browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Arqueólogos afirmam que existe uma “cidade subterrânea” sob as pirâmides de Gizé

Posted by on 13/07/2021

Apesar do fato de que poucos sabem sobre isso hoje, a vasta cidade subterrânea existente sob as pirâmides do planalto de Gizé foi extremamente bem documentada no passado: O misterioso planalto de Gizé é ainda mais surpreendente quando você percebe que a antiga cidade de Memphis (a atual Gizé) está repleta de passagens subterrâneas, poços, um sistema de cavernas e câmaras que contêm em inscrições em suas paredes, milhares de anos de história juntos com incontáveis ​​artefatos. No entanto, as autoridades egípcias não estão dispostas a revelar o que foi encontrado abaixo de Gizé para o público em geral, como muitas outras descobertas feitas ao longo dos anos sobre a civilização do antigo Egito.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Há uma incrível cidade subterrânea ‘Esquecida’ localizada abaixo das Pirâmides de Gizé e, apesar do fato de que poucos saberem sobre ela hoje, ela foi extremamente bem documentada no passado

Fonte: Ancient Code

Há uma “história perdida” completamente ignorada [pelo establishment] pelos principais “estudiosos, eruditos, egiptólogos, especialistas [et caterva]”  quando se trata da Antiga Civilização Egípcia e das enigmáticas Pirâmides que, de acordo com muitos, são [muuuuiiito] anteriores à própria Civilização Egípcia. Para compreender ao máximo as partes parciais da história que “aprendemos” [um  monte de bobagens] na escola sobre a civilização egípcia, devemos entender que incontáveis ​​descobertas em nosso planeta foram completamente ignoradas [e mantidas em segredo] pelos estudiosos tradicionais”.

Uma dessas descobertas mantidas sob estrito sigilo ocorreu no Egito, onde um enorme sistema de túneis subterrâneos com câmaras e inúmeras salas foram descobertos abaixo da superfície das Pirâmides do Platô de Gizé.  Uma história genuína do que aconteceu sob as areias milhares de anos atrás não está presente nos principais “ensinamentos” sobre nossas civilizações antigas, e o reflexo disso são as incontáveis ​​descobertas feitas nas últimas décadas [e mantidas sob estrito segredo] que indicam claramente que a história como a conhecemos é apenas parcial e fundamentalmente FALSA.

Para entender a enigmática ‘cidade’ subterrânea localizada abaixo do Planalto de Gizé, nos aventuramos no  distrito Fayum Oasis localizado a alguns quilômetros de Memphis. É digno de nota mencionar que, no passado, o Lago Moeris fazia fronteira com o Oásis Fayum e apenas em suas margens estava o labirinto enigmático descrito por Heródoto  como “uma maravilha sem fim para mim”.

Diz-se que o misterioso ‘Labirinto’ de tamanho impressionante, continha até 1500 salas e uma quantidade igual de câmaras subterrâneas que o filósofo grego não teve permissão para inspecionar. De acordo com os guardiões do Labirinto, “as passagens eram confusas e intrincadas”, criadas para manter os incontáveis ​​textos antigos e pergaminhos sobre os registros antigos [pré dilúvio] seguros nas muitas câmaras subterrâneas.

Na verdade, este antigo complexo impressionou Heródoto de tal forma que ele se sentiu compelido a falar sobre a estrutura misteriosa:

“Lá eu vi doze palácios dispostos regularmente, que se comunicavam entre si, intercalados com terraços e dispostos em torno de doze salões. É difícil acreditar que são obra feita pelo homem. As paredes são cobertas com figuras esculpidas e cada pátio é primorosamente construído em mármore branco e cercado por uma colunata.  Perto do canto onde o labirinto termina, há uma pirâmide de duzentos e quarenta pés  [72 metros] de altura, com grandes figuras esculpidas de animais e uma passagem subterrânea pela qual pode ser acessada. Disseram-me com bastante credibilidade que as câmaras e passagens subterrâneas conectavam esta pirâmide com as pirâmides de Memphis [as três pirâmides de Gizé]”.

