browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Real História por trás dos Cavaleiros Templários (II)

Posted by on 11/07/2021

Hugh de Payns: Entre todas as diferentes teorias sobre o início dos Templários, existe uma constante.  O fundador da ordem foi um certo cavaleiro de nome Hugh de Payns, Alguns dizem que ele e alguns camaradas abordaram primeiro o patriarca de Jerusalém, pedindo para viver uma vida monástica na cidade. Outros relatam que os homens foram até  Balduíno II, rei de Jerusalém.  Outros ainda sugerem que foi Balduíno II quem pediu a Hugh e seus amigos que agissem como protetores para os muitos peregrinos que vinham do Ocidente para Jerusalém.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A Verdadeira História por trás dos Cavaleiros Templários

Livro “The Real History Behind the Templarsde Sharan Newman, nascida em 15 de abril de 1949 em Ann Arbor, Michigan , ela é uma historiadora americana e escritora de romances históricos. Ela ganhou o prêmio Macavity de Best First Mystery em 1994.


PARTE UM – CAPÍTULO DOIS

Hugh de Payns

Entre todas as diferentes teorias sobre o início dos Templários, existe uma constante. O fundador da ordem foi um certo cavaleiro de nome Hugh de Payns.

Alguns dizem que ele e alguns camaradas abordaram primeiro o patriarca de Jerusalém, pedindo para viver uma vida monástica na cidade. Outros relatam que os homens foram para Balduíno II , rei de Jerusalém. Outros ainda sugerem que foi Balduíno II quem pediu a Hugh e seus amigos que agissem como protetores para os muitos peregrinos que vinham do Ocidente para Jerusalém.

Em todos eles, a principal constante é Hugh de Payns.

Mas quem era Hugh? Onde está situada Payns? Qual era sua formação e quem era sua família? O que poderia tê-lo levado a dedicar sua vida à luta por Deus?

Apesar de sua importância, mesmo em sua própria época, uma biografia contemporânea de Hugh nunca foi encontrada. Nenhum escritor medieval sequer mencionou a leitura de uma. Acho isso interessante porque me indica a inquietação que as pessoas sentiam com a ideia de monges guerreiros.

Outros homens que fundaram ordens, como Francisco de Assis ou Roberto de Arbrissel, tiveram biografias escritas sobre eles imediatamente após suas mortes. O objetivo principal disso era ter um relato de uma testemunha ocular de sua santidade, caso fossem sugeridos para canonização. Do pouco que foi escrito sobre Hugh, nada foi negativo, mas não parece ter havido qualquer sentido de que ele estava na linha para a santidade.

Hugh de Payns e Godfrey de St. Omer retratados perante o rei de Jerusalém, Balduíno II. (Bibliotheque Nationale)

Então, como podemos descobrir mais sobre este homem que começou tudo?

A primeira pista que temos é do cronista Guilherme de Tiro. Ele diz que Hugh veio da cidade de Payns, perto de Troyes, no condado de Champagne.[1] William também menciona o companheiro de Hugh, Godfrey de St. Omer, da Picardia, hoje Flandres. Esses dois homens parecem, aos olhos de William, ser cofundadores dos Templários, mas foi Hugh quem se tornou o primeiro Grão-Mestre. Isso pode ter ocorrido por meio de uma liderança natural, mas também pode ter sido porque Hugh tinha as conexões certas.

Payns é uma pequena cidade da França, perto de Troyes, a residência dos condes de Champagne.  Ele está situado em uma terra fértil que até então tinha uma reputação por seu vinho. Não se sabe quando Hugh nasceu, ou quem eram seus pais. A primeira menção dele nos registros é de cerca de 1085-1090, quando um “Hugo de Pedano, Montiniaci dominus” ou Hugo de Payns, senhor de Montigny, testemunhou um foral em que Hugo, conde de Champagne  doou terras ao abadia de Molesme.[2] Para ser testemunha, nosso Hugo devia ter pelo menos dezesseis anos. Então ele provavelmente nasceu por volta de 1070.

Nos próximos anos, mais quatro cartas do conde são testemunhadas por um “Hugo de Peanz” ou “Hugo de Pedans”. Na verdade, o nome do local é escrito de forma ligeiramente diferente cada vez que aparece.[3] Também se escreve “Hughes”. Soletrar era muito mais uma arte criativa naquela época. No entanto, é quase certo que são todos o mesmo homem. Isso mostra que Hugh fazia parte da corte do conde de Champagne, talvez até sendo parente dele.

