browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Cerca de 100 mortos em rebelião no Irã, maior paralisação da Internet na história do país

Posted by on 20/11/2019

Agora, passados cinco dias de protestos generalizados em cerca de cem cidades iranianas, após um dramático aumento dos preços do gás na sexta-feira passada, a Anistia Internacional relata que pelo menos 106 pessoas foram mortas.  No entanto, “a organização acredita que o número real de mortes pode ser muito maior, com alguns relatórios sugerindo que cerca de 200 foram mortos “, disse a Anistia em comunicado. Isso porque o governo cortou o acesso à Internet em grande parte do país, resultando em poucos vídeos de confrontos com a polícia chegando ao Ocidente, como nos primeiros dias da agitação. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Anistia Internacional denuncia mais de 100 mortes de civis em protestos no Irã contra aumento no preço dos combustíveis. Maior paralisação da Internet na história do país

Fontes:  https://www.zerohedge.com/  e  https://p.dw.com/p/3TNcT

ONG relata uso de munição real contra manifestantes e diz que total de mortos pode ser ainda maior. Presidente e “líder supremo” dizem que país teve êxito ao lidar com distúrbios provocados por “inimigos externos”. A ONG Anistia Internacional (AI) denunciou nesta terça-feira (20/11) que ao menos 106 pessoas morreram nos atuais protestos contra o governo no Irã e alertou que o número de vítimas fatais pode ser ainda maior.

Estopim dos protestos no Irã foi um aumento de mais de 50% no preço da gasolina

Estopim dos protestos no Irã foi um aumento de mais de 50% no preço da gasolina

O governo iraniano não divulgou o número de pessoas presas, feridas ou mortas nos protestos iniciados na última sexta-feira, que se espalharam para mais de 100 cidades pelo país e cujo estopim foi um aumento de mais de 50% no preço da gasolina.

Teerã questionou os números divulgados pela AI, afirmando se tratar de “alegações sem fundamento e dados fabricados”. A ONG, entretanto, disse que se baseia em “relatos confiáveis” e alertou que “o número real de mortos pode ser bem mais alto, com alguns relatos sugerindo que até 200 pessoas tenham sido mortas”.

A Anistia disse que colheu dados de jornalistas e ativistas dos direitos humanos e que verificou as informações com fontes diferentes. “Imagens de vídeo mostram as forças de segurança utilizado armas de fogo, canhões de água e gás lacrimogêneo para dispersar os protestos e agredindo manifestantes com cassetetes”, afirma a AI.

Manifestante mostra cartuchos de balas supostamente utilizadas pela polícia na repressão aos protestos no Irã

“Imagens de cartuchos de balas deixados pelo chão, além do alto número de mortos, indicam que eles usaram munições reais”, diz a ONG.

A AI menciona testemunhas oculares que corroboraram o que foi visto nas imagens de vídeo e afirma que atiradores de elite posicionados em telhados de edifícios e, em um dos casos, em um helicóptero, abriram fogo contra a multidão. Órgãos oficiais e semioficiais de imprensa contabilizaram apenas seis mortes até o momento.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnur) divulgou um comunicado expressando “profunda preocupação” com os relatos sobre a ação das forças de segurança nos protestos. “Estamos especialmente alarmados com o uso de munição real contra os manifestantes, o que, supostamente, teria causado um número significativo de mortes pelo país”, disse o porta-voz do Acnur, Rupert Colville, em nota.

Por sua vez, o porta-voz da missão do Irã na ONU, Alireza Miryousefi, disse que os dados sobre as mortes são “especulativos e não confiáveis, e em muitos casos, parte de uma campanha de desinformação realizada contra o Irã de fora do país”, que ele atribui a “entidades ocidentais tendenciosas”.

As autoridades iranianas bloquearam o acesso à internet no país de 80 milhões de habitantes, deixando a divulgação das informações nas mãos da imprensa estatal e autoridades do governo. A televisão estatal mostrou imagens de Alcorões queimados em uma mesquita e manifestações pró-governo, como parte de um esforço para demonizar os protestos e demonstrar apoio por parte da população.

A imprensa estatal, entretanto, não mencionou o aumento da gasolina que gerou as manifestações em todo o país e se tornou mais um fardo pesado para os iranianos. A população sofre as consequências do colapso da moeda nacional, o rial, e do fracasso do acordo nuclear entre o país e potências internacionais (Alemanha, China, EUA, França, Reino Unido, Rússia e União Europeia), após os Estados Unidos decidirem abandonar o tratado e reimpor pesadas sanções econômicas ao Irã.

O presidente iraniano, Hassan Rohani, assegurou que o aumento no preço da gasolina teria como objetivo fomentar novos subsídios que deveriam ser concedidos às famílias mais pobres do país. Mesmo assim, a decisão gerou uma onda de revolta em meio à população, no país que possui a quarta maior reserva de petróleo bruto do mundo.

Autoridades iranianas responsabilizam grupos “antirrevolucionários” de fora do país pelos protestos, como os descendentes e apoiadores do antigo xá Reza Pahlavi – deposto pela Revolução Islâmica em 1979 – e o grupo opositor Muyahidin Jalq. Os Estados Unidos, Israel e a Arábia Saudita também são acusados de estarem por trás dos distúrbios.

Fonte da imagem: AFP / Getty Images

Nesta quarta-feira, Rohani declarou vitória sobre os protestos. “O povo iraniano mais uma vez saiu vitorioso em um teste histórico e demonstrou que não deixa que os inimigos se beneficiem da situação, mesmo que possam ter queixas sobre a administração do país”, disse o presidente em pronunciamento transmitido pela emissora estatal Irib. 

O “líder supremo” do país, o aiatolá Ali Khamenei, disse nesta terça-feira que os protestos eram uma questão de segurança, e não um movimento popular, e que o governo teve êxito ao lidar com os distúrbios. (RC/afp/rtr)

Dias atrás, o Departamento de Estado dos EUA previsivelmente se manifestou a favor de mais protestos, em uma situação volátil no país devastado pelas sanções, que já testemunhou  bancos e postos de gasolina incendiados com a alta dos preços do gás  depois que a liderança do país cortou os subsídios à gasolina. 

“O orgulhoso povo iraniano não está calado sobre os abusos do governo”,  disse Pompeo em  comunicado publicado domingo , dizendo que “os Estados Unidos estão com você” e se opõe à “tirania” do Irã.

ONG relata uso de munição real contra manifestantes e diz que total de mortos pode ser ainda maior. Presidente e líder supremo dizem que país teve êxito ao lidar com distúrbios provocados por inimigos externos.

A declaração dizia ainda: “Condenamos a força letal e as severas restrições de comunicação usadas contra manifestantes” e descreveram a agitação como um “conto de advertência sobre o que acontece quando uma classe dominante abandona seu povo e embarca em uma cruzada por poder e riquezas pessoais”.

No entanto, o ministro do Exterior do Irã, Javad Zarif, reagiu, chamando essa hipocrisia de solidariedade, considerando as sanções esmagadoras de Washington que estão tornando a vida miserável para a população comum . 

“O regime que impõe ações econômicas coercitivas e impede a entrega de alimentos e drogas a idosos e pacientes nunca pode afirmar que está apoiando a nação iraniana  ,  disse Zarif sobre os Estados Unidos na terça-feira, conforme citado nas notícias semioficiais do IRNA no Irã agência.


“Nos indivíduos, a loucura é rara, mas em grupos, partidos, nações e ÉPOCAS, é a regra”.  –  Friedrich Nietzsche


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):  “A Matrix é um  sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse  sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

One Response to Cerca de 100 mortos em rebelião no Irã, maior paralisação da Internet na história do país

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.