Na verdade, a antiga Memphis (Gizé) tem um enorme sistema de construções subterrâneo que combina um conjunto de passagens intrincadas feitas pelo homem e rios e túneis subterrâneos.  Embora tenham sido descritos há milhares de anos, as gigantescas cavidades subterrâneas foram mapeadas desde 1978 usando radar de penetração no solo graças às explorações lideradas pelo Dr. James J. Hurtak [autor do livro Giza’s Industrial Complex: Ancient Egypt’s Electrical Power & Gas Generating Systems, que dizem ter entrado em câmaras enormes maiores do que as maiores catedrais já erguidas pelo homem moderno.

No entanto, além do que foi dito acima, ele também falou da gigantesca metrópole subterrânea  localizada abaixo do planalto de Gizé, que diz ter pelo menos 15.000 anos de idade [sendo anterior ao Dilúvio].

Curiosamente, existem vários autores antigos que apoiaram o registro de passagens subterrâneas de Heródoto conectando as principais pirâmides. É importante mencionar que Jamblichus , também conhecido como Jamblichus Chalcidensis, ou Jâmblico de Apamea, um filósofo neoplatonista sírio registrou informações sobre uma entrada pelo corpo da Esfinge levando para dentro da Grande Pirâmide de Gizé:

“Esta entrada obstruída em nossos dias por areias e entulho, ainda pode ser traçada entre as patas dianteiras do colosso agachado [a Esfinge]. Antigamente, era fechado por um portão de bronze cuja mola secreta só podia ser operada pelos Magos.  Era protegida pelo respeito público e uma espécie de medo religioso mantinha sua inviolabilidade melhor do que uma proteção de escolta armada teria feito. Abaixo do ventre da Esfinge foram recortadas galerias que conduzem à parte subterrânea da Grande Pirâmide”.

“Essas galerias se cruzavam tão habilmente ao longo de seu curso até a Pirâmide que, ao entrar na passagem sem guia em toda essa rede, cada vez mais e inevitavelmente se voltava ao ponto de partida”.

ACIMA: A ESTELA DE TUTMÉS: O indício mais antigo que se tem da existência de eventuais construções por baixo da esfinge está estampado na estela que Tutmés (ou Tutmósis) IV (c. 1401 a 1391 a.C.) mandou fixar na frente do monumento e que vemos acima numa foto do Canadian Museum of Civilization Corporation (CMCC). Ela conta que um dia, antes de subir ao trono, o futuro faraó, ao adormecer à sombra da esfinge depois de uma caçada, sonhou que a mesma lhe aparecia e pedia que ele removesse a areia que naquela época quase que a cobria inteiramente. O que nos interessa no momento não é essa história propriamente dita, mas os relevos feitos no granito. Neles o faraó aparece fazendo oferendas diante da esfinge que, por sua vez, se apresenta assentada sobre um complexo de construção embaixo dela. Tradicionalmente os arqueólogos têm dito que o palácio gravado na estela é representação do templo que existe até hoje diante da esfinge. A argumentação contra esse entendimento é o fato de que a forma do edifício representado na estela é totalmente diferente do templo da esfinge. Além disso, as regras de perspectivas usadas pelos artistas egípcios fariam com que eles colocassem o templo diante da esfinge, como realmente ele está situado, e não abaixo dela. Então, torna-se possível que a construção representada na estela por baixo, nos subterrâneos sob a esfinge realmente exista no subsolo.

 

O filósofo grego Crantor (300 AC) afirmou que um conjunto de pilares subterrâneos no Egito contém registros de pedra escritos da pré-história. Crantor também apoiou os escritos de Heródoto. No entanto, ainda mais interessante é o fato de que escritos em antigos selos cilíndricos sumérios estão os registros dos Anunnaki e de sua residência secreta, que foi descrita como:

“Um lugar subterrâneo… entrado por um túnel, sua entrada escondida pela areia e pelo que eles chamam de  Huwana … seus dentes são os dentes de um dragão, seu rosto é o rosto de um leão”.

Estes textos extremamente antigos, fragmentado em vários pedaços também registra que “Ele [ Huwana ] é incapaz de se mover para a frente, nem ele é capaz de se mover para trás”, mas aproximou-se dele por trás, e o caminho para “a morada secreta dos Anunnaki” não estava mais bloqueada. ( fonte )

Os antigos textos sumérios, surpreendentemente, forneceram uma descrição relativamente boa da Esfinge com cabeça de leão em Gizé, um monumento que certamente antecede as antigas civilizações egípcias e foi criado para proteger as pirâmides e incontáveis ​​câmaras e túneis localizados abaixo do Platô de Gizé.

No entanto, encontramos mais evidências da existência de vastas câmaras subterrâneas nos escritos do historiador romano Plínio do primeiro século, que documentou que, abaixo da poderosa Esfinge, há uma ” tumba oculta de um governante chamado Harmakhis  que contém um grande tesouro” . Surpreendentemente, a Grande Esfinge já foi chamada de “A Grande Esfinge Harmakhis que montava guarda desde a época dos Seguidores de Hórus”.

Outra prova que apoia a existência de abóbadas subterrâneas é documentada pelo historiador romano do século IV Ammianus Marcellinus, que documentou a existência de passagens subterrâneas que levam ao interior da Grande Pirâmide de Gizé:

„Inscrições que os antigos afirmavam foram gravadas nas paredes de certas galerias subterrâneas e passagens foram construídas nas profundezas do interior escuro para evitar que a sabedoria antiga se perdesse no dilúvio.

Mais evidências são encontradas em um manuscrito documentado pelo escritor árabe Altelemsani     e preservado no Museu Britânico. Altelemsani documentou a existência de uma ampla câmara subterrânea quadrada localizada abaixo do solo, entre a Grande Pirâmide e o Rio Nilo.  Altelemsani escreveu que havia algo enorme bloqueando a entrada do rio Nilo.

Altelemsani escreveu:

“… Nos dias de Ahmad Ibn Touloun [século IX], um grupo entrou na Grande Pirâmide pelo túnel e encontrou em uma câmara lateral uma taça de vidro de cor e textura raras. Ao saírem, perderam um da festa e, ao voltarem para procurá-lo, ele saiu nu e rindo disse: “Não me sigam e nem me busquem”, e então voltou correndo para a pirâmide. Seus amigos perceberam que ele estava encantado.

Ao saber de acontecimentos estranhos sob a pirâmide, Ahmad Ibn Touloun expressou o desejo de ver a taça de vidro. Durante o exame, foi enchido com água e pesado, a seguir esvaziado e repesado. O historiador escreveu que “descobriu-se que tinha o mesmo peso quando vazio e quando cheio de água”. ( fonte )

Curiosamente, durante o século X, um escritor árabe chamado Masoudi afirmou que as estátuas mecânicas avançadas eram guardiãs das galerias subterrâneas localizadas sob a Grande Pirâmide de Gizé. Sua descrição, mais de mil anos atrás, pode ser comparada em significância aos robôs computadorizados vistos hoje. Segundo Masoudi, esses robôs foram programados para destruir a todos “exceto aqueles que por sua conduta [os “iniciados”] fossem dignos de admissão”. Ele escreveu:

“… relatos escritos de Sabedoria e Conhecimentos nas diferentes Artes e Ciências foram escondidos profundamente, para que pudessem permanecer como registros para o benefício daqueles [iniciados] que pudessem depois compreendê-los…”.

Masoudi  confessou:

“… tenho visto coisas que não se descrevem por medo de fazer as pessoas duvidarem da inteligência … mas ainda assim as tenho visto …”.

De acordo com Heródoto, os antigos sacerdotes egípcios falavam de uma tradição de longa data da criação de câmaras subterrâneas pelos construtores originais da antiga metrópole de Mênfis.  Curiosamente, essas histórias foram confirmadas quando grandes cavidades foram descobertas durante uma pesquisa realizada em Gize em 1993. Relatórios que apoiam a existência de vastas câmaras subterrâneas na região foram documentados por uma reportagem de jornal chamada “Túnel Misterioso na Esfinge “:

“Trabalhadores que consertaram a esfinge “enferma” descobriram uma passagem antiga que leva às profundezas abaixo do corpo do misterioso monumento. O chefe de Antiguidades de Gizé, Zahi Hawass , disse que não havia dúvidas de que o túnel era muito antigo. No entanto, o que é intrigante é: quem construiu a passagem? Por quê? Além disso, para onde isso leva …? Hawass disse que não tem planos de remover as pedras que bloqueiam a entrada. O túnel secreto penetra no lado norte da Esfinge, a meio caminho entre as patas estendidas da Esfinge e sua cauda”.fonte )

Em 1935, histórias incríveis surgiram após a realização de um projeto de limpeza de uma década. Um artigo publicado no mesmo ano por Hamilton M. Wright descreveu a existência das áreas sob o platô de Gizé. Essas informações, como muitas outras descobertas, ainda são negadas pelas autoridades egípcias, apesar de extensas evidências provando sua existência. O artigo dizia:

“ … Descobrimos um subterrâneo usado pelos antigos egípcios há 5.000 anos. Ele passa por baixo da passagem que conduz entre a segunda Pirâmide e a Esfinge. Ele fornece um meio de passar sob a passagem da Pirâmide de Quéops para a Pirâmide de Quephren [Khephren]. Desse túnel, desenterramos uma série de poços que tem mais de 125 pés [41 metros], com quadras espaçosas e câmaras laterais … ”. ( fonte )

A existência das extensas câmaras subterrâneas de Gizé é extremamente bem documentada desde cerca de um século atrás, embora poucas pessoas ao redor do mundo saibam de sua existência.  Relatos da mídia na década de 1930 já descreviam câmaras subterrâneas e passagens localizadas entre o Templo dos ‘Homens Solares’ localizado no planalto e o templo da Esfinge no Vale de Gizé.

Localizadas no meio entre a Grande Esfinge e a Grande Pirâmide, quatro enormes poços verticais, cada um com aproximadamente 2,5 metros quadrados, conduzindo a câmaras internas através de calcário sólido também foram descobertos.

Na época da visita de Heródoto, havia duas grandes pirâmides com colossais figuras sentadas no topo no centro do Lago Moeris. Esta é uma gravura anterior a 1851 de uma dessas pirâmides

Na época da visita de Heródoto, havia duas grandes pirâmides com figuras colossais sentadas no topo, no centro do Lago Moeris. Esta é uma gravura pré-1851 de uma dessas pirâmides.

„… É chamado de “Tumba de Campbell” nos planos maçônicos e rosacruzes, e “aquele complexo de poço”, disse o Dr. Selim Hassan, “terminava em uma sala espaçosa, no centro da qual havia outro poço que descia para um pátio espaçoso ladeado por sete câmaras laterais… ”.

Segundo relatos, dentro das salas secretas havia enormes sarcófagos de basalto e granito lacrados, com 18 pés [5,40 metros] de altura. Em 1935, quando o Dr. Selim Hassan estava explorando a área, ele escreveu:

„… Esperamos encontrar alguns monumentos importantes depois de limpar esta água. A profundidade total dessas séries de poços é de mais de 40 metros ou mais de 125 pés … No decorrer da limpeza da parte sul do s subterrâneos, foi encontrada uma cabeça muito fina de uma estátua que é muito expressiva em cada detalhe do Rosto”.(fonte)    

Capela das Ofertas, Enoch e relatos pré-históricos

Além do acima exposto, o Dr. Selim Hassan também relatou a descoberta de três pátios internos e externos e uma sala que eles chamaram de ‘Capela das Ofertas’, cortada em um afloramento rochoso maciço encontrado entre a Tumba de Campbell e a Grande Pirâmide. Os relatórios indicam que no centro da capela há três pilares verticais ornamentados posicionados em um layout de forma triangular. Os pilares são pontos extremamente importantes no relatório, pois acredita-se que sua existência tenha sido registrada na Bíblia.

