browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Astrofísico de Harvard admite que “Oumuamua” pode ser uma sonda Extraterrestre

Posted by on 12/02/2019

O astrônomo e astrofísico Avi Loeb {físico teórico americano-israelense que trabalha com astrofísica e cosmologia, chefe do departamento de astronomia da Universidade de Harvard que publicou mais de 700 artigos sobre fenômenos astrofísicos} acredita que o objeto interestelar apelidado de “Oumuamua” poderia ser uma sonda enviada por seres de uma civilização alienígena. Dada a evidência que até agora foi reunida, ele diz, essa é uma possível conclusão a ser admitida.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Astrônomo de Harvard, Avi Loeb diz em entrevista que o misterioso corpo interestelar ‘Oumuamua‘ ser de uma civilização extraterrestre não é especulativo 

Entrevista conduzida por Johann Grolle – Fonte: http://www.spiegel.de/

Image result for Avi Loeb

Avi Loeb

Avi Loeb, de 56 anos, é chefe do departamento de astronomia da Universidade de Harvard e publicou mais de 700 artigos sobre fenômenos astrofísicos. Suas áreas de interesse incluem buracos negros e o nascimento das primeiras estrelas do universo.  Mais recentemente, Loeb se concentrou na possível existência de vida inteligente extraterrestre, um tópico sobre o qual ele atualmente está escrevendo um livro didático. {Abraham  “Avi” Loeb é um físico teórico americano-israelense que trabalha com astrofísica e cosmologia. Loeb é o professor de ciências Frank B. Baird Jr. da Universidade de Harvard. Ele atua como presidente do departamento de Astronomia de Harvard (desde 2011), presidente do Comitê Consultivo  (desde 2016) para o projeto  Breakthrough Starshot – que visa lançar espaçonaves leves em direção às estrelas mais próximas usando um poderoso laser, diretor fundador da Iniciativa Black Hole de Harvard– o primeiro centro interdisciplinar em todo o mundo dedicado ao estudo dos buracos negros (desde 2016), e diretor do Instituto de Teoria e Computação (ITC) (desde 2007) dentro do  Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics.}


Der Spiegel: Professor Loeb, você tem um alienígena favorito?

Loeb: Para ser honesto, pessoalmente eu não gosto de ficção científica. Eu tenho um problema quando a ação em um filme viola as leis da física. Nesses casos, não posso aproveitar a experiência esteticamente.

Der Spiegel: Se você não gosta de alienígenas, por que você está explorando a questão da vida extraterrestre inteligente?

Loeb: Porque é uma das questões realmente grandes. Sempre me interessei, mesmo quando criança, a pensar no quadro geral. E a mais fundamental de todas as questões é: nós estamos sozinhos?

Der Spiegel: Por que você considera a questão tão fundamental?

Loeb: Se em algum momento nos depararmos com outros seres inteligentes, isso mudaria radicalmente nossa perspectiva de “nossa importância” no grande esquema das coisas. Além disso, as inteligências extraterrestres poderiam aumentar enormemente nosso conhecimento. Aprender com eles melhoraria nossa compreensão do mundo. Poderia ser um atalho – como se alguém da Idade Média visse nosso mundo no século XXI.

Der Spiegel: As perspectivas de encontrar alienígenas são melhores hoje do que eram em épocas anteriores?

Loeb: Vivemos em um momento especial. Por um lado, só descobrimos nos últimos anos como a vida difundida pode estar em nossa galáxia. O satélite Kepler nos ensinou que cada quarta estrela tem um planeta semelhante à Terra, com temperaturas favoráveis ​​para o surgimento da vida. E em segundo lugar, hoje temos a tecnologia necessária para responder à questão de saber se estamos sozinhos.

Der Spiegel: Se assumirmos que alguma civilização extraterrestre foi realmente descoberta, quão significativo isso seria comparado a outras importantes descobertas da história humana?

