browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Astrônomos descobrem 4 objetos circulares misteriosos e NÃO IDENTIFICADOS no espaço cósmico

Posted by on 10/07/2020

Astrônomos na Austrália descobriram quatro objetos astronômicos circulares inexplicáveis, cada um com um brilho incomum, que desafia a compreensão atual dos astrônomos e pode representar um novo tipo de fenômeno cósmico até então não visto e completamente desconhecido pela humanidade. Os objetos de arestas brilhantes, em forma de anel, chamados de [Odd Radio Circles] círculos de rádio estranhos ou ORCs, foram descobertos pelo astrofísico Professor Ray Norris usando o rádio-telescópio Australian Square Kilometer Array Pathfinder (ASKAP).

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Astrônomos identificam quatro objetos circulares misteriosos e NÃO IDENTIFICADOS no espaço sideral

Fonte:  https://www.rt.com/news/494255-astronomers-spot-four-mysterious-discs/

Astrônomos na Austrália descobriram quatro objetos circulares inexplicáveis, cada um com um brilho incomum, que desafia a compreensão atual dos astrônomos e pode representar um novo tipo de fenômeno até então não visto e completamente desconhecido pela humanidade.

Os objetos de arestas brilhantes, em forma de anel, chamados de [Odd Radio Circles] círculos de rádio estranhos ou ORCs, foram descobertos pelo astrofísico Professor Ray Norris usando o rádio-telescópio Australian Square Kilometer Array Pathfinder (ASKAP).

As antenas parabólicas do rádio-telescópio ASKAP da CSIRO no Observatório de Radioastronomia de Murchison, na Austrália Ocidental. © CSIRO

Ele descobriu os fenômenos inexplicáveis ​​enquanto mapeava o céu noturno como parte do projeto Mapa Evolucionário do Universo (Evolutionary Map of the Universe-UEM). “Os ORCs representam um novo tipo de objeto encontrado nas imagens de radioastronomia”, diz Norris em um artigo ainda a ser revisado por pares.

O professor teorizou que eles representam uma “onda de choque esférica” ​​de um “evento transitório” em outra galáxia. Outra resposta possível é que eles são uma nova categoria de um fenômeno conhecido visto de um novo ângulo. “Como os jatos de uma galáxia de rádio ou blazar quando vistos de ponta a ponta no ‘barril’ do jato”, explicou Norris.

Três dos quatro fenômenos foram vistos em 2019, enquanto o restante foi descoberto em dados de 2013 coletados pelo Telescópio de Rádio Metrewave Gigante [Giant Metrewave Radio Telescope] na Índia.

Eles estão todos “no alto” do céu em relação ao plano galáctico da Via Láctea e têm aproximadamente um minuto de arco de diâmetro. Para referência, como observado da Terra, o sol e a lua têm diâmetros angulares de cerca de 30 minutos de arco, no entanto, dado que ainda não sabemos a que distância esses ORCs estão, não podemos colocar suas referências de minuto de arco em perspectiva.

Todos os quatro ORCs são completamente invisíveis nos comprimentos de onda dos raios X, óptico ou infravermelho, o que pode diminuir sua origem e composição, pois são visíveis apenas nos comprimentos de onda do rádio.

“Os ORCs representam um novo tipo de objeto encontrado nas imagens de radioastronomia”, diz Norris em um artigo ainda a ser revisado por pares.

Conhecendo ainda mais as possibilidades, o fato de as assinaturas dos ORCs não coincidirem com as das nebulosas planetárias que estudamos nem se encaixarem no perfil dos remanescentes de supernovas, levando a um prolífico coçar na cabeça dos cientistas entre as comunidades de astrofísica e astronomia.

O que quer que esteja causando os ORCs provavelmente vem de fora da Via Láctea e pode ser potencialmente uma onda de choque esférica de um evento verdadeiramente maciço em algum momento do passado intergalático distante.  Norris e sua equipe também identificaram seis ORCs candidatos mais fracos para explorar com mais detalhes, o que em breve poderá colocar o mistério sobre esses discos distantes e brilhantes.


“… Sempre mais numerosos os sinais. As luzes nos céus  serão  vermelhas, azuis, verdes, rápidas. Aumentarão. Alguém vem de longequer encontrar os homens da Terra. Já houve encontros. Mas quem verdadeiramente viu calou-se”. 

Profecias e visões do Papa João XXIII, OFS, nascido Angelo Giuseppe Roncalli(Sotto Il Monte, 25 de Novembro de 1881 — Vaticano, 3 de Junho de 1963)


Leitura adicional:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.