Acredita-se que Esdras, o escritor [e iniciado] da Torá, tinha conhecimento da existência das passagens e grandes câmaras abaixo de Gizé antes mesmo de escrever a Torá. Curiosamente, relatos de ‘máquinas móveis sofisticadas’ descobertas em Gizé, juntamente com uma cidade subterrânea até então desconhecida, são encontrados em um artigo escrito pelo Sunday Express de 7 de julho de 1935.

piramide25_03

No entanto, apesar de extensos textos antigos documentando a existência de vastos túneis, câmaras e passagens subterrâneas sob o Platô de Gizé, as autoridades egípcias há muito negam a existência deles, junto com uma série de outras descobertas incríveis no Egito.

De acordo com relatos, a cidade subterrânea agora ‘inacessível’ pode ser acessada desde dentro da Esfinge (mas também de outras partes), com escadas cortadas na rocha sólida, levando ao sistema de cavernas abaixo do leito rochoso do rio Nilo. O enorme e complexo sistema subterrâneo abaixo do planalto de Gizé se estende para o leste, levando em direção ao hoje Cairo.

Em um artigo escrito em 1972, a seguinte declaração foi feita:

“Ninguém deve prestar atenção às alegações absurdas em relação ao interior da Grande Pirâmide ou às passagens presumidas e templos e corredores não escavados sob a areia no distrito da Pirâmide feitas por aqueles que estão associados com o assim chamado segredos ocultos ou sociedades de mistério do Egito e do Oriente.

Essas coisas existem apenas na mente daqueles que procuram atrair os que buscam o mistério, e quanto mais negamos a existência dessas coisas, mais o público é levado a suspeitar que estamos deliberadamente tentando esconder aquilo que constitui um dos grandes segredos do Egito. É melhor ignorar todas essas afirmações do que simplesmente negá-las. Todas as nossas escavações no território da Pirâmide falharam em revelar quaisquer passagens subterrâneas ou corredores, templos, grutas ou qualquer coisa do tipo, exceto o templo adjacente à Esfinge. ” fonte )

Textos históricos documentam a extensa quantidade de escavações feitas durante o século XX, descobertas incríveis e alucinantes que são mantidas longe do escrutínio da atual sociedade induzida “bovinamente” a buscar apenas por mais Pão e Circo.

A pirâmide de Quefrem fotografada desde a grande pirâmide de Queóps, com o cemitério oeste à direita.

Como mencionamos em artigos anteriores, existe um padrão específico e estrito implementado pelo establishment “científico” de hoje, onde apenas certas informações são liberadas para o mundo, enquanto a maioria das partes mais importantes [as que ampliariam a consciência] são mantidas protegidas de olhares indiscretos, quase como se houvesse um nível oculto de censura em operação, projetado especificamente para proteger partes da história pertencentes à humanidade, uma espécie com profunda amnésia induzida pelos controladores do sistema.


Referências:

http://www.bibliotecapleyades.net/

http://www.burlingtonnews.net/tunnels.html

Atlantis: A Dane Maddock Adventure

http://www.sacred-texts.com/earth/osgp/osgp10.htm

Gaston Maspero, The Dawn of Civilization, 1901.


Voce “realmente” quer saber como, quando, por que e por quem as pirâmides foram construídas, e quais foram as CONSEQUÊNCIAS, então acesse o conteúdo do link a seguir e não tenha PREGUIÇA, pois o tempo que resta para despertar é curtíssimo:

  1. https://thoth3126.com.br/category/maldek/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Thoth-flordavidawww.thoth3126.com.br

One Response to Arqueólogos afirmam que existe uma “cidade subterrânea” sob as pirâmides de Gizé

  1. Keanu Reeves

    Todos sabemos que foi você quem criou as pirâmides THOTH KKKkkkk {falsamente atribuídas a criação por Queóps} e a mentira das outras serem a dos filhos de Queóps kkk

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.