Loeb: Eu acho que seria a maior de todas {as descobertas}. Se você pensar sobre a história dos humanos, a perspectiva mudou à medida que evoluímos – de um único indivíduo para uma família, uma tribo, um país e, finalmente, até encontramos outros continentes com pessoas que moram lá. Se fôssemos agora encontrar outros seres além do planeta Terra, este seria o maior passo de todos os tempos.

Der Spiegel: Você acha que haverá um momento em que receberemos algum sinal inteligente do espaço e, de repente, tudo será diferente?

Loeb: Eu não posso te dizer como será esse momento. Mas ele será chocante. Porque somos influenciados pelas nossas próprias experiências. Nós imaginamos outros seres semelhantes a nós. Mas talvez eles sejam radicalmente diferentes. Por exemplo, é bem possível que não encontremos as formas de vida, mas apenas seus artefatos. Em qualquer caso, nós mesmos não somos projetados para viagens interestelares. A única razão pela qual os astronautas sobrevivem no espaço é que eles estão sob a proteção do campo magnético da Terra. Mesmo quando viajam para Marte , os raios cósmicos se tornarão um grande problema.

Der Spiegel: Então um ET é apenas um robô enviado por extraterrestres?

Loeb: Por que não? Ou os extraterrestres poderiam, em vez de se viajar, enviar impressoras 3D que poderiam imprimir artefatos, ou mesmo organismos vivos, usando o material que encontrassem em outros corpos celestes.

Der Spiegel: Você acha que o grande momento do primeiro contato acontecerá ainda durante sua vida?

Loeb: Meu palpite é que primeiro detectaremos alguns detritos tecnológicos em vez da própria vida biológica {alien}.

Der Spiegel: De que forma? Espaçonaves perdidas? Lixo abandonado?

Loeb: Exatamente. A maioria das civilizações pode ter vida curta. Em outras palavras: temo que eles não cuidem bem do seu planeta natal {também} e que no final eles se destruam – por guerras nucleares, por intervenções no clima, pela destruição ambiental?

A trajetória inusitada e incomum do objeto cósmico Oumuamua ao passar em nosso sistema solar

DER SPIEGEL: Os astrônomos seriam como historiadores interior-galácticos, reconstruindo culturas de alta tecnologia perdidas desde as suas ruínas?

Loeb: É por isso que eu chamo de “arqueologia espacial”.

Der Spiegel: Na publicação Astrophysical Journal Letters , você recentemente apresentou a hipótese de que os primeiros extraterrestres já podem estar aqui.

Loeb: sim. Em 19 de outubro de 2017, o telescópio PanSTARRS no Havaí detectou um objeto incomum no céu. Ele estava se movendo tão rápido que deve ter se originado de algum lugar além do nosso sistema solar, tornando-o o primeiro visitante do espaço exterior que conhecemos. Foi batizado de “Oumuamua”.

Der Spiegel: É surpreendente encontrar um asteroide vagando pela galáxia e ele finalmente encontrar o caminho para nosso sistema solar?

Loeb: Bastante surpreendente, na verdade. Há dez anos, antes de o PanSTARRS começar a operar, calculei junto com dois colegas se esse instrumento seria capaz de encontrar algum objeto do espaço sideral. Assumindo que tais objetos são originários de sistemas solares semelhantes aos nossos, chegamos à conclusão de que a probabilidade é algo entre 1: 100 e 1: 100.000.000.

Der Spiegel: ‘Oumuamua’ não deveria existir?

Loeb: Isso está correto. Além disso, é um objeto misterioso em outros aspectos também. Seu brilho muda drasticamente, sugerindo uma forma muito estranha. Uma esfera sempre refletiria a mesma quantidade de luz solar. Apenas um disco ou um corpo em forma de charuto às vezes viraria sua borda e, às vezes, o seu lado mais largo em nossa direção, o que fazia com que ele variasse seu brilho enquanto girava.



Der Spiegel: Mas só porque tem uma forma estranha, não significa que ‘Oumuamua’ é uma nave espacial.

Loeb: Eu concordo. Mas quanto mais descobrimos sobre esse objeto, mais estranho ele ficou. Em junho, um artigo foi publicado na revista Nature descrevendo a órbita de ‘Oumuamua’. Difere significativamente de uma órbita moldada apenas pelo campo gravitacional do Sol.

Der Spiegel: O que você conclui disso?

Loeb: Que houve “alguma força adicional” agindo em ‘Oumuamua’. Por exemplo, se fosse um cometa, poderia ter emitido gases enquanto voava para além do sol. Isso proporcionaria uma força extra como em um foguete. No entanto, uma parte considerável de sua massa teria evaporado – cerca de 10%.

Der Spiegel: Isso é incomum para um cometa?

Loeb: não necessariamente. Mas deveríamos ter visto esses gases. Apesar de uma investigação intensiva, nenhuma cauda de cometa foi descoberta nele. E há algo mais que é realmente estranho: a rotação de ‘Oumuamua’ deveria ter mudado durante a liberação de gás, mas este efeito também não foi observado.

Der Spiegel: Que conclusão você tira disso?

Loeb: Eu comecei a pensar se poderia haver “outra força” atuando em ‘Oumuamua’. E a única explicação em que consigo pensar é a pressão da luz do sol.

Der Spiegel: Essa força é suficientemente forte para ter um efeito observável em um corpo assim?

Loeb: Esse é o ponto crítico. O poder da radiação solar é relativamente fraco. Isso só poderia ter um efeito visível se ‘Oumuamua’ fosse um objeto muito fino.

Der Spiegel: O que você quer dizer com “muito fino”?

Loeb: Menos de um milímetro de espessura.

Der Spiegel: Como poderia algo assim ter acontecido? Já é difícil imaginar como um charuto gigante poderia ter se formado, mas uma folha gigante de papel?

Loeb: Eu não posso imaginar uma coisa dessas também. Ficaria muito grato se alguém aparecesse para fazer uma sugestão. Mas enquanto não houver uma explicação natural, ficamos com a possibilidade de que seja um produto artificial. Uma {espécie de} vela leve feita por seres inteligentes.

Der Spiegel: Isso soa como uma sugestão ultrajante. Se o primeiro objeto encontrado fora do nosso sistema solar for um artefato tecnológico, isso levaria à conclusão de que tais artefatos podem ser muito mais comuns do que os asteroides ou cometas naturais. O espaço interestelar poderia ser apenas um gigantesco ferro-velho repleto de destroços de civilizações alienígenas?

Loeb: Você está abordando um ponto importante aqui. Nós resolvemos: Se ‘Oumuamua’ é um objeto errante aleatório, todo sistema solar teria que produzir milhões de bilhões de tais objetos. A menos que ele não seja aleatório. Pode ser uma missão direcionada.

Der Spiegel: Você quer dizer que ‘Oumuamua é uma sonda {extraterrestre} espacial ativa e está nos espionando?

Loeb: Só estou dizendo que essa é uma possibilidade. Eu sigo a lógica de um detetive, e Sherlock Holmes disse: “Se você descartou o impossível, então o que resta é a verdade, por mais improvável que possa parecer”.

Der Spiegel: Não é exatamente comum um cientista respeitado fazer essas sugestões. Como outros cientistas reagiram?

Loeb: A maioria deles concorda que ‘Oumuamua’ é muito estranho. Mas ainda assim, eles hesitam em dizer que pode ser um objeto artificial.

DER SPIEGEL: Especular sobre alienígenas é uma ideia bem exótica. Você pode também dizer que houve mágica envolvida, ou algum criador divino.

Loeb: De modo nenhum. Pensar em civilizações distantes não é especulativo. Sabemos que existimos, pelo menos uma forma de vida desenvolveu tecnologia avançada. E sabemos que existem condições semelhantes às da Terra em um quarto de todos os sistemas planetários em torno de outras estrelas. Por que, então, não deveria haver seres inteligentes em outro lugar? Eu sigo o que chamo de princípio da modéstia cósmica. Nós, seres humanos, tendemos a pensar em nós mesmos como algo especial, mas a história tem mostrado repetidamente que isso é uma ilusão. Nós pensávamos {há pouco tempo} que a Terra estava no centro do universo, mas ela gira em torno do Sol, que gira em torno do centro da nossa galáxia, que é apenas um dos bilhões de galáxias do universo. O princípio da modéstia cósmica exige que nós assumamos que também não somos nada especiais do ponto de vista biológico.

Der Spiegel: Algumas pessoas acusaram você de apenas tentar atrair a atenção com sua hipótese de o objeto ‘Oumuamua’ ser uma nave espacial 

Loeb: Isso é um absurdo. Eu nem sequer publiquei um comunicado de imprensa no nosso jornal. Se eu estivesse interessada em atrair atenção, eu teria feito isso. Mas não é disso que se trata. Minha única motivação é pensar no mundo. Eu não me importo com o que as pessoas pensam.

Der Spiegel: Poderia ser essa a razão pela qual você acha que ‘Oumuamua’ pode ter uma vela leve é ​​porque você está trabalhando em um você mesmo como parte do projeto Breakthrough Starshot?

Loeb: Eu não nego que minha imaginação é limitada pelo que sei. Certamente minhas idéias são influenciadas pelo que estou trabalhando, mas isso é verdade para todos.

Oumuamua

O Oumuamua era pequeno demais (apesar de ter cerca de 400 metros de comprimento) para parecer mais do que um ponto de luz, mesmo nos maiores telescópios. Mas sabemos que deve ser um objeto altamente alongado, pois varia dramaticamente no brilho a cada período de 7 a 8 horas. Ele aparece mais brilhante quando seu comprimento total ficava de frente para a Terra (imagem do meio), mas diminuía dramaticamente quando ficava apontado para a Terra (imagens esquerda e direita). As variações de brilho (representadas como quadrados na linha de baixo) são repetidas várias vezes à medida que o objeto cai pelo espaço profundo e para fora do sistema solar. NASA / JPL-Caltech

DER SPIEGEL: O que é o projeto Breakthrough Starshot?

Loeb: Tudo começou quando Yuri Milner, um empresário do Vale do Silício {Califórnia}, veio ao meu escritório em maio de 2015 e perguntou se eu estaria disposto a liderar um projeto para enviar uma sonda à estrela mais próxima {sistema triplo de Alpha Centauri, na Constelação de Centauro}, a condição é que ela chegue {lá durante} nossa vida.

Der Spiegel: Isso soa um pouco absurdo. Um foguete levaria dezenas de milhares de anos para chegar ao vizinho mais próximo, Próxima Centauri.

Loeb: Eu disse a Yuri que tinha que pensar sobre isso. Proxima Centauri está localizada a {um pouco mais do que} quatro anos-luz da Terra. Para chegar lá em 20 anos, uma sonda teria que viajar a um quinto da velocidade da luz. Depois de seis meses, tive uma ideia clara do conceito.

Der Spiegel: Qual é?

Loeb: Uma coisa estava clara: eu tive que descartar qualquer tipo de propulsão com o combustível da sonda a bordo. Mesmo com plutônio, a densidade de energia é baixa demais para atingir essas velocidades. É por isso que uma vela leve, acelerada por um poderoso laser da Terra, parecia ser o único caminho viável. A ideia é acelerar a sonda com um raio laser de 100 gigawatts por alguns minutos. Quando estiver cinco vezes mais longe que a lua, terá atingido um quinto da velocidade da luz.

Der Spiegel: Desde que a sonda seja muito pequena e leve.

Loeb: sim. Nós planejamos uma carga de cerca de um grama. A sonda precisa de uma câmera e também de um dispositivo de navegação e comunicação. A miniaturização da eletrônica nos permite acomodar tudo isso.

Der Spiegel: O laser teria que ser extremamente poderoso. Não há perigo de que sua mini-sonda se evapore assim que for atingida pelo feixe?

Loeb: Para evitar que isso aconteça, precisamos de um material que reflita quase completamente a luz laser recebida. Deve ser um espelho perfeito que absorva menos de 1/100.000 da luz. Esses materiais existem.

DER SPIEGEL: Seu plano exige continuar acelerando a sonda mesmo quando ela estiver a um milhão de quilômetros da Terra. É possível focar a luz do laser com tanta precisão?

Loeb: Sim, é. Nosso conceito é instalar muitos lasers infravermelhos pequenos em uma área de um quilômetro quadrado. Isso nos permitirá focar o raio até cerca de cinco vezes a distância da lua. Esta é uma limitação importante, a propósito. Se pudéssemos focar o feixe a uma distância maior, poderíamos usar lasers menos potentes, porque poderíamos acelerar a sonda por um longo período de tempo.

DER SPIEGEL: Vinte anos depois, se a sonda realmente chegar ao seu destino, ela precisa tirar fotos e enviá-las de volta à Terra. Mas é improvável que o transmissor a bordo seja mais poderoso do que aqueles em um telefone celular normal. Isso é suficiente para transmitir um sinal ao longo de quatro anos-luz?

Loeb: Viajando através de tal distância, o feixe do sinal de rádio se espalhará para mais do que o tamanho da órbita da Terra ao redor do Sol. Assim, a sonda só tem como alvo o Sol e a Terra estará dentro da pegada de sinalização. No entanto, precisaremos de um grande receptor na Terra.

Der Spiegel: Vamos supor que tudo isso realmente funcione e você receba uma foto de Proxima Centauri em algum momento de 2050 ou algo assim. Será que essa imagem vale os US$ 10 bilhões que o projeto custará?

Loeb: Por um lado, será possível enviar muitas sondas para o espaço depois que o sistema de lançamento for construído, porque a parte cara é a infraestrutura do feixe de laser. As sondas em si serão relativamente baratas.  Além disso, o projeto Starshot não é sobre a foto em si. É sobre demonstrar que podemos deixar o sistema solar. Isso abrirá a porta para uma fronteira completamente nova de exploração espacial.

Der Spiegel: Você poderia também enviar uma sonda assim atrás de ‘Oumuamua’ para descobrir se ela realmente tem a forma de uma vela?

Loeb: Sim, isso é possível. ‘Oumuamua’ está se movendo muito rápido para um foguete, mas com uma vela de luz movida a laser, seria possível alcançá-lo, mesmo a um 10% da velocidade da luz.



Der Spiegel: Ainda assim, parece improvável que isso aconteça. Existem outras maneiras de descobrir se há alguma verdade em sua hipótese {de origem extraterrestre} de ‘Oumuamua’?

Loeb: Absolutamente. Em poucos anos, o Large Synoptic Survey Telescope {Grande Telescópio de Levantamento Sinóptico} entrará em operação, o sucessor do PanSTARRS. Se objetos como ‘Oumuamua’ são aleatoriamente espalhados no espaço, este instrumento deveria ver milhares deles, e então poderíamos estudá-los muito mais detalhadamente. Além disso, os corpos celestes de origem distante provavelmente já estarão orbitando dentro do nosso sistema solar. Os campos gravitacionais do Sol e Júpiter agem como uma rede de pesca que pode capturar corpos que chegam do espaço exterior.

Der Spiegel: Eles podem ser distinguidos dos muitos asteróides locais dentro do sistema solar?

Loeb: sim. Porque eles vêm até nós a partir de direções arbitrárias, suas órbitas tendem a ser inclinadas em relação ao plano das órbitas planetárias. Nós até identificamos alguns candidatos.

