browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A praga da Ignorância de ONGs europeias desce sobre a África

Posted by on 21/02/2020

Ativistas europeus estão colocando vidas em risco na África Oriental, transformando uma praga de insetos em uma perspectiva real de fome generalizada. O gafanhoto do deserto, de rápida reprodução, invadiu o Quênia, a Somália e a Etiópia, criando um estado de emergência. As pragas desembarcaram recentemente em Djibuti, Eritreia, Omã e Iêmen. Enxames também atingiram a Tanzânia e Uganda . Eles não vão parar por conta própria. Segundo a Organização da Agricultura Alimentar (FAO), “esta é a pior situação em 25 anos”.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A praga da ignorância anti-científica da Europa desce sobre a África

Por James Njoroge  – Fonte:  https://www.europeanscientist.com/en/features/europes-anti-science-plague-descends-on-africa/

Essas pequenas bestas bíblicas consomem todas as plantas em seu caminho, deixando para trás terras e pastagens devastadas e podem migrar até 150 km em um único dia. Eles já cobriram um milhão de hectares no Quênia, sem sinais de desaceleração.

O número de pessoas afetadas é impressionante. Vinte e cinco milhões de pessoas ficaram com fome, segundo a estimativa da Oxfam. No entanto, em vez de se unir às nações africanas neste momento de grande perigo, mais membros de ONGs [instrumentos da agenda das elites] financiadas pela UE desceram no parlamento queniano para exigir que o governo se desarme na batalha contra a praga dos gafanhotos. 

O desespero nas comunidades afetadas é real e muito mais precisa ser feito. “Nós nos resignamos a métodos grosseiros, como gritar, queimar pneus e assobiar, para afugentar os insetos”, diz Muthuri Murungi, morador da cidade de Meru, no leste do Quênia.

Eles querem que o governo queniano proíba os pesticidas usados ​​para combater os gafanhotos, a única ferramenta eficaz que pode deter esses insetos e impedir que a crise fique fora de controle.

Segundo especialistas, um pesticida como o Fenitrothion desempenhará um papel fundamental na eliminação de gafanhotos no Quênia e em outros países africanos. Se aplicado adequadamente, pode impedir os enxames de gafanhotos do deserto de continuar devastando a região. Mas o Quênia não possui os suprimentos de que precisa desesperadamente 

“O pesticida Fenitrothion é muito eficaz. Mata gafanhotos dentro de quarenta minutos a seis horas após a pulverização”, diz Salad Tutana, presidente da equipe de coordenação de controle de gafanhotos do norte do Quênia. Salad diz que eles estão passando por uma falta desse inseticida, mas que novos suprimentos de pesticidas chegaram recentemente do Japão.

São necessários mais planos para a pulverização. Atualmente, existem apenas cinco aviões sendo usados ​​para pulverizar os inseticidas disponíveis. O Quênia já reservou US $ 2,5 milhões para combater gafanhotos por meio da pulverização, mas isso não é suficiente, pois a situação continua a piorar. A FAO da ONU concordou em contribuir com US$ 70 milhões para o esforço de pulverização, mas até agora apenas US$ 15 milhões chegaram à região.

O desespero nas comunidades afetadas é real e muito mais precisa ser feito. “Nós nos resignamos a métodos grosseiros, como gritar, queimar pneus e assobiar, para afugentar os insetos”, diz Muthuri Murungi, morador da cidade de Meru, no leste do Quênia. A comunidade agrícola da África ainda está sofrendo com a incursão de outra praga maligna, o Fall Armyworm, que em um ano privou 70% dos agricultores do milho queniano (milho) plantado. 

Essa mariposa voraz é mantida sob controle nas Américas – onde é nativa – por pesticidas e culturas geneticamente modificadas. Mas também aqui os ativistas das ONGs europeias estão tentando ditar as suas políticas que permitam que as pragas de insetos continuem sem controle.

As ONGs lideradas pela Route to Food – que se opõe aos OGM – agora estão pressionando uma proposta no Quênia para proibir mais de 200 pesticidas – incluindo aqueles usados ​​contra gafanhotos do deserto e a mariposa Fall Armyworm de outono. O Route to Food foi criado na África em 2016 usando fundos de contribuintes da Fundação Heinrich Boll do Partido Verde Alemão.

Esta organização está promovendo todas as idéias atualmente “ditadas pela moda” na Europa, como mandatos de alimentos orgânicos e oposição às modernas tecnologias agrícolas em nome da “agroecologia”. Os europeus podem se dar ao luxo de pagar a grande sobretaxa para cultivar alimentos com métodos orgânicos ineficientes. Isso não é uma opção nos países da África.

