browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

As Digitais dos deuses: O Vôo do Condor

Posted by on 28/03/2018

Estou no sul do Peru, voando por cima das linhas de Nazca. Acreditem em mim, depois da baleia e do macaco, o beija-flor aparece, bate as asas e estende o bico delicado para uma flor imaginária. Em seguida, fazemos uma volta fechada para a direita, perseguidos por nossa própria minúscula sombra, enquanto cruzamos a cicatriz pálida da rodovia Pan-Americana e seguimos a trajetória que nos leva por cima da fabulosa “Alcatraz” com pescoço de serpente: uma garça de 270m de comprimento, concebida pela mente de um mestre geômetra. Descrevemos um círculo, cruzamos a estrada pela segunda vez, passamos por um arranjo espantoso de peixes e triângulos desenhados ao lado de um pelicano, viramos para a esquerda e nos descobrimos pairando acima da imagem sublime de um condor gigantesco, com as asas estendidas em um vôo estilizado.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Livro “AS DIGITAIS dos DEUSES”, uma resposta para o mistério das origens e do fim da civilização – CAPÍTULO 4 – O Vôo do Condor

Por Graham Hancock, livro “AS DIGITAIS DOS DEUSES”, Tradução de Ruy Jungmann, editora Record 2001.

Capítulo 4 – O Vôo do Condor

Exatamente no momento em que tento recuperar o fôlego, outro condor, quase perto o suficiente para que pudesse ser tocado, materializa-se, vindo de ninguém sabe onde, um condor autêntico desta vez, orgulhoso como um anjo caído, navegando sobre uma corrente térmica de volta ao céu. Meu piloto solta um arquejo e tenta segui-lo. Por um momento, tenho um vislumbre de olhos brilhantes e imparciais que parecem nos avaliar e nos achar aquém do esperado.

Em seguida, como a visão de algum mito antigo, a criatura inclina-se e flutua desdenhosamente para trás na direção do sol, deixando nosso monomotor Cessna afundando no ar mais baixo. Abaixo de nós, vemos um par de linhas paralelas, de quase 3,2km de comprimento, reta como uma flecha, até desaparecer ao longe. E ali, à direita, uma série de formas abstratas, em uma escala tão vasta – e ainda assim executada com tanta precisão – que parece inconcebível que tenha sido obra de homens. Pessoas por aqui dizem que elas não foram trabalho de homens, mas de semideuses, dos Viracochas, que deixaram também suas impressões digitais em outros lugares na região andina, há milhares de anos.

O Enigma das Linhas de NAZCA

O platô de Nazca, situado no sul do Peru, é um lugar desolado, ressequido e hostil, estéril e sem nenhum valor econômico. Populações humanas jamais viveram aqui, nem o farão no futuro: a superfície da lua dificilmente parece menos hospitaleira. Se o leitor for um pintor com projetos grandiosos, porém, esses platôs altos e misteriosos parecem uma tela muito promissora, com 520km quadrados de planalto ininterrupto e a certeza de que sua obra-prima não será apagada pela brisa do deserto ou coberta por areia transportada pelo vento.

É bem verdade que ventos fortes sopram por aqui, mas, por um feliz acidente da física, são roubados de seu ferrão ao nível do solo: os seixos que cobrem o pampa absorvem e retêm o calor do sol, lançando para o alto um campo de força de ar quente. Além disso, o solo contém gipso suficiente para colar pequenas pedras à subsuperfície, adesivo este regularmente renovado pelo efeito umidificador do orvalho de começos da manhã. Uma vez desenhadas
aqui, portanto, coisas tendem a permanecer desenhadas. Quase não há chuva. Na verdade, a precipitação não passa de meia hora de chuvisco fino a cada década. Nazca figura entre os lugares mais secos da Terra. Se você é pintor, portanto, se tem algo grandioso e importante para expressar, e se quer ser visível para sempre, estes estranhos e
solitários platôs parecem a resposta às suas orações.

Especialistas deram opiniões sobre a antiguidade de Nazca, baseando-as em fragmentos de cerâmica encontrados cravados nas linhas e em resultados de testes de carbono radioativo com vários restos orgânicos desenterrados aqui. As datas, objeto de conjecturas, variam entre o ano 350 a.C. e 600 d.C. Realisticamente, eles nada nos dizem sobre a antiguidade das próprias linhas, que são inerentemente tão refratárias à datação quanto as pedras removidas para riscá-las. Tudo que podemos dizer com certeza é que as mais recentes têm pelo menos 1.400 anos de idade. Mas é teoricamente possível que possam ser muito mais antigas do que isso – pela razão muito simples de que os artefatos dos quais essas datas são obtidas poderiam ter sido trazidos a Nazca por povos mais recentes.

A maioria dos desenhos espalha-se por uma área claramente definida do sul do Peru, limitada pelo rio Ingenio, ao norte, e pelo rio Nazca, ao sul, formando uma tela aproximadamente quadrada de deserto, de cor fulva, com 46km da estrada Pan-Americana cortando-a obliquamente da parte superior central para o canto inferior direito. Aqui, espalhadas de modo aparentemente aleatório, há literalmente centenas de figuras diferentes. Algumas delas mostram animais e aves (um total de 18 aves diferentes). Um número muito maior, porém, tem a forma de
figuras geométricas, sob a forma de trapezóides, retângulos, triângulos e linhas retas. Vistas do alto, estas últimas parecem aos olhos modernos estradas em ruínas, como se algum engenheiro civil megalomaníaco tivesse obtido licença para transformar em realidade suas fantasias mais alucinadas de projeto de um campo de aviação.

Não constitui surpresa, portanto, desde que se supõe que o homem só conseguiu voar em inícios do século XX, que as linhas de Nazca tenham sido identificadas por certo número de observadores como campos de pouso de espaçonaves alienígenas. Trata-se de uma ideia sedutora, mas Nazca não é provavelmente o melhor lugar para buscar prova desse fato. É difícil, por exemplo, entender por que extraterrestres avançados o suficiente para ter cruzado centenas de anos-luz de espaço interestelar teriam precisado absolutamente de campos de pouso. Claro que esses seres teriam dominado a tecnologia do pouso vertical de seus discos voadores, certo?

Além disso, não há realmente a questão de as linhas de Nazca terem algum dia sido usadas como pistas de pouso – por discos voadores ou qualquer outro tipo de nave -, embora algumas delas pareçam exatamente isso quando vistas do alto. Vistas ao nível do chão, elas pouco mais são do que riscos na superfície, feitos pela remoção de milhares de toneladas de seixos vulcânicos pretos para expor a base amarela e parda do deserto. Nenhuma das áreas limpas tem mais do que alguns centímetros de profundidade e todas elas são moles demais para ter permitido o pouso de máquinas voadoras dotadas de rodas. A matemática alemã Maria Reiche, que dedicou meio século ao estudo das linhas, estava sendo apenas lógica quando, com uma frase seca, cortou há alguns anos a teoria extraterreste: “Lamento dizer que os espaçonautas teriam ficado presos na terra.”

Se não foram pistas de pouso para as bigas de “deuses” alienígenas, o que mais poderiam ser as linhas de Nazca? A verdade é que ninguém sabe para que foram riscadas, da mesma maneira que ninguém conhece realmente sua idade. Elas continuam a ser um autêntico mistério do passado. E quanto mais atentamente as observamos, mais enigmáticas elas se tornam.

É claro, por exemplo, que os animais e as aves são anteriores à geometria das “pistas de pouso”, porque muitos dos trapezóides, retângulos e linhas retas cortam em duas (e, portanto, obliteram parcialmente) as figuras mais complexas. A dedução óbvia é que a arte final no deserto, como a vemos hoje, deve ter sido produzida em duas fases. Além do mais, embora este fato pareça contrário às leis normais do progresso técnico, temos de admitir que a mais antiga das duas fases era a mais avançada. A execução das figuras zoomórficas exigia níveis muito mais altos de habilidade e tecnologia do que riscar linhas retas. Mas que distância separava, no tempo, os artistas mais recentes e mais modernos?

Os estudiosos não abordam diretamente essa questão. Em vez disso, reúnem numa só ambas as culturas, dando-lhes o nome de “nazcana”, e as descrevem como membros primitivos de tribos que, inexplicavelmente, desenvolveram técnicas sofisticadas de autoexpressão artística e, em seguida, desapareceram do cenário peruano muitas centenas de anos antes do aparecimento de seus sucessores mais conhecidos, os incas.

Até que ponto foram sofisticados esses nazcanos “primitivos”? Que tipo de conhecimento teriam de possuir para deixar suas assinaturas gigantescas no platô? Para começar, parece que foram astrônomos observadores muito competentes – pelo menos na opinião da Dra. Phillis Pitluga, astrônoma do Adler Planetarium, em Chicago. Após
realizar um estudo intensivo, com auxílio de computador, dos alinhamentos estelares em Nazca, ela concluiu que a famosa figura da aranha foi criada como um diagrama terrestre da gigantesca constelação de Órion, e que as linhas retas ligadas à figura parecem ter sido traçadas para acompanhar através das idades as declinações mutáveis das três estrelas do Cinturão de Órion.

A importância real da descoberta da Dra. Pitluga tornar-se-á clara no momento oportuno. Enquanto isso, vale notar que a aranha de Nazca mostra também acuradamente um membro de um gênero conhecido de aranha – o Ricinulei. Acontece que este é um dos gêneros de aranha mais raros no mundo, tão raro, na verdade, que só foi encontrado em partes remotas e inacessíveis da floresta tropical amazônicas. De que modo poderiam esses artistas nazcanos, supostamente primitivos, ter viajado para tão longe da terra natal, cruzando a formidável barreira dos Andes, para obter um espécime do inseto? Mais a propósito, por que deveriam eles ter desejado fazer tal coisa e como puderam duplicar os detalhes minuciosos da anatomia da Ricinulei, que são normalmente visíveis apenas com auxílio de microscópio, notadamente o órgão reprodutivo, situado na extremidade da perna direita mais longa?

Mistérios desse tipo multiplicam-se em Nazca e nenhum dos desenhos, exceto talvez o do condor, parece realmente estar à vontade aqui. A baleia e o macaco, afinal de contas, estão tão deslocados nesse ambiente desértico como a aranha amazônica. Não se pode dizer que uma figura curiosa de homem, com o braço direito erguido como se estivesse fazendo uma saudação, calçado com pesadas botas e com olhos redondos de coruja olhando para a frente
pertença a qualquer era ou cultura. Outros desenhos representando a forma humana são igualmente peculiares: cabeças envolvidas em halos de luz parecem realmente pertencer a visitantes de outros planetas. O puro tamanho dessas figuras é também extravagante e digno de nota. O beija-Flor tem 50m de comprimento, a aranha, 45m, o
condor se estende por quase 120m do bico às penas da cauda (como também o pelicano) e um lagarto, no ponto em que a cauda é hoje cortada pela estrada Pan-Americana, mede 190m de comprimento.

Todos os desenhos foram feitos na mesma escala ciclópica e à mesma maneira difícil, pelo desenvolvimento cuidadoso de contorno de uma única linha contínua. Atenção semelhante ao detalhe é encontrada nos desenhos
geométricos. Alguns deles tomam a forma de linhas retas de mais de oito quilômetros de comprimento, cruzando o deserto como se fossem estradas romanas, descendo para leitos secos de rios, passando por cima de projeções rochosas e nem por um momento desviando-se da direção certa.

Esse tipo de precisão, embora difícil, não é impossível de explicar em termos de bom senso convencional. Muito mais enigmáticas são as figuras zoomórficas. De que modo poderiam ter sido desenhadas com tanta perfeição quando, sem uma aeronave, seus criadores não poderiam ter conferido o progresso do trabalho, vendo-o em sua perspectiva correta? Nenhum dos desenhos é suficientemente pequeno para ser visto do nível do chão, onde parecem  simplesmente uma série de sulcos informes no deserto, e só mostram sua verdadeira forma quando vistos de uma altitude de várias centenas de metros. Não há por perto uma elevação que pudesse ter servido de ponto de observação.

