browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Brasil: Quatro fortes terremotos de 4,9° a 5,5° no Oceano Atlântico

Posted by on 18/04/2018

Houve QUATRO terremotos, o primeiro de 5,5º graus de magnitude na escala Richter no oceano Atlântico, de frente para Natal, RN, outro de 5,0° no oceano Atlântico em frente ao Rio de Janeiro e mais dois, um de 4,9º e outro de 5º no sul do Atlântico.

O Leito do oceano Atlântico, ao norte, no centro e sul do Brasil e próximo a conjunção de duas grandes Placas Tectônicas, a da África e a da América do Sul e sofreu fortes abalos desde ontem e dois hoje, desde às 12:50:09 (UTC) hora universal, 09:50:09 horas de Brasilia.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Quatro Fortes terremotos, o primeiro de 4,9º graus de magnitude na escala Richter, ontem (17) no sul do oceano Atlântico, com uma réplica de 5º, outro de 5,5° hoje mais ao norte do oceano Atlântico, próximo da linha do Equador e a cerca de 3.800 quilômetros de Natal e o último no leito do Atlântico de frente para o Rio de Janeiro de magnitude 5º graus

Fonte:  http://www.iris.edu/seismon/

Quatro fortes terremotos foram registrados na região conhecida como a Dorsal do Atlântico, no encontro das placas tectônicas da África e da América do Sul, um com 5,5° graus na escala Richter, às 13:07:19 (UTC) em frente ao litoral do Rio Grande do Norte, a cerca de 3800 km de Natal, conforme registrado pela rede de sismógrafos do USGS (United States Geological Survey):

DATE and TIME (UTC)  LAT   LON   MAG   DEPTH
km
DIST
km
  LOCATION    
   (Shows interactive map)  
  IRIS ID
  (Other info)
18-APR-2018 13:07:19 -0.38 -6.56 5.5 10 0 SOUTH ATLANTIC OCEAN   10729086

Outros dois terremotos, ao sul do Oceano Atlântico, de 4,9º Richter perto das Ilhas Sandwich do Sul, foram registrados ontem (17), ao final da noite, seguido por uma réplica, no mesmo local de 5º na escala Richter. A região vem sofrendo inúmeros abalos nas duas últimas semanas, o mais forte de 5,7º em 09 de abril.: 

DATE and TIME (UTC)  LAT   LON   MAG   DEPTH
km
DIST
km
  LOCATION    
   (Shows interactive map)  
  IRIS ID
  (Other info)
17-APR-2018 23:43:04 -55.14 -28.44 5.0 10 0 SOUTH SANDWICH ISLANDS REGION   10728963
17-APR-2018 23:17:53 -55.10 -28.48 4.9 10 5 SOUTH SANDWICH ISLANDS REGION   10728959

Estes tremores foram seguidos por um quarto sismo de 5º na escala escala Richter que aconteceu na região central do Oceano Atlântico Sul, em frente ao litoral do Rio de janeiro, às 09:50:09, no horário de Brasilia, conforme registro do USGS:. 

DATE and TIME (UTC)  LAT   LON   MAG   DEPTH
km
DIST
km
  LOCATION    
   (Shows interactive map)  
  IRIS ID
  (Other info)
18-APR-2018 12:50:09 -24.87 -13.32 5.0 10 0 SOUTHERN MID-ATLANTIC RIDGE   10729081

A região atingida pelos terremotos é conhecida como a Dorsal meso atlântica  ou  crista oceânica do Atlântico, também referida pelo acrônimo DMA  (ou MAR, do inglês: Mid-Atlantic Ridge), é uma cordilheira submarina que se estende sob o  Oceano Atlântico desde o Oceano Ártico, desde a latitude 87ºN até à ilha subantártica de Bouvet, à latitude 54ºS. Os pontos mais elevados desta cordilheira emergem em vários locais, formando ilhas. A região marca o encontro e o ponto de atrito entre duas grandes PLACAS TECTÔNICAS do planeta.

A enorme cordilheira de montanhas submarinas no meio do Oceano Atlântico e na junção das placas tectônicas da África e da América do Sul.

A dorsal meso atlântica faz parte do sistema global de dorsais oceânicas, e como é o caso de todas as dorsais oceânicas, crê-se que a sua formação fique a dever-se a um limite divergente entre placas tectônicas: a placa Norte-americana e a placa Euro-asiática, no Atlântico Norte e a placa Sul-americana e a placa Africana no Atlântico Sul. Estas placas encontram-se em movimento e por isso o Atlântico encontra-se em expansão ao longo desta dorsal, ao ritmo de 2 a 10 cm por ano.

PARA FINALIZAR ESTE POST UMA MÚSICA MUITO APROPRIADA PARA O MOMENTO:  


“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o TEMPO DA GRANDE COLHEITA se aproxima RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes.

contagem-regressiva-azul

Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. Saiba mais AQUI 


Saiba mais:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

2 Responses to Brasil: Quatro fortes terremotos de 4,9° a 5,5° no Oceano Atlântico

  1. Juarez Goulart

    Com relação a intensidade dos terremotos no meio do oceano e em terra, sabe-se que acima de 6 pontos em terra é preocupante. Mas e no oceano ou perto da costa a intensidade que começa a ficar preocupante é a mesma, ou maior ou menor, para criar uma onda gigante e devastadora. Uma coisa é certa, os abalos sísmicos tem aumentado em quantidade e força. Ou antes não era tão fácil pela tecnologia evidenciar com tanta clareza, ou agora estão ficando rotineiros os tremores entre 2 e 3 pontos, considerados fracos, porém não menos importantes, já que não eram tão frequentes ou nem aconteciam em locais que tem aparecido ultimamente.

  2. LuLaLáh

    Bom que ninguém noticiou. Só esse paruara que torce pelo fim do mundo e errou de firma patética kkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.