10/11/2014

china-russia-agreement

Acordo com China sinaliza ‘guinada a leste’ da Rússia. Os dois países assinaram acordo bilateral para fornecimento de gás e petróleo de cerca de US$ 400 bilhões

A China é o parceiro comercial mais importante da Rússia: cerca de dois terços das importações chinesas do país são de petróleo ou gás natural. Um novo acordo bilionário de exportação de petróleo e gás, selado nesta quarta-feira entre os dois países, no valor de quase meio trilhão de dólares, reforça a importância desta relação.

Edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

Acordo com China sinaliza ‘guinada a leste’ da Rússia. Os dois países assinaram acordo bilateral para fornecimento de gás e petróleo de cerca de US$ 400 bilhões

Jonathan Marcus, analista diplomático da BBC 

Fontehttp://www.bbc.co.uk

É um acordo que vinha sendo forjado há muito tempo, com os chineses hesitantes sobre os custos. Mas os valores contam apenas parte da história. O acordo acontece em um momento em que as tensões entre a Rússia e o Ocidente (Europa e EUA) aumentaram, principalmente por causa da crise na Ucrânia.

E o problema não é só a Ucrânia: há diferenças fundamentais entre os dois lados a respeito da Síria e sobre a direção para a qual o presidente Vladimir Putin está conduzindo o seu país. De fato, em alguns momentos Putin parece estar posicionando a Rússia como um polo alternativo em relação ao que ele parece considerar valores decadentes do Ocidente.

Portanto, o acordo entre a estatal russa Gazprom e a chinesa Corporação Nacional de Petróleo pode simbolizar um momento importante de transição, quando, tanto em termos econômicos quanto geopolíticos, o olhar da Rússia começa a se voltar mais para o Oriente do que para o Ocidente.

RÚSSIA-Putin-Chess-master

Mas a “guinada oriental” da Rússia também tem seus problemas. Mesmo que o país se considere uma potência “eurasiática” em termos geográficos, Pequim é claramente um ator em ascensão.

O papel da Rússia é de um importante fornecedor de energia – o país também vende quantidades significativas de petróleo e gás para o Japão e a Coreia do Sul -, o que lhe permite uma participação importante na região.

Entenda o acordo

  • No dia 21 de maio, o presidente russo Vladimir Putin assinou um acordo que prevê 30 anos de fornecimento de gás natural para a China.
  • O acordo, entre a estatal russa Gazprom e a Corporação Nacional de Petróleo da China (CNPC, na sigla em inglês), foi negociado durante dez anos.
  • A Rússia vem tentando encontrar mercados alternativos para o seu gás natural, diante da possibilidade de sanções europeias por causa da crise na Ucrânia.
  • O valor oficial do acordo não foi divulgado, mas acredita-se que seja de mais de US$ 400 bilhões (R$ 884 bilhões).
  • O novo contrato deve garantir o envio de cerca de 38 bilhões de metros cúbicos de gás por ano para a China, a partir de 2018.
Russia-mapa

A vastidão e a riqueza em recursos naturais da Rússia são inegáveis

Mas isso também pode ser encarado de maneira diferente: uma tendência que enfatiza o papel crucial das exportações energéticas nas finanças russas – uma dependência que pode facilmente se tornar tanto uma fraqueza quando uma força. De fato, o tempo que foi necessário para que Moscou chegasse a esse acordo com Pequim pode mostrar com quem está o real poder de negociação.

Em nível estratégico, a Rússia parece estar reforçando seus laços militares com Pequim. Exercícios navais conjuntos foram realizados no mês de maio/2014.

Mas dada a miríade de tensões na região causadas pela escalada marítima da China e sua crescente disputa em questões regionais, uma aliança mais próxima com Pequim pode ser pouco interessante, já que pode dificultar o avanço nas relações com outros atores regionais, como o Japão.

O momento em que esse acordo foi feito reforça inevitavelmente seu significado geopolítico, mas ainda é muito cedo para delinear as verdadeiras consequências da crise ucraniana. Para começar, não sabemos exatamente como ela vai terminar.

Moscou pode ter desistido de uma intervenção militar em grande escala, mas é difícil enxergar qualquer mudança na visão de longo prazo de Putin para uma Ucrânia enfraquecida como um Estado-tampão entre a Rússia e o Ocidente.

russia-obama-World-Famous-Bear-Trainer

Diferentes afirmações estão sendo feitas no momento: que a era pós-Guerra Fria chegou ao fim; que os países europeus certamente tentarão reduzir significativamente a dependência da energia; que a missão principal da OTAN foi reafirmada e que a aliança militar ocidental teve sua vida útil estendida. Uma mudança de foco da política russa em direção ao Oriente pode ser parte disso.

Todas essas afirmações podem ser verdadeiras, mas ainda é cedo para dizer. A Rússia continua sendo, em parte, uma potência europeia, ansiosa por salvaguardar os direitos das minorias em uma variedade de países na região que o país considerava seu “exterior próximo” ou seu quintal. Isso, também, não deverá mudar.

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

5 Responses to Rússia e China assinaram acordo de $ 400 bilhões

  1. Gregorio

    Sinceramente, uma terceira guerra mundial é inevitável, mas eu acho que ela só vai começar quando o foro de são paulo instituir a UNASUL (ou pátria grandre), ai nós teremos a américa latina,russia (e alguns países que fazem fronteira com ela), e a china além de outros países, contra a europa, américa do norte, e alguns países asiáticos (japão e coreia do sul) mais outros países (austrália e canada).
    No fim acho que a china vai se tornar a maior potência mundial e o inicio da guerra vai ser entre 2016-2018 na minha opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *