browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Era do Medo: uma mensagem para tempos aterrorizantes

Posted by on 16/05/2021

Com tudo o que está desabando sobre nós, desde crises manipuladas pelo governo até o contragolpe decorrente de uma sociedade que tem valorizado repetidamente a conveniência tecnológica e os valores do mercado de massa sobre a autodisciplina e a soberania individual, aqueles que atingem a maioridade [finalizam o curso superior] hoje estão enfrentando alguns dos maiores e mais graves ameaças às liberdades que o mundo já testemunhou.

“Com voz ou sem voz, o povo sempre pode ser levado a obedecer às ordens dos seus líderes. Isso é fácil. Basta dizer a eles que estão sendo atacados e denunciar os pacifistas por falta de patriotismo e por expor o país ao perigo. Funciona da mesma forma em qualquer país”.—Hermann Goering, líder nazista

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A Era do Medo: uma mensagem de formatura para tempos aterrorizantes

É totalmente assustador.

Os jovens formandos se verão sobrecarregados em muitos aspectos, sobrecarregados com dívidas universitárias excessivas e lutando para encontrar um emprego que valha a pena em uma economia cheia de dívidas e à beira da implosão [colapso]. Sua privacidade será eviscerada pelo estado de vigilância. Eles serão ameaçados, intimidados e espancados pela polícia militarizada. Eles serão os súditos de um império militar em constante guerra contra inimigos sombrios e agentes do governo armados até os dentes, prontos e capazes de bloquear o país a qualquer momento.

Como tal, eles se verão forçados a marchar em sincronia com um governo que não existe mais para servir ao povo, mas que exige que “nós, o povo” sejamos escravos obedientes ou soframos as consequências se não obedecermos aos seus ditames. É uma perspectiva desanimadora, não é?

Infelizmente, no passado nós não conseguimos nos proteger contra esse futuro, hoje o presente.

Pior, nós, que deveríamos saber mais, negligenciamos manter nossas liberdades ou fornecer aos nossos jovens as ferramentas necessárias para resistir à opressão e sobreviver, quanto mais ter sucesso, na selva impessoal que é a América [e a civilização] moderna.

Nós os trouxemos para lares fragmentados pelo divórcio , distraídos por entretenimento estúpido , com familiares drogados em opioides e obcecados pela busca do materialismo . Nós os institucionalizamos em creches e programas pós-escola, substituindo o tempo com professores e funcionários da creche pelo envolvimento dos pais. Nós os transformamos em testadores ao em vez de pensadores auto conscientes e disciplinados e autômatos em vez de ativistas.

Permitimos que eles definhassem em escolas que não apenas parecem prisões, mas também funcionam como prisões e onde se sofre lavagem cerebral da pior espécie – onde a conformidade é a regra e a liberdade [inclusive de pensamento] é a exceção. Nós os tornamos presas fáceis para nossos senhores corporativos, ao mesmo tempo que instilamos neles os valores de uma cultura obcecada por celebridades, influencers [e outros idiotas] e movida a tecnologia, desprovida de qualquer espiritualidade verdadeira. E nós os ensinamos a acreditar que a busca de sua própria felicidade pessoal supera todas as outras virtudes, incluindo qualquer empatia por seus semelhantes.

Permitimos que fossem manipulados por uma cultura corporativa que simplesmente quer dinheiro e mais e mais controle. No entanto, como Aldous Huxley advertiu: “A vítima de manipulação e controle da mente não sabe que é uma vítima. Para ele, as paredes de sua prisão são invisíveis e ele acredita que está livre” [especialmente se o “sistema” tudo permite].

Não, não fizemos nenhum favor a esta geração.

Com base no clima político atual, as coisas podem muito bem piorar antes mesmo de começarem a melhorar. Aqui estão alguns conselhos que, com sorte, ajudarão os que estão chegando à maioridade hoje a sobreviver aos perigos da jornada que os aguardam:

Seja um indivíduo pensante . Apesar de todas as suas pretensões de defender o indivíduo, a cultura americana defende uma conformidade total que, como John F. Kennedy advertiu, é ” o carcereiro da liberdade e o inimigo do crescimento“. Se preocupe menos em se adequar ao resto do mundo [a massa de zumbis] e, em vez disso, como Henry David Thoreau instou , torne-se “um Colombo para novos continentes e mundos dentro de você, abrindo novos canais, não de comércio, mas de pensamento”.

Aprenda sobre os seus direitos . Estamos perdendo nossas liberdades por um motivo simples: a maioria de nós não sabe nada sobre nossas liberdades. No mínimo, qualquer pessoa que se formou no ensino médio, quanto mais na faculdade, deve conhecer a Declaração de Direitos de trás para frente. No entanto, o jovem médio, quanto mais o cidadão maduro, tem muito pouco conhecimento de seus direitos pela simples razão de que o sistema educacional não os ensina mais e despende pouco tempo com os direitos das pessoas. Portanto, pegue uma cópia da Constituição e da Declaração de Direitos e estude-as em casa. E quando chegar a hora, lute por seus direitos antes que seja tarde demais.

Fale a verdade aos que estão encastelados no poder . Não seja ingênuo sobre aqueles que ocupam posições de autoridade. Como James Madison, que escreveu nossa Declaração de Direitos, observou:

“Todos os homens que têm poder devem ser objeto de desconfiança”. 

Devemos aprender as lições da história. Pessoas no poder, na maioria das vezes, abusam desse poder. Para manter nossas liberdades, isso significará desafiar funcionários do governo [de qualquer nível] sempre que eles excederem os limites de seus cargos.

Resista a todas as coisas que o entorpecem . Não meça o seu valor pelo que você possui ou ganha. Da mesma forma, não se torne consumidores estúpidos e inconscientes do mundo ao seu redor. Resista a todas as coisas que o entorpecem, o colocam para dormir ou o ajudam a “lidar” com a chamada “realidade”. Aqueles que estabelecem as regras e leis que governam as ações da sociedade desejam sujeitos complacentes e imbecilizados. No entanto, como George Orwell advertiu: “Até que se tornem conscientes, eles nunca se rebelarão e até depois de se rebelarem, eles não podem se tornar conscientes”São esses indivíduos conscientes que mudam o mundo para melhor.

Não deixe que a tecnologia transforme você em meros Zumbis . A tecnologia nos anestesia para as tragédias muito reais que nos cercam. Techno-gadgets são apenas distrações do que realmente está acontecendo na América e ao redor do mundo. Como resultado, começamos a imitar a tecnologia desumana que nos cerca e perdemos nossa humanidade. Tornamo-nos sonâmbulos e insensíveis. Se você vai fazer a diferença no mundo, vai ter que puxar os fones de ouvido, desligar os telefones celulares e gastar muito menos tempo vendo telas de mídia social.  Então, talvez você veja o mundo como ele realmente é.

Ajude os outros . Todos nós temos um chamado na vida. E eu acredito que tudo se resume a uma coisa: você está aqui neste planeta para ajudar outras pessoas. Na verdade, nenhum de nós pode existir por muito tempo sem a ajuda de outros. Se vamos ver alguma mudança positiva para viver em liberdade em nosso mundo, então devemos mudar nossa visão do que significa ser humano e recuperar o sentido do que significa amar e ajudar uns aos outros. Isso significará ganhar coragem para defender os oprimidos.

