browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

AGHARTA – 1 – Visita ao Reino da Terra Interior

Posted by on 07/05/2016

smoky-god-barco

Livro “The Smoky God” ou Uma Viagem ao Mundo Interior do reino de AGHARTA

Temo que essa história aparentemente incrível, que eu vou relatar será considerada como o resultado de um intelecto distorcido e superexcitado, pelo glamour de desvendar um mistério maravilhoso, mais do que um registro verdadeiro das experiências incomparáveis  ​​relatadas por  Olaf Jansen, cuja eloquente loucura então apelou para a minha imaginação em que todo pensamento e crítica analítica foram efetivamente dissipados pela beleza da sua História …

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

“Ele é o Deus que se senta no centro, sobre o umbigo da terra, e ele é o intérprete da religião para toda a humanidade.” – Platão.


The Smoky God, or A Voyage Journey to the Inner Earth“, é um “romance” publicado em 1908 por Willis George Emerson, que o apresenta como um relato verdadeiro de um marinheiro norueguês chamado Olaf Jansen, e explica como o saveiro dele navegou através de uma entrada no polo norte para o interior da Terra onde ele entrou em contato com uma outra civilização.

Fonte: http://www.ourhollowearth.com/SGContents.htm

PRIMEIRA PARTE: Prefácio do Autor Willis G. Emerson

Marco Polo, sem dúvida, se vira  inquieto em seu túmulo sobre a estranha história que eu sou chamado a contar; uma história tão estranha como a de um conto de Munchausen. Também é incongruente que eu, um descrente, devo ser o único a editar a história de Olaf Jansen, cujo nome é agora pela primeira vez dado ao conhecimento ao mundo, ainda que doravante se deva classificar como um dos homens mais notáveis ​​da terra.

Confesso livremente que as suas declarações não admitem uma análise racional, mas tem a ver com o mistério profundo a respeito do Polo Norte congelado que durante séculos tem reivindicado a atenção de cientistas e leigos.

smoky_god-livro

Capa do livro, The Smoky God, or a Voyage to the Inner World, de Willis George Emerson

Por mais que a narrativa esteja em desacordo com os manuscritos cosmográficos do passado e atual, essas declarações simples podem ser invocadas como um registro das coisas que Olaf Jansen afirma ter vivido e visto com os seus próprios olhos.

Cem vezes eu tenho me perguntado se é possível que a geografia do mundo esteja incompleta, e que a narrativa surpreendente de Olaf Jansen seja baseada em fatos comprováveis. O leitor pode ser capaz de responder a estas perguntas para sua própria satisfação, no entanto longe o cronista desta narrativa pode estar de ter chegado a uma convicção firme. No entanto, às vezes, até eu estou conjecturando para saber se eu fui levado para longe de uma verdade abstrata pelo ignes fatui (fogo fátuo) de uma superstição inteligente, ou se os fatos até então aceitos são, afinal, fundados na falsidade.

Pode ser que o verdadeiro lar de Apolo não estivesse em Delphi (Oráculo de Delphus, Grécia), mas em que o centro da terra mais antiga do que fala Platão, onde ele diz que:

“A verdadeira casa de Apolo está entre os hiperbóreos, em uma terra de vida perpétua, onde a mitologia nos diz que duas pombas voando dos dois lados opostos do mundo reuniram-se nesta região, onde fica a casa do Apollo. Na verdade, de acordo com Hecataeus, Leto, a mãe de Apolo, nasceu em uma ilha no Oceano Ártico muito além do vento norte.”

Não é minha intenção tentar uma discussão sobre a teogonia das divindades gregas nem a cosmogonia do mundo. Meu dever é simplesmente o de iluminar o mundo a respeito de uma parte até então desconhecida do universo, como foi visto e descrito pelo antigo nórdico, Olaf Jansen.

