browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Elite Global impotente para impedir o Brexit

Posted by on 21/12/2019

Muitos criadores de conteúdo e consumidores de mídia independente têm insistido desde 2016 que o Brexit não teria permissão para acontecer, pois a manutenção e a AMPLIAÇÃO do bloco de países membros da UE é um pilar dos globalistas que trabalham para a implantação de um governo GLOBAL, estilo fascista NWO-Nova Ordem Mundial.  Eles primeiro previram que venceriam o referendo, pois isso era supostamente o que o “establishment” queria. Quando acabou ocorrendo a votação para sair da UE, ainda continuou a crença de que os globalistas evitariam o Brexit e o Reino Unido seria para sempre um membro da UE. Mas …

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Inevitável: A elite global não mostra sinais de querer impedir o Brexit

Fonte:  https://stevenguinness2.wordpress.com/2019/12/18/the-global-elite-are-showing-no-signs-of-wanting-to-stop-brexit/

Desde então, porém, ocorreram eventos que, em minha opinião, funcionam contra a teoria de que o Brexit nunca foi o resultado desejado, pois parece exatamente o contrário. Vimos pela primeira vez tentativas de impedir a invocação do Artigo 50 frustradas no parlamento, curiosamente pelos mesmos parlamentares que mais tarde passaram a fazer campanha para um segundo referendo ou para  revogar completamente o Artigo 50.

Isso foi seguido por uma eleição geral da qual o Partido Conservador permaneceu no cargo sob Theresa May, mantendo o Brexit dentro dos limites do elemento de ‘direita‘ do paradigma político daquele momento.

O artigo 50 foi posteriormente estendido várias vezes sob a liderança de Theresa May, permitindo que o Partido Brexit de Nigel Farage vencesse a rodada nas eleições da UE do Reino Unido e levando May a renunciar ao cargo de Primeiro Ministro. Isso abriu o caminho para um ‘Brexitee ‘ assumir o reinado como primeiro-ministro, nesse caso foi o bufão populista Boris Johnson.

Dê um passo à frente Boris Johnson, o chamado candidato ‘ populista ‘. Johnson supervisionou mais uma extensão do artigo 50, que coincidiu com o parlamento apoiando seus apelos para realizar uma eleição geral rápida antes do Natal. Nos meses anteriores, Johnson criara a narrativa de uma “Grande Traição Brexit” contra a vontade e determinação do povo britânico em ABANDONAR a UE, liderada pela seita remanescente do parlamento. Isso preparou o terreno para uma eleição antecipada.

A eleição foi efetivamente a última oportunidade para o establishment globalista NWO mostrar sua mão contra o Brexit antes de 31 de janeiro. Se eles estivessem tão voltados contra a saída do Reino Unido da UE, certamente o sistema que presidem ofereceria uma aliança unida para lutar contra a ameaça de um Brexit ‘sem acordo‘.  Certamente, um governo de coalizão Lib-Lab-SNP liderado pelos Trabalhistas definiria o caminho para um segundo referendo e seria o catalisador para impedir o Brexit.

Como se viu, nada disso se materializou. O lado restante do argumento foi fraturado desde o início, com alguns defendendo a revogação imediata do Artigo 50 e outros endossando um segundo referendo com uma opção de permanecer no boletim de voto. Quanto a Johnson, ele dedicou toda a sua campanha eleitoral ao slogan ‘Get Brexit Done‘. Uma mensagem clara e decisiva nas mentes dos eleitores britânicos e que acabou sendo bem-sucedida, principalmente em apoiar as áreas trabalhistas que se sentiram traídas pela recusa de seus partidos em respeitar o resultado do referendo original.

Originalmente, eu havia dado credibilidade à possibilidade de um segundo referendo como veículo para empurrar uma saída sem acordo da UE do Reino Unido. O que ficou claro agora é que todo o esforço em direção a uma segunda votação foi falso, utilizado principalmente para manter os partidários investidos na esperança de que o Brexit pudesse ser interrompido e para estimular o fervor entre os partidários de esquerda de que o establishment estava traindo a vontade original de saída da UE do eleitorado.

O resultado das eleições na semana passada – uma maioria significativa de 80 cadeiras para os Conservadores de Johnson – não apenas torna obsoleta a perspectiva de outro referendo, mas também reforça a perspectiva de uma eventual saída ‘dura‘ do Brexit nos próximos doze meses.

Antes da eleição, previ que os conservadores permaneceriam no cargo por meio de um governo majoritário ou de um parlamento suspenso, e que qualquer extensão adicional ao artigo 50 seria improvável. A escala da vitória dos conservadores significa que o parlamento não tem mais os números para impedir a aprovação do projeto de lei de retirada de Johnson e afirma que o Reino Unido concluirá a primeira fase de saída da UE em 31 de janeiro de 2020.

A segunda fase do Brexit começará imediatamente após 31 de janeiro, quando o Reino Unido entra em um período de transição com a UE, que dura até o final de dezembro de 2020. Os conservadores incluíram como parte de seu manifesto uma promessa de que a transição não seria estendida até 2021. Com certeza, o governo já anunciou que pretende alterar seu acordo de retirada para tornar esse compromisso juridicamente vinculativo . Mais importante ainda, manteria firmemente viva a perspectiva de uma saída “sem acordo” da UE à medida que entramos no novo ano.

Observando brevemente o período de transição, quando o Reino Unido deixar a UE (simbolicamente a princípio), a Grã-Bretanha ainda estará vinculada à legislação da UE, conforme estipulado no acordo de retirada do bloco. Isso significa que o Reino Unido continuará fazendo parte do mercado único e da união aduaneira. Embora os acordos comerciais atuais persistam, o Reino Unido não será mais representado nos órgãos da UE, o que significa que o país não terá o direito de votar em alterações à legislação da UE entre agora e o final de 2020. O Reino Unido também estará sujeito à decisões dos tribunais da UE.

Um dos slogans de Johnson desde a eleição foi ‘deixar a cura começar‘ e para o país se unir por trás do Brexit. Na realidade, a noção de que o período de transição oferecerá estabilidade duradoura é, na melhor das hipóteses, equivocada. O governo conservador de Johnson insiste que eles podem negociar um acordo de livre comércio com a UE dentro de doze meses. Porém, acordos comerciais dessa complexidade têm um histórico de vários anos para serem concluídos. A esperança é que as negociações sobre um acordo comecem no início de 2020, deixando pouco tempo para que ele seja acordado e ratificado por ambas as partes. Se parece que o período de transição está destinado a falhar, eu diria que isso é intencional.

Por muitos meses, afirmei que o momento em que o Reino Unido sai totalmente da UE se manifestará de uma decisão política tomada pelo governo Johnson. A UE se posicionará pronta e disposta a estender a transição em nome da prevenção de um resultado ‘duro‘ do Brexit. A UE já levantou a ideia de prolongar a transição , com base no fato de que o prazo atual não deixa tempo suficiente para chegar a um acordo comercial. Do ponto de vista da UE, as negociações teriam que priorizar as áreas de mercadorias e o acesso às águas de pesca, com setores como serviços financeiros não incluídos em nenhum acordo inicial [isso depois que os “membros da elite” constituíram a “City de Londres” como o CENTRO FINANCEIRO da UE,..].

O que poucos conhecem e sabem é que a Cidade (The City – “The Crown”) Estado de Londres é o centro de poder financeiro do mundo e a milha quadrada mais valiosa da Terra – contém o Banco da Inglaterra controlado pelos judeus khazares Rothschild, o Lloyd’s de Londres, a Bolsa de Valores de Londres, todos os bancos britânicos, filiais de 385 bancos estrangeiros e 70 bancos dos EUA. A Cidade Estado (a City) de Londres abriga o jornal Fleet Street e monopólios de publicação (BBC/Reuters), também sede da World Wide English Masonry e o cartel mundial conhecido como The Crown …Com a saída do Reino Unido da UE todo este “ESQUEMA” termina, para PREJUÍZO dos globalistas  FONTE

Em suma, se e quando o Reino Unido deixar a UE completamente, a UE não será considerada culpada pelo momento da saída. Caberá inteiramente a Johnson e sua marca de ‘populismo‘. Supondo que o período de transição não seja estendido e que nenhum acordo comercial seja alcançado, o Reino Unido voltaria aos termos da Organização Mundial do Comércio.

Onde isso começa a ficar mais interessante é o papel que os Estados Unidos, e Donald Trump em particular, desempenharão na segunda fase do Brexit. Outro dia, foi revelado que Johnson e Trump conversaram sobre a preservação do ” relacionamento especial ” entre as duas nações, negociando um acordo de livre comércio entre o Reino Unido e os EUA após o Brexit.

O problema, conforme relatado pela Reuters , é que a UE exigirá, como parte de um acordo de livre comércio com as disposições do Reino Unido, que impeça a Grã-Bretanha de oferecer produtos agrícolas e alimentares no mercado único a preços mais baratos. Isso colocaria o Reino Unido em conflito com os EUA, que, como parte de seu próprio acordo de livre comércio, desejariam acesso sem ônus a esses setores e a capacidade de oferecer produtos de forma mais barata. Para a UE, isso estaria cruzando uma linha vermelha. Tudo indica que restringiriam o acesso ao mercado único por parte de concorrentes estrangeiros, a fim de proteger seus próprios produtores.

O cenário está pronto para uma ruptura substancial do conflito comercial global em 2020 envolvendo a UE, os EUA e o reino unido. Não ficaria surpreso se Donald Trump exacerbar as tensões com a UE ao impor tarifas adicionais à união europeia, assim como o Reino Unido está negociando um acordo comercial com o bloco.

É claro que Trump está pronto para ser reeleito em novembro de 2020, uma questão de semanas antes do vencimento do período de transição. É possível que o culminar da segunda fase do processo Brexit – um evento sem acordo – possa coincidir diretamente com a eleição e um possível segundo mandato no cargo de Trump. As consequências disso abrangeriam os próximos quatro anos sob a bandeira do que os políticos da oposição chamam de ‘nacionalismo ressurgente‘, liderados por seus filhos Johnson e Trump.

Aqui no Reino Unido, no dia seguinte à vitória de Johnson nas eleições, um tema divulgado na grande mídia foi o de representar uma vitória para o ‘populismo . Há muito tempo raciocino que instituições globais e bancos centrais estão se preparando para usar um aumento percebido no protecionismo / populismo como bodes expiatórios para uma crise econômica iminente. A narrativa de ‘nacionalismo ressurgente‘ sendo um perigo para a ‘ordem global baseada em regras‘ da segunda guerra mundial só se intensificou desde o referendo da UE e a presidência de Donald Trump.

Infelizmente, essa é uma conexão que poucos na mídia independente levaram a sério ou passaram algum tempo real investigando, e isto se torna óbvio na medida que a MSM [Mídia Maistream é controlada]. Em vez disso, eles argumentaram que, como o Reino Unido ainda não deixou a UE quase quatro anos após o referendo original, é uma prova de que a elite não quer que o Brexit aconteça.

O que eu acredito que eles ignoram é como os globalistas tradicionalmente trabalham em direção a objetivos de médio e longo prazo – objetivos que podem durar anos, às vezes décadas. É o que o autor David Icke chamou de ‘ponta totalitária do dedo do pé‘. Em vez de avançar diretamente do ponto A ao ponto Z, é necessário avançar em etapas incrementais para que a transição de um estado para outro pareça mais natural do que deliberadamente manipulada.

A ideia é que mudanças significativas sejam vistas como originárias da incompetência política e não da conspiração fabricada pelos elitistas. Nesse sentido, o processo do Artigo 50 e o próximo período de transição servem perfeitamente a esse objetivo. Com Johnson no comando, os olhos do mundo estarão nele e não em instituições econômicas globais, como o Banco de Pagamentos Internacionais [BIS, controlado pelos Rothschilds] e o Fundo Monetário Internacional.

No momento, os globalistas têm uma variedade de objetivos declarados, com dois dos mais proeminentes sendo o Innovation BIS 2025 e a Agenda 2030 da ONU. Até 2025, as elites bancárias desejam a conclusão de novos sistemas de pagamento projetados para trabalhar em conjunto com a emissão do banco central digital. moeda através da tecnologia de contabilidade distribuída. Foi o BIS quem iniciou toda a narrativa sobre ‘dinheiro na era digital‘ após o referendo do Brexit. Eles, o FMI e os bancos centrais abaixo deles têm como objetivo a abolição gradual de ativos tangíveis em favor dos intangíveis.

Complementar essa visão é o desejo da ONU de desenvolvimento sustentável. Suas políticas (notavelmente o “Novo Acordo Verde – New Green Deal” cujo expoente é a marionete do sistema, Greta Thunberg), que agora estão sendo adotadas pelos governos nacionais e colocadas na vanguarda do discurso político, visasdo transformar o uso de energia e das terras na sociedade e, finalmente, transferir poderes dos estados soberanos e colocar nas mãos de tecnocratas globais.

O que a elite está buscando alcançar inevitavelmente causará uma instabilidade grave em todo o mundo. É por isso que eles exigem um amplo nível de distração dentro da esfera geopolítica. Quando ações decorrentes de Brexit e Trump desencadearem uma desaceleração econômica, como eu acredito que acontecerá, e com isso a ruptura da ‘ordem global vigente baseada em regras‘, os globalistas estarão em uma posição privilegiada para fornecer soluções.

Embora Greta Thunberg possa muito bem se preocupar genuinamente com o destino do planeta, sua mensagem é cuidadosamente elaborada por aqueles que a controlam para gerar uma resposta específica da juventude. Em resumo, Greta é o rosto [e uma marionete Illuminati] de um grande esquema de marketing – um esforço internacional fortemente coordenado para vender o aquecimento global através de uma lente específica: do medo, pânico, da culpa e da urgência. FONTE

O edifício do pós-Segunda Guerra Mundial é que acredito que esta em processo de ser desmontado para dar lugar ao que banqueiros como Mark Carney cunharam como uma ‘ nova ordem econômica mundial ‘. Em vez de destruir o sistema [que esta absolutamente QUEBRADO], os globalistas adotaram o modelo do gradualismo. É desintegração por implosão total. O resultado final é o mesmo, mas parece aos olhos desavisados ​​que os fatos são menos orquestrados.

Instigar o caos e provocar ordem subsequente – na maioria dos casos, levando ao aumento da centralização do poder da mesma Elite – é essencialmente o modus operandi dos globalistas. E são eles que agora falam do Brexit como se fosse um acordo. A linguagem mudou notavelmente nos últimos meses para um sistema financeiro ‘além do Brexit‘ e preparação para o que foi denominado como ‘arquitetura pós-Brexit‘.

O Brexit está acontecendo. E quando isso acontecer, não será por mero acidente.


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.