De fato, esses europeus querem que a África desista da ideia de se tornar uma economia mundial avançada ou mesmo de alcançar a verdadeira segurança alimentar. A moda “agroecológica” adotada pelas elites européias em organizações internacionais – incluindo algumas da FAO – exalta a “agricultura camponesa” e o “direito à agricultura de subsistência”, como se isso fosse algum tipo de ideal, enquanto nega aos africanos as modernas tecnologias usadas em países como Estados Unidos e Brasil, dois dos maiores produtores de alimentos do planeta.

A ONG Route to Food não está sozinha. Outra ONG, a Rede Orgânica de Agricultura do Quênia (KOAN), também brotou das sementes do capital europeu. Os governos da UE, através de agências de desenvolvimento como o Ministério das Relações Exteriores da Dinamarca, a Agência Suíça para o Desenvolvimento e Cooperação e as ONGs holandesas SNV e Instituto Humanista de Cooperação com Países em Desenvolvimento (HIVOS, ou Humanistisch Instituut voor Ontwikkelingssamenwerking em holandês), criaram este grupo para promover os interesses comerciais da indústria orgânica. 

Assim, a KOAN está promovendo proibições dos pesticidas que o Quênia precisa para enfrentar essas crises, mas a proposta que eles apoiam convenientemente exclui da proibição o pesticida favorito dos agricultores orgânicos, o sulfato de cobre, que é altamente tóxico. Por que esses padrões duplos?

O cobre, em seus vários compostos, é considerado “natural” e, portanto, aprovado para produção orgânica, mas é altamente perigoso para os seres humanos e destrutivo para a biodiversidade. Ele se acumula no solo e é um  conhecido agente cancerígeno. Em 2015, a UE colocou compostos de cobre em sua lista de “candidatos a substituição” – o que significa que eles são “de especial preocupação para a saúde pública ou o meio ambiente”. A UE teria banido as substâncias há muito tempo, exceto que os produtores orgânicos, que os jogam em seus campos em quantidades realmente surpreendentes, não poderiam sobreviver sem ela.

Proibir pesticidas modernos mais seguros e mais eficientes, como o Fenitrothion que é eficaz contra os gafanhotos, mas permitir que o cobre seja uma maneira covarde dos interesses orgânicos de acabar com a concorrência.  isso, a menos que os gafanhotos sejam interrompidos em seu ataque, serão os próprios agricultores africanos que serão exterminados pela fome.

Espera-se que os enxames de gafanhotos se multipliquem 500 vezes em questão de meses, principalmente quando a estação chuvosa chegar em abril e maio. Para as elites privilegiadas das capitais da Europa, pesticidas e tecnologia agrícola são uma questão de “‘estilo de vida e sinalização de virtude” (e, às vezes, de grandes interesses financeiros diretos). A Europa é rica o suficiente para dizimar sua própria agricultura e se tornar um importador líquido ainda maior de alimentos do que já é. Para os africanos sem esse luxo, isso é uma questão de vida ou morte.

A Europa ficou paralisada por alegações de moda de ONGs ativistas que pressionam agendas políticas. Precisa acordar e ver o que acontece quando essas doutrinas anticientíficas descem no continente africano. O mundo natural e orgânico, sem pesticidas ou OGM que estão promovendo, chegou à África. E é uma nuvem de destruição, é natural, orgânica e precisa ser combatida.

O resto do mundo precisa tomar medidas para impedir que essa crise se torne a pior forma de tragédia – uma que poderia ter sido evitada, a de que milhões de pessoas passando fome aumente ainda mais o sofrimento de populações dos povos de países africanos.

Gafanhotos bloqueiam tráfego em cenário ‘apocalíptico’ em Bahrein:

Nuvem de gafanhotos enchem os céus de fronteiras chinesas após praga destruir plantações na África e Oriente Médio e o gigante asiático já estar lutando contra o coronavírus.

Por sua vez, a ONU tem emitido alarmes sobre a seriedade do problema, enquanto os gafanhotos entram no território da China, conforme visto no vídeo abaixo. Acredita-se que o local onde foi feito o vídeo seja a província de Xinjiang, caracterizada por desertos e próxima de países da Ásia Central e da Rússia.

Ainda segundo a mídia, o governo chinês não tem visto a praga de gafanhotos como motivo de preocupação. A razão disso seria as tecnologias que o país possui para lidar com o problema.


James Njoroge

James Njoroge nasceu no Quênia e atualmente é consultor de comunicação em Seattle, Washington, EUA. Ele possui um Mestrado em Comunicação pela Universidade Estadual de Wichita e um Mestrado em Design e Engenharia Centrado no Homem pela Universidade de Washington. Ele também escreve para a Science 2.0.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo”Mateus 24:6-13


Leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com

 

2 Responses to A praga da Ignorância de ONGs europeias desce sobre a África

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.