browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Caso Epstein é a ‘ponta do iceberg’ da explosiva Guerra do Estado (DEEP STATE) Profundo

Posted by on 30/07/2019

Na medida em que a batalha é pela legitimidade e o controle do Estado, a guerra pelo poder deve ser travada pelo menos parcialmente em “campo aberto”. Há muito tempo afirmo que existe um campo dentro do Estado (Deep State) Profundo que compreende o jogo final do globalismo neoconservador e está ocupado em montar uma estratégia competitiva centrada na nação. A facção dentro do Estado (Deep State) Profundo, que não mais aceita ficções tradicionais, está ganhando terreno, e agora outra fratura no Estado Profundo está chegando à ribalta: os tradicionalistas que aceitam a corrupção sistêmica das elites autônomas e aqueles que finalmente despertaram para a situação de perigo mortal para a nação representado pelas elites amorais egoístasOs conflitos ocultos dentro do Estado Profundo estão emergindo e a crise resultante será muito explosiva. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Epstein é a ponta do iceberg da explosiva crise do Estado (DEEP STATE) Profundo

Fonte:  http://charleshughsmith.blogspot.com/

As especulações de pessoas de fora do círculo de poder devem dar aos membros do Deep State muitas oportunidades de rirem-se: “se ao menos elas soubessem”

Nós não sabemos, é claro, e vazamentos públicos são projetados para desviar nossa atenção do que realmente está acontecendo ou “enquadrar” nosso entendimento de uma maneira positiva aos seus objetivos e propósitos.

Décadas mais tarde, a história revela uma mistura muito comum de grandes sucessos e falhas terríveis em operações secretas, causadas por erros de julgamento, inteligência defeituosa, mau planejamento e assim por diante. Em outras palavras, a vida não é arrumada, seja dentro ou fora do Estado (Deep State) Profundo.

No entanto, podemos postular algumas coisas com alguma certeza.  Uma é que o Estado Profundo – o governo permanente “de fato”, não eleito, que inclui não apenas a comunidade de inteligência, mas uma vasta gama de agências de segurança e diferentes instituições, como os grandes conglomerados do Complexo Militar industrial, que vivem da guerra e das mortes provocadas, bem como as estruturas de alto nível da diplomacia, das finanças internacionais e geopolítica – não é monolítico. Existem diferentes pontos de vista e muitos campos concorrentes, mas os desacordos e as guerras burocráticas “são mantidos fora da vista” do público em geral.

Segundo, sabemos que, em momentos críticos da história, um campo vence a batalha narrativa e estabelece a direção primordial da política do Estado.  Em outras palavras, o entendimento de um campo sobre os problemas mais prementes da época torna-se o consenso e, a partir de então, os desacordos estão dentro dos limites gerais da ideologia dominante.

O fim da Segunda Guerra Mundial foi um momento crítico.  O papel apropriado dos EUA no pós-guerra estava à disposição e, ao longo de alguns anos, a CIA e outras (dezesseis) agências de inteligência foram estabelecidas e a doutrina da contenção da União Soviética tornou-se a narrativa dominante, uma narrativa que se manteve com notável consistência por quatro décadas até que a União Soviética entrou em colapso em 1991.

Esse colapso foi outro momento crítico, e os debates sobre o papel dos Estados Unidos nessa “nova era unipolar”, com o fim da URSS foram finalmente resolvidos em favor da ideologia geopolítica-ativista do neoconservadorismo (o ramo dos Neocons dentro do DEEP STATE).

Essa ideologia globalista levou a uma variedade de desastres políticos e agora está desacreditada em muitos círculos, e está sob ataque dentro do próprio Estado Profundo há algum tempo. Este é o Estado (Deep State) Profundo dividido sobre o qual escrevi nos últimos cinco anos.

