browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Astrônomos surpresos com descoberta do primeiro objeto interestelar a penetrar em nosso sistema solar, o Asteroide A/2017 U1

Posted by on 29/10/2017

O JPL-Laboratório de Propulsão a Jato da NASA  acabou de lançar um alerta mundial através do  sistema Sentry Earth Impact Monitoring que notifica todos os telescópios do mundo para começar imediatamente a monitorar um objeto inédito e completamente misterioso que entrou em nosso sistema solar a partir do espaço interestelar vindo da direção da estrela Vega, na constelação de Lyra (Nota de Thoth: sistema estelar de origem de uma raça muito antiga de ETs conhecidos na Terra como GREYS).

Tradução, edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

Astrônomos surpreendidos com a descoberta do primeiro objeto interestelar a penetrar em nosso sistema solar, nomeado de Asteroide A/2017 U1 (Oumuamua)

Fonte: http://www.skyandtelescope.com/

Primeiramente o objeto  foi detectado pelo telescópio Pan-STARRS, localizado no Havaí, eles designaram este objeto misterioso como sendo o Cometa C/2017 U1, mais tarde, pelo fato dele não apresentar nenhuma característica de qualquer natureza cometária o International Astronomical Union’s Minor Planetary Center renomeou-o como o Asteroide A/2017 U1 – tornando-se assim o primeiro cometa a ser re-designado como um asteroide na história da astronomia moderna.

O novo e inédito objeto Pan-Starrs A/2017 U1 correu dentro de 0,25 unidade astronômica do Sol no final de setembro e passou relativamente próximo à Terra um mês depois, agora no final de outubro. Com base nas suas excentricidades, os astrônomos acreditam que ele chegou aqui vindo a partir do espaço interestelar. NASA / JPL / Horizons

Durante séculos, os observadores do céu acompanharam e relataram as idas e vindas de milhares de cometas. Cada um deles veio de algum lugar de origem em nosso próprio sistema solar, ou seja o Cinturão de Kuiper além de Netuno ou da Nuvem de Oort, muito mais distante, nos limites do nosso sistema solar.

Mas um objeto detectado e acompanhado há apenas uma semana por observadores usando o telescópio PanSTARRS 1 no alto do monte Haleakala em Maui tem uma órbita extrema e inédita – está em uma trajetória hiperbólica que não parece estar ligada ao nosso Sol. Os resultados preliminares, publicados anteriormente pelo International Astronomical Union’s Minor Planetary Center (MPC), sugerem que estamos testemunhando um corpo que escapou de outra estrela.

“Se outras observações confirmarem a natureza incomum dessa órbita”, observa Gareth Williams, diretor associado do MPC, “esse objeto pode ser o primeiro caso claro de um cometa-asteroide interestelar a ser registrado”.

Veja como o telescópio Pan-Starrs “viu” o objeto A / 2017 U1  como registrado em 21 de outubro na Tenagra Observatory, perto de Rio Rico, Arizona. As imagens abrangem 9 minutos, durante os quais o telescópio rastreou os movimento do objeto, de modo que as estrelas de fundo aparecem riscadas. Cada campo é de largura 3 minutos de arco com o norte para cima. Paul Holvorcem Michael Schwartz (NASA concessão # NNX15AE89G)

Inicialmente designado C/2017 U1, este objeto de fraco brilho, foi um golpe de magnitude 20º quando detectado pela primeira vez em 18 de outubro, depois de ter fechado à distância de 37,600,000 km (23,400,000 milhas) do Sol em 9 de setembro. Uma aproximação tão próxima ao calor abrasador do Sol costumava “acender” um pequeno cometa. Com base em seu aparente brilho, o cientista dinamizador Bill Gray calcula que o objeto teria um diâmetro de cerca de 160 metros (525 pés) se fosse uma rocha com uma reflectividade superficial de 10%. “Passou pelo Sol muito rápido”, observa Gray, “e talvez não tenha tido tempo para aquecer o suficiente para se quebrar e formar uma cauda”.

