browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

China está analisando ocupação da gigantesca Base Aérea dos EUA em Bagram, no Afeganistão.

Posted by on 10/09/2021

Uma nova reportagem bombástica no US News & World Report afirma que os militares da China estão pensando  em assumir o que antes era a base aérea mais importante e icônica dos EUA no Afeganistão – o gigantesco complexo da BASE MILITAR de Bagram . “Os militares chineses estão atualmente conduzindo um estudo de viabilidade sobre o efeito do envio de trabalhadores, soldados e outros funcionários relacionados ao seu programa de investimento econômico estrangeiro conhecido como Belt and Road Initiative [BRI] nos próximos anos para Bagram, de acordo com uma fonte sobre o estudo por oficiais militares chineses, que falaram ao US News sob a condição de anonimato “, diz o relatório . 

China está analisando ocupação da gigantesca Base Aérea dos EUA em Bagram, no Afeganistão. A China esta construindo relações amistosas com o novo governo do Taleban no Afeganistão, os comunistas chineses estão considerando novas maneiras de expandir sua influência na Ásia e constranger os EUA

Fonte:  USNews  – Por 

A China está considerando enviar militares e oficiais de desenvolvimento econômico para as gigantescas instalações da antiga Base Aérea dos EUA em Bagram, talvez o símbolo mais proeminente da presença militar dos EUA no Afeganistão durante os 20 anos do conflito e invasão do pais afegão pelos EUA.

Os militares chineses estão atualmente conduzindo um estudo de viabilidade sobre o efeito do envio de trabalhadores, soldados e outros funcionários relacionados ao seu programa de investimento econômico estrangeiro conhecido como Belt and Road Initiative [BRI] nos próximos anos para ocupação da base aérea em Bagram, de acordo com uma fonte informada sobre o estudo por Oficiais militares chineses, que falaram ao US News sob a condição de anonimato.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China divulgou na terça-feira uma negação cuidadosamente elaborada dos planos para uma tomada iminente do campo de aviação militar a cerca de uma hora de Cabul, estabelecido pela primeira vez pelos soviéticos durante sua própria ocupação no Afeganistão e que no auge das forças armadas dos EUA a presença militar ali era a mais ocupada do mundo.

“O que posso dizer a todos é que essa é uma informação puramente falsa”, disse Wang Wenbin a repórteres na terça-feira de manhã. A China negou repetidamente muitos de seus outros posicionamentos militares além de suas fronteiras.

No entanto, a consideração atual em Pequim não é para quaisquer movimentos pendentes, mas sim para um possível desdobramento em até dois anos a partir de agora, disse a fonte. E inicialmente não incluiria assumir a base, mas sim enviar pessoal e suprimentos a convite do governo em Cabul – e certamente depois que o Talibã garantir a estabilidade de seu governo.

Além de expandir sua influência regional, o plano potencial de Pequim para assumir o controle de Bagram também representaria um golpe devastador para a imagem dos EUA, que cada vez mais considera a China sua ameaça global mais urgente e desafiadora.

“Dada sua experiência anterior, os chineses devem estar ansiosos para colocar as mãos no que quer que os EUA tenham deixado nessa imensa base”, disse Yun Sun, diretor do Programa para a China no think tank Stimson Center.

A gigantesca Base Aérea dos EUA em Bagram, no estratégica região ao norte do Afeganistão.

Pequim já reconheceu abertamente a importância geoestratégica de Bagram. Sua mídia estatal quase imediatamente percebeu a saída repentina e surpreendente dos EUA do centro de logística chave em julho, enviando uma equipe de vídeo, que teve fácil acesso ao local, para documentar as consequências do que descreveu como uma “retirada precipitada” e “humilhante derrota” dos EUA.

A última consideração da China combina com as práticas bem usadas que ela aperfeiçoou nos últimos anos para expandir discretamente sua influência econômica e militar além de suas fronteiras, sob o pretexto de projetos de investimento em infraestrutura.

Por exemplo, o Exército de Libertação do Povo – o nome oficial de todos os militares da China – garantiu direitos exclusivos para uso de cerca de um terço da Base Naval de Ream no Camboja nos últimos anos, embora uma expansão seja apoiada. Em Mianmar, forneceu rádio, radar e outros equipamentos militares à junta local nas ilhas Coco, um arquipélago a cerca de 250 milhas ao sul de Yangon, onde a China supostamente detém direitos de arrendamento nas últimas três décadas.  Pequim afirmou que sua presença não equivale a uma base militar, embora todo o equipamento, manutenção e treinamento que ali ocorrem sejam originários da China.

E empregou táticas semelhantes no vizinho Paquistão, com o qual reforçou um novo acordo de segurança e compartilhamento de inteligência nos últimos anos, conforme relatado pela primeira vez pelo US News. A revelação do Taleban na terça-feira de que seu governo recém-formado incluirá como ministro do Interior Sirajuddin Haqqani, o descendente do notório grupo terrorista Haqqani Network baseado no Paquistão pelo qual o FBI está oferecendo uma recompensa de US $ 10 milhões , reforçou ainda mais a posição de Islamabad como um canal entre a China e suas ambições no Afeganistão.

A China provavelmente poderia realizar suas mais recentes ambições para Bagram com a ajuda do Paquistão, diz Sun, acrescentando: “Mas se for viável, tenho certeza de que gostariam de eliminar o intermediário”.

“Se o Taleban solicitar ajuda chinesa, acho que a China estará inclinada a enviar suporte humano. Muito provavelmente, eles o enquadrarão como suporte técnico ou logístico. Há precedentes disso em relação a bases militares estrangeiras. Mas uma aquisição chinesa é improvável, “ ele disse.

Aparentemente em antecipação ao colapso do governo apoiado pelos EUA, a China em agosto começou a se preparar para abraçar o Taleban como o governo legítimo em Cabul caso ele tomasse o poder, informou o US News, abrindo caminho para o tipo de relações amigáveis ​​que permitiria para que tais implantações ocorram. O país, junto com a Rússia, abertamente absteve-se de votar uma resolução recente do Conselho de Segurança da ONU apelando ao Taleban para, entre outras coisas, permitir a saída segura do Afeganistão para aqueles que desejam sair do pais.

Na verdade, a única instalação militar no exterior que a China reconhece é sua base aérea expedicionária em Djibouti, na África, perto de um campo de aviação similar administrado pelos EUA que ambos os países usam para lançar drones e conduzir outras operações secretas e de inteligência dentro e ao redor do Chifre da África e Estados do Golfo .

A China já havia minimizado sua presença em Djibouti e rejeitado categoricamente a noção de que seus outros postos no exterior equivalem a bases militares, um provável sinal de que a política atual do Partido Comunista Chinês não permitiria uma ocupação aberta em Bagram.

Há uma semana, o porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid, disse ao jornal italiano  La Repubblica  que a China será o “parceiro mais importante”  do Afeganistão,  enquanto o novo governo busca investimentos em infraestrutura. “A China é o nosso parceiro mais importante e  representa uma oportunidade fundamental e extraordinária para nós , porque está pronta para investir e reconstruir o nosso país”, explicou Mujahid.

O porta-voz acrescentou que existem ricas minas de cobre no país [e de terras raras], que, graças aos chineses, podem ser retomadas e modernizadas. Além disso, a China é a nossa passagem para os mercados de todo o mundo”Não é segredo que, sempre que a China vê uma oportunidade de expandir seus projetos de Iniciativa Belt & Road pela Ásia, ela busca aumentar sua presença [militar] de segurança no país anfitrião.


Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.