browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

China: Mercado de ouro abalado por escândalo de falsificação de 83 toneladas em barras de ouro falsas

Posted by on 30/06/2020

Ao longo dos últimos anos, informamos periodicamente sobre as ocasionais barras de ouro descobertas como falsificadas no Diamond District de Manhattan que, em vez de conter o metal precioso amarelo, seriam preenchidas com tungstênio banhado a ouro ou, em alguns casos, cobre. No entanto, um mercado que parecia teimosamente imune a qualquer falsificação era o do ouro físico na China, o que era estranho, considerando que, na última década, a China havia emergido como o maior falsificador do mundo de vários metais, principalmente industriais, usados ​​para garantir empréstimos bancários, mais conhecidos como caução fantasma“, e que, adicionando insulto à lesão, seria frequentemente re-hipotecada, o que significa que muitos bancos teriam direito ao mesmo (falso) ativo.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Mercado de ouro abalado por enorme escândalo de falsificação de 83 toneladas em barras de ouro falsas na China

Fonte:  Zero Hedge

Ao longo dos últimos anos, informamos periodicamente sobre as ocasionais barras de ouro descobertas como falsificadas no Diamond District de Manhattan que, em vez de conter o metal precioso amarelo, seriam preenchidas com tungstênio banhado a ouro ou, em alguns casos, cobre. 

As notícias provocariam uma breve onda de indignação, levando os detentores de ouro físicos a realizarem exames de ultrassom no seu inventário; nesse momento, o interesse diminuiria e por que não: afinal, o comprador tem cuidado com o ouro, como em qualquer outro mercado, e se alguém está gastando milhares para comprar ouro falso, bem, isso é darwinismo em ação.

No entanto, um mercado que parecia teimosamente imune a qualquer falsificação era o do ouro físico na China, o que era estranho, considerando que, na última década, a China havia emergido como o maior falsificador do mundo de vários metais, principalmente industriais, usados ​​para garantir empréstimos bancários, mais conhecidos como caução fantasma“, e que, adicionando insulto à lesão, seria frequentemente re-hipotecada, o que significa que muitos bancos teriam direito ao mesmo (falso) ativo.

Tudo isso está prestes a mudar com a descoberta do que pode ser um dos maiores escândalos de falsificação de ouro da história recente. E sim, não apenas envolve a China, mas o escândalo emerge de uma cidade que se tornou sinônimo de tudo o que é escandaloso sobre a China: a própria Wuhan.

Com esse preâmbulo em mente, apresentamos aos leitores a Wuhan Kingold Jewelry Inc., uma empresa que, como o nome indica, foi fundada e opera fora de Wuhan, e que se descreve em seu site como “Uma empresa com um futuro de ouro “.

Em retrospecto, provavelmente significou futuro “cobre”, porque, como uma exposição notável da Caixin  descobriu,  mais de uma dúzia de instituições financeiras chinesas, principalmente empresas de confiança (bancos sombra), emprestaram 20 bilhões de yuans (US$ 2,8 bilhões) nos últimos cinco anos para Wuhan Kingold Jewelry com ouro puro como garantia e apólices de seguro para cobrir eventuais perdas. Havia apenas um problema: o “ouro” acabou sendo barras de cobre banhadas a ouro .

Um pouco mais sobre o histórico: Kingold – cujo nome provavelmente foi roubado da Kinross Gold, uma das maiores garimpeiras do mundo – é o maior processador de ouro de propriedade privada da província de Hubei, no centro da China. Suas ações estão listadas na bolsa de valores da Nasdaq em Nova York (embora seu atual valor de mercado de apenas US $ 10MM esteja muito longe de seus máximos de todos os tempos atingidos quando a empresa fez um IPO na Nasdaq em 2010). A empresa é liderada pelo presidente Jia Zhihong, um ex-militar intimidador que é o acionista controlador.

O que poderia dar errado?

Bem, aparentemente tudo , pelo menos algumas das 83 toneladas de barras de ouro usadas como garantia de empréstimo, acabou por ser apenas cobre dourado . Isso deixou os credores segurando a sacola pelos 16 bilhões de yuans restantes de empréstimos pendentes nas barras falsas. E, como Caixin acrescenta, os empréstimos foram cobertos por 30 bilhões de yuans de apólices de seguros imobiliários emitidas pela seguradora estatal PICC Property and Casualty e várias outras seguradoras menores [na cotação do dia 29 de junho de 2020, o preço da GRAMA do ouro fechou em R$ 310,17, com 83 toneladas valendo R$ 25.744.110.000,00]

O ouro falso veio à tona em fevereiro, quando o Dongguan Trust (um daqueles infames bancos-sombra chineses) decidiu liquidar as garantias da Kingold para cobrir dívidas inadimplentes. Como o relatório continua, no final de 2019, a Kingold não conseguiu pagar os investidores em vários produtos de confiança. Para sua surpresa, a Dongguan Trust disse que descobriu que as barras de ouro brilhantes eram na verdade liga de cobre dourada.

A notícia enviou ondas de choque através dos credores da Kingold. O China Minsheng Trust – outra empresa bancária paralela e um dos maiores credores de Kingold – obteve uma ordem judicial para testar as garantias antes que as dívidas de Kingold vencessem. Em 22 de maio, o resultado do teste retornou, dizendo que as barras seladas nos cofres da Minsheng Trust TAMBÉM são de liga de cobre banhadas à ouro.

E com as “autoridades” investigando como isso aconteceu, o chefe de Kingold, Jia, nega categoricamente que algo esteja errado com as garantias oferecidas por sua empresa. Bem, o que mais ele poderia dizer …

Como Caxin observa, o caso de falsificação da Kingold se assemelha ao maior caso de fraude com empréstimos de ouro da China, ocorrendo em 2016 na província de Shaanxi, noroeste e Hunan, onde os reguladores encontraram barras de ouro adulteradas nos cofres de 19 credores que financiam $ 19 bilhões de yuans de empréstimos, ou cerca de US $ 2,5 bilhões. Nesse caso, um credor que procurava derreter as garantias em ouro encontrou uma placa de tungstênio preta no meio das barras.

No caso da Kingold, a empresa afirmou que contraiu empréstimos contra o ouro para complementar sua posição financeira, apoiar as operações comerciais e expandir as reservas de ouro, de acordo com registros públicos. Parece, então, ter decidido aplicar uma camada de ouro a toneladas de cobre e fingir que era uma garantia de ouro boa em dinheiro. E ainda mais chocante, durante anos ninguém verificou a autenticidade das barras dadas em garantia prometida!

NO OCIDENTE NADA É DIFERENTE: Uma descoberta fundamental – em outubro de 2009 – foi completa e obviamente suprimida pela grande mídia (pre$$titute) mainstream, pelos principais veículos de informação dos EUA, mas tem circulado e sido sussurrada entre os “big money”, os corretores e chefões financeiros e só agora está sendo revelada ao público, lentamente. Ela envolve o ouro depositado em Fort Knox – o local do (teoricamente, deveria ser o maior depósito de ouro do mundo) TESOURO em Barras de Ouro dos EUA (assim se pensava…) – que é o patrimônio de nossa riqueza nacional, da nação. Em suma, milhões (com um “m”) de barras de ouro são falsas! – FONTE

Em 2018, a empresa venceu vários concorrentes ao comprar uma participação de controle na fabricante de autopeças estatal Tri-Ring Group. A Kingold ofereceu $ 7 bilhões de yuans em dinheiro por 99,97% da Tri-Ring. O governo de Hubei citou o acordo como “um modelo da chamada reforma da propriedade mista”, que procura convidar acionistas privados para empresas estatais. Mas Kingold enfrentou problemas para assumir os ativos da Tri-Ring em meio a uma série de investigações sobre corrupção e disputas envolvendo a Tri-Ring.

Depois de obter os resultados dos testes nas barras de ouro falsificadas, o executivo da Minsheng Trust disse que a empresa perguntou a Jia se a empresa fabricava as barras de ouro: “Ele negou categoricamente e disse que era porque parte do ouro que a empresa adquiria nos primeiros dias tinha baixa pureza”, disse o executivo. . Em uma entrevista por telefone com Caixin no início de junho, Jia negou que o ouro prometido por sua empresa fosse falsificado.

“Como poderia ser falso se as companhias de seguros concordassem em cobri-lo?” ele disse e se recusou a comentar mais. Bem, a resposta é simples: as companhias de seguros também foram enganadas, mas isso é uma história para outro dia.

No início de junho, a Minsheng Trust, a Dongguan Trust e um credor menor, Chang’An Trust, entraram com ações contra a Kingold e exigiram que a PICC P&C cobrisse suas perdas. PICC A P&C se recusou a comentar a Caixin sobre o assunto, mas disse que o caso está em processo judicial. Uma fonte do PICC P&C disse ao Caixin que o processo de reclamação deveria ser iniciado por Kingold como segurado, e não por instituições financeiras como beneficiárias.  Kingold não fez uma reclamação, disse a fonte Caixin.

No total, a Kingold promete garantias em dezenas de milhares de quilos em barras de ouro a nada menos que 14 credores no valor de pouco menos de $ 20 bilhões de yuans.

A Caixin soube que o governo comunista da província de Hubei criou uma força-tarefa especial para supervisionar o assunto e que o departamento de segurança pública iniciou uma investigação. A Shanghai Gold Exchange, uma organização auto-reguladora do setor de ouro, desqualificou a Kingold como seu membro na semana passada.

Depois da Dongguan Trust e da Minsheng Trust, outros dois credores da Kingold também testaram barras de ouro retidas como garantias e TAMBÉM descobriram que eram falsas, conforme descobriu a Caixin. Um funcionário da Dongguan Trust disse que sua empresa denunciou o caso à polícia em 27 de fevereiro, um dia após o resultado do teste, e exigiu $ 1,3 bilhão de yuans de compensação da filial de Hubei da PICC P&C.

Enquanto isso, a Kingold não pagou o valor de $ 1,8 bilhão de yuans em empréstimos do Dongguan Trust, com outros 1,6 bilhão de yuans com vencimentos em julho.

As 83 toneladas de ouro supostamente puro armazenadas nos cofres dos inúmeros credores pela Kingold em junho, apoiando os $ 16 bilhões de yuans de empréstimos, seriam equivalentes a 22% da produção anual de ouro da China e a 4,2% da reserva estatal de ouro a partir de 2019.

Em suma, apenas neste escândalo de falsificação de barras de ouro mais de 4% das reservas oficiais de ouro da China podem ser falsasE isso pressupondo que nenhum outro “produtor de ouro e joalheiro” chinês esteja envolvido em fraudes semelhantes (alerta de spoiler: estão ) .

Fundada em 2002 por Jia Zhihong, a Kingold era anteriormente uma fábrica de ouro em Hubei, afiliada ao Banco Popular da China, que foi separada do banco central durante uma reestruturação. Com negócios que variam do design, fabricação e comercialização de jóias de ouro, a Kingold é um dos maiores fabricantes de jóias de ouro da China, segundo o site da empresa.

As ações da empresa Kingold estreou na Nasdaq em 2010. Atualmente, as ações são negociadas em torno de US$ 1, dando à Kingold um valor de mercado de US$ 12 milhões, uma queda de 70% em relação ao ano anterior. Um relatório financeiro da empresa mostrou que a Kingold possuía US$ 3,3 bilhões em ativos totais no final de setembro de 2019, com passivos de US$ 2,4 bilhões.

Jia, agora com 59 anos, serviu nas forças armadas em Wuhan e Guangzhou e passou seis anos morando em Hong Kong. Certa vez, ele administrou minas de ouro pertencentes ao Exército de Libertação Popular, o que significa que ele provavelmente tem conexões até o topo do aparato comunista que governa a China à setenta anos.

Jia Zhihong

Jia é alta e forte “, disse uma fonte do setor financeiro familiarizada com Jia Zhihong à Caixin. “Ele é uma figura imponente e fala alto. Ele é ousado, imprudente e eloqüente, sempre fazendo você sentir que ele sabe melhor do que você”. Várias fontes da companhia disseram que Jia está bem conectado em Hubei – o epicentro da pandemia de coronavírus – o que pode explicar a vitória surpresa de Kingold no acordo Tri-Ring. Mas uma fonte do setor financeiro em Hubei disse que os negócios da Jia Zhihong não são tão sólidos quanto podem parecer.

“Sabemos há anos que ele não tem muito ouro – tudo o que ele tem é cobre”, disse a fonte, que não quis ser identificada. As instituições financeiras locais em Hubei evitaram fazer negócios com a Kingold, mas não querem ofendê-lo publicamente, disse a fonte. Por quê? Por causa de suas extensas conexões com o exército chinês e o partido comunista.

“Quase nenhuma das empresas e bancos locais de Hubei esteve envolvida no financiamento (de Kingold)” , disse ele.

Isso explica por que a maioria dos credores de Kingold é de fora de Hubei. A Caixin aprendeu com fontes reguladoras que o Minsheng Trust é o maior credor da Kingold, com quase $ 4,1 bilhões de yuans de empréstimos pendentes, seguido pelos $ 3,9 bilhões de yuans do Hengfeng Bank, mais $ 3,4 bilhões de yuans do Dongguan Trust, $ 1,9 bilhão de yuans da Anxin Trust & Investment Co. e Sichuan Confie em $ 1,8 bilhões de yuans da Trust Co.

Mas espere, a falsificação de ouro é apenas a ponta do iceberg de fraude da empresa: várias fontes do setor disseram ao Caixin que as instituições estavam dispostas a oferecer empréstimos a Kingold porque Jia Zhihong prometeu ajudá-los a dispor de empréstimos podres.

O Hengfeng Bank é o único banco comercial envolvido no caso Kingold. O banco em 2017 concedeu um empréstimo de $ 8 bilhões de yuans a Kingold, que , em troca, concordou em ajudar o banco a amortizar $ 500 milhões de yuans de empréstimos ruins, disseram fontes bancárias. A Kingold pagou metade das dívidas em 2018. Mas a emissão do empréstimo envolveu muitas irregularidades, já que o acesso as barras de ouro prometido e aos procedimentos de teste das barras foi controlado pela própria Kingold, disse um funcionário da Hengfeng.

Parece que estamos ficando sem saída para a manipulação, corrupção endêmica do sistema financeiro internacional ….

O empréstimo foi antecipado por Song Hao, ex-chefe da filial do banco Hengfeng em Yantai. A caução foi colocada sob investigação de enxerto em março de 2018 em conexão com o ex-presidente do banco, Cai Guohua, desonrado, cuja queda levou a uma grande reforma na administração do banco. Em 2019, a nova administração da Hengfeng processou a Kingold pelos empréstimos não pagos e passou a dispor da garantia. Mas um teste das barras de ouro descobriu que elas são “todas falsas feitas de cobre”, disse a fonte do banco.

Ainda não está claro se a garantia foi falsificada em primeiro lugar ou substituída posteriormente. Fontes da Minsheng Trust e Dongguan Trust confirmaram que a garantia foi examinada por instituições de teste de terceiros e monitorada rigorosamente por representantes da Kingold, credores e seguradoras durante o processo de entrega.  “Ainda não consigo entender qual parte deu errado”, disse uma fonte da Minsheng Trust. Registros bancários mostraram que o cofre onde as garantias estavam armazenadas nunca foi aberto, disse a fonte ao Caixin.

Os dominós em queda

Registros públicos mostraram que os primeiros empréstimos garantidos por ouro da Kingold podem ser rastreados até 2013, quando chegou a um acordo de $ 200 milhões de yuans de empréstimos do Chang’An Trust, com 1.000 kg de ouro prometidos em garantia. O empréstimo de dois anos foi para financiar um projeto imobiliário em Wuhan e foi reembolsado no prazo. Antes disso, o financiamento da Kingold vinha principalmente de empréstimos bancários com bens e equipamentos como garantia.

Parece que, de uma maneira ou de outra, a empresa percebeu que poderia fabricar propriedade de ouro e receber dinheiro em troca do que eram basicamente barras de cobre sem valor pintados como ouro; e, graças às conexões militares de Jia Zhihong, ninguém faria outras perguntas.

Como resultado, a partir de 2015, a Kingold aumentou rapidamente sua dependência de empréstimos garantidos por ouro e começou a trabalhar com o PICC P&C para cobrir os empréstimos. Em 2016, a Kingold pediu emprestado $ 11 bilhões de yuans, quase 16 vezes maior que o valor do ano anterior. A relação dívida / ativo subiu de 43,4% para 87,5%, de acordo com um relatório financeiro da empresa. Naquele ano, a Kingold prometeu garantias de 54,7 toneladas de ouro para empréstimos, 7,5 vezes maior que o ano anterior.

Agora é seguro assumir que a maior parte desse ouro nunca existiu.

Uma pessoa próxima a Jia disse que a onda de empréstimos se deve em parte à busca da Kingold de controlar a Tri-Ring. Em 2016, o governo da província de Hubei anunciou um plano para vender participações da Tri-Ring a investidores privados como uma importante reformulação do fabricante de autopeças controlado pelo governo de Hubei.

Parece que grande parte do “TESOURO” do dragão comunista chinês pode ser falsificado

Em 2018, a Kingold foi selecionada como investidor em um negócio no valor de $ 7 bilhões de yuans. De acordo com o plano de investimento, a compra do controle da Tri-Ring por parte de Kingold fazia parte de uma estratégia para expandir o negócio de células a combustível de hidrogênio, o que é obviamente um ajuste “lógico” para uma empresa envolvida na fabricação de jóias de ouro. Fontes próximas ao acordo disseram que a Kingold foi atraída pela Tri-Ring por sua rica propriedade industrial que poderia ser convertida para desenvolvimento comercial.

Sim, no final da fraude, finalmente chegamos à única e verdadeira bolha de ativos chineses: os imóveis. Um documento de investimento da Dongguan Trust mostrou que a Tri-Ring possui a propriedade de terras em Wuhan e Shenzhen que valem quase $ 40 bilhões de yuans. O acordo gerou polêmica imediata, já que alguns concorrentes questionaram a transparência do processo de licitação e as qualificações da Kingold.

E aqui as coisas ficam ainda mais loucas: de acordo com os relatórios financeiros da Kingold, a empresa tinha apenas $ 100 milhões de yuans de ativos líquidos em 2016 e $ 2 bilhões de yuans em 2017, gerando dúvidas sobre sua capacidade de pagar pelo acordo. Apesar do barulho, a Kingold pagou $ 2,8 bilhões de yuans pela primeira parcela logo após o anúncio do acordo. A segunda parcela de $ 2,4 bilhões de yuans foi paga vários meses depois, com recursos arrecadados pela Dongguan Trust.

Em dezembro, a Tri-Ring concluiu sua alteração no registro comercial, marcando a conclusão da aquisição pela Kingold. No entanto, o novo proprietário enfrentou problemas para mobilizar os ativos da Tri-Ring por causa de uma série de casos de corrupção em torno da fabricante de autopeças desde o início de 2019 que derrubaram o ex-presidente da Tri-Ring. Como a Caixin observa, a maioria dos ativos da Tri-Ring foi congelada em meio à investigação e subsequentes disputas por dívida, limitando o acesso de Jia aos ativos imobiliários.

A fraude é finalmente exposta

Impedida pelo acordo Tri-Ring, que custou bilhões de yuans, mas do qual ainda não obteve retorno, a cadeia de capitais de Jia acabou quebrando quando o Hengfeng Bank pressionou pelo reembolso, desencadeando uma série de eventos que trouxeram à luz a existência do ouro falso, disse uma pessoa perto do assunto. O envolvimento das seguradoras foi essencial para o sucesso dos acordos de empréstimos garantidos por ouro falso da Kingold. As apólices de seguro fornecidas pelas principais seguradoras estatais, como a PICC P&C, foram um fator importante para afastar as preocupações de risco dos credores, disseram várias fontes da companhia.

“Sem a cobertura do PICC P&C, (nós) não emitiríamos empréstimos à Kingold, pois a garantia só pode ser testada através de amostras aleatórias”, disse uma pessoa ao Caixin.

A agência de Hubei da PICC P&C forneceu cobertura para a maioria dos empréstimos de Kingold, a Caixin descobriu. Todas as apolíces expiram em outubro. Em 11 de junho, 60 apólices ainda eram válidas ou estavam envolvidas em ações judiciais.

A PICC P&C enfrenta vários processos movidos pelos credores da Kingold exigindo compensação. Mas um porta-voz do PICC P&C disse que as apólices cobrem apenas perdas colaterais causadas por acidentes, desastres, roubos e furtos. Não garante fraude e certamente não há perdas quando a garantia nunca existiu!

De quem é a culpa ?

Wang Guangming, advogado dos escritórios de advocacia de Dacheng, disse que a questão principal é o que aconteceu com o ouro prometido e qual parte estava ciente da falsificação. Se Kingold falsificou as barras de ouro e as seguradoras e credores desconheciam o fato, as seguradoras deveriam compensar os credores e processar a Kingold por fraude de seguros, disse Wang. As seguradoras também são responsáveis ​​por compensações se sabiam do golpe da fraude pela Kingold, mas os credores não, disse Wang.

Se a Kingold e credores tivessem conhecimento das garantias falsas, as seguradoras poderiam encerrar as apólices e processar as partes por fraude. Mas se as seguradoras também estavam envolvidas na fraude, todos os contratos são inválidos e todas as partes devem assumir suas próprias responsabilidades legais, disse Wang. Um oficial de regulamentação financeira disse ao Caixin que investigações anteriores de casos de fraude de empréstimos envolvendo barras falsas de ouro descobriram que havia frequentemente conluio entre mutuários e instituições financeiras.

No início deste ano, o PICC P&C removeu seu chefe do partido de filial de Hubei e o gerente geral Liu Fangming.  Fontes disseram que funcionários envolvidos em negócios com a Kingold também foram demitidos. PICC P&C disse que a remoção de Liu foi devido a problemas de gerenciamento interno. Não respondeu à pergunta de Caixin sobre se Liu estava envolvido no escândalo de Kingold.

A agência de Hubei da PICC P&C forneceu seguro para a maioria dos empréstimos garantidos por ouro falso da Kingold.

A história acima é chocante ao expor o quanto a fraude multifacetada é na China: capitalizando em favoritismo preexistente e conexões com o poderoso exército da China, o partido comunista, o fundador da Kingold, Jia Zhihong foi autorizado a fazer basicamente o que quisesse, sem perguntas, inclusive falsificação de moeda. O valor de 83 toneladas de barras de ouro para que bilhões de dólares participem da bolha imobiliária da China, apenas para uma série de eventos inesperados para desfazer as fraudes uma após a outra e expor o tipo de escândalo sórdido que está no coração da maioria das “empresas” e empreendimentos chineses.

Quanto ao ouro, sim – vários bilhões em barras de ouro nunca existiram e, no entanto, resultaram em uma cascata de eventos subsequentes de fluxo de caixa, permitindo a liberação de dezenas de bilhões em fundos, “beneficiando” não apenas o fundador Jia Zhihong, mas a economia mais ampla da China. O que é desnecessário dizer que é aterrorizante: porque, embora logo após a crise financeira a China se dedicasse à construção de cidades fantasmas, todos sabiam que estes eram um símbolo de demanda que nunca se materializaria, mesmo que as cidades existissem. No entanto, agora parece que grande parte do subseqüente boom econômico da China se deve a dezenas de bilhões em ativos fakes – como barras de ouro – que simplesmente não existem.

Quanto ao que isso significa para o preço do ouro … bem, a Kingold certamente não é a única empresa chinesa envolvida em tais fraudes flagrantes, e as consequências são claras: uma vez que os credores ou companhias de seguros chinesas começarem a testar as “garantias” que receberam em troca de dezenas de bilhões em empréstimos e descobrirem, para seu “espanto”, que, em vez de ouro, são orgulhosos proprietários de tungstênio ou cobre, eles têm duas opções: revelar a fraude, correr o risco de tremendas conseqüências adversas e / ou tempo de prisão, ou silenciosamente comprar todo o ouro necessário para literalmente preencher o vazio de anos de falsificação de ouro.

Algo nos diz que a opção dois será muito mais agradável à cleptocultura comunista da China, onde uma queda de dominós desencadeia um colapso de todo o sistema financeiro. O que acontece a seguir: uma briga em pânico para conseguir ouro físico, que até os nossos amigos do BIS não terão poder para deixar de enviar o preço do metal precioso num patamar de valorização inédito em todos os tempos.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


 Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.