browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Bilhões de dinheiro em espécie desaparecem e a mesma quantia em ouro físico sumiu …

Posted by on 15/12/2019

Algo estranho está acontecendo: ao mesmo tempo em que os bancos centrais estão injetando US$ 100 bilhões por mês em dinheiro [Fiat Money] eletrônico para combater a volatilidade e manter a necessidade de “demanda” dos mercados uma quantia semelhante em moeda física [dinheiro em espécie, cédulas] e metais preciosos está literalmente desaparecendo. Pegue o ouro como exemplo: como relatamos na semana passada , não foi outro senão o Goldman Sachs que recentemente apresentou o caso sobre o ouro, dizendo “o caso estratégico do ouro ainda é forte”. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Centenas de bilhões em cédulas de dinheiro desaparecem silenciosamente, e a mesma quantia em ouro também desapareceram …

Fonte:  https://www.zerohedge.com/markets/hundreds-billions-gold-and-cash-are-quietly-disappearing

Uma razão para isso é que os mesmos bancos centrais que estão imprimindo dinheiro a todo vapor, também o estão gastando comprando ouro e, como resultado das “incertezas geopolíticas”, houve um aumento recorde na demanda de ouro pelos próprios bancos centrais. 

Compra de OURO pelos BANCO CENTRAIS estão para bater recorde este ano devido às ‘TENSÕES POLÍTICAS” em vários países do mundo

Como observa o Goldman Sachs, “os BCs estão comprando ouro globalmente em um ritmo muito forte” e “2019 parece ser um ano recorde para compras de ouro dos Bancos Centrais, com nossa meta de 750 toneladas de compras combinadas que provavelmente serão atingidas”. Mas foi outra descoberta ainda mais bizarra do Goldman que chamou nossa atenção: de acordo com o banco, existem impressionantes 1.200 toneladas, ou cerca de US$ 57 bilhões, de fluxos de negociação com ouro “inexplicáveis” em apenas 3 anos.

Como escreve Mikhail Sprogis, do Goldman, “o aumento do risco político – junto com as taxas europeias negativas – pode ser uma razão importante por trás da grande parcela do investimento não contabilizado em ouro nos últimos anos. O Anexo 17 mostra a demanda inexplicável acumulada de ouro com base no World Gold Council (pós 2010) e GFMS (antes de 2010), que aumentaram desde 2016.

Dinâmica semelhante pode ser vista quando observamos estoques de ouro em cofres construídos no Reino Unido e na Suíça, que são calculados como importações líquidas totais cumulativas menos estoques de ouro de ETF [Exchange Traded Funds] transparente”.

E outra observação notável, ou melhor, a falta dela: “Podemos ver que, desde o final de 2016, o aumento implícito no investimento em ouro não transparente tem sido muito maior do que o aumento nos ETFs [Exchange Traded Funds] de ouro visíveis.(veja o Anexo 18). Isso também é consistente com os relatórios de que a demanda por cofres para armazenar ativos FÍSICOS está aumentando globalmente. 

Os crescentes riscos políticos em vários países, em nossa opinião, ajudam a explicar isso porque, se um indivíduo está tentando minimizar os riscos de sanções ou novos impostos sobre a sua riqueza, então compra barras de ouro física e as armazena em um cofre, onde é mais difícil para os governos alcançá-las. Por fim, essa compilação também pode refletir hedges de indivíduos de alto patrimônio global em comparação com os cenários de risco econômico e político nos quais eles não desejam que nenhuma entidade financeira intermedie suas posições de ouro devido ao risco de crédito da contraparte [instituições financeiras] envolvida nas negociações”.

Em outras palavras, o Goldman Sachs salienta que, nos últimos três anos, houve dezenas de bilhões em fluxos de ouro que desapareceram misteriosa e inexplicavelmente do registro oficial, mas que certamente estão ocorrendo nos bastidores na medida em que os “top” 1% dos mais ricos do mundo se preparam “para um grande choque”.

Mas não é apenas o ouro que está desaparecendo: de acordo com o WSJ , o mesmo ocorre com o dinheiro vivo, em espécie, do mundo.

Alguns australianos estão enterrando suas cédulas. Os suíços podem estar escondendo isso. Os alemães provavelmente estão acumulando.

De fato, enquanto os bancos estão imprimindo mais notas do que nunca, essas parecem estar “desaparecendo da face da Terra” e ninguém sabe para onde ou por quê. ou, como observa o WSJ, “os bancos centrais não sabem para onde foram, nem por quê, e estão brincando de detetive, tentando desvendar o mistério do sumiço das cédulas”.