Em 16 de janeiro, o chefe do departamento de astronomia da Universidade de Harvard, Abraham Loeb, deu uma entrevista onde defendeu o seu polêmico artigo publicado de que o objeto interestelar detectado por um telescópio no Havaí em 19 de outubro de 2017 e denominado “asteroide” Oumuamua de fato seria um nave espacial alien de algum tipo.

Der Spiegel: E agora você gostaria de investigar mais de perto?

Loeb: Sim, vejo isso como uma maneira totalmente nova de estudar sistemas planetários distantes sem o incômodo de viajar até eles. É como um jantar em que um convidado acaba vindo de um país distante. Apenas por entrevistar o convidado, você pode aprender muito sobre este país sem a necessidade de pagar a passagem aérea e ir até o seu pais. Quando se trata de ‘Oumuamua’, só nos apercebemos disso depois de o hóspede já ter saído e desaparecido porta afora. Quanto ao próximo visitante, vamos estudá-lo mais cedo e mais detalhadamente.

Der Spiegel: Mudar de perspectiva por um momento: se realmente existe uma civilização altamente avançada em algum lugar lá fora, eles já terão aprendido que existem alguns seres inteligentes aqui no planeta Terra?

Loeb: Se esta civilização é tão tecnicamente avançada quanto nós, eles devem ser capazes de detectar nossos sinais de rádio a uma distância de dezenas de anos-luz.

DER SPIEGEL: Seria desejável contatá-los?

Loeb: Isso depende de quão otimista você é em relação às suas intenções. Se esses seres são pacíficos, poderíamos aprender muito com eles.

Der Spiegel: O evento histórico aqui na Terra que provavelmente se aproxima mais da chegada dos alienígenas foi o desembarque de Cristóvão Colombo nas Américas. Para os povos que viviam aqui, esse evento acabou por ser uma catástrofe {para os povos nativos das américas}.

Loeb: Eu concordo. Portanto, a melhor coisa a fazer é ouvir primeiro. Uma vez que detectamos um sinal, podemos descobrir o que fazer.

DER SPIEGEL: Professor Loeb, obrigado por esta entrevista.


{Excerto do post: Humanidade a um passo da Liberdade: (2) Corey Goode Mega-Update

EU TENHO UM DELEITE ….

A pessoa que liderava a reunião trouxe nossa atenção para um grande monitor de smart glass pad inteligente que estava pendendo do teto. Sigmund levantou-se e disse: “Tenho um deleite para os dois”. Ele caminhou até o monitor e olhou para ele enquanto conversava. Ele disse que acompanharam o que parecia ser uma grande nave espacial interestelar abandonada que se dirigia para dentro do nosso sistema solar. Este objeto cósmico seria o mesmo “asteróide” em forma de charuto que a NASA e a mídia convencional apelidaram  de Oumuamua, e publicou noticias amplamente sobre este estranho objeto cósmico neste mesmo período de tempo.

Esta imensa espaçonave foi monitorada à medida que se aproximava da área onde a Barreira Exterior de nosso sistema solar havia sido erguida pela Sphere Being Alliance. O SSP esperava que essa embarcação entrasse pela barreira. Eles ficaram chocados quando ela passou diretamente por essa região sem nenhum efeito percebido sobre essa espaçonave apelidada de ASTEROIDE OUMUAMUA. Acontece que a barreira já havia sido retirada até então, mas essa foi a primeira vez que a SSP Alliance já havia percebido o que aconteceu.

Asteroide A/2017 U1 (Oumuamua), espaçonave extraterrestre da antiga raça ABR-Ancient Builder Race abordada pelo pessoal do SSP

ESPERE ATÉ QUE VOCE SAIBA O QUE ENCONTRAMOS

Sigmund inchou orgulhosamente e declarou: “Eu conduzi uma expedição para ver de quem e o que era essa espaçonave. Aguarde até ouvir o que encontramos”De repente, começamos a ver todos os tipos de leituras e telemetria no monitor. Eu também podia ouvir o que parecia ser uma antiga transmissão de rádio da NASA.