O Estado Profundo está se fragmentando em desunião?  (14 de março de 2014)

O Estado Profundo está em guerra consigo mesmo?  (14 de dezembro de 2016)

As falhas do globalismo da ala Neocon deram início a outra conjuntura crítica. Qual é o papel apropriado da América em um mundo multipolar que está se fragmentando em múltiplas falhas? Essa conjuntura crítica é uma manifestação de uma  profunda desunião política  na América e em muitas outras nações, especialmente em aliados da OTAN, como o Reino (des)Unido, a França e a Alemanha.

A mídia corporativa mainstream tem retratado essa  profunda desunião política  como uma disputa entre “bom globalismo” e “mau populismo”, uma clara tentativa de difamar todos aqueles que vêem o lado negro do globalismo como uma ameaça à nação e ao mundo. Esse viés reflete o contínuo domínio do campo ‘neoconsistencialista’.

Mas as rachaduras no sistema oculto do DEEP STATE agora são visíveis.  A imprensa influente do mainstream publicou recentemente críticas que admitem os fracassos do globalismo neocon e agonizam sobre como “salvar” a agenda globalista apesar de seus fracassos.

O caminho errado da globalização – e como isso prejudica a América  (Relações Exteriores)

Há muito tempo afirmo que existe um campo dentro do Estado (Deep State) Profundo que compreende o jogo final do globalismo neoconservador e está ocupado em montar uma estratégia competitiva centrada na nação. Há uma tremenda resistência ao abandono do globalismo neoconservador, não apenas daqueles que vêem o poder escorregar por entre os seus dedos, mas de todos aqueles firmemente comprometidos com a arrogância de uma fé mágica no sucesso do (imperialismo) passado como garantia de sucesso futuro.

Michael Grant descreveu esse apego complacente ao que fracassou em seu excelente relato  A Queda do Império Romano, um pequeno livro que venho recomendando desde 2009:

“Não havia espaço algum, nesses modos de pensar, para a situação nova e apocalíptica que havia surgido agora, uma situação que necessitava de soluções tão radicais como ela mesma. A atitude (o Status Quo) é uma aceitação complacente das coisas como elas são, sem uma única ideia nova”.

”Essa aceitação foi acompanhada por um otimismo muito excessivo sobre o presente e o futuro. Mesmo quando o fim estava a apenas sessenta anos de distância, e o Império já estava desmoronando rapidamente, Rutilius continuou a dirigir-se ao espírito de Roma com a mesma suprema segurança”.

“Essa adesão cega às idéias do passado está entre as principais causas da queda de Roma.  Se você fosse suficientemente embalado por essas ficções tradicionais, não haveria necessidade de tomar nenhuma medida prática de primeiros socorros”.

A facção dentro do Estado (Deep State) Profundo, que não mais aceita  ficções tradicionais, está ganhando terreno, e agora outra fratura no Estado Profundo está chegando à ribalta:  os tradicionalistas que aceitam a corrupção sistêmica das elites autônomas e aqueles que finalmente despertaram para a situação de perigo mortal para a nação representado pelas elites amorais egoístas.

A devassidão da moral mina a legitimidade do Estado e, portanto, de toda a estrutura de poder.  Como observei recentemente em  Seguindo os passos de Roma: Decadência Moral, Desigualdade Crescente  (29 de junho de 2019), o atual caminho de decadência moral dos Estados Unidos e crescente desigualdade de poder / riqueza está acompanhando o passo a passo do colapso de Roma.

Entremos agora no sórdido caso de Jeffrey Epstein, subitamente desenterrado após uma década de supressão (intencional) da mídia corporativa / elitista controlada por expoentes do próprio Estado (Deep State) Profundo.  É ridículo ver as tentativas patéticas da mídia corporativa de investigar o caso agora, depois de ativamente reprimi-lo por décadas: Jeffrey Epstein era um criminoso sexual. Os Poderosos se Congratularam com ele de qualquer maneira.  (New York Times).

Onde estava o NYT uma década atrás, ou cinco anos atrás, ou até um ano atrás?

De todas as questões que surgem, a principal é simplesmente: POR QUE AGORA?  Há muitas perguntas, agora que o caso morto e enterrado foi desenterrado:

  • Onde Epstein conseguiu sua fortuna? 
  • Por que ele voltou voluntariamente para os EUA do exterior, sabendo que seria preso? 
  • Por que o Miami Herald foi capaz de publicar numerosos artigos expondo a escandalosa supressão da justiça após 11 anos de silêncio? 

Anos depois, as vítimas relatam o impacto do abuso de Jeffrey Epstein .

Aqui está a opinião de meu outsider: o campo anti-Neocon dentro do Estado (Deep State) Profundo observou o caso de teste de Harvey Weinstein (o maior produtor e predador sexual de Hollywood) e viu uma oportunidade de aplicar o que aprendeu. Se desenharmos círculos representando o campo anti-Neocon e os moralistas que compreendem a legitimidade do Estado estiverem pendurados por um fio após décadas de exploração amoral e auto-engrandecimento pelas elites dominantes, encontraríamos uma grande sobreposição.

Mas mesmo Neocons obstinados estão começando a despertar para o perigo de seu poder colocado pelo colapso moral das elites dominantes. Eles estão finalmente despertando para a lição da história, que o perigo fatal para os impérios não surge de inimigos externos, mas da podridão de dentro do centro do poder, à medida que a corrupção da elite erode a legitimidade do Estado.

Os iniciantes no Estado (Deep State) Profundo uniram-se para declarar guerra aberta aos membros mais antigos degenerados e seus facilitadores, que estão em toda parte no Estado Profundo:  estão inseridos na mídia mainstream controlada por eles mesmos, a comunidade de inteligência, nas finanças (como Jeffrey Epstein) e assim por diante, espalhados como um câncer prestes a provocar metástase no seu hospedeiro, isto é os EUA.

Como a batalha é pela legitimidade do Estado, deve ser travada pelo menos parcialmente em campo aberto. Esta é uma guerra para disputar a simpatia dos corações e mentes do público, cuja crença na legitimidade do Estado e suas elites dominantes sustenta o poder do Estado (Deep State) Profundo.

Se isso não fosse uma guerra pela legitimidade do Estado, a faxina teria sido muito discreta COMO SEMPRE.  Insiders seriam arrastados para uma sala de reuniões da empresa ou para um escritório de títulos que não fazem nada, ou se aposentariam ou, se necessário, morreriam de um ataque cardíaco súbito, “suicídio” ou em um trágico acidente (se ao menos soubessem).

As baratas estão correndo, e o desafio agora é esmagar o maior número possível antes que eles encontrem abrigo. Os valentões são covardes de coração, e uma vez que os valentões que eram intocáveis ​​devido a amigos poderosos em lugares poderosos são expostos a uma contabilidade sobre o seu comportamento amoral e depravado, eles espalharão as sementes em todos numa tentativa covarde de aliviar as conseqüências de sua corrupção e devassidão.

O poder é uma coisa engraçada e interessante: quando se dissipa repentinamente, se dissipa completamente.

Todos aqueles que estavam confiantes de que eram intocáveis ​​podem querer dar atenção a esse sinal:  “caiam com cuidado no penhasco”.

Os conflitos ocultos dentro do Estado Profundo estão emergindo e a crise resultante será muito explosiva. Lembrem-se, a faxina deve ser pública ou a legitimidade do estado vai cair além do penhasco. 

Se o Estado (Deep State) Profundo quiser reter seu poder, ele deve erradicar os degenerados corruptos antes de derrubar toda a estrutura podre e o seu PÂNTANO ser final e completamente drenado… 


Image result for puppet gifA Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):  “A Matrix é um  sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… 

As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse  sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

2 Responses to Caso Epstein é a ‘ponta do iceberg’ da explosiva Guerra do Estado (DEEP STATE) Profundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.