Riscadores de Linhas, Cartógrafos

Estou voando por cima das linhas, tentando delas extrair algum sentido. Meu piloto é Rodolfo Arias, que pertenceu à Força Aérea peruana. Após uma carreira feita em caças a jato, ele considera o pequeno Cessna lento e monótono demais e trata-o como se fosse apenas um táxi com asas. Já voltamos uma vez ao aeroporto de Nazca para retirar uma janela do aparelho, de modo que minha companheira Santha pudesse assestar verticalmente suas câmaras para os misteriosos glifos. Nesse momento, estamos fazendo experimentos, de altitudes diferentes, de interpretação da paisagem. A algumas dezenas de metros acima da Ricinulei, a aranha da Amazônia, parece que ela está se levantando sobre as patas traseiras para nos pegar com as mandíbulas.

A 150m de altura, podemos ver simultaneamente várias figuras: um cão, uma árvore, um estranhíssimo par de mãos, o condor e alguns triângulos e trapezóides. Quando subimos para 1.500m, os zoomorfos, até então predominantes, aparecem apenas como pequenas unidades espalhadas, cercadas por uma garatuja impressionante de imensas formas geométricas. Essas formas, nesse momento, parecem-se menos com pistas de pouso e mais com trilhas abertas por pés de gigantes, trilhas que cruzam o platô no que parece, à primeira vista, uma desnorteante variedade de formas, ângulos e tamanhos.

À medida que o solo continua a afastar-se, contudo, na proporção em que a ampliação da perspectiva das linhas permite uma visão do alto mais ampla, começo a me perguntar se, afinal de contas, não haveria algum método nos cortes e riscos cuneiformes espalhados lá embaixo. Lembro-me de uma observação feita por Maria Reiche, a matemática que morou em Nazca e estudou as linhas desde 1946. Em sua opinião: Os desenhos geométricos dão a impressão de ser uma escrita cifrada, na qual as mesmas palavras são, às vezes, escritas em letras gigantescas e, em outras ocasiões, em caracteres minúsculos. Há arranjos de linhas que aparecem em uma grande variedade de
categorias de tamanho, com formas muito parecidas. Todos os desenhos são compostos de certo número de elementos básicos…

Uma gigantesca e curiosa figura de homem, com o braço direito erguido como se estivesse fazendo uma saudação, calçado com pesadas botas e com olhos redondos de coruja olhando para a frente, não pertence a qualquer era ou cultura.

Enquanto o Cessna se sacode e corcoveia nos céus, lembro-me também que não constituiu acidente que as linhas de Nazca só tenham sido devidamente identificadas no século XX, após o início da era dos vôos pelo homem. Em fins do século XVI, um magistrado chamado Luis de Monzon tornou-se o primeiro viajante espanhol a trazer relatos de testemunha ocular a respeito dessas misteriosas “marcas no deserto” e a compilar as estranhas tradições que as
ligavam aos Viracochas. Até que companhias de aviação comercial começassem a operar regularmente entre Lima e Arequipa na década de 1930, porém, aparentemente ninguém havia percebido que a maior peça de arte gráfica existente no mundo estava ali, no sul do Peru. O desenvolvimento da aviação fez toda diferença, dando a homens e
mulheres a capacidade divina de subir aos céus e ver coisas belas e enigmáticas que, até então, lhes haviam sido veladas.

Rodolfo, nesse momento, dirige o Cessna em um círculo suave sobre a figura do macaco – um macaco enorme preso em um quebra cabeças de formas geométricas. Não é fácil para mim descrever a sensação sobrenatural, hipnótica, que esse desenho me produziu: era algo muito complicado e absorvente para a vista e ligeiramente sinistro, de uma forma abstrata, indefinível. O corpo do macaco é definido por uma linha contínua, ininterrupta. E sem jamais ser
interrompida, a mesma linha coleia subindo degraus, passa por cima de pirâmides, em uma série de ziguezagues, através de um labirinto em espiral (a cauda), em seguida recuando em certo número de voltas apertadas em forma de losango. Seria um verdadeiro tour de force para um desenhista e exibição de perícia artística reproduzir tudo isso
em uma folha de papel, mas o que tínhamos aí era o deserto de Nazca (onde as coisas foram feitas em escala grandiosa) e o macaco tem pelo menos 120m de comprimento por 90m de largura… Teriam os riscadores de linhas sido também cartógrafos? E por que eram chamados de Viracochas?


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

6 Responses to As Digitais dos deuses: O Vôo do Condor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.