browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Amostras dos Primeiros Infectados pelo Covid em Wuhan, continham vírus ‘Geneticamente Modificado’ igual ao de laboratório canadense

Posted by on 25/08/2021

Amostras dos primeiros pacientes de Wuhan infectados pelo COVID-19 mostram a presença do vírus Henipah ‘Geneticamente Modificado’, descobriu um cientista americano. O mortal vírus Henipah foi um dos dois tipos de vírus enviados para a China desde um laboratório canadense [Nível BSL-4] por cientistas nascidos na China no centro de uma polêmica sobre a demissão dos cientistas chineses e a colaboração com pesquisadores militares chineses. 

Exclusivo: Amostras dos primeiros infectados pelo Covid em Wuhan, continham vírus geneticamente modificado igual ao de laboratório canadense nível BSL-4

Fonte:  The Epoch Times [EXCLUSIVO]

Não está claro se o vírus encontrado nas amostras chinesas está relacionado às amostras de vírus enviadas para Wuhan pelo laboratório canadense, que foram enviadas no final de março de 2019.

A descoberta foi confirmada para o Epoch Times por outro cientista qualificado. A evidência foi encontrada pela primeira vez pelo Dr. Steven Quay, um médico-cientista baseado em Seattle e ex membro do corpo docente da Stanford University School of Medicine, que analisou as primeiras amostras do COVID-19 dos primeiros chineses infectados enviadas por cientistas do Wuhan Institute of Virology ( WIV ) logo depois que a China informou a Organização Mundial de Saúde sobre o surto de SARS-CoV-2.

Epoch Times Photo

A virologista chinesa Shi Zhengli [apelidada de Mulher Morcego] é vista dentro do laboratório BSL-4 Wuhan Institute of Virology ( WIV ), em Wuhan, China, em 23 de fevereiro de 2017. (Johannes Eisele / AFP via Getty Images)

As amostras dos primeiros infectados covid chineses, que supostamente tinham uma “pneumonia desconhecida” em dezembro de 2019, foram enviadas para o banco de dados de sequência genética, GenBank, no site do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH).

Quay diz que enquanto outros cientistas ao redor do mundo estavam mais interessados ​​em examinar o genoma do SARS-CoV-2 nas amostras enviadas pelos cientistas do Wuhan Institute of Virology [WIV], ele queria saber o que mais estava nas amostras coletadas dos pacientes.

Então, ele colaborou com alguns outros cientistas para analisar as sequências das amostras.

“Começamos a ‘pescar’ coisas estranhas dentro de casa”, disse Quay ao Epoch Times.

O que eles descobriram, diz ele, são os resultados do que poderia ser a contaminação de diferentes experimentos no laboratório que chegaram às amostras, bem como evidências do vírus Henipah.  “Encontramos manipulação genética do vírus Nipah, que é mais letal do que o Ebola”. O Nipah é um tipo de vírus Henipah.

O Epoch Times pediu a Joe Wang, PhD, que anteriormente liderou um programa de desenvolvimento de vacina para SARS no Canadá com uma das principais empresas farmacêuticas do mundo, que verificasse essa descoberta. Wang é atualmente o presidente da NTD Television Canada, empresa irmã do Epoch Times no Canadá.

Depois de examinar as evidências, Wang disse que foi capaz de replicar as descobertas de Quay sobre o vírus Henipah. Ele explica que a manipulação genética do vírus foi ‘provavelmente’ para fins de desenvolvimento de vacinas.

Documentos divulgados pelo governo canadense afirmam que o Wuhan Institute of Virology [WIV] pretendia usar as amostras dos vírus enviadas pelo Canadá como “cultura de vírus de estoque”, o que em termos mais simples significa armazenar os vírus enquanto os mantém vivos. A manipulação genética não estaria no escopo desta descrição.

Laboratório BSL-4 de Winnipeg, Canadá

A demissão da cientista chinesa Xiangguo Qiu e seu marido, Keding Cheng, do Laboratório Nacional de Microbiologia (NML) em Winnipeg tem sido objeto de muita controvérsia no Canadá, com os políticos dos partidos da oposição pressionando o governo por mais detalhes sobre o caso, e o governo se recusando a divulgar informações citando questões de “segurança nacional” e “privacidade”.

Qiu e Cheng, juntamente com vários estudantes chineses, foram escoltados para fora do Laboratório Nacional de Microbiologia (NML), o único laboratório de nível BSL-4 do Canadá [o de MAIS alto risco biológico], em julho de 2019, em meio a uma investigação policial. Os dois cientistas foram formalmente despedidos em janeiro de 2021.

A Agência de Saúde Pública do Canadá (PHAC), que é responsável pelo laboratório NML, disse que a rescisão foi o resultado de um “assunto administrativo” e “possíveis violações de protocolos de segurança”, mas se recusou a fornecer mais detalhes, citando preocupações com segurança e privacidade [de novo].