Dê voz à indignação moral . Como disse Martin Luther King Jr.: “Nossa vida começa a terminar no dia em que silenciamos sobre as coisas que importam”. Não faltam questões sobre as quais nos posicionar. Por exemplo, em qualquer noite,  mais de meio milhão de pessoas nos Estados Unidos estão desabrigadas e metade delas são idosas. Existem  46 milhões de americanos vivendo na linha da pobreza ou abaixo dela , e  16 milhões de crianças vivendo em famílias sem acesso adequado a alimentos . O Congresso cria, em média,  mais de 50 novas leis criminais a cada ano . Com mais de 2 milhões de americanos presos e cerca de 7 milhões de adultos em cuidados correcionais, os Estados Unidos têm a maior população carcerária do mundo.

Pelo menos 2,7 milhões de crianças nos Estados Unidos têm pelo menos um dos pais na prisão . Pelo menos  400 a 500 pessoas inocentes são mortas por policiais  todos os anos. Os americanos têm agora  oito vezes mais probabilidade de morrer em um confronto policial  do que de um ataque terrorista. Em um dia normal na América,  mais de 100 americanos têm suas casas invadidas por  equipes da SWAT . Custa ao contribuinte americano $ 52,6 bilhões por ano para ele próprio ser espionado pelas agências de inteligência do governo  com a tarefa de vigilância, recolha de dados, contra-espionagem e atividades secretas. Enquanto isso, desde 11 de setembro, os EUA gastaram mais de  US$ 1,6 trilhão para travar guerras no exterior e policiar o resto do mundo. Esta é uma afronta flagrante para quem acredita na liberdade.

Cultive a espiritualidade, rejeite o materialismo e coloque as pessoas em primeiro lugar . Quando as coisas mais importantes foram subordinadas ao materialismo [e aos prazeres mundanos], perdemos nossa bússola moral. Devemos mudar nossos valores para refletir algo mais significativo do que tecnologia, materialismo, relações superficiais e política. De pé no púlpito da Igreja Riverside na cidade de Nova York em abril de 1967, Martin Luther King Jr. exortou seus ouvintes:

“[Nós como indivíduos] … e, como nação, devemos passar por uma revolução radical de valores. Devemos começar rapidamente a mudança de uma sociedade “orientada para as coisas” para uma sociedade “orientada para as pessoas”. Quando máquinas e computadores, motivos de lucro e direitos de propriedade são considerados mais importantes do que as pessoas, os trigêmeos gigantes do racismo, materialismo e militarismo são incapazes de ser conquistados [e controlados]”.

Junte-se a nós e faça sua parte para tornar o mundo um lugar melhor . Não confie em outra pessoa para fazer o trabalho pesado por você. Não espere que outra pessoa conserte o que aflige você, sua comunidade ou nação. Como Gandhi pediu: “Seja a mudança que você deseja ver no mundo.

Diga não à guerra. Dirigindo- se aos formandos na Binghampton Central High School em 1968 , numa época em que o país estava travando uma guerra “em diferentes campos, em diferentes níveis e com diferentes armas”, declarou o criador do Twilight Zone , Rod Serling:

“Muitas guerras são travadas quase que mecanicamente. Muitas guerras são travadas com slogans, hinos de batalha, apelos antigos e bolorentos ao patriotismo que terminaram com a cavalaria e os fossos. Amem o seu país porque ele é eminentemente digno do seu carinho. Respeite-o porque ele merece seu respeito. Seja leal a ele porque ele não pode sobreviver sem a sua lealdade. Mas não aceite o derramamento de sangue como uma função natural ou um modo prescrito da história – mesmo que a história aponte isso por sua repetição. O fato de os homens morrerem por causas não necessariamente santifica essa causa. E que os homens sejam mutilados e despedaçados a cada quinze e vinte anos não imortaliza ou diviniza o ato de guerra … encontre outro meio que não venha com a morte de seu próximo”.

Finalmente, prepare-se para o que está por vir. Os demônios [existem muitos e estão ativos] de nossa época – alguns dos quais se disfarçam de políticos – adoram fomentar a violência, semear desconfiança, discordia e preconceito e persuadir o público a apoiar a tirania disfarçada de patriotismo e / ou nos manter “seguros”. Superar os males de nossa doentia era exigirá mais do que intelecto e ativismo. Isso exigirá decência, moralidade, bondade, verdade e resistência. Como Serling concluiu em suas observações à turma de formandos de 1968:

“A robustez é a qualidade singular que mais se exige de você… deixamos para vocês um mundo muito mais bagunçado do que aquele que nos restou … Parte do seu desafio é buscar a verdade, chegar a um ponto de vista que ninguém lhe ditou, seja ele um deputado, até mesmo um ministro … Você é forte o suficiente para levar a divisão desta nossa terra, o fato de que tudo é polarizado, preto e branco, isso ou aquilo, absolutamente certo ou absolutamente errado. Este é um dos desafios. Esteja preparado para buscar o meio termo … aquele Valhalla maravilhoso e muito difícil de encontrar, onde o homem pode olhar para os dois lados e ver as verdades errôneas que existem em ambos os lados. Se você precisa balançar para a esquerda ou para a direita – respeite o outro lado. Honre os motivos que vêm do outro lado. Argumente, debata, refute – mas não feche suas mentes maravilhosas à oposição. Aos olhos deles, você se ‘reposiciona’. E, finalmente … no final das contas – você acaba com a divisão por meio de um acordo. E enquanto os homens caminharem e respirarem – lá deve  ser um compromisso” …

“Você é forte o suficiente para enfrentar uma das manchas mais feias na estrutura de nossa democracia – o preconceito? É a raiz básica da maioria dos males. É uma parte da doença do homem. E é parte da admissão do homem, sua admissão constante doentia, que para existir ele deve encontrar um bode expiatório. Para explicar suas próprias deficiências, ele deve tentar encontrar alguém que acredite ser mais deficiente … Faça o seu julgamento de seu próximo com base no que ele diz, no que acredita e na maneira como age. Seja forte o suficiente, por favor, para viver com o preconceito e lutar contra ele. Ele deforma, envenena, distorce e é autodestrutivo. Tem uma precipitação pior do que uma bomba … e o pior de tudo, barateia e rebaixa qualquer pessoa que se permite o luxo de odiar”.

Como deixo claro em meu livro Battlefield America: The War on the American People , a única maneira de conseguirmos mudanças neste país é o povo americano finalmente dizer “já basta” e lutar pelas coisas que realmente importam .

Não importa quantos anos você tem ou qual é sua ideologia política. Se você tem algo a dizer, diga, fale. Seja ativo e, se necessário, pegue uma placa de piquete e vá para as ruas. E quando as liberdades civis são violadas, não fique em silêncio sobre isso.

Acorde, levante-se e faça com que seu ativismo valha mais do que política em um mundo que virou de cabeça para baixo.

SOBRE JOHN W. WHITEHEAD: O advogado constitucional e autor John W. Whitehead é o fundador e presidente do Instituto Rutherford . Seus livros  Battlefield America: The War on the American People  e A Government of Wolves: The Emerging American Police State estão disponíveis em www.amazon.com . Ele pode ser contatado em  johnw@rutherford.org . Nisha Whitehead é a Diretora Executiva do The Rutherford Institute. Informações sobre o Instituto Rutherford estão disponíveis em www.rutherford.org

2 Responses to A Era do Medo: uma mensagem para tempos aterrorizantes

  1. jedu

    Muitos poderão achar como um texto falso, mas seu conteúdo é verdadeiro.
    É contundente e real, é o que estamos presenciando já faz algum tempo.
    Essa realidade é cruel e assustadora, nossa consciência há de separar o “joio do trigo” para continuarmos sobrevivendo a essa desarmonia estabelecida. O domínio pelo medo gera o poder dos manipuladores insaciáveis e cruéis, muita atenção!

  2. Silvio J. B. Maia

    Faz parte desta transição a faxina sideral no eleitorado, removendo os que não têm mais como elevar-se.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.