Agora está indo para fora do sistema solar, para nunca mais voltar. Aproximou-se da Terra em 14 de outubro, a uma distância de cerca de 24.000.000 km (15.000.000 milhas), e os astrônomos em todo o mundo têm acompanhado-o com a esperança de adivinhar sua verdadeira natureza – especialmente se está exibindo qualquer atividade cometária.

Sua verdadeiro identidade tornou-se mais clara depois que Karen Meech (Universidade do Havaí) gravou uma série de imagens com o Very Large Telescope que, quando empilhadas, mostrava um objeto perfeitamente parecido com uma estrela . Portanto, é um asteróide de espaço profundo, não um cometa, e conseqüentemente funcionários do MPC mudaram sua designação para A/2017 U1.

Pelo menos dois astrônomos conseguiram produzir espectros grosseiros do objeto: Alan Fitzsimmons (Queens University Belfast) com o Telescópio William Herschel de 4.2 m e Joe Masiero (Jet Propulsion Laboratory) com o refletor Hale de 5 m. Ambos mostram que o A/2017 U1 para ser um pouco avermelhado, mas não distinguido.

O que tornou esse objeto como um visitante interestelar não era seu espectro ou sua inclinação muito alta (122 °) em relação à órbita da Terra, o que não é particularmente raro, mas, mais criticamente, a sua excentricidade extremamente hiperbólica (1.19). Esse valor, bem superior a 1, significa que a órbita do objeto não está vinculada ao nosso Sol. Confira a sua passagem pelo sistema solar interno usando o aplicativo Horizons interativo da JPL (requer Java).

Dynamicists calcularam previamente com que frequência cometas e asteróides de outras estrelas devem estar em nosso meio. No entanto, o único outro objeto identificado e suspeito de ter uma origem interestelar foi o Cometa Bowell (C/1980 E1) , que teve uma excentricidade próxima a 1,05. No entanto, observa o editor contribuidor sênior de S & T, Roger Sinnott, o “Cometa Bowell aparentemente não era hiperbólico m sua rota, mas apenas como ele saiu” porque esse objeto passou em 35.000.000 km (0.23 au) distante de Júpiter, cuja gravidade deu um impulso na sua velocidade .

Este objeto entrou no sistema solar movendo-se a 26 km (16 milhas) por segundo. A essa velocidade, em 10 milhões de anos, atravessaria 8.200.000.000.000.000 km – mais de 850 anos-luz.

De acordo com Gray, o “cometa” capturado pelo telescópio PanSTARRS parece ter entrado no sistema solar a partir da direção da constelação de Lyra, dentro de ½º de ascensão direta 18h 44m , de declinação + 34º 40′. Isso é 4½º da estrela Vega – fascinantemente perto e estranhamente um reminiscente do enredo do filme Contato. Dado que a estrela Vega fica a apenas 25 anos-luz de distância, um fugitivo hipotético de seu sistema teria levado cerca de 300 mil anos para chegar aqui. No entanto, devido ao seu movimento radial combinado e apropriado, Vega em si mesma não estaria perto de onde está agora.

Mais intrigante é o fato de que o objeto A/2017 U1 vem de um ponto apenas a 6 ° do ápice solar, a direção que nosso Sol está se movendo (a cerca de 20 km/s) através do seu domínio espacial interestelar e, portanto, estatisticamente, o mais provável direção entrante para um visitante interestelar.


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

20 Responses to Astrônomos surpresos com descoberta do primeiro objeto interestelar a penetrar em nosso sistema solar, o Asteroide A/2017 U1

  1. Silvio J. B. Maia

    Os integrantes de nosso suporte falam no combate final entre a luz e as trevas, provavelmente nas vésperas das megaconvulsões ou até fazendo parte delas, quando ao que tudo indica os escolhidos já haverão sido removidos.

  2. Jedu

    São informações que não temos acesso a não ser por sites de mais “coragem”. Estamos sim vivendo “megaconvulsões” humanas para a transformação, onde estaremos nos aproximando de nosso verdadeiro papel neste Universo, que em meu entender é a longa viagem de volta ao Criador. Através das diversas reencarnações estamos lapidando nossa Alma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *