browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Terra JÁ esta no início de uma SEXTA EXTINÇÃO em massa

Posted by on 25/11/2016

the-end-fim-terra-extinçãoTerra está à beira de uma sexta extinção em massa, dizem os cientistas, e a culpa é dos seres humanos

Os cientistas dizem que a Terra está à beira de um sexto “evento de extinção em massa”. Só que desta vez, o culpado não é um impacto de um  gigantesco asteróide ou explosões vulcânicas ou a inexorável deriva dos continentes. Somos nós, os seres humanos que estaríamos provocando o sexto evento de extinção em massa no planeta.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O Planeta Terra está à beira de uma sexta extinção em massa, dizem os cientistas, e a CAUSA é provocada pelos seres humanos

washingtonpost-logoPor Sarah Kaplan – Washington – EUA

“Estamos agora nos movendo rapidamente em mais um desses eventos que poderiam facilmente arruinar com a vida de todos e tudo no planeta”, declarou o biólogo Paul Ehrlich, de Stanford University, em um vídeo criado pela universidade.

Um grande pedaço de rocha espacial cai na Península de Yucatan, no hoje México, escurecendo o céu com detritos e condenando três quartos das espécies da Terra à extinção. A convergência dos continentes interrompe a circulação dos oceanos, tornando-os com água estagnada e tóxicos para tudo o que vive neles. Vastos planaltos vulcânicos entram em erupção, preenchendo o ar e a atmosfera com gás venenoso. Geleiras surgem sobre a terra e trancam os oceanos em acres de gelo.

asteroide-2003QQ47

Já Cinco vezes no passado, a Terra foi atingida por esses tipos de eventos cataclísmicos, aqueles tão graves e rápidos (em termos geológicos) que obliteraram a vida da maioria das espécies de seres vivos antes que eles tivessem a chance de se adaptar a qualquer mudança.

Agora, os cientistas dizem que a Terra está à beira de um sexto “evento de extinção em massa”. Só que desta vez, o culpado não é um impacto de um  gigantesco asteróide ou explosões vulcânicas ou a inexorável deriva dos continentes. Somos nós, os seres humanos que estaríamos provocando o sexto evento de extinção em massa no planeta.

“Estamos agora nos movendo rapidamente em mais um desses eventos que poderiam facilmente arruinar com a vida de todos e tudo no planeta”, declarou o biólogo Paul Ehrlich, de Stanford University, em um vídeo criado pela universidade.

 

Acima: Vídeo com o pesquisador Paul Ehrlich de Stanford discute pesquisa sobre extinção em massa. Ehrlich e seus co-autores pedem ação rápida para se conservar espécies ameaçadas, populações de animais e seus habitats, mas alertam que a janela de oportunidade está se fechando rapidamente. (Universidade de Stanford)

Em um estudo publicado na revista Science Advance, os biólogos descobriram que a Terra está perdendo espécies de mamíferos de 20 a 100 vezes mais rápido que a taxa do passado. Extinções estão acontecendo tão rápido, que poderiam rivalizar com o evento que matou os dinossauros há 65 milhões de anos em tão pouco tempo como 250 anos.

Atendendo ao calendário, a uma velocidade sem precedentes das perdas e décadas de pesquisa sobre os efeitos da poluição, caça e perda de habitat, eles afirmam que a atividade humana é responsável pelo próximo evento de extinção em massa do planeta.

“A arma fumegante nestas atuais extinções é muito óbvia, e ela está em nossas mãos”, declarou o co-autor da pesquisa Todd Palmer, um biólogo da Universidade da Flórida, escrevendo em um e-mail para o jornal The Washington Post.

poluição-colapso-ambiental-civilização

Desde 1900, somente 69 espécies de mamíferos são acreditados para terem sidos extintos, juntamente com cerca de 400 outros tipos de vertebrados. Evidências de espécies perdidas entre os animais não vertebrados e outros tipos de seres vivos é muito mais difícil de encontrar, dizem os pesquisadores, mas há pouca razão para acreditar que o resto da vida na Terra esteja se saindo melhor.  Esta perda rápida de espécies é alarmante o suficiente, de acordo com os autores do estudo, mas que isso poderia ser apenas o começo.

“Nós podemos com confiança concluir que as taxas de extinção modernas são excepcionalmente elevadas, que estão aumentando, e que os números sugerem um evento de extinção em massa JÁ em curso, escrevem eles. “Se o ritmo de extinção atualmente elevado for permitido continuar, os seres humanos em breve (em menos de três gerações humanas) pode ser privado de muitos dos benefícios da biodiversidade.”

estudo da Science Advances  não é o primeiro a propor que as atuais mortandades de animais causados pela atividade humana estão agora a par com os cataclismos fatais de milênios passados. Em 1998, uma sondagem de 400 especialistas de biologia do Museu Americano de História Natural  descobriu que 70 por cento deles acreditam que a Terra está no meio de um período dos mais rápidos de extinções em massa, que ameaça a própria existência dos seres humanos, bem como dos milhões de espécies que dependem da Terra.

poluição-03

Em seu livro de 2003 “The Future of Life”, observou o biólogo de Harvard E.O. Wilson que calculou que a Terra perderia metade de suas formas de vida mais elevados em 2100, se a taxa atual de perturbação (eufemismo para destruição) humana continuar no mesmo ritmo. Dezenas de estudos científicos têm procurado reforçar essa reivindicação, oferecendo evidências das atuais mortandades em massa de animais e prevendo as futuras. E muitos mais têm contribuído com a International Union for the Conservation of Nature’s Red List (Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza), que mantém uma contabilidade sombria do risco de extinção de dezenas de milhares de espécies existentes no planeta.

É verdade que ao longo da história, extinções em massa tem acontecido por razões comparativamente mundanas. Mesmo sem impactos de asteróides ou perturbação humana, espécies estão sempre morrendo – são as espécies que não se “adaptam” às mudanças na terminologia de Darwin – e vão sendo substituídas (teoria da evolução das espécies). Os cientistas estimam que 99 por cento das espécies algum dia deixarão de existir. É uma parte da rotina da vida na Terra.

lixo-plastico-oceano

Só que está acontecendo agora, no planeta, dizem os pesquisadores, NÃO É ROTINA.

Para provar o quão extraordinária as perdas dos últimos 114 anos têm sido, os autores do novo estudo utilizaram dados das espécies (em risco de extinção) da Lista Vermelha da IUCN para calcular as taxas de extinção modernas e compararam esse número com o “background”, ou rotina, a taxa normal de extinções de espécies. Para contrariar reivindicações de que sua pesquisa pode ser exagerada ou alarmista, os autores do estudo da Science Advances assumiu uma taxa bastante elevada de fundo: 2 extinções por cada 10.000 espécies de vertebrados em cada século, ou 2 espécies por milhão a cada ano (uma métrica conhecida como E / MSY ), com base no registro fóssil da Terra.

Comumente são utilizadas estimativas mais conservadoras, muito mais baixas – em geral entre 0,1 e 1 MSY. Em condições normais, usando esta taxa de fundo significaria que a Terra deveria ter visto 9 extinções de vertebrados desde 1900, diz o estudo. (Os pesquisadores se concentraram em vertebrados e mamíferos, em particular, porque essas espécies têm sido objeto das avaliações do estado de conservação mais completas.)

Mas muitas espécies nos dias de hoje não estão mais vivendo em condições normais, os biólogos dizem. As florestas estão desaparecendo. Os animais são caçados por suas presas (como marfim nos elefantes), dentes e pele. Toxinas são liberadas nas correntes dos córregos e lagos e no solo abaixo de nós.

O clima global está mudando, e os habitats em todo o mundo estão mudando com ele, sendo o mais grave o descongelamento do Permafrost na região do Círculo Polar Ártico, liberando milhões de toneladas de gás metano na atmosfera e acelerando mais ainda o efeito estufa.

civilização-lixo

E, como foi nas extinções em massa do passado, até mesmo as “adaptações” das espécies não têm sido capaz de acontecer nas condições atuais.

Com base na lista da International Union for the Conservation of Nature’s Red List (Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza) de espécies que foram declarados extintos, extintos pela própria natureza, e possivelmente extintos (espécies que não foram mais vistos na natureza há anos, mas cuja perda não foi confirmada ainda), mais de 468 vertebrados morreram desde 1900 além do que deveria ter acontecido. Isso se traduz em uma taxa de extinção de 53 vezes a taxa de níveis basais na “alta” taxa de fundo de extinção e mais de 100 vezes a taxa de extinção que a maioria dos outros biólogos usam.

Mesmo utilizando um cálculo altamente conservador que inclui apenas as 199 espécies de vertebrados definitivamente declarados extintos, a taxa de perda de espécies de vertebrados é 22 vezes maior do que a linha de base do índice 2 MSY . Embora essas extinções estejam acontecendo muito mais rápido do que o habitual, elas ainda não são comparáveis com os grandes eventos de extinção em massa, os “Big Five”, as cinco grandes extinções em massa geralmente reconhecidos como as piores na história da Terra. 

As perdas do século passado contam para apenas cerca de 1 por cento dos cerca de 40.000 espécies de vertebrados conhecidos – uma estatística que empalidece em comparação com o nível de destruição visto durante os eventos de extinção em massa anteriores. Mesmo no menor deles, entre 60 e 70 por cento das espécies foram mortos. Durante o evento do fim do Permiano há cerca de 250 milhões de anos (n.T. período que coincide com a explosão do planeta MALDEK), conhecido como “a Grande Morte”, esse número foi de mais de 90 por cento da extinção das espécies.

antilope-saiga-cazaquistão

Na Ásia Central, no Cazaquistão, cerca de 200 mil antílopes da espécie Saiga morreram sem que os cientistas saibam o motivo. Restaram cerca de apenas 30 mil indivíduos desta espécie ainda vivos.

Mas a perda de biodiversidade atual que estamos vendo agora poderia provocar ainda mais catastrófica extinção de espécies dentro de poucos anos.

