browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Civilização Dissidente, Buracos espaço-temporais (wormholes)

Posted by on 10/08/2018

Bem-vindos de volta à “Divulgação Cósmica”. Sou seu anfitrião, David Wilcock e estou aqui com Corey Goode. Então, o que estamos prestes a ver e ouvir aqui é com Mark McCandlish, descrevendo um avistamento muito de perto de um enorme UFO-OVNI, muito interessante, durante a época da Guerra do Vietnã. Vamos dar uma olhada neste assunto hoje.(7,24)

“Eu estou no meu conjunto de navegador dentro da aeronave, apenas cruzando dados, realmente não prestei muita atenção. Eu acho que nós estavamos a 56 mil pés (17 mil metros), uma altitude incrível. E, de repente, o piloto diz: “O que diabos é isso?”

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

BURACOS ESPAÇO-TEMPORAIS, WORMHOLES E CIVILIZAÇÕES DISSIDENTES,  COM MARK MCCANDLISH (Season 7, Episode 24)

Fonte: https://spherebeingalliance.com/

UMA “CIDADE” (UM IMENSO UFO) NO CÉU DE LUA CHEIA

Mark McCandlish: Fui em um show aéreo na estação do Corpo dos Marines de El Toro  (Califórnia). Isso foi por volta em 1991 ou 92. E eles tinham uma exibição estática lá de aeronaves. E eles tinham um B-24 Liberator maravilhosamente restaurado. O alumínio do avião tinha sido polido como um acabamento de espelho. E eles tinham todos os estêncis, todos estavam simplesmente perfeitos.

E estou de pé do lado da corda, e estou olhando para este avião. E acabei de abrir um grande sorriso no meu rosto, apenas admirando a maravilhosa restauração que fizeram neste antigo e belo avião.

Um Bombardeiro pesado Liberador B-24 Consolidado do Maxwell Field, Alabama, de quatro motores, brilha no sol, depois de fazer uma curva em  altitude sobre as nuvens. 

E junto ao meu lado esta esse senhor. Ele provavelmente tem em torno de 1,65 metros de estatura, um cavalheiro mais velho, provavelmente em sua idade em torno dos 70 ou 80 anos. E ele também abriu o mesmo sorriso em seu rosto. E então eu olho para trás e digo: “Garoto, ele esta uma beleza, não é?”

E ele diz: “Sim!” Ele disse: “Eu comecei minha carreira de vôo em um desses aviões.”

Eu disse: “Realmente ? Você esteve na Segunda Guerra Mundial? “

E ele disse:” Sim, eu estava no teatro do Pacífico. “

E eu disse: “Muito Bem”,

Então, por quanto tempo você esteve dentro? ” E ele diz:” Oh, em torno de 30 anos “. E ele disse:” Acabei minha carreira como navegador em um B-52 no Vietnã. “

E eu disse:” Bem, Garoto, foi uma briga bastante séria, especialmente, você sabe, os B-52 e todas as críticas políticas que os militares levaram”. E então começamos a falar de diferentes aviões e sistemas de armas, as diferentes aeronaves que ele tinha voado ou tinha sido uma parte de sua história. E eu disse: “Bem, você sabe, eu entendo que há coisas novas e bem avançadas que estão voando agora.

“Eu ouvi histórias de pessoas que estavam na Guerra do Golfo Pérsico que viram as coisas zumbindo no céu que eram inexplicáveis, fazendo voltas em ângulo reto a uma velocidade incrível, parando em um momento e disparando como se estivessem saindo de uma arma.

“E ele meio que assentiu e disse:” Sim, eu vi algumas dessas coisas…também “.

E eu disse:” Sério? Bem, fale-me sobre isso.”

Então ele olha em volta nervosamente, você sabe, porque ele sentiu que talvez alguém estivesse perseguindo-o pelo menos era assim que ele agia. E ele continua: “Bem”, ele fala, “em meados da década de 1960″, nós estávamos numa missão sobre o Vietnã do Norte, e nosso avião pegou sofreu fogo de um míssil de superfície para o ar. E então eles nos enviaram para Guam para reparar a aeronave, e nós conseguimos cerca de uma semana de folga.”

E ele disse:” Estávamos de volta à nossa base na Tailândia, e nós estávamos sobre o Pacífico. São cerca de 1 hora da manhã, Lua cheia, e sem uma nuvem no céu em qualquer lugar.”

E ele prossegue:” Eu estou no meu conjunto de navegador dentro da aeronave, apenas cruzando dados, realmente não prestei muita atenção. Eu acho que eles estavam a 56 mil pés (17 mil metros), uma altitude incrível. E, de repente, o piloto diz: “O que diabos é isso?”

A espaçonave deveria ter entre um quarto à meia milha de diâmetro (entre 400 a 800 metros de diâmetro)

E então todo mundo corre para o cockpit, e ele aponta para a esquerda, e no lado esquerdo do avião esta este enorme disco – imenso. Ele disse: “Conservadoramente, de forma conservadora, entre um quarto e meio de milha de diâmetro (cerca de 400 a 800 metros de diâmetro)”.

E eu disse: “Bem, como você. . . Como você pode determinar? . . Como você poderia dizer que era tão grande? “

E ele diz:” Bem, tinha uma cúpula, uma cúpula, no topo. “E ele disse que parecia uma única peça de um tipo de plástico branco. E era translúcido. E estava brilhando. Estava iluminado por dentro. E ele continua: “No lado de fora desta cúpula, você poderia ver a silhueta de cada um dos inúmeros pisos lá dentro”.

E ele diz: “Contamos 27 andares – 27 pisos!”

E eu disse: ” Tudo bem. Bem, qual era a relação de aspecto entre a espessura do disco e o diâmetro geral? “

Ele diz:” Cerca de 10 para um. “Então ele diz:” Foi assim que descobrimos que seu tamanho ficava entre um quarto e meia milha de diâmetro. “

Então ele descreveu o que viu. E ele disse: “Não se parece com o seu disco típico, você sabe, de ficção científica, onde o exterior é espelho suave e polido”.

Ele disse: “Este tipo de coisa era difícil.”

Ele tinha painéis que eram diferentes, você sabe, texturas. E havia condutos que saíam de um só lugar e serpenteavam por alí, e se dirigiam para outro lugar, além de encanamentos, tubos e tubulações e coisas, pequenas antenas e outras coisas que passavam por todo a sua superfície.

Mas ele disse: “Ao redor da borda”, ele disse, “havia umas ranhuras, aberturas. E nestas ranhuras estavam estes grandes. . . Eles se pareciam com lâminas de turbina. ” E ele diz:” Cada uma dessas lâminas de turbina era do tamanho de uma porta de passagem em um hangar com uma aeronave da Força Aérea, muito grande “.

E ele continua:” E essas lâminas de turbina, independentemente do que fossem, “disse”, elas estavam percorrendo na borda ao redor da circunferência desta espaçonave, apenas muito devagar. E isso aconteceu em paralelo com o curso do nosso avião”

Ele disse:” Eles voaram paralelo conosco por pelo menos meia hora”.

E ele narra:” Talvez seja devido ao fato de que o B-52 foi projetado para lutar contra uma guerra nuclear, e assim a eletrônica do nosso avião estava completamente protegida contra EMP, “pulso eletromagnético”.

Então ele diz: “O que quer que fosse mantinha essa espaçonave no ar, E pensávamos que era provavelmente uma coisa magnética“, ele narra,” nós voamos por alí. Nós voamos sobre isso. Nós passamos por baixo disso. ” Ele diz:” Nós demos uma boa olhada nessa espaçonave enorme”. E foi a coisa mais estranha que já vimos “.

Ele continua:” Depois de um tempo, tudo isso mudou completamente.”

E ele disse: “O modo como vimos os recursos era, o número um, da iluminação da cúpula, e também o fato de que era meio iluminado pela lua cheia. E então o reflexo da luz da Lua que saia do Oceano Pacífico iluminava a parte de baixo dessa espaçonave.”

Ele narra: “O objeto se moveu de um jeito.” disse ele : “Essas grandes lâminas de turbina na borda começaram a ir cada vez mais e mais rápido e mais rápido até que essas lâminas, do tamanho de uma porta de passagem de um hangar, movendo-se tão rápido, que você nem poderia mais vê-las.

Eram agora apenas um borrão. ” E então, de repente, essa coisa, zooooosh !, faz um ângulo oblíquo da sua trilha de vôo original. E ele diz: “E, assim que isso acontece, um brilhante túnel de luz se abre, e a espaçonave entra nele”.

E ele detalha: “E nós podemos ver a extremidade do túnel de luz, poderíamos ver um céu iluminado como um dia ensolarado com nuvens brancas inchadas, que não havia por onde estávamos voando, pois era noite.”

E ele disse: “E parecia que estava saindo de um túnel para a luz do dia. “

E ele narra:” E então o túnel de luz e a espaçonave simplesmente se desmaterializaram e sumiram, foram embora. E nós ficamos todos sentados lá com a boca aberta. “

Então ele disse:” Nós fizemos o resto do nosso trajeto até nossa base na Tailândia em silêncio. “

E ele declarou:” Assim que aterrissamos o FBI estava lá, nos esperando, e eles queriam nos entrevistar e obter informações.”

E ele diz:” Essa foi a única coisa em que eles estavam mais interessados, esse evento aparentemente perceptível do surgimento de uma espécie de Wormhole em que vimos aquela imensa espaçonave desaparecer em frente aos nossos olhos”.

David: Bem, isso é extremamente fascinante. Eu acho que nós começamos com algumas das porcas e parafusos aqui, o que parece ser um tipo de nave mais primitiva, exceto que é muito grande, descrevendo todos esses tubos e rebites e tecnologias penduradas fora dela.

O que você achou que ele poderia ter visto lá no Vietnã? De onde poderia ter vindo?

Corey: Bem, este objeto era definitivamente uma espaçonave não-terrestre. Ele estava descrevendo como a cúpula no topo tinha 27 andares. E a seção principal do disco voador, eu acho que vamos chamar, é aí que a maior parte da engenharia esta, e você tem um monte de partes móveis que causam isso, acho que essas grandes aberturas para deslizar. Então, a maioria do compartimento da tripulação está naquela cúpula no topo.

David: certo.

Corey: E para dentro, esse é o fim do negócio onde a energia do sistema de propulsão é gerada, onde as coisas giram. E somente as pessoas que poderiam ir lá mantêm a embarcação firme.

David: Então, para ser absolutamente claro, nada disso foi visto por você no Programa do Espaço Secreto, per se?

Corey: Bem, como você disse, é uma tecnologia mais antiga. E este tipo de artesanato foi associado com o que as pessoas chamam muito de extraterrestres “Greys”.

David: Ah, realmente?

Corey: Sim. Ou os Ebens (aliens Greys do sistema estelar duplo de dois sóis de Zeta Reticulum 1 e 2, do Planeta SERPO), que esses tipos de espaçonaves são associados a eles. Sim, ouvi falar de espaçonaves semelhantes – muito grandes, algumas deles teriam cerca de até uma milha de diâmetro.

David: Por que você acha que eles podem ter passado pelo Oceano Pacífico perto da Tailândia?

Corey: em tempos de conflito, parece haver muita atividade de OVNIs nas áreas de combates, como os estrangeiros estão entrando para assistir o que está acontecendo, observar, talvez até participar.  Então, quando ouvimos quando entrevistamos  Clifford Stone, quando ele estava no Vietnã, eles tiveram um encontro com os não-terrestres depois que um B-52 tinha caído. Então, pareceu que durante o Vietnã houve muita atividade não-terrestre em torno dessa parte da Ásia.

David: A história sobre o wormhole no final, é claro, é realmente fascinante, porque eles estão voando de noite. Eles têm luz da lua cheia refletindo sobre este disco voador imenso, mas então eles vêem um túnel, e não é noite do outro lado. Há um céu. Há nuvens, e há luz solar, tudo dentro deste túnel. Então, o que você acha que está acontecendo lá? O que estamos examinando?

Corey: Eles estão olhando para o destino deles, uma janela (espaço-temporal) para o destino que eles se deslocaram, abrindo um portal.

Isso foi descrito – não sei se o mencionei no programa antes – mas ouvi dizer isso muitas vezes. Eles verão céus de aparência estranha que parecem ser obviamente não na Terra em absoluto. Então, sim, eu já vi isso descrito muitas vezes.

David: Então, se você tem o ângulo certo, você pode ver diretamente pelo portal e ver onde o destino está do outro lado?

Corey: Sim.

David: Como a descrição do tubo em si, alinhada com luz cintilante, se encaixava em outras coisas que você viu ou ouviu?

Corey: Bem, a maneira como descrevi isso é que refratará a luz. Parece meio  uma miragem cintilante, é o que eu vi.

David: Bem, é fascinante para mim, porque McCandlish não sabe o que ouvi de Daniel, outro insider, que descreveu o trabalho em Montauk, e que os portais apareceriam na cafeteria. E você veria como um campo gramado onde não havia campo. Como se você estivesse olhando para a parede, por uma janela, mas há uma coisa brilhante ao redor da parede e então há esse campo coberto com gramado. Agora, esses portais o levam através do tempo e do espaço?

Corey: Sim. E eles aprenderam a manipular alguns desses portais para poder viajar para trás e para frente em determinada linha espaço-temporal mesmo.

David: Tudo bem. Então, agora vamos ter mais desta entrevista com Mark McCandlish, onde ele irá descrever a sua própria experiência pessoal.

O FENÔMENO FLASHER

Mark McCandlish: voltei do jogo de beisebol dos Angels em 1994 – acho que era junho ou julho no estádio dos Angels – indo para o leste através do Carbon Canyon. Há uma área próxima a algum tipo de reserva de vida selvagem que fica à sudoeste de Chino. À distância, havia algumas linhas de transmissão de energia elétrica de alta tensão que atravessavam a colina, e havia alguns emprendimentos, algumas casas e coisas ali.

Estou com um grupo de  três outras crianças, e estamos neste carro dirigindo. E havia uma condição de vento de Santa Ana naquela área no momento, e então todos os aviões que normalmente viriam e pousavam do leste realmente não poderiam fazer isso porque o vento estava vindo de suas costas, e isso diminuiria a quantidade de sustentação que eles necessitavam.

Então eles estavam orbitando e entrando pelo oeste, indo para o leste para ter o aumento de sustentação desse vento ao pegá-lo de frente. E havia todos esses aviões em um padrão de espera, e você podia ver suas luzes e tudo.

E eu disse: “Garoto, você sabe, deve ser um grande desafio para os controladores de tráfego aéreo manter todos esses aviões organizados e não ter nenhum deles colidindo.” E acabamos de falar sobre UFOs. E isto é o que foi tão fascinante.

E, assim que terminei de falar, sobre o acidente e, você sabe, uma colisão no ar, houve um brilhante flash de luz. E todos nós ficamos assim [Mark mostra expressão de choque no rosto]. E esse brilhante flash de luz fica enorme, e então fecha-se de volta. E então, outro ponto de luz que começa a sair do céu, e está caindo sobre um ângulo de 45 ° e está ficando maior à medida que aumenta.

E então era quase como se houvesse um buraco invisível no céu e seguindo em uníssono e em trilha com este objeto estavam essas linhas paralelas. E elas estavam se movendo em uníssono. E elas eram de todos tipo de escalonados. Todos tinham pesos de linha diferentes. Alguns eram grossos; outros eram finos.

Mas eles eram todos do mesmo tipo de cor amarela dourada, e eles estavam se movendo em uníssono com essa coisa. E pensei em liguar para o aeroporto. Eu disse: “Houve um acidente? Houve uma colisão? ” ” Não. “

E assim enquanto eu estava pensando sobre isso, ocorreu-me – e essa coisa veio diretamente sobre a reserva da vida selvagem. E eles têm diretrizes muito rígidas sobre que ninguém esteja no parque depois do anoitecer. Há sinais que dizem isso. Eu investiguei isso. Então eles não querem você por alí depois do anoitecer. E agora acho que sei por quê.

Mas o objeto que eu vi parece ter acabado de sair de um desses buracos feitos pelo flash de luz. E assim como naquela cena no primeiro filme “Star Wars”, onde eles fazem um salto à velocidade da luz com uma espaçonave, e ao dispararem no hiperespaço, todas as imagens das estrelas distantes começam a se alongar.

Bem, é a mesma coisa que vem do outro lado, porque o que está acontecendo é que, como essa coisa está saindo desse buraco de minhoca espaço temporal (Wormhole), na verdade, está arrastando a luz das estrelas onde foi quando deixou algum ponto no espaço. Está puxando essa luz junto com eles.

E então, o que você vê é a imagem do brilho da luz dessas estrelas esticadas em linhas. Cada estrela, as maiores que estão mais próximas, têm um peso maior. As que estão mais longe e tem brilho mais fracos, têm uma pequena linha. Mas todas as linhas eram paralelas, movendo-se em uníssono assim.

E então percebi que a cor dourada era o deslocamento vermelho da luz de estrelas que pareciam brancas a olho nu. Mas se você está falando sobre o efeito Doppler de se afastar de uma fonte de luz, você obtém um deslocamento vermelho para que a luz se torne uma espécie de ouro amarelo. E foi assim que eu entendi o ocorrido.

Bem, desde então, desde que reconheci como é o fenômeno e, desde que mudei para o norte da Califórnia, Provavelmente vi eventos como esse talvez pelo menos seis a oito vezes – alguns deles bastante espetaculares. Mas eles são freqüentemente, eles são tão frequentes, especialmente no verão. Não sabemos por quê. O verão parece ser um período de tempo quando isso acontece com mais freqüência.

Mas eles acontecem tantas vezes que as pessoas locais que observam os céus, e você conhece, os fãs de astronomia e as pessoas que gostam de assistir UFOs ou esperar e ver se eles vêem um, eles chamam essas coisas de “flashers”, porque acontecem com tanta frequência.

David: Quando ele está descrevendo esse fenômeno do portal com linhas de luz paralelas saindo, quais são seus pensamentos iniciais à medida que você vê tudo isso?

Corey: ocorrem muitos efeitos ópticos nesse tipo de fenômeno. Mesmo a luz pode ficar presa na sequência dessas artesanato enquanto viajam através desses “buracos de (Wormholes) minhocas“. Então, eu ouvi falar de diferentes tipos de fenômenos de luz que ocorreram no ar quando as espaçonaves entram através desses buracos de minhocas.

David: Ele fala sobre esses flashers como se fossem bastante comuns. Eu realmente não ouvi as pessoas descrevendo isso. Você acha que se alguém como um extraterrestre ou um dos nossos do Programa Espacial Secreto está viajando para dentro ou para fora da nossa atmosfera usando a tecnologia do portal, que, se você for suficientemente observador, e você está olhando no lugar certo, no momento certo, que haverá fenômenos visíveis como este?

Corey: Há muito mais acontecendo acima de nossas cabeças do que sabemos. A pessoa típica gasta todo o dia olhando para o nível do solo. Poucas pessoas param para procurar algo “ACIMA” de suas cabeças.

David: certo. Então, você acha que poderia haver fenômenos atmosféricos que a maioria das pessoas nem sequer notaria porque é rápido ou não tão visível?

Corey: fenômeno atmosférico e de luzes, sim.

David: certo. Em um caso como o que acabamos de ouvi-lo descrever, isso seria mais como uma espaçonave? Ou isso seria mais como um fenômeno natural de alguma forma que encurte a luz como um fenômeno portal?

Corey: também pode ser porque, como descrevi como funciona a Web cósmica, e como a Terra, enquanto gira, tem a conexão eletromagnética correta entre a Terra e o Sol e depois o Sol e o sistema estelar de destino para onde a espaçonave quer ir ou da qual eles estão vindo. Então, isso também pode explicar por que eles só são vistos no verão, ou possivelmente, porque é quando esses portais estão se abrindo sobre certos pontos específicos na Terra. E como eu descrevi, esses pontos eletromagnéticos podem se abrir abaixo do solo, abaixo do oceano, na superfície da Terra e extremamente altos na atmosfera.