Sabemos uma coisa: dos US $ 1,7 trilhão em dólares americanos em circulação em espécie em 2018 (acima de US$ 1,2 trilhão 5 anos antes), a grande maioria está no exterior, onde desaparece rápida e silenciosamente como a segunda melhor reserva física de valor do mundo (depois do ouro, é claro). 

Uma economista do Fed, Ruth Judson, escreveu em 2017 que cerca de 60% de toda a moeda dos EUA e cerca de 75% das notas de US$ 100 haviam deixado o país até o final de 2016 – totalizando cerca de US$ 900 bilhões em dólares americanos mantidos no exterior.  Afastar essas notas “fornece alguma proteção contra a turbulência econômica, especialmente em países com um histórico de instabilidade em seus próprios sistemas financeiros”, afirmou o jornal.

Pegue a Austrália: o estoque de notas australianas em bancos em questão em relação ao tamanho da economia está próximo do mais alto em 50 anos, disse Philip Lowe, governador do Banco Central da Austrália: “Ele exibiu notas de banco recém-impressas para os clientes em um evento recente em Melbourne e estimou que existem cerca de US$ 2.000 em notas impressas para cada australiano”. E apenas para inspirar confiança em seu próprio trabalho, ele acrescentou: “Eu, por exemplo, não tenho nem um pouco desse valor” em mãos. Dentro de alguns anos, ele desejaria te-las.

Certamente, existe o elemento criminoso: como qualquer pessoa que tenha assistido a um documentário sobre Pablo Escobar sabe que o chefão das drogas colombiano enterrou dezenas de bilhões de dólares no solo das montanhas da Colômbia para “guardar em segurança” sua riqueza (na verdade, como escreve “A História do Contador“, ” Pablo ganhava tanto que a cada ano deduzíamos 10% do dinheiro, ou cerca de US$ 2,1 bilhões, porque os ratos comiam parte do estoque ou as cédulas seriam danificadas pela água ou perdidas “). Como tal, as notas de dólar em espécie são frequentemente o “fluído vital” para gangues de criminosos, políticos corruptos e fraudadores fiscais.

A posse de dinheiro físico em espécie e metais preciosos também é popular entre os “prepperse “collectors” que se preocupam com um futuro colapso do sistema financeiro, com o advento do Armagedon, catástrofes naturais, Nova Ordem Mundial, etc….

Mas esses dois grupos são pequenos demais [são fortes e organizados nos EUA] para explicar a perda total de dinheiro em espécie, enquanto os banqueiros centrais lutam para “seguir o dinheiro” e perceber como os padrões de poupança e gasto da sociedade mudam em um tempo zero e com taxas de juros negativas. Como observa o WSJ, os banqueiros não estão apenas procurando dinheiro para satisfazer sua própria curiosidade. Se os bancos centrais não souberem quanto dinheiro existe, poderão imprimir muita moeda e arriscar uma inflação.

E para apimentar mais ainda a discussão, há incidentes bizarros como estes:

Recentemente, trabalhadores da construção civil desenterraram cerca de US$ 140.000 em cédulas enterradas em pacotes em um local na Golden Coast da Austrália, o que levou a uma pesquisa policial para encontrar o dono do tesouro.

Em setembro, um tribunal na Alemanha decidiu por um caso movido por um homem que enfiou mais de $ 500.000 euros em uma caldeira defeituosa, usando-a como um cofre apenas para ver a quantia incinerada quando um seu amigo combatia um dia frio, ligando a caldeira enquanto ele estava de férias. O homem processou o amigo pelo valor das cédulas perdidas mais juros. Ele perdeu o caso.

“As pessoas escondem seu dinheiro em todos os lugares imagináveis”, disse Sven Bertelmann, chefe do Centro de Análise Nacional do Bundesbank em Mainz, Alemanha. Às vezes, as cédulas de dinheiro são enterradas no jardim, onde começam a se decompor, ou escondidas em sótãos, onde são consumidas por ratos para construir ninhos e pelas traças. “Acontece repetidamente que as pessoas guardam dinheiro em um envelope e depois o perdem por engano”, disse Bertelmann. “Pegamos os restos das notas com uma pinça e depois começamos a juntá-las, como um quebra-cabeça”.

Poucos estão tão perplexos com o destino do dinheiro que falta quanto o banco central alemão: de acordo com o Bundesbank, mais de 150 bilhões de euros estão sendo escondidos na Alemanha. Isso levou o Banco Central Europeu e outros bancos a pedir ajuda ao público.

“Todo mundo diz que não está guardando dinheiro, mas o dinheiro está claramente em algum lugar”, disse Henk Esselink, chefe da seção da divisão de gerenciamento de questões e circulação de moeda do BCE.

Uma descoberta fundamental – em outubro de 2009 – foi completa e obviamente suprimida pela grande mídia (controlada) mainstream, pelos principais veículos de informação dos EUA, mas tem circulado e sido sussurrada entre os “big money”, os corretores e chefões financeiros e só agora está sendo revelada ao público, lentamente. Ela envolve o ouro dos EUA depositado em Fort Knox – o local do (teoricamente, deveria ser o maior depósito de ouro do mundo) TESOURO em Barras de Ouro dos EUA (assim se pensava…) – que é o patrimônio de nossa riqueza nacional, da nação. Em suma, milhões (com um “m”) de barras de ouro lá depositadas SÃO falsas. O ouro dos EUA SUMIU, foi roubado! – FONTE

Alguns fatos impressionantes: o banco central da Austrália diz que seu melhor palpite é que apenas cerca de um quarto das notas em circulação são usadas nas transações diárias. Até 8% do dinheiro é usado na economia paralela – evasão fiscal ou pagamentos ilegais – enquanto até 10% podem ter sido escondidas. São $ 7,6 bilhões em dólares australianos (US$ 5,2 bilhões) faltando enterrados na praia, colchões, sótãos, ou em almofadas de sofá … Ou simplesmente perdidos em um “afundamento de barco” para evitar o imposto até que cheguem os “dias chuvosos”.

O maior uso de dinheiro é como reserva de riqueza “em cofres, debaixo das camas e atrás de armários, tanto aqui na Austrália quanto em quaisquer outros países do mundo”, disse Lowe, governador da RBA.

Funcionários do Banco Nacional Suíço apresentaram outra teoria: as notas de cédulas acumuladas deveriam se desgastar menos porque não estão sendo usadas nas transações diárias. A demanda por cédulas de alto valor tende a aumentar quando as taxas de juros são baixas, as famílias desconfiam do sistema financeiro e dos bancos ou as pessoas querem fazer transações anonimamente.

Com certeza, as autoridades do SNB descobriram que a acumulação de francos suíços saltou por volta do ano 2000, provavelmente motivada pelo medo do bug do ano 2000 que infectou os sistemas de computadores, pelo estouro da bolha das pontocom, pelos [pseudo]ataques terroristas de 11 de setembro e pela criação  e introdução do euro. A crise financeira que começou em 2007 incentivou as pessoas a esconderem seus ativos ainda mais.

Christian Hawkesby, do Banco Central da Nova Zelândia, se pergunta para onde foi todo o dinheiro que sumiu?.

Enquanto isso, com uma crise financeira iminente – e se aproximando a cada dia – em alguns países, como na Nova Zelândia, fazer o dinheiro desaparecer de circulação está se tornando um passatempo nacional.

Como o WSJ conclui, cerca de um terço [33%] das novas notas bancárias da Nova Zelândia foram para o exterior em 2017, ante 6% quatro anos antes. Isso aconteceu na época em que o turismo ultrapassou a venda dos laticínios como o principal gerador de dinheiro para exportação do país, levando as autoridades a especular sobre o papel desempenhado pelas trocas de moeda, especialmente na Ásia.

A trilha ficou fria depois disso. O banco só conseguiu identificar o paradeiro de cerca de 25% do dinheiro da Nova Zelândia. O restante, de cerca de 75%, simplesmente desapareceu.

“Nosso senso é que estamos no mesmo barco que muitos outros bancos centrais de outros países”, disse Christian Hawkesby, governador assistente do RBNZ. “Não podemos explicar completamente por que as reservas de dinheiro mantidas pelas pessoas estão subindo e para onde as cédulas estão indo.”

Bem, Christian, a resposta para onde todo esse dinheiro está indo é simples e é mostrada na imagem acima …


– Os norte americanos estão no seu momento mais vulnerável;
– Eles estão vulneráveis porque são preguiçosos mentalmente;
– Eles são preguiçosos mentalmente porque são ingênuos;
– Eles são ingênuos, porque eles são ignorantes; 
– Eles são ignorantes porque são desinformados deliberadamente; 
– Eles são desinformados deliberadamente porque acreditam em seu governo e mídia nacional !!! 
– ASSIM COMO TODOS OS DEMAIS POVOS DA TERRA …

Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.