“As comunidades ecológicas são compostas de muitas partes que interagem entre si, e há potenciais pontos de viragem nestas comunidades onde se você perder muitas espécies, ou perder espécies que são particularmente importantes, TODO o ecossistema pode degradar rapidamente ou alterar estados “, escreveu Palmer.

Se mortandade continuar no ritmo atual, o evento de extinção atual poderia alcançar magnitudes do tipo “Big Five” em 240 a 540 anos, disse ele – uma velocidade sem precedentes para este tipo de mudança ecológica.

Extinções em massa do passado se desenrolaram no tempo geológico ao longo de milhares de anos. A calamitosa “Grande Morte” no final do Período Permiano levou cerca de 6.000 séculos, com o super-continente chamado Pangéia se unindo, interrompendo as correntes oceânicas e elevando as temperaturas globais, e lava escorrendo de uma vasta região vulcânica chamada armadilhas Siberiana, com o envenenamento do ar e dos mares, com nuvens de gases tóxicos. Para uma extinção em massa acontecer rápido o suficiente para ser percebido em uma vida humana é inédito.

abelhas-frutas-polinização

“Em termos de escala, estamos agora vivendo um daqueles breves, episódios raros na história da Terra quando a estrutura biológica de vida é desmantelada”, declarou o paleobiologista Jan Zalasiewizc, que não esteve envolvido no estudo, escrevendo em uma análise para o jornal Guardian.

Ele passou a notar que nenhum dos “cavaleiros familiares do apocalipse” da mudança planetária – “enormes explosões vulcânicas para sufocar a atmosfera e envenenar os mares, o caos causado pelo grande impacto de asteróides e os efeitos dolorosas da rápida mudança climática” – foram tidos em conta na crise atual (os efeitos da mudança do clima atual ainda estão em seus estágios iniciais, ele escreveu, e ainda não pode ser completamente responsabilizados pela perda {extinção} de espécies).

Em vez disso, as mortes que vemos agora são todas devidas à poluição, a depredação e a mudança de habitat de uma espécie: os humanos. Ainda assim, os cientistas dizem, é possível evitar as suas previsões sombrias. Eles nos dão um tempo de cerca de uma geração para fazer as mudanças necessárias para diminuimos a taxa de perda de espécies. 

Terremoto-tsunami-Japao-2011

“Nós temos o potencial de iniciar um episódio de extinção em massa que tem sido inigualável nos últimos 65 milhões de anos”, declarou o co-autor do estudo, Gerardo Ceballos, em entrevista à CNN. “Mas eu sou otimista no sentido de que os seres humanos reagem – no passado fizemos saltos quânticos quando trabalhamos juntos para resolver os nossos problemas.”

Sarah Kaplan é um repórter para Morning Mix.


{n.T.- “Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o TEMPO DA GRANDE COLHEITA se aproxima RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Vocês vão ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer  fortes TSUNAMIS e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e uma emissão de energia solar que fará importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. Excerto do post: http://thoth3126.com.br/illuminati-revelacoes-de-um-membro-no-topo-da-elite-explosivo/ }


countdown-contagem-regressiva

Mais informações sobre mudança dos pólos em:

  1. http://thoth3126.com.br/uma-visao-pessoal/
  2. http://thoth3126.com.br/carta-de-um-politico-da-noruega-sobre-2012/
  3. http://thoth3126.com.br/brasil-o-territorio-sagrado-para-a-deusa-e-seus-filhos/
  4. http://thoth3126.com.br/vulcao-cumbre-vieja-mega-tsunami-pode-atingir-o-brasil/
  5. http://thoth3126.com.br/o-futuro-dos-eua-por-ned-dougherty/
  6. http://thoth3126.com.br/profecias-de-joao-um-cavaleiro-templario/
  7. http://thoth3126.com.br/mudancas-climaticas-o-impacto-sera-grave-abrangente-e-irreversivel/
  8. http://thoth3126.com.br/brasil-deve-se-preparar-para-um-verao-com-calor-extremo/
  9. http://thoth3126.com.br/mudancas-climaticas-o-maior-el-nino-da-historia/
  10. http://thoth3126.com.br/os-fenomenos-climaticos-extremos-estao-aumentando/
  11. http://thoth3126.com.br/algo-muito-grande-e-definitivo-esta-para-acontecer/
  12. http://thoth3126.com.br/mudancas-climaticas-os-desastres-naturais-nao-sao-tao-naturais/
  13. http://thoth3126.com.br/proximo-verao-sera-o-mais-quente-da-historia-mudancas-climaticas/
  14. http://thoth3126.com.br/category/mudanca-nos-polos-e-campo-eletromagnetico-do-planeta/
  15. http://thoth3126.com.br/inverno-30-graus-mais-quente-no-polo-norte-mudancas-climaticas/
  16. http://thoth3126.com.br/inversao-dos-polos-e-do-campo-eletromagnetico-do-planeta-em-andamento/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Thoth-flordavidawww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *