browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

China: Países Vizinhos na Ásia e Oceania resolveram enfrentar as ambições hegemônicas chinesas

Posted by on 09/08/2020

Depois de se ver acuada pela manipulação do surgimento do novo coronavírus em Wuhan, apropriadamente chamado por muitos de  vírus PCC , a  China está adotando um modo francamente ofensivo nas suas relações com outros países globalmente. Especialmente com os seus vizinhos mais próximos. O Ministério das Relações Exteriores da China já instruiu seus embaixadores a defender agressivamente seus interesses e reputação, mesmo que à custa das sutilezas diplomáticas. Seguindo o que foi chamado de diplomacia do “Lobo guerreiro”, seus diplomatas agora estão promovendo ativa e agressivamente a agenda do regime comunista chinês, empregando ferramentas de ataques, notícias falsas, ataque hackers, propaganda e teorias da conspiração. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Países Vizinhos da China na Ásia e Oceania resolveram enfrentar suas ambições hegemônicas

Fonte:  The Epoch Times  –  Por Tahir Aslam Gora

No entanto, muitos países ao redor do mundo, em vez de se intimidarem, agora estão enfrentando essa agressiva ofensiva diplomática e as ambições hegemônicas e geopolíticas dos comunista da China.

Em nenhum outro lugar do planeta essa mudança é mais pronunciada do que nos países vizinhos da China no Indo-Pacífico . Por anos, recebendo a agressiva conduta assertiva de Pequim em disputas territoriais, ameaças de coerção econômica e um impulso agressivo em seus mercados internos, os países do Indo-Pacífico agora estão fazendo ouvir suas vozes ao dragão chinês.

Aproveitando a oportunidade oferecida pelo  encobrimento inicial do surto do vírus Covid-19 do PCC em Wuhan, esses países agora exigem respostas da China, realinhando suas posturas de defesa e coordenando-se com aliados que pensam da mesma forma e finalmente perceberam o perigo do dragão chinês.

A Austrália, que por anos teve um relacionamento comercial próspero com a China e um contato pessoal amistoso, agora está disposta a enfrentar a ousadia e prepotência crescente [dos comunistas] de Pequim. Alarmado com a crescente influência chinesa imposta na vizinhança australiana do Pacífico Sul, o governo do primeiro-ministro Scott Morrison, desde que assumiu o poder no ano passado, tentou conter Pequim oferecendo assistência econômica e desenvolvimento de infraestrutura, combinados com o crescente alcance político aos estados insulares do Pacífico.

Além disso, Canberra anunciou em 1º de julho a atualização mais significativa para suas forças armadas em décadas, revelando gastos com defesa no valor de cerca de US$ 187 bilhões. As capacidades avançadas que as forças de defesa australianas devem assumir são um sistema de mísseis anti-navio de longo alcance e armas hipersônicas. Isso sinaliza uma mudança no pensamento estratégico da Austrália em relação à China, em linha com a deterioração do ambiente de segurança no Indo-Pacífico.

A Austrália não está apenas recalibrando sua postura de defesa militar, mas também se coordenando com seus aliados. Após a cúpula virtual entre Morrison e seu homólogo japonês Shinzo Abe em 9 de julho, os dois países concordaram em facilitar a execução de exercícios militares conjuntos e outras atividades de suas forças de defesa nos países um do outro. Além disso, em um movimento que certamente irritará a China, os dois líderes também concordaram que Taiwan deveria participar da Organização Mundial da Saúde como observador. A China considera Taiwan uma província renegada.

Logo após a cúpula Japão-Austrália se seguiu à nona rodada da Reunião Trilateral de Ministros da Defesa entre o Ministro da Defesa japonês Taro Kono, o Secretário da Defesa dos EUA Mark Esper e a Ministra da Defesa australiana, Linda Reynolds, em 7 de julho. Os ministros da defesa dos três países em sua reunião apontaram outros fatores perturbadores nas tendências na ofensiva chinesa no Mar da China Meridional “a militarização contínua de águas disputadas com outros países na região, o uso perigoso ou coercitivo de navios da guarda costeira e ‘milícia marítima’ e esforços para interromper as atividades de exploração de recursos de outros países”.

Nos últimos anos, Pequim persistiu no uso dessa milícia, principalmente porque não houve uma resposta militar de nenhuma das potências envolvidas. Mais recentemente, Pequim usou essa tática contra a Indonésia em janeiro de 2020 para adentrar na Zona Econômica Exclusiva do país por 70 milhas náuticas em uma demonstração de força. No entanto, como Pequim continua a empurrar os limites, Jacarta demonstrou que não está mais disposta a ser uma testemunha dócil das travessuras do primeiro.

Embora o vírus do PCCh tenha fornecido o ímpeto necessário para que muitos dos países vizinhos da China se manifestassem, a imposição de Pequim da lei de segurança nacional em Hong Kong, uma ex-colônia britânica, rompendo um tratado com o Reino Unido deu o impulso necessário aos países “Five Eyes-Cinco Olhos” [EUA, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e Canadá] para recuarem em suas relações com o gigante asiático . Em uma rara declaração conjunta em maio de 2020, quatro membros da aliança – Estados Unidos, Reino Unido, Austrália e Canadá – censuraram a China por impor a lei de segurança nacional e defenderam Hong Kong como um “bastião da liberdade”.

Enquanto isso, Austrália e Canadá anunciaram uma revisão de seus laços políticos e comerciais com Hong Kong. Da mesma forma, o Reino Unido confirmou que abrirá um caminho para a cidadania para residentes de Hong Kong, que quiserem abandonar a região com direito a um passaporte nacional britânico (estrangeiro).

Mais recentemente, o quinto membro, a Nova Zelândia, após uma chamada de consulta entre os ministros das Relações Exteriores dos Cinco Olhos em 8 de julho, anunciou uma revisão dos laços com Hong Kong, incluindo uma reavaliação dos arranjos de extradição, controles de exportações e assessoria de viagens para seus nacionais.

O realinhamento causado pela agressividade chinesa não se limita apenas aos seus vizinhos mais próximos. Na Europa, que tem sido apontada por Pequim como o continente que recebe os lucros inesperados do ambicioso projeto de conectividade de infraestrutura da China, o ambicioso projeto Belt and Road Initiative-BRI, o consenso está surgindo para combater o expansionismo comunista da China.

Mais recentemente, uma nova coalizão de legisladores de 16 países europeus e da União Europeia foi criada, chamada Aliança Interparlamentar sobre a China . Ele se descreve como “um grupo internacional de legisladores multipartidários trabalhando em prol da reforma de como os países democráticos abordam a China”. Uma de suas mais recentes campanhas de destaque instou os países membros a revisar os tratados de extradição com Hong Kong.

Essa pressão sobre as questões políticas é acompanhada por um aperto crescente nas empresas de tecnologia chinesas, que por anos tiveram atuação de rédea solta nos mercados ao redor do mundo, oferecendo alternativas mais baratas e de baixa qualidade – hardware e software. No entanto, parece que as buscas hegemônicas globais de Pequim podem ter sido cortadas pela raiz. Após a proibição da Índia do uso interno de mais de 50 aplicativos chineses, os Estados Unidos estão considerando adotar uma medida semelhante. Além disso, os Estados Unidos e o Reino Unido também já se decidiram, como fica evidente em sua decisão de excluir a Huawei de sua rede 5G. A França também está tomando medidas para restringir o papel da Huawei em sua rede de telecomunicações interna.

Mesmo com a comunidade global unida em sua resposta para lidar com a bagunça criada pela pandemia do vírus PCC [Covid-19], Pequim está evidentemente em uma viagem diferente, como demonstram suas agressivas ações na disputa de fronteiras com a Índia em Ladakh, seu expansionismo na região do Mar da China Meridional, contra a ilha de Taiwan e agora a região de Hong Kong. Oficiais dos EUA já descreveram a China como o rival militar mais perigoso. ”A menos que Pequim tome medidas para corrigir seus erros, reduzir sua retórica agressiva e resolver as disputas regionais, é provável que essa onda global crescente de sentimento anti-China possa se transformar em um tsunami”.

Tahir Aslam Gora é um locutor, editor, editor, tradutor e escritor canadense. Ele é o co-autor de “SUBMISSION-The Danger of Political Islam to Canada, with a Warning to America“.

As opiniões expressas neste artigo são de opinião do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.