browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

2021, o ano dos ‘Eventos Cisnes Negros’ ?

Posted by on 15/04/2021

2021, o ano dos ‘Eventos Cisnes Negros’ ?:

Um “Evento Cisne Negro” é mais bem definido como um evento imprevisível, de baixa probabilidade e alto impacto. Eles podem incluir desastres naturais mais prosaicos, como terremotos, vulcões, mas são geralmente entendidos como calamidades econômicas, financeiras e geopolíticas imprevisíveis.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

2021, o ano dos ‘Eventos Cisnes Negros’ ?

Fonte:  GnSeconomics

Embora os eventos do Cisne Negro sejam, por esta definição, imprevisíveis, as tendências que se acumulam até eles podem frequentemente ser observadas ao longo do seu processo, e analisar esse processo tem sido nosso objetivo desde o início da GnS Economcs em 2012.

Por exemplo, hoje em dia é frequentemente possível observar o acúmulo de pressão em vulcões. Isso não garante uma erupção, naturalmente, mas fornece uma indicação de que tal evento poderia ocorrer a qualquer momento.

O mesmo princípio se aplica a eventos geopolíticos, econômicos e financeiros.

Uma das tendências mais preocupantes que contribuem para o desenvolvimento de potenciais Eventos Cisnes Negros é a crescente fragilidade da economia global, sobre a qual temos alertado  desde 2017 . Recentemente, a fragilidade da economia global foi imensamente agravada por bloqueios, lockdowns e as imprudentes “políticas de apoio” de governos e bancos centrais em todo o mundo.

Isso apenas acelerou a zumbificação dos setores corporativos globais, ao mesmo tempo em que cria uma bolha de ativos intrínseca, que continua se expandindo – e agora um choque de inflação espreita no horizonte. Tudo isso aumenta a probabilidade de uma “erupção” econômica. No entanto, choques políticos também podem estar se aproximando.

O fracasso da política contemporânea em compreender e tratar corretamente esse conjunto complexo de questões de política econômica é uma das principais razões pelas quais estamos nessa confusão.

O (longo e constante) fracasso da política e dos políticos

A trilha de erros terríveis no manejo governamental dos políticos de nossas economias é longa e lamentável. Podemos traçar o ponto de partida do caminho mais recente de má gestão até 1984.

Quando o 7º maior banco comercial dos Estados Unidos na época, o Continental Illinois National Bank & Trust Co., obteve seu resgate federal em 1984, as sementes do risco moral foram introduzidas no sistema financeiro. Embora os acionistas do banco tenham sido dizimados, o Federal Reserve e a Federal Deposit Insurance Corporation, ou FDIC, cobriram as perdas de praticamente todas as contas de depósito e até mesmo dos detentores de títulos. O banco foi reformado e renomeado como Banco Continental, que acabou sendo comprado pelo Bank of America em 1994.

O resgate do Continental Illinois cunhou o termo “Too Big To Fail” [grande demais para falir] e colocou o mundo em um rumo em que o risco moral foi fomentado e bancos em dificuldades foram apoiados, levando a todos os tipos de distorções econômicas. Também alimentou a política de salvar corporações em dificuldades, especialmente no setor financeiro.

Outro momento crucial chegou em 19 de outubro de 1987, quando os mercados de ações dos Estados Unidos despencaram mais de 20% – ainda um recorde histórico para uma única sessão de negociação. Durante e após o crash, o recém-nomeado presidente do Fed, Alan Greenspan, previu uma linha de política, que se baseava em permitir que os mercados subissem com taxas baixas, liquidez abundante e impulso do mercado, e então se limpar e ser purificado após o desastre que se seguiu. Essa estratégia, combinada com a sequência de resgates aos bancos começando com o semi-resgate do Continental Illinois, deu o tom para a socialização das perdas de mercado [resgate com dinheiro do contribuindo, os “camponeses”].

As decisões fatídicas de Greenspan em outubro de 1987, portanto, estabeleceram o curso para o Fed e outros bancos centrais para repetidas operações de resgate do mercado nos últimos 43 anos – que agora são uma resposta de política esperada.

Uma bomba-relógio chamada zona do euro

O sistema político europeu está efetivamente em estado de ‘animação suspensa’ [e vegetando].

Superficialmente, tudo parece benigno, mas por baixo as tensões estão crescendo. Na Itália, Mario Draghi, o ex-presidente do BCE, conseguiu compilar um governo ‘arco-íris’ com políticos da esquerda para a direita. No entanto, isso só foi possível graças às subvenções concedidas à Itália pelo Fundo de Recuperação da UE.

Como temos alertado há meses, a aprovação legislativa do Fundo não tem garantia de aprovação em todos os países membros, principalmente na Finlândia. O parlamento finlandês, se ainda estiver de pé, votará o Fundo no início de maio. Se o Fundo fracassar, o governo italiano pode facilmente fracassar com ele.

E se isso acontecer, a saída da Itália do euro ficará mais perto do que nunca. A especulação sobre uma saída do euro pela Itália, ou qualquer outro país, poderia reacender uma crise bancária ao paralisar os mercados interbancários.

Isso porque, se um país sair do euro, sua moeda provavelmente sofrerá uma desvalorização e, portanto, quaisquer empréstimos concedidos a bancos naquele país também estarão sujeitos a redenominação e desvalorização. Bancos de outros países podem rapidamente relutar em emprestar a um banco de um país sujeito a tais preocupações.

No entanto, há que se reconhecer que a Zona Euro está à beira de uma crise bancária , independentemente do que aconteça com o Fundo da UE.