David: Uma das coisas que ele me fez pensar foi algo que eu vi na revista “Discover” na década de 1990, onde eles estavam descrevendo um novo fenômeno que eles estavam anunciando que não era realmente Aurora Borealis, mas tinha alguma semelhança. E eles os chamaram de “sprites”. Esse era um tipo. Outro tipo que eles descreveram como “elfos”. E quando penso nisso agora, os sprites e os elfos predominantemente eram colunas de luz lineares que pareciam ter uma boca, como um tipo de funil para eles. Então, você acha que os sprites e os elfos podem ser um exemplo desses buracos de minhoca que nos são visíveis?

Corey: Não. Não, esses são fenômenos eletromagnéticos que acontecem na atmosfera. Alguns têm cargas negativas e positivas. Muitas das cargas elétricas que vemos chegando e aterrando, batendo no chão, são de uma polaridade ou carga. E os que alcançam o espaço exterior são de uma polaridade e carga diferentes.

David: Ok.

Corey: E eles alcançam muito longe no espaço, os sprites e os elfos.

David: Bem, eu pensei que você disse que os próprios portais têm uma base de plasma para eles?

Corey: o plasma é mais um subproduto do fluxograma eletromagnético que está ocorrendo. Assim como ele estava falando no Flux Liner (linha de Fluxo), como ele criaria uma espécie de corona ao redor da luz que emitiria raios-x.

David: certo.

Corey: é mais um subproduto.

David: Uma das coisas interessantes que ele disse no decorrer desta pequena seção foi que tudo o que estava acontecendo com esse suposto portal parecia ficar cada vez maior à medida que ele se aproximava dele. Você acha que esse aumento de tamanho foi simplesmente uma função do objeto se movendo para mais perto deles? Ou há algo mais acontecendo aqui que causa isso?

Corey: Quando nós (do Programa Espacial Secreto) iríamos passar por essas distorções locais espaço-temporal que chamamos de portais, eu descrevi como isso não seria como uma viga de metal, e então o portal seria ativado e ele se desdobraria para acessarmos. E Eu descrevi como será uma esfera tridimensional, e as pessoas irão caminhar de todas as direções ao mesmo tempo. E, por outro lado, todos eles saem da mesma direção.

Bem, quando eles entram e saem, há uma torção no espaço temporal que, ao entrarem, eles parecem encolher. E, à medida que saem, eles parecem crescer. Então, quando o vi descrevendo esse fenômeno, poderia ser uma perspectiva visual que estava se aproximando dele. Mas isso me fez pensar nessa estranha anomalia que ocorre quando as pessoas e os itens entram e saem desses portais.

David: Você acha que existe algum tipo de conexão entre as antigas construções de pedra megalítica e os fenômenos de abertura de portal espaço temporal?

Corey: Sim. Os antigos construíram muitos destes megalitos ao longo deste sistema de grade de pontos de energia eletromagnética na Terra. (STONEHENGE seria um dos mais importantes assim como as Pirâmides de Gizé, no Egito)

E este sistema de grade é o que conduz a eletricidade e os canaliza para esses nós eletromagnéticos diferentes. . .

David: certo.

Corey: . . . Que se abrem para os portais.

David: Tudo bem. Então, nossa última  seção desta inovadora entrevista com Mark McCandlish é onde ele descreve sua interpretação de um termo que foi ministrado pelo Dr. Richard Dolan, (University of Oxford, Alfred University, University of Rochester) um acadêmico e maravilhoso investigador do assunto OVNI que realmente esta por dentro dos fatos.

Ele chamou a ideia de uma civilização separada sendo algo que poderia surgir dessa cultura de segredo nacional dos nossos contatos com outras raças extraterrestres e como essas tecnologias de propulsão anti-gravidade dos UFOs que sofreram engenharia reversa pelos nossos cientistas poderiam, de fato, já estarem colonizando outros planetas e luas fora da Terra e, portanto, formar uma civilização (Dissidente) que estaria já completamente separada da nossa. Vamos ouvir o que Mark McCandlish tem a dizer sobre esse conceito fascinante.

UMA CIVILIZAÇÃO DISSIDENTE E SEPARADA DA NOSSA

Mark McCandlish: Acho que meu amigo dR. Richard Dolan foi uma das primeiras pessoas a especular que esse tipo de tecnologia seqüestrada e mantida longe da visão pública pode ter uma conseqüência tal que possa haver uma população de pessoas que se mantenham em um nível superior Padrão de TECNOLOGIA e segurança.

São selecionados por sua inteligência, suas habilidades, sua compreensão sobre o que faz esse tipo de coisas funcionarem. E que as pessoas que se envolvem com essas coisas podem  ter que ficar em silêncio. . . Com toda a probabilidade, eles nunca poderiam falar sobre istos. Eles não podem descrever a tecnologia. Eles não podem divulgar o que sabem. E assim eles podem, como conseqüência disso, estabelecer sua própria sociedade, seus próprios grupos, seus próprios pares, onde se juntam e vivem.

Quero dizer, provavelmente há algum tipo de localização, Talvez na Antártida. Quero dizer, tem havido um tremendo interesse pelo que está acontecendo na nossa Antártida. Quero dizer, você ve John Kerry e, você sabe, pessoas como Richard Branson, você sabe, estão todos voando para lá sabe Deus  por quê? Mas há algo muito interessante acontecendo lá.

Houve muitas sugestões de que o Almirante Byrd teve um confronto com uma tecnologia avançada, você sabe, civilização isolada lá em baixo, logo após a Segunda Guerra Mundial. Mas houve perdas de aeronaves e pessoal e alguns navios, você sabe, como resultado.

A tecnologia é real. Eu sei que eu vi coisas que eram inexplicáveis por tipos convencionais de sistemas de propulsão ou tecnologia – coisas que se moviam pelo céu a velocidades incríveis, coisas que parecem estar manipulando o tempo e o espaço simultaneamente.

E, portanto, se você tem um grupo, uma sociedade que tem à sua disposição esse tipo de desenvolvimento, esse tipo de tecnologia, parece-me que, nas circunstâncias certas, esse tipo de tecnologia poderia ser usada para fazer um pequeno esforço para girar ao redor do mundo, em termos de coisas que estão acontecendo politicamente, para o bem ou para o mal.

Pode ser uma maneira de encorajar alguém a não iniciar uma terceira guerra mundial. Pode ser uma maneira. . . Quero dizer, você sabe, quando você vê os chineses empunhando muitos sabres e, de repente, há um maior avistamento de OVNIs em uma grande capital como Pequim, dá uma pausa (nos conflitos de interesses). Isso faz você se perguntar se eles não receberam uma mensagem muito sutil para se comportar.  


David: o que parece estar dirigindo aqui é um conceito de segredos muito maiores por trás do fenômeno UFO do que a maioria das pessoas poderia imaginar. E, obviamente, foi um elemento central do nosso show. Eu pensei que foi interessante que ele mencionou a Antártida e trouxe muitos dos mesmos dados de que estamos falando, aparentemente sem qualquer consciência do que divulgamos. Então, quais foram seus sentimentos sobre tudo isso?

Corey: Bem, especialmente em conexão com uma civilização separada, porque uma das atualizações que entreguei recentemente é que ela existe o que já é referido como uma Área-51 da Antartida ,  que eles têm muitas instalações subterrâneas abaixo de gelo, muitas bases que eles construíram sob o Projeto Iceworm. Elas seriam muito grandes e são instalações de pesquisa e desenvolvimento. A gigante aeroespacial Lockheed Martin, todos esses lugares, eles os habitam e eles os usam.

Não só isso, mas há um espaçoporto que costumava ser um espaçoporto nazista que nos foi entregue no final dos anos 50, início dos anos 60, e nós o convertemos em nosso próprio espaçoporto naquela região. E esse é um porto espacial muito usado. Mas não esqueçamos que o conceito de civilizações separadas não é novo. Já ocorreu na antiguidade.

As civilizações antigas teriam a casta de sacerdotes, e a casta do sacerdotes seria composta por engenheiros. E todo o conhecimento foi guardado pela casta de sacerdotes. Eles até o manteriam em segredo em relação aos reis governantes.