O interesse na pesquisa do gelado Norte é internacional. Onze nações estão envolvidas ou têm contribuído para o trabalho perigoso de tentar resolver um mistério restante da Terra cosmológica. Existe um ditado, tão antigo como as montanhas, de que “a verdade (sempre) é mais estranha do que a ficção”, e de uma forma mais surpreendente este axioma foi trazido para dentro de minha casa nos últimos dias.

polonorte-abertura

Duas imagens diferentes da Terra e do polo norte apresentando a mesma anomalia (destaque) no “topo do planeta”, uma provável abertura para um mundo interior.

Eram apenas duas horas da manhã, quando eu acordei excitado de um sono repousante pelo toque vigoroso de sino da minha porta. O perturbador noturno prematuro provou ser um mensageiro trazendo uma nota, rabiscada quase ao ponto da ilegibilidade, a partir de um nórdico antigo com o nome de Olaf Jansen. Depois de muita decifração, li a escrita, que simplesmente dizia: “.. Estou doente e à beira da morte, venha me ver”. A chamada era imperativa, e eu não perdi mais tempo em fazer-me pronto para cumprir com o chamado.

Talvez eu possa também explicar aqui que Olaf Jansen, um homem que muito recentemente comemorou seu nonagésimo quinto aniversário, nos últimos seis anos esteve vivendo sozinho em um bangalô despretensioso e fora da região central de Glendale, a uma curta distância da zona empresarial de Los Angeles, estado da Califórnia, nos EUA.

Foi há menos de dois anos, enquanto eu fazia uma caminhada certa tarde, que eu fui atraído pela casa de Olaf Jansen, um ambiente acolhedor, pelo seu proprietário e ocupante, a quem mais tarde vim a saber como um crente no antigo culto de Odin e Thor, as divindades míticas dos povos nórdicos.

Havia uma suavidade em seu rosto, e uma expressão gentil nos olhos cinzentos sutilmente alertas deste homem que viveu mais de noventa anos; e, além disso, um sentimento de solidão que apelava pela minha simpatia. Ligeiramente curvado, e com as mãos cruzadas atrás de si, ele andava para trás e para frente com passos lentos e medidos, no dia em que nos conhecemos. Mal saberia dizer qual foi o motivo especial que me impeliu a fazer uma pausa na minha caminhada e conversar com ele. Ele parecia satisfeito quando eu elogiei a atratividade existente no seu bangalô, e nas videiras e flores bem cuidadas em agrupamentos em profusão sobre sua janelas, telhado e amplo terreno.

Logo descobri que o meu novo amigo não era uma pessoa comum, mas um profundo estudioso a um grau notável; um homem que, nos últimos anos de sua longa vida, havia cavado profundamente em livros e que se tornou muito forte no poder do silêncio meditativo.

polonorte-abertura.01

Foto de satélite também mostrando a existência de um “buraco” no polo norte.

Eu o encorajei a falar, e logo deduzi que ele residia apenas seis ou sete anos no sul da Califórnia, mas havia passado uma dúzia de anos antes em um dos países do Oriente Médio. Antes disso, ele tinha sido um pescador na costa da Noruega, no gelado e inóspito Mar do Norte na região das Ilhas Lofoden, de onde ele tinha feito viagens ainda mais ao norte, ao Spitzbergen e até Franz Josef Land.

Quando eu comecei a encaminhar a minha retirada, ele parecia relutante em deixar-me ir embora de seu bangalô, e me pediu para vir novamente. Embora na época eu não pensasse em nada, eu me lembro agora que ele fez uma observação peculiar enquanto eu estendia minha mão em despedida. “Você vai voltar?” ele perguntou. 

“Sim, você vai voltar algum dia eu tenho certeza que você vai voltar; e então eu vou mostrar-lhe a minha biblioteca e dizer-lhe muitas coisas com as quais você nunca sonhou, coisas tão maravilhosas que pode ser que você não vai acreditar em mim.”

Eu, rindo, assegurei-lhe que eu não iria apenas voltar, mas estaria pronto para acreditar que ele poderia optar por me contar sobre suas viagens e aventuras.

Nos dias que se seguiram eu me tornei bem familiarizado com Olaf Jansen, e, pouco a pouco, ele me contou a sua história, tão maravilhosa, que seus desafios muito ousados desafiam a razão e a crença. O velho Norseman (Homem do Norte)  sempre se expressou com tanta seriedade e sinceridade que fiquei encantado com suas estranhas narrações.

Depois vieram os mensageiros me chamar àquela noite, e rápido eu me dirigi ao bangalô onde residia Olaf Jansen. Ele estava muito impaciente com a longa espera pela minha chegada, embora depois de ser convocado eu tinha vindo imediatamente ter à sua cabeceira.

Arctico-polonorte.svg

“Devo me apressar”, ele exclamou, enquanto ele ainda segurava minha mão em saudação. “Eu tenho muito para lhe dizer e que você não sabe, e eu não vou confiar em mais ninguém além de você. Eu percebi isso totalmente,” ele continuou apressadamente, “que não devo sobreviver à esta noite. Chegou o momento para eu me juntar a meus pais, no bom sono (da morte)”

Ajustei os travesseiros para torná-lo mais confortável, e assegurei-lhe de que eu estava feliz por ser capaz de servi-lo de qualquer maneira possível, pois eu estava começando a perceber a gravidade de sua condição.

O adiantado da hora, a quietude do ambiente, a sensação estranha de estar a sós com o moribundo, junto com sua história estranha, tudo combinado para fazer o meu coração bater mais rápido e forte, com uma sensação de que eu não tenho, mesmo hoje, como nomear. Na verdade, houve muitas vezes que varei a noite sentado no velho sofá de Olaf Jansen, e houve muitas vezes desde então, quando uma sensação e não uma convicção tomou posse da minha alma, e eu parecia não apenas acreditar, mas realmente ver, as terras estranhas, as pessoas estranhas e o estranho mundo de que ele me disse existir, de ter conhecido e de ouvir o coro de orquestra poderosa de mil vozes luxuriosas.

Por mais de duas horas, ele parecia dotado de força quase sobre-humana, falando rapidamente, e ao que tudo indica, de forma racional. Finalmente, ele me deu em minhas mãos alguns dados, desenhos e mapas, material bruto.”Estes papeis”, disse ele, concluindo:

“Deixo em suas mãos. Se eu puder ter a sua promessa de revelar esta história para o mundo, eu morrerei feliz, porque eu desejo que as pessoas possam conhecer a verdade, e então, todo o mistério sobre a congelada terra do Norte (Northland) será explicado. Não há nenhuma chance de seu sofrimento ser igual ao destino que eu sofri. Eles não vão colocar você em ferros, nem vão interná-lo em uma casa de loucos, porque você não está contando a sua própria história, mas a minha, e eu, graças aos deuses, Odin e Thor, já estarei em minha sepultura, e assim fora do alcance dos descrentes que sempre perseguem os que falam da verdade“.

Sem um pensamento dos resultados de longo alcance e a promessa dela decorrentes, ou prevendo as muitas noites sem dormir que a obrigação, desde então, me trouxe, eu dei a minha mão e com ela a promessa de cumprir fielmente o seu desejo antes dele morrer.

polonorte-entrada-essa7

À medida que o sol se levantou sobre os picos de San Jacinto, no extremo leste, o espírito de Olaf Jansen, o navegador, o homem do norte distante e gelado, o explorador e adorador de Odin e Thor, o homem cujas experiências e viagens, como relacionadas, são, sem paralelo na história conhecida do mundo, faleceu, e eu fui deixado sozinho com os mortos (os que vivem, mas não tem consciência).

E agora, depois de ter pago os últimos ritos fúnebres para com esse homem estranho das Ilhas Lofoden, e o ainda mais longínquo “norte”, o explorador corajoso de regiões geladas, que, em seus anos de declínio (depois de ter ultrapassado os quatro pontos cardeais navegando) tinha procurado um asilo de paz repousante na ensolarada Califórnia, eu me comprometi a tornar pública a sua extraordinária história.

Mas, antes de tudo, deixem-me fazer uma ou duas reflexões: Uma geração sucede outra geração, e as tradições do passado nebuloso são transmitidas de pai para filho, mas por algum motivo, o estranho interesse na desconhecida terra do gelo não se abate com a passagem dos anos, ou nas mentes dos ignorantes ou do tutelado.