A última dessas cartas em Champagne é de 1113. A próxima vez que encontrarmos o nome Hugh de Payns, será em 1120 em Jerusalém. Isso é altamente sugestivo, já que Hugo é testemunha de uma carta que confirma a propriedade da Ordem de São João (os Hospitalários ).[4] Portanto, agora temos a confirmação da história de que Hugo estava em Jerusalém em 1119-1120 para fundar os Templários fora das histórias posteriores. No entanto, só cinco anos depois é que Hugh testemunha uma carta na qual ele se lista como “Mestre dos Cavaleiros Templários”.[5]

Nesse meio tempo, ele é testemunha de uma doação feita em 1123 por Garamond, patriarca de Jerusalém, à abadia de Santa Maria de Josafat. Aqui, Hugh é listado apenas pelo nome “Hugonis de Peans”. Não há menção aos Templários e Hugo está perto do fim da lista de testemunhas, mostrando que ele não era uma das pessoas mais importantes presentes.[6]

Como Hugh chegou a Jerusalém? O que aconteceu nesses cinco anos entre testemunhar uma Carta como um leigo e tornar-se Mestre dos Templários? Podemos adivinhar, mas a menos que apareçam mais informações, não podemos saber com certeza.

A razão mais provável para Hugh ter ido para a Terra Santa foi na companhia de outro Hugh, o conde. O conde de Champagne, que fez uma peregrinação a Jerusalém, sua segunda, em 1114.[7] Não há uma lista de seus companheiros, mas caberia que Hugh de Payns estivesse em sua companhia. Hugh já estava entre os presentes no tribunal com frequência suficiente para ser testemunha das doações do conde e, portanto, sendo um de seus vassalos. Mas ele deve ter sido dispensado de suas obrigações para com seu senhor, pois, quando o conde Hugh voltou para casa, Hugh de Payns permaneceu em Jerusalém.

Por quê?

Novamente, Hugh não deixou nada para nos contar. Foi como penitência por seus pecados? A maioria das peregrinações tinha o objetivo de buscar o perdão divino. Muitas pessoas insistem que os cavaleiros só vão para a Terra Santa em busca de riqueza, seja em terras ou em bens roubados daqueles que conquistaram. Mas no caso de Hugh, uma vez que decidiu permanecer em Jerusalém, ele resolveu viver a vida de um monge, sem possuir nada.

É ainda mais surpreendente porque Hugh aparentemente deixou uma esposa e pelo menos um filho pequeno para trás. Sua esposa se chamava Elizabeth. Ela provavelmente era da família dos lordes de Chappes, terra bem próxima de Payns.[8] O filho deles, Thibaud, tornou-se abade do mosteiro de La Colombe.[9] Hugh pode ter tido outros dois filhos, Guibuin e Isabelle, mas não acho as evidências para eles completamente convincentes.[10]

Em princípio, qualquer pessoa casada que desejasse ingressar em uma ordem religiosa deveria ter a permissão de seu cônjuge e este também devia ingressar em um convento ou mosteiro. Na prática, porém, isso não acontecia com tanta frequência, especialmente entre a nobreza. Quando Sybilla de Anjou, condessa de Flandres, permaneceu em Jerusalém para se juntar às freiras no convento de Betânia em 1151, seu marido, Thierry, voltou para Flandres e continuou sua vida.[11] Às vezes, o cônjuge se casava novamente. Não se sabe o que aconteceu com Elizabeth. Talvez ela tenha morrido antes de Hugh deixar Champagne.

Hugh não abandonou o local de seu nascimento. Quando ele retornou à Europa para angariar apoio para os Cavaleiros Templários, ele recebeu seu maior apoio em Champagne. Foi no Concílio de Troyes , apenas algumas milhas ao sul de Payns, que a Ordem dos Cavaleiros Templários recebeu a aprovação papal oficial.

Havia também vários commanderies [Comendas] Templários perto de Payns. Uma delas, pelo menos, foi fundada por Hugh. As doações continuaram para os Templários de Payns até o início do século XIV, pouco antes da perseguição e prisão dos Templários. [12] Muitas das “doações” são claramente vendas com outro nome, como quando em 1213, um cavaleiro chamado Henri de Saint-Mesmin deu dois campos perto do preceptório aos Templários de Payns. Em troca, os Templários deram a Henri quatorze livres. Em outro caso, Odo de Troyes “deu” aos Templários alguns moinhos. Odo estava prestes a partir em cruzada e, portanto, os templários deram-lhe quarenta libras com a promessa de mais vinte quando (ou se) Odo voltasse. No entanto, depois de fundar a Comenda, parece que Hugh não doou mais nada para ela. Ele voltou a Jerusalém, provavelmente por volta de 1130, e morreu em 1136. 24 de maio é a data tradicional aceita para sua morte.

Os registros que temos do início do século XII não fornecem mais informações sobre Hugh de Payns. Claro, muito se perdeu ao longo dos anos. Alguns dos registros dos Templários na Europa foram destruídos após a dissolução da ordem no Conselho de Vienne . Isso não parece ser porque a informação era secreta ou herética, simplesmente porque não era mais necessária e o pergaminho podia ser raspado e reutilizado.

Os principais arquivos dos templários, que poderiam conter mais informações sobre Hugh, não estavam na Europa, mas em Jerusalém. Eles foram transferidos para Acre e depois para Chipre, onde estiveram em 1312. A guerra e a conquista garantiram que tudo o que restasse fosse espalhado ou destruído.

Talvez já tenha existido uma espécie de biografia de Hugh de Payns. Parece-me que alguém gostaria de contar ao mundo mais sobre ele. O que podemos deduzir de suas ações é que ele deve ter sido um homem obstinado, muito devoto e com capacidade de convencer os outros a ver e seguir sua visão. Ele não parece ter sido particularmente bem educado. Nada em sua vida ou formação indicaria que ele estava envolvido em algo de natureza mística, nem que fundou os Templários para proteger algum tesouro ou segredo recém-descoberto, como afirmam os mitos modernos.

Hugh de Payns era provavelmente um leigo profundamente devoto que desejava servir a Deus protegendo Seus peregrinos e Sua terra. Hugh usou sua riqueza, tal como era, e sua família e conexões sociais para tornar isso possível. Nada mais [?!].


Referências:

1 William of Tyre, ed. RBV Huygens CCCM 63 12.7.6 (Press, 1986 Turnhout), “entre os quais estavam os primeiros e veneráveis ​​Hugh Pagans e Geoffrey de Aldhemar”.

2 Thierry Leroy, Hughes de Payns, Chevalier Champenois, Fundador da Ordem dos Templários (Troyes: La Maison du Boulanger, 2001) p. 194. Cartulary of Molesme, n. 230 p. 214.

3 Leroy, p. 194. As cartas listadas são para abadias na área de Troyes.

4 Henri-François Delaborde, Chartres de Terre-Sainte Da Abadia de N.-D. de Josafat. BEFAR 29. (Paris: Ernst Thorin, 1880) no. 101

5 Leroy, p. 194. Cartulário do Santo Sepulcro no. 105, “magister militium Templi”.

Chartres de Terre-Sainte Da Abadia de N.-D. de Josafá, ed. H-François Delaborde, (Paris, 1880) p. 38. Carta no. 12

7 Michael Bur, A formação do condado de Champagne (Universidade de Lille III, 1977) p. 275.

8 Leroy, p. 98. Apesar de vários livros modernos populares de ficção e alguns que dizem que eles são não-ficção, não há verdade na história de que o nome da esposa de Hugh foi Catherine St. Clair.

9 Thibaud foi eleito abade em 1139. “Thibaud de Pahens, Fitz Hugh primeiro Mestre do Templo de Jerusalém.” Citado em Leroy, p. 95

10 Leroy, pp. 95-114. Nenhum dos filhos está listado como filho ou filha de Hugh. Eles podem ser de outro ramo da família que assumiu Payns depois que Thibaud entrou no mosteiro.

11 11 Karen Nicholas, “Countesses as Rulers in Flanders”, em Aristocratic Women in Medieval France , ed. Theodore Evergates (Filadélfia: University of Pennsylvania Press, 1999) p. 123

12 12 Leroy, p. 120


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda manteve o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.