Ouvi sinais sonoros junto com um piloto que ligava para as posições de sua espaçonave, bem como com aquela com quem ele estava tentando se acoplar. Isso durou cerca de cinco minutos enquanto vi as duas espaçonaves se aproximando cada vez mais. À medida que o piloto combinava sua espaçonave com a rotação do OUMUAMUA foi se aproximando, você podia ver uma longa estrutura em forma de charuto que tinha manchas brilhantes do que parecia ser gelo no exterior. Era obviamente feito de pedra, e parecia ter passado por muitas chuvas de meteoros e colisões com detritos cósmicos. O vídeo mudou para uma cena em que poucas pessoas que estavam dispostas em trajes espaciais estavam empurrando-se através do que parecia um buraco escavado que descia para o interior da “rocha”.

ENTRANDO NA IMENSA ESPAÇONAVE-“ASTEROIDE”

A espaçonave da SSP tinha acoplado com a embarcação misteriosa perto do que parecia uma cúpula oval metálica, que estava situada a cerca de um terço do caminho abaixo da sua fuselagem. Parecia ter sido violado muitas vezes, e estava cheio de buracos e dentes de óbvios impactos. Na próxima cena, você podia ver os homens em um ambiente sem gravidade, com luzes em seus peitos, capacetes e a parte superior de seus pulsos. Eles se separaram e conversaram uns com os outros através dos sistemas de comunicação em seus trajes espaciais. Um deles estava cortando amostras do resíduo gelado nos pisos e paredes. Esta mesma lama orgânica congelada também estava no exterior da nave. Parecia água espumosa e suja que estava congelada.

A espaçonave era obviamente muito antiga. Foi abordada e despojada de sua tecnologia muitas vezes por raças extraterrestres desconhecidas. Sigmund afirmou que, quando testaram as lamas mais tarde, determinaram que eram em parte dos restos da tripulação original. Havia muitos painéis removidos das paredes, tetos e pisos, deixando compartimentos vazios onde a tecnologia uma vez esteve localizada. 

“EU ENCONTREI ALGO!”

Enquanto olhavam ao redor, um dos homens gritou: “Eu encontrei algo!” Eu assisti como o homem com a câmera  se projetou através de alguns painéis abertos no piso e teto para chegar ao chão da nave e por que ele estava sendo chamado. Ele entrou em uma sala que parecia ter sido recentemente aberta. O painel estava encaixado contra a parede, quase bloqueando a porta. A cena do vídeo foi então dirigida para dois homens que filmavam tudo e batiam fotos de alguns seres que estavam localizados dentro de gavetas semelhantes a urnas em um necrotério que tinham sido descobertas e tinham sido abertas.

SERES AQUÁTICOS MANTIDOS EM ESTASE

Na mesa estava o corpo gelado de um ser muito estranho. Parecia um pouco como um pterodáctilo, com uma pele azul pálida que era quase branca. Eles estavam abrindo outras gavetas e descobrindo  alguns tipos de outros seres. Um desses seres parecia de cor laranja ou cor de pêssego, e parecia no início ser um mamífero. Mais tarde descobri que este era um ser aquático, que parecia relacionado a lulas ou a um polvo.  Tinha cerca de 10 pés (cerca de 3 metros) de altura, e tinha tentáculos como braços e pernas. Três dedos e dedos longos que se estendiam dos tentáculos. Pequenas ventosas quase invisíveis estavam localizadas na área das axilas e nas mãos.

Isso confirmou que esse ser era um membro da tripulação original da espaçonave. Eles descobriram que uma grande quantidade de áreas comuns da nave havia sido pressurizada com água.  [DW: À luz da identidade potencial da Ancient Builder Race, como discutiremos, é interessante notar as semelhanças entre esses seres e os seres Golden Triangle. Poderíamos estar olhando para uma mudança evolutiva muito prolongada em quantidades quase impensáveis.]

QUE TECNOLOGIA É ESTA?

Os homens continuaram o processo de empacotar os corpos e transportá-los para a espaçonave da SSP. Ao fazê-lo, os corpos começaram a se separar e flutuar ao redor da cabine em que estavam.  Um dos homens pegou um pedaço dos painéis e usou-o como uma espátula para raspar o resto dos materiais e carregá-los em sacos. Neste ponto, Gonzales perguntou: “De quem é essa tecnologia?” Sigmund olhou para nós e respondeu.

“Bem, nós só pudemos datar os materiais orgânicos de volta a um pouco menos de um bilhão de anos atrás. Nós rastreamos sua trajetória orbital (do “asteroide”-espaçonave  Oumuamua) para um sistema de estrelas não muito longe daqui (Constelação de Lyra, sistema original da raça ET dos Greys, distante 25 anos luz).  “Este ofício foi aparentemente preso na órbita desse sistema por milhões de anos antes de ser puxado para o nosso sistema pela nossa estrela”.

NAVE (OUMUAMUA) SERIA DA ANTIGA RAÇA DE CONSTRUTORES (ANCIENT BUILDER RACE-ABR)?

Gonzales disse: “Então, essa seria a raça Ancient Builder Race?”

Sigmund sorriu e lentamente apontou o dedo indicador para a ponta do nariz. Isso indicou que Gonzales estava correto. Gonzales começou a fazer perguntas mais rapidamente do que Sigmund poderia responder. Sigmund levantou a mão para indicar que Gonzales deveria parar de falar, o que ele fez. Sigmund disse então: “Sim, encontramos uma tecnologia incrível, embora a maior parte tenha sido removida há muito tempo”. Ele disse então: “Mas espere, você ainda não ouviu a melhor parte!”

A ESCRITA E HIROGLIFOS

Ele continuou a rodas o vídeo. Neste ponto, alguém na imagem gritou com entusiasmo de que eles tinham encontrado outra coisa. A câmera mostrou que eles entraram em uma sala onde havia dois tipos de escrita e hieroglifos inscritos nas paredes e tetos. Havia vários compartimentos-salas como aquelas. O que foi tão emocionante é que esta foi a primeira vez que já vimos ou tivemos acesso a qualquer tipo de escrita da Ancient Builder Race. O SSP estava bem ciente de que, em todos os outros locais do sistema solar que já encontramos sinais da Ancient Builder Race, todas as inscrições e símbolos escritos foram arranhados e deixados initeligíveis.

Inscrições e símbolos hieróglifos também encontrados dentro da espaçonave que caiu nas imediações de Roswell em 1947

Era como se alguma outra raça de extraterrestres que surgiu mais tarde quisesse destruir qualquer lembrança da ABR para construir sua própria história. Havia alguns caracteres e símbolos muito intrincados com aparência de hieróglifos, juntamente com uma grande quantidade de glifos na parede que eram feitos de linhas longas, traços e pontos.

UMA LÍNGUA MULTIDIMENSIONAL

Sigmund afirmou que havia línguas antigas semelhantes que eles tinham obtido conhecimento que existiram na Terra, assim como em algumas outras estrelas, sistemas solares em nossa vizinhança estelar local. Ele disse que conseguiram decifrar os glifos com bastante facilidade. Mais tarde, determinaram que os hieróglifos eram uma mistura de uma linguagem e uma forma de matemática hiperdimensional. Eles foram capazes de interpretar a maioria das mensagens inscritas dentro da espaçonave -“asteroide” e enviaram os resultados a alguns de seus grupos de pesquisa. A conversa, em seguida, dirigiu-se a informações operacionais classificadas das quais eu sou responsável por me manter calado, “por enquanto”Fim de citação}


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. 

“Mas até que nós consigamos despertá-las, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.