Com cada nova geração um impulso inquieto agita os corações dos homens para capturar a cidadela velada e escondida do Ártico, o círculo do silêncio, a terra das geleiras, os resíduos das águas frias e ventos que são estranhamente quentes. Crescente interesse se manifesta sobre os icebergs montanhosos, e as especulações maravilhosas são o espetáculo de respeito ao centro da terra da gravidade, o berço das marés, onde as baleias têm seus berçários, onde a agulha magnética enlouquece, onde a Aurora Boreal ilumina  e colore pintando a noite com cores iridescentes, e onde os espíritos bravos e corajosos de todas as gerações se atrevem a aventurar e explorar, desafiando os perigos da “terra mais distante do Norte.”

Uma das mais hábeis obras escritas dos últimos (já quase 130) anos é “Paradise Found—the Cradle of the Human Race at the North Pole (1885)” – Paraiso Encontrado, o berço da raça humana no Pólo Norte -, de William F. Warren. Em seu volume cuidadosamente preparado, o Sr. Warren quase colocou o dedo sobre a verdade, mas a perdeu aparentemente por apenas um fio de cabelo, se a revelação do velho homem do norte (Olaf Jansen) for verdade. O Dr. Orville Leech, um cientista, em um artigo recente, diz: 

“As possibilidades de existir terra dentro da terra chamaram primeiro a minha atenção quando eu peguei um geodo nas margens dos Grandes Lagos O Geodo é uma pedra esférica e, aparentemente, sólida, mas quando quebrada é oca e revestido com cristais. A Terra é apenas uma grande forma de um geodo, e a mesma lei que criou o geodo em sua forma oca, sem dúvida, formou a Terra, do mesmo modo e formato”.

Ao apresentar o tema desta história quase inacreditável, como ditada por Olaf Jansen, e complementada por manuscritos, mapas e desenhos crus que me foram confiados por ele no momento de sua morte, uma introdução apropriada é encontrada na seguinte citação:

agharta-MAP of Inner Earth

“No princípio criou Deus os céus e a terra, e a terra era sem forma e vazia”. e também: “Deus criou o homem à sua própria imagem e semelhança.” Portanto, mesmo em coisas materiais, o homem deve ser semelhante a Deus, porque ele é à semelhança do Pai. Um homem constrói uma casa para si e sua família. Os alpendres ou varandas estão todos de fora, e são secundários. O prédio mais central é realmente construído para as conveniências de dentro da casa.

Olaf Jansen faz o anúncio surpreendente através de mim, um instrumento humilde, que de igual modo, Deus criou a Terra para o “interior” – ou seja, por suas terras, mares, rios, montanhas, florestas e vales, e para as suas outras conveniências internas, enquanto a superfície externa da Terra é apenas a varanda, o alpendre, onde as coisas crescem, por comparação, mas são pouco povoadas, como o líquen no lado da montanha, agarrando-se com determinação para a sua existência nua.

Pegue uma casca de ovo, e a partir de cada extremidade faça sair uma ponta de lápis. Extraia o seu conteúdo, e então você terá uma representação perfeita da terra de Olaf Jansen. A distância a partir da superfície interior para a superfície exterior, de acordo com ele, é de cerca de 300 milhas. O centro de gravidade não está no centro da terra, mas no centro do reservatório ou crosta; portanto, se a espessura da crosta ou concha da Terra é de 300 milhas, o centro de gravidade estaria 150 milhas abaixo da superfície.

Em seu livros diários de bordo, os navegantes e exploradores do gelado ártico nos falam da imersão da agulha como as velas de embarcações em regiões do norte mais distante conhecido. Na realidade, eles estão em curva; na borda do reservatório, onde a gravidade é geometricamente aumentada, e enquanto a corrente elétrica aparentemente corre para cima e para fora, no espaço e para a ideia fantasma do Pólo Norte, mas esta mesma corrente elétrica cai de novo e continua o seu curso para o sul ao longo da superfície interior da crosta terrestre.