Tremores no sistema político dos EUA

Em 11 de dezembro , alertamos nossos assinantes sobre as repercussões da ação de 19 estados apresentada ao Supremo Tribunal dos Estados Unidos em relação a uma possível fraude eleitoral nas eleições presidenciais de 2020. Advertimos que:

Se a Suprema Corte decidir que houve uma eleição fraudulenta, qual seria a resposta do público em um ambiente político altamente dividido? O que farão os estados ou seus cidadãos se a Suprema Corte recusar sua reclamação? Essas são questões realmente preocupantes com resultados potenciais extremamente graves.

Todos nós sabemos como isso terminou. As profundas divisões e suspeitas não diminuíram desde então.

Mais ainda, porque as políticas administradas pelo presidente Biden têm mais do que probabilidade de semear mais sementes de desconfiança e divisão. Por exemplo, alguns estados consideram que as novas leis sobre armas promulgadas pelo governo Biden violam a 2ª Emenda da Constituição dos Estados Unidos. As políticas de imigração do governo Biden também causaram uma ‘crise de fronteira‘ na fronteira sul dos Estados Unidos, especialmente no Texas.

Desafortunados tropeços físicos e os repetidos problemas verbais [a senilidade do marionete] do Presidente Biden fizeram com que alguns questionassem sua capacidade de continuar a servir como Chefe do Executivo por muito tempo.

Assim, as tensões estão crescendo, elas podem explodir repentinamente como protestos e tumultos generalizados por todos os estados do pais. Além disso, há uma preocupação constante de que ainda possa haver algumas revelações políticas ou escândalos escondidos sob a superfície.

Choques não mitigados para conduzir ao colapso?

Em nosso recente relatório Q-Review , previmos que a crise poderia eclodir de um choque político, econômico ou financeiro.

Os possíveis choques ao sistema político incluem distúrbios generalizados, a rejeição do Fundo de Recuperação da UE ou grandes escândalos políticos. Os possíveis choques no sistema financeiro incluem novos problemas nos mercados de recompra, um crash do mercado de ações ou um colapso do mercado de crédito. Os possíveis choques econômicos incluem o aparecimento de inflação rápida, uma “inundação” de falências de empresas e / ou uma crise bancária.

Qualquer que seja o choque que inicie o crash, é mais do que provável que outros choques apareçam em rápida sucessão quando a crise começar, porque a economia mundial e o sistema político são fracos e altamente interligados e sob corrupção endêmica.

O que acontecerá depois depende da capacidade e da vontade dos bancos centrais de decretar outro resgate do sistema financeiro.

Banqueiros centrais no ‘centro de gravidade’

A questão é quanto mais dessas políticas agressivas do banco central os mercados financeiros e o setor bancário podem tolerar, e até onde os políticos permitirão que esse processo vá?

É improvável que algum banqueiro central queira ser lembrado por destruir os mercados de capitais, o que significa que há algum limite teórico para a intromissão do banco central nos mercados, como afirmam muitos analistas de bancos centrais. Mas onde fica esse limite teórico?  Tão importante quanto, como os próprios bancos centrais reconhecerão esse limite?

Tudo isso é desconhecido, mas é quase certo que os bancos centrais não estarão dispostos a comprar a totalidade dos ativos de risco – e nós concordamos com isso. Isso significa que em algum momento eles serão forçados a “jogar a toalha”.

O aparecimento de uma inflação rápida e galopante seria outro choque que limita a capacidade dos banqueiros centrais de reagir a qualquer turbulência nos mercados financeiros. Se os bancos centrais forem forçados a aumentar as taxas, isso poderia facilmente quebrar os mercados de ativos e títulos, bem como o próprio setor bancário.

Eles sabem disso. E sendo assim o que eles farão?

Grandes terremotos se aproximando?

Podemos estar chegando ao fim de um caminho traçado em 1913 com a criação do sistema Federal Reserve [opseudo Banco Central dos EUA que é controlado por banqueiros privados].

Isso porque, se uma inflação rápida emergisse, os bancos centrais seriam forçados a aumentar as taxas, ou arriscariam uma inflação descontrolada e um colapso da moeda, o que, com grande probabilidade, levaria à implosão do sistema financeiro global excessivamente alavancado. Em qualquer caso, uma crise massiva estaria praticamente garantida, pois seria provável que significasse a ruína do sistema de banco central moderno, já que se poderia facilmente demonstrar que os bancos centrais criaram os pré-requisitos da crise.

Os sistemas políticos também são frágeis, fracos e extremamente corrompidos.

Se o Fundo de Recuperação não for ratificado na Europa, o desmoronamento da zona do euro pode começar de repente. A situação política nos Estados Unidos pode ser melhor descrita como uma “calma inquietante” [antes da grande tempestade], com o governo Biden gerenciando um sistema atormentado pela fragilidade, mas relutante ou incapaz de lidar com as causas dessas fraquezas, cujos efeitos só se agravam com o passar do tempo e o aumento contínuo do deficit já superior ao PIB anual do pais.

Infelizmente, este ano pode trazer terremotos políticos e econômicos não vistos há décadas.  Portanto, 2021 pode muito bem acabar sendo o ano dos “Cisnes Negros” sendo desencadeados em sequência …

Mais Informações

Consulte o relatório Q-Review 3/2011, A economia global zombificada e o choque inflacionário que se aproxima, para obter mais informações. Compre em nossa loja GnS

Fornecemos análises e previsões detalhadas sobre os riscos que assombram a economia global e os mercados financeiros em nossos relatórios Q-Review e Serviço Deprcon . Eles estão disponíveis em nossa Loja .


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]

 

Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.