Epoch Times Photo

O presidente da Câmara, Anthony Rota, adverte o presidente da Agência de Saúde Pública do Canadá, Iain Stewart, na Câmara dos Comuns em 21 de junho de 2021, por não fornecer documentos relacionados à demissão de dois cientistas chineses do Laboratório Nacional de Microbiologia em Winnipeg. (The Canadian Press / Sean Kilpatrick)

Durante seu tempo no Laboratório Nacional de Microbiologia (NML), Qiu viajou várias vezes para a China como oficial para o Wuhan Institute of Virology [WIV], ajudando a treinar o pessoal no Nível 4 de segurança em Wuhan.  O Globe and Mail relatou mais tarde que os cientistas do NML têm colaborado com pesquisadores militares chineses em estudos com patógenos mortais, e que um dos pesquisadores militares chineses trabalhou no laboratório canadense de alta segurança de Winnipeg por um período de tempo.

Documentos e e-mails divulgados pela PHAC mostram que o envio de amostras dos mortais vírus Henipah e do vírus Ebola foi feito com a permissão das autoridades do Laboratório Nacional de Microbiologia (NML).

Em um dos e-mails enviados em setembro de 2018, David Safronetz, chefe de patógenos especiais da PHAC, informa o então chefe do NML Matthew Gilmour e outros administradores do laboratório canadense sobre o pedido do Wuhan Institute of Virology [WIV] para o envio das amostras, dizendo “Eu confio no laboratório”.

Em resposta, Gilmour pergunta sobre a natureza do trabalho que será feito no laboratório de Wuhan e por que o laboratório não obtém o material de “outros laboratórios mais locais”. Ele também diz a Safronetz que é “bom saber que você confia neste grupo”, perguntando como o NML estava conectado a eles.

Em sua resposta, Safronetz não diz especificamente para que as amostras serão usadas na China, mas observa que elas só serão enviadas quando toda a papelada e certificação forem concluídas. Ele também diz que o Wuhan Institute of Virology [WIV] está solicitando o material do NML “devido à colaboração” com Qiu. Ele acrescenta:

Historicamente, também é mais fácil obter material de nós do que dos laboratórios dos EUA. Não acho que outros laboratórios mais próximos tenham a capacidade de enviar esses materiais”.

Gilmour se demitiu de seu cargo no Laboratório Nacional de Microbiologia (NML) em maio de 2020 e ingressou em uma empresa de pesquisa biológica com sede no Reino Unido. Os parlamentares perguntaram à gerência do NML por que o envio das amostras foi permitido e se eles sabiam se a China realiza alguma pesquisa de “Ganho de Função” (GoF) no Wuhan Institute of Virology [WIV]. A pesquisa de GoF envolve o aumento do nível letal (virulência) e/ou aumento da transmissibilidade de patógenos [transforma um vírus em ARMA BIOLÓGICA].

O diretor científico em exercício do NML, Guillaume Poliquin, disse aos parlamentares durante uma reunião do comitê parlamentar em 22 de março que o laboratório só enviou as amostras ao WIV após “receber a garantia” de que nenhuma pesquisa de “Ganho de Função” (GoF) ocorreria.

O parlamentar conservador John Williamson pressionou por mais respostas, dizendo que não se poderia confiar na palavra dos cientistas comunistas de um laboratório estatal chinês, já que o regime chinês “tem um enorme histórico de roubos, trapaças e mentiras”.

A questão da pesquisa de “Ganho de Função” (GoF) no Wuhan Institute of Virology [WIV] tem sido um ponto de discórdia [nebulosíssimo] nos Estados Unidos entre legisladores do congresso e o Dr. Anthony Fauci, chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas do NIH, cuja organização financiou pesquisas (por meio da EcoHealth Alliance) sobre coronavírus no laboratório de Wuhan.

O senador americano Rand Paul diz que o trabalho publicado da WIV sobre coronavírus mostra que o laboratório está conduzindo pesquisas de “Ganho de Função” (GoF), uma acusação que Fauci nega.

Epoch Times Photo

O laboratório BSL-4 no campus do Instituto de Virologia de Wuhan em Wuhan, China, em 13 de maio de 2020. (Hector Retamal / AFP via Getty Images)

O Epoch Times solicitou comentários da PHAC, inclusive sobre como a agência tratou de questões de propriedade intelectual e o desenvolvimento de quaisquer produtos, como vacinas, com os chineses do Wuhan Institute of Virology [WIV] , mas não obteve resposta na época da publicação.

Apesar dos repetidos pedidos dos partidos de oposição no Canadá por mais detalhes relacionados à demissão dos dois cientistas chineses do Laboratório Nacional de Microbiologia (NML), o governo liberal se recusou a fornecer os registros, dizendo que há questões de segurança nacional e privacidade.

Depois que a Câmara dos Comuns emitiu uma ordem para o governo divulgar as informações, o governo levou o presidente da Câmara ao tribunal para obter a confirmação de um juiz de que pode reter os documentos. Posteriormente, o governo desistiu do caso quando o primeiro-ministro Justin Trudeau [um grande marionete do establishment] convocou uma eleição e “o Parlamento foi dissolvido“.

Nota do editor: este artigo foi atualizado para incluir mais informações de documentos do governo canadense. 

[Nota de Thoth: Algo de “Muito Podre” cheira mal nesta história …}


“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.