No apêndice de seu trabalho, o capitão Sabine dá conta de experimentos para determinar a aceleração do pêndulo em diferentes latitudes. Este parece ter resultado do trabalho conjunto de Peary e Sabine. Ele diz: “A descoberta acidental que um pêndulo ao ser removido de Paris para a vizinhança do equador aumentou seu tempo de vibração, deu o primeiro passo para o nosso conhecimento atual de que o eixo polar da Terra é menor do que o equatorial, que a força da gravidade na superfície da Terra aumenta progressivamente de intensidade a partir do equador para os pólos” (n.t. por este motivo, as principais bases de lançamentos de grandes foguetes ficam próximas do Equador, onde a força da gravidade é menor).

De acordo com Olaf Jansen, no início deste nosso velho mundo, ele foi criado exclusivamente para SER HABITADO “dentro” do planeta, onde estão localizados os quatro grandes rios mencionados na Bíblia – o rio Eufrates, o Pison, o Giom e o Tigre. Estes mesmos nomes de rios, quando aplicados aos grandes cursos de água na superfície “externa” da terra, na sua superfície, são puramente reflexo da tradição de uma antiguidade para além da memória do homem atual.

No topo de uma alta montanha, perto da principal fonte destes quatro rios, Olaf Jansen, o Norseman, afirma ter descoberto o há muito perdido “Jardim do Éden”, o verdadeiro umbigo da terra, e de ter passado mais de dois anos estudando e reconhecendo esta maravilhosa civilização “dentro” da terra, exuberante com plantas enormes e estupendas e cheio de animais gigantes; uma terra onde as pessoas vivem para ter séculos de idade, segundo a ordem de Matusalém e outros personagens bíblicos; uma região onde um quarto da superfície “interior” é de água e três quartos de terra; onde existem grandes oceanos e muitos rios e lagos; onde as cidades são superlativas na sua construção e magnificência; onde os meios de transporte são muito mais avançados do que o nosso (n.t. isso ainda no começo do século XX, em 1908, quando o livro “The Smoky God” foi publicado por Willis George Emerson), assim como nós, com as nossas realizações nos vangloriamos de sermos mais avançados do que os habitantes da “África negra”

agharta-polonorte-entrada

De novo a entrada no polo norte para o reino da Terra Interior, para Agharta, se revela.

A distância em frente ao espaço a partir da superfície interior para a superfície interna é de cerca de 600 milhas a menos do que o diâmetro reconhecido da terra. No centro idêntico deste vasto vácuo esta a sede da obtenção de energia elétrica – uma bola gigantesca de fogo de cor vermelho escuro (Surya, o sol central no interior da Terra) – não surpreendentemente brilhante, mas cercado por uma nuvem luminosa branca, suave, dando luz e calor uniforme, e mantido em seu lugar no centro deste espaço interno a lei imutável da gravidade. Esta nuvem elétrica é conhecida pelo povo do “interior da Terra” como a morada de “The Smoky God” (O deus nebuloso). Eles acreditam que aquilo seja o trono de “O Altíssimo”.

Olaf Jansen me lembrou de como, nos velhos tempos de faculdade, estávamos todos familiarizados com as demonstrações laboratoriais de movimento centrífugo, que mostravam claramente que, se a Terra fosse um corpo sólido (e não oco como ela realmente é), a rapidez de sua revolução em cima de seu eixo iria rasgá-la em mil fragmentos.

O velho homem nórdico também sustentou que a partir dos pontos mais distantes da terra ao norte, nas ilhas de Spitzbergen e Franz Josef Land, bandos de gansos podem ser vistos anualmente voando ainda mais para longe ao norte, assim como mostram o registro de marinheiros e exploradores em seus diários de bordo. Nenhum cientista foi ainda audacioso o suficiente para tentar explicar, até mesmo para sua própria satisfação, em direção a que local de terra estas aves são guiadas por seu instinto sutil. No entanto, Olaf Jansen nos deu uma explicação mais razoável.