Nestes tempos, quando eles desenvolveram esses tipos de tecnologias, Eles os desenvolveram separadamente de sua civilização. E muitos deles iriam abaixo do solo, fora do mundo, desenvolveram bases. E alguns dessas civilizações estão em torno de hoje como alguns desses grupos não-terrestres – o que pensamos serem grupos não-terrestres – que vemos voando nos céus.

David: Qual você acha que é a probabilidade de essa civilização separada realmente curar essa divisão com as pessoas na civilização atual de superfície da Terra, na medida em que saberemos que ela existe e seremos capazes de nos conectar com ela de alguma maneira?

Corey: ficarei muito surpreso se eles se identificarem para nós. Quero dizer, a civilização separada que possui a tecnologia mais avançada. Nós provavelmente ouviremos sobre um desses outros programas espaciais secretos antes de muito tempo. Mas a única maneira que vejo que a divulgação seja é através de um despejo de dados em massa, ou algum tipo de evento para onde a informação é colocada contra a vontade dos “todos poderosos” que governam estas civilizações dissidentes.

David: Como você vê isso se desdobrando? Porque parece ser parte de como este conceito de civilização separada funcionou é que não temos a capacidade de enviar nosso próprio drone e orbitar a Lua para ver o que está acontecendo no lado escuro (onde eles possuem inúmeras bases). Nossa civilização e sua tecnologia de “motor à explosão” não temos a capacidade da civilização dissidente para entrar no espaço exterior. Então você tem caras como Elon Musk e Richard Branson que criam seu próprio programa espacial, e eles tentam fazer um lançamento, e ele explode, o que parece ser sabotagem (ou uso de TECNOLOGIA OBSOLETA). Então, como nós realmente experimentamos isso? Como iremos CHEGAR lá?

Corey: Bem, todas essas coisas estão ocorrendo em segredo. As armas, os programas que Estão, digamos, sabotando esses dois programas espaciais civis, tudo isso está acontecendo em segredo.  Se tivermos algum tipo de despejo de dados e uma grande quantidade de novas informações surgindo, isso realmente não pode ser contestado, então o arsenal acabou. Eles podem se esconder atrás da cortina tudo o que eles querem, mas então nós saberemos que eles estão lá.

David: O que você acha que é o jogo final dessa civilização separada? Se eles ainda vivem em nosso sistema solar, eles são como patos sentados se houvesse algum tipo de divulgação. Se eles realmente desejassem fugir, eles não cortariam os laços conosco e o nosso Sistema Solar completa e simplesmente iriam para outro lugar?

Corey: eles podem e já o fizeram. Eles habitam outros sistemas estelares. Eles já muitas têm bases em outros sistemas estelares. Se eles tivessem que, se eles tiverem planejado, em algum momento de que a informação seria divulgada ao público ou ao nível médio – pessoas que têm mais consciência, são mais instruidos, alguns dos grupos dos conglomerados industriais do Complexo Industrial Militar (porque eles sabem da verdade) – se essas pessoas começarem a ter essa informação divulgada para eles, “os poderes que governam” que fazem parte desta civilização separada planejava escapar do nosso Sistema Solar e ir para um desses outros sistemas estelares.

David: Como você acha que essa chamada barreira externa ao nosso sistema solar afeta esse plano?

Corey: a barreira destruiu esse plano. Eles estão presos aqui conosco. Se obtivermos a Divulgação Completa, então, como você disse, eles estão sentados em patos. Eles foram identificados, e todos vão dar uma boa olhada neles e o que eles fizeram para manter sua civilização separada em segredo em relação à nossa, e é quando é que muita informação será divulgada.

David: Tudo bem. Bem, com essa nota, vamos terminar este episódio. Muito, muito fascinante esta série de entrevistas com Mark McCandlish, um dos 39 denunciantes originais do Projecto de Divulgação que eu conheci pessoalmente em 2001. E é realmente incrível ouvir o quanto mais ele tinha a dizer.

Sou David Wilcock aqui com Corey Goode. Isto é ” divulgação cósmica “, e agradecemos sua audiência e interesse.


Matrix (o SISTEMA de CONTROLE)

“A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. 

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.