A presença do mar aberto no Northland  (Terras do norte) também é explicada. Olaf Jansen afirma que a abertura do pólo norte, entrada ou buraco, por assim dizer, é de cerca de 1.400 milhas de diâmetro. Em conexão com isso, vamos ler o que escreve o Explorador Nansen, na página 288 do seu livro:

“Eu nunca tive uma vela tão enfunada pelo vento esplêndido rumando para o norte, de forma constante ao norte, com um bom vento, tão rápido quanto vapor e vela podem levar-nos, milha após milha pelo mar aberto, sempre olhando, através destas regiões desconhecidas, sempre mais e mais limpa de cobertura de gelo, quase se poderia perguntar: Quanto tempo isso vai durar? O olho sempre se volta para o norte, como alguém atravessando uma ponte olha sempre á frente. Ele está olhando para o futuro. Mas há sempre o mesmo céu escuro à frente, o que significa mar aberto”.

Mais uma vez, a Norwood Review of England, em sua edição de 10 de maio de 1884, diz: “Não admitimos que há gelo até o Pólo Norte – uma vez dentro da grande barreira de gelo, um novo MUNDO surge sobre o explorador do extremo norte, o clima é leve como o da Inglaterra, e, depois, ameno como das Ilhas Gregas”.

Alguns dos rios no “interior”, como afirma Olaf Jansen, são maiores do que os nossos rios Mississippi e Amazonas combinados num ponto de volume de água transportada; na verdade, sua grandeza é ocasionada pela sua largura e profundidade ao invés de seu comprimento, e é na foz desses rios poderosos, à medida que fluem para o norte e para o sul ao longo da superfície interior da terra, que os icebergs gigantescos são encontrados, alguns deles de quinze e 20 milhas de largura e 40-100 milhas de comprimento.

Não é estranho que nunca houve um iceberg encontrado tanto no Oceano Ártico ou da Antártica que não seja composto por água doce? Os cientistas modernos afirmam que o congelamento elimina o sal, mas Olaf Jansen afirma de forma diferente.

Os antigos Hindus, escritos japoneses e chineses, assim como os hieróglifos das raças extintas do continente norte-americano, todos falam do costume de adoração ao Sol, e é possível, à luz surpreendente de revelações de Olaf Jansen, que o povo do mundo interior, atraídos por vislumbres do sol que brilhou sobre a superfície interna da Terra, a partir da abertura dos pólos norte ou do sul, ficaram insatisfeitos com o “The Smoky God,” o grande pilar ou a nuvem mãe da energia elétrica, e , cansado de sua atmosfera continuamente suave e agradável, seguiram a luz mais brilhante do sol externo, e foram finalmente levados para além do cinturão de gelo e espalhados sobre a superfície “externa” da terra, através da Ásia, Europa, América do Norte e, mais tarde, África, Austrália e América do Sul(1). 

A seguinte citação é significativa; “Conclui-se que o homem saindo de uma região-matriz ainda indeterminada, mas que uma série de considerações indicam ter sido no Norte, tem se espalhado e irradiado em várias direções; que suas migrações têm sido constantemente de Norte para o Sul.” – M. ​​le Marquis G. de Saporta, na Popular Science Mensal, Outubro, 1883, página 753.

Agharta2

É um fato notável que, quando nos aproximamos do equador, a estatura da raça humana cresce menos. Mas os patagônios da América do Sul são, provavelmente, os únicos aborígenes do centro da terra que sairam através da abertura geralmente designada como o Pólo Sul, e eles são chamados de a raça gigante.

Olaf Jansen afirma que, no início, o mundo foi criado pelo Grande Arquiteto do Universo, para que o homem pudesse habitar em sua superfície “interior”, que tem sido, desde então a habitação dos “escolhidos”, apenas uma civilização mais evoluída do que a nossa de superfície.

Os que foram expulsos do “Jardim do Éden”, a nossa civilização, trouxe sua história tradicional sobre a terra interior junto com eles.

A história das pessoas que vivem no “interior” contém uma narrativa que sugere a história de Noé e da arca com os quais estamos familiarizados. Ele navegou para longe, como fez Colombo, a partir de uma certa porta, para uma terra estranha que ele tinha ouvido falar de longe para o norte, levando consigo todos os animais dos campos e aves do céu, mas nunca se ouviu falar dele mais tarde.

Sobre os limites do norte do Alasca, e ainda com mais frequência na costa da Sibéria, são encontrados-depósitos de ossos contendo presas de marfim em quantidades tão grandes a ponto de sugerir que são lugares com restos de animais da antiguidade. De acordo com relatos de Olaf Jansen, eles vieram da grande vida animal prolífica que abunda nos campos e florestas e nas margens dos numerosos rios do mundo interior (Agharta) existente dentro da Terra. Os materiais ficaram presos nas correntes oceânicas, ou foram liberados do gelo pelas banquisas, e se acumularam como madeira flutuante na costa da Sibéria. Isso vem acontecendo há muito tempo, e, portanto, surgem estes depósitos de ossos misteriosos. Sobre este assunto William F. Warren, em seu livro já citado, páginas 297 e 298, diz:

“As rochas do Ártico falam de uma Atlântida perdida mais maravilhosa do que Platão. As camadas de marfim fóssil da Sibéria excedem tudo do tipo encontrado no mundo. Desde os dias de Plínio, pelo menos, eles têm sido constantemente explorados, e ainda são a principal fonte do abastecimento de marfim. Os restos de mamutes são tão abundantes que, como diz Gratacap, “as ilhas do norte da Sibéria parecem ser construídas de aglomerado de ossos”. 

Outro escritor científico, falando das ilhas da Nova Sibéria, norte da foz do rio Lena, usa esta linguagem:. “Grandes quantidades de marfim são escavados fora da terra a cada ano. De fato, algumas das ilhas se acredita serem nada mais do que uma acumulação de madeira à deriva e de corpos de mamutes e outros animais antediluvianos congelados juntos. “A partir disso, pode-se inferir que, durante os anos que se passaram desde a conquista russa da Sibéria, presas úteis de mais de vinte mil mamutes foram coletadas”.

mudança-polos-magnéticos-swarmreveals

O eletro magnetismo do planeta flui pelos dois polos da Terra.

Mas agora vamos para a história de Olaf Jansen sobre a existência de uma civilização no interior da Terra, cuja entrada fica no Polo Norte. Vou contá-la em detalhes, tal como estabelecido por ele mesmo em manuscrito, e tecida no relato, assim como ele fez algumas citações de obras recentes sobre a exploração do Ártico, mostrando o cuidado com o velho Norseman em comparação com suas próprias experiências daquelas de outros exploradores do norte congelado. Assim escreveu o discípulo de Odin e Thor, a sua própria história

Saiba mais sobre AGHARTA em:

  1. http://thoth3126.com.br/agharta-o-mundo-intra-terreno-em-nosso-planeta/
  2. http://thoth3126.com.br/brasilia-jk-akhenaton-eo-egito/
  3. http://thoth3126.com.br/geometria-sagrada-a-flor-da-vida-e-a-linguagem-da-luz/
  4. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  5. http://thoth3126.com.br/a-conexao-terramaldekmarte-em-gize-cydonia-e-teotihuacanmirador/
  6. http://thoth3126.com.br/vietnam-gigantesca-caverna-descoberta/
  7. http://thoth3126.com.br/grand-canyon-misterios-de-uma-imensa-caverna-revelados/
  8. http://thoth3126.com.br/pedra-da-gavea-uma-esfinge-no-brasil/
  9. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  10. http://thoth3126.com.br/aghartatelos-uma-cidade-subterranea-sob-o-monte-shasta/
  11. http://thoth3126.com.br/aghartha-o-reino-da-terra-interior/
  12. http://thoth3126.com.br/agharta-e-o-almirante-richard-e-byrd/
  13. http://thoth3126.com.br/o-reino-de-agharta-visto-pela-federacao-galactica/
  14. http://thoth3126.com.br/monte-shasta-outra-visita-a-terra-interior-parte-3-final/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

4 Responses to AGHARTA – 1 – Visita ao Reino da Terra Interior

  1. samir abo abdo

    Muito bom, estudo o assunto há muitos anos, sempre se aprende mais.

  2. Euler

    imagens incríveis obrigado thoth3126!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *