browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Coalizão em Israel tira Netanyahu do poder, elegendo novo primeiro ministro e governo

Posted by on 13/06/2021

Pela primeira vez em 12 anos, Israel tem um novo governo sem a presença do chefe do Likud. Ampla coalizão oposicionista de oito partidos obtém maioria apertada no Parlamento para vitória de Naftali Bennett, determinando o fim da era Netanyahu no poder, que agora vai ter que enfrentar as acusações de corrupção que tem contra si.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Oposição em Israel tira Netanyahu do poder, elegendo novo primeiro ministro e governo

Fontes:  Jerusalém Post – DeustcheWelle

Naftali Bennett, líder do partido religioso de extrema direita Yamina, ganhou o voto de confiança do Parlamento israelense neste domingo (13/06) e se tornou primeiro-ministro, destronando Benjamin Netanyahu após 12 anos no poder.

Os oponentes de Netanyahu conseguiram forjar uma inédita aliança ampla de oito partidos para tirá-lo do poder. A coalizão é diversificada, inclui ex-aliados de Netanyahu, direitistas linha-dura, centristas e membros da esquerda.

Também tem, pela primeira vez, o apoio direto do pequeno partido árabe Ra’am. Seu líder, Mansour Abbas, fez campanha prometendo um maior envolvimento dos cidadãos árabes na política israelense. A decisão foi descrita como “histórica” ​​pela mídia israelense.

Bennett obteve o voto favorável de 60 dos 119 deputados presentes, e 59 contra, vindos do Likud de Natanyahu e dos grupos de extrema direita e ultra ortodoxos. Houve uma abstenção.

Pelo acordo de coalizão, Bennett, de 49 anos, deve permanecer no cargo até agosto de 2023, sendo substituído nos dois anos seguintes por Jair Lapid, líder do segundo maior partido de Israel, o centrista Yesh Atid.

Netanyahu cumprimenta novo premiê israelense, Naftali Bennett

Netanyahu cumprimenta novo premiê israelense, Naftali Bennett

O ex-jornalista de TV de 57 anos foi encarregado, após a eleição parlamentar em março, de formar um governo após o fracasso de Netanyahu. Lapid, no entanto, deu a Bennett precedência para o cargo de primeiro-ministro, a fim de possibilitar a coalizão.

Netanyahu promete volta ao poder

Há críticas de que o partido do futuro primeiro-ministro Bennett tem apenas sete cadeiras no Parlamento israelense. A bancada mais forte no Knesset é do Likud de Netanyahu, com 30 cadeiras, à frente do partido de Lapid (17).

Antes da votação deste domingo, Netanyahu disse no Parlamento que continuará na política, na oposição, após a tomada de posse de uma nova coligação, e que regressará ao poder “em breve”. “Se é nosso destino estar na oposição, faremos isso de cabeça erguida, derrubaremos esse mau governo e voltaremos a governar o país do nosso jeito”, afirmou. “Estaremos de volta em breve.”

O discurso inaugural de Bennett foi seguidamente interrompido por protestos raivosos de apoiadores de Netanyahu. Bennnett se manifestou contra um retorno ao acordo nuclear internacional com o Irã.

Ele alertou o grupo islâmico Hamas, que governa na Faixa de Gaza, para a formação de uma “parede de ferro” caso volte a atacar alvos em Israel. Ele disse que, sob sua liderança, Israel trabalhará pela reaproximação com outros Estados árabes. Enquanto isso, o Hamas anunciou a continuação da luta armada contra Israel. md (DPA, AFP)


Naftali Bennett: Quem é o novo primeiro-ministro de Israel?

Como Naftali Bennett passou de empresário da cidade de Nova York para a escolha de Israel como primeiro-ministro designado em menos de duas décadas?

Naftali Bennett deve tomou posse como primeiro-ministro do 36º governo de Israel na noite de domingo. Nascido em Haifa em 1972, Bennett é filho de imigrantes judeus americanos da Califórnia. Ele cresceu em um lar secular, mas sua família lentamente tornou-se observadora quando ele era uma criança. Ele se define como moderno ortodoxo hoje.

Em seguida, o Ministro da Educação Naftali Bennett leva sua família para a escola em 2 de setembro de 2018 (Crédito: ODED KARNI / GPO)

O então Ministro da Educação Naftali Bennett leva sua família para a escola em 2 de setembro de 2018 (Crédito: ODED KARNI / GPO)

Bennett serviu como comandante de companhia nas unidades de elite da IDF [Istael Defense Force] Sayeret Matkal e Maglan antes de estudar Direito na Universidade Hebraica de Jerusalém. Depois de obter seu diploma, ele fundou a Cyota, uma empresa de software anti-fraude de alta tecnologia, e mais tarde passou vários anos em Nova York como CEO. Ele supervisionou a venda da empresa por US$ 145 milhões em 2005. Bennett mais tarde repetiu esse feito quando outra empresa que ajudou a liderar, a Soluto, foi vendida em 2009 por US$ 130 milhões.

Ao voltar para Israel, Bennett voltou-se para a política e serviu como chefe de gabinete do então MK Benjamin Netanyahu, que foi líder da oposição de 2006-2008. Ele teve uma desavença com a esposa de Netanyahu, Sara, e foi impedido de entrar no Partido Likud.  Bennett então atuou como diretor-geral do Conselho de Yesha, a organização guarda-chuva dos conselhos municipais de assentamentos na Cisjordânia, entre janeiro de 2010 e janeiro de 2012.

Em novembro de 2012, Bennett foi eleito chefe do Partido Bayit Yehudi religioso-sionista de direita. Ele liderou o partido na eleição de 2013 para ganhar 12 cadeiras no Knesset, uma figura que os partidos religiosos sionistas não viam há 36 anos. Ele serviu como ministro da economia, ministro de assuntos religiosos e ministro de assuntos da Diáspora no 19º Knesset.

O presidente da Agência Judaica Natan Sharansky e o Ministro de Educação e Assuntos da Diáspora de Israel, Naftali Bennett, falam a estudantes judeus em todo o mundo em Jerusalém, terça-feira, 20 de dezembro de 2016. (Crédito: SASSON TIRAM PARA A AGÊNCIA JUDAICA PARA ISRAEL)

O presidente da Agência Judaica Natan Sharansky e o Ministro de Educação e Assuntos da Diáspora de Israel, Naftali Bennett, falam a estudantes judeus em todo o mundo em Jerusalém, terça-feira, 20 de dezembro de 2016. (Crédito: SASSON TIRAM PARA A AGÊNCIA JUDAICA PARA ISRAEL)

Bennett entrou no Knesset e surpreendeu mais uma vez ao criar uma aliança com Yair Lapid, que ganhou 19 cadeiras com o partido que fundou no ano anterior, Yesh Atid. A insistência da dupla para que cada um deles fosse admitido no governo forçou Netanyahu a aceitar Bennett, que ele inicialmente preferia manter fora da coalizão.

Bennett usou o tempo para tentar ir além da imagem de um líder nacional-religioso e transcender a política religiosa para alcançar eleitores centristas seculares. Após a eleição em 2015, ele inicialmente tentou garantir a pasta de defesa, que Netanyahu havia prometido a ele antes da votação, mas depois o empurrou para se tornar o ministro da educação, um papel tradicional para partidos nacional-religiosos.

Bennett usou o Ministério da Educação para cultivar uma identidade pós-sectária, lançando um programa emblemático para encorajar os alunos do ensino médio a se especializarem em matemática e física, argumentando como isso era importante para Israel e como o sistema educacional era o motor para o crescimento do país na indústria de tecnologia.

Embora Bennett se identifique como ortodoxo moderno, questões de legislação religiosa nunca foram sua paixão. Sua prática religiosa também é menos rígida do que a de outros políticos praticantes. Bennett, por exemplo, aperta a mão de mulheres, e sua esposa, Gilat, que é originária de uma família secular, não cobre o cabelo.

Após o massacre na sinagoga Tree of Life de Pittsburgh, Bennett compareceu a uma cerimônia memorial lá, apesar de não ser ortodoxo, um movimento anteriormente impensável nos partidos religiosos de Israel.

Mais significativamente, Bennett apoiou de todo o coração o plano de abrir um segmento do Muro das Lamentações para orações igualitárias e não ortodoxas. O plano foi posteriormente arquivado devido à pressão haredi (ultra ortodoxa), mas a moderação religiosa de Bennett foi deixada clara.

Quando uma eleição antecipada foi convocada em dezembro de 2018, Bennett e seu parceiro Ayelet Shaked formaram o Partido da Nova Direita antes das eleições de abril de 2019, mas não conseguiu limpar o limiar eleitoral.

Naftali Bennett e Ayelet Shaked discursam para a mídia, 19 de novembro de 2018 (Crédito: MARC ISRAEL SELLEM / THE JERUSALEM POST)

Naftali Bennett e Ayelet Shaked discursam para a mídia, 19 de novembro de 2018 (Crédito: MARC ISRAEL SELLEM / THE JERUSALEM POST)

A Nova Direita sofreu um duro golpe e Bennett começou a explorar um novo futuro em alta tecnologia, bem como em organizações da Diáspora Judaica. Sua paixão de longa data em melhorar a diplomacia pública israelense também foi algo que ele discutiu com associados próximos, considerando a possibilidade de estabelecer uma nova ONG para liderar esses esforços.

Felizmente para Bennett, Netanyahu não conseguiu formar uma coalizão e Israel foi a uma nova eleição, dando a ele e a Shaked outra chance. Desta vez, a Nova Direita se fundiu com dois outros partidos conservadores nacionais de direita menores sob o nome de Yamina, e Shaked se tornou o líder.

Em novembro de 2019, Bennett conseguiu forçar Netanyahu a nomeá-lo ministro da Defesa para impedi-lo de se juntar a Benny Gantz, chefe do partido Blue and White, que estava tentando formar uma coalizão após a eleição de setembro de 2019. Bennett desempenhou esse papel durante o início da crise do coronavírus e liderou os esforços para tentar fazer com que o governo transferisse a responsabilidade pelo gerenciamento da pandemia para as IDF.

Enquanto outros demoraram a responder à pandemia, Bennett começou a trabalhar. Ele fez com que o IDF abastecesse o sistema de saúde com tecnologia e pesquisa, deu início ao uso de hotéis como ambulatórios para pacientes com coronavírus e lutou pela criação de um centro nacional de diagnóstico que faria 100 mil exames diários.

Foi uma demonstração de desenvoltura em uma época em que os outros pareciam inertes. Mesmo assim, Netanyahu manteve seu ministro da defesa à distância e atendeu à demanda do sistema de saúde de que comandasse a guerra contra a peste, em vez dos militares das IDF, apesar de o exército possuir os recursos e planos necessários.

YAMINA LEADER Naftali Bennett (à esquerda) fala com o chefe do Yesh Atid, Yair Lapid, na inauguração do Knesset na terça-feira. O slogan na máscara de Bennett diz: 'Juntos vamos vencer.' (Crédito: MARC ISRAEL SELLEM / THE JERUSALEM POST)

Naftali Bennett (à esquerda) fala com o chefe do Yesh Atid, Yair Lapid, na inauguração do Knesset na terça-feira. O slogan na máscara de Bennett diz: ‘Juntos vamos vencer.’ (Crédito: MARC ISRAEL SELLEM / THE JERUSALEM POST)

Quando Gantz estabeleceu um governo de unidade com Netanyahu em maio de 2020, Bennett se recusou a se juntar e levou Yamina à oposição, onde fez uma virada brusca contra Netanyahu e começou a pedir a renúncia do antigo primeiro-ministro.

Antes da eleição de março de 2021, Bennett se recusou a declarar a qual campo ele pertencia, o campo pró-Netanyahu ou anti-Netanyahu, deixando em aberto a possibilidade de que ele faria o que está fazendo agora, se juntar a Lapid e outros centristas e sair dos partidos. Sob sua liderança, o partido conquistou sete cadeiras nas eleições de março de 2021.

Em 30 de maio, Bennett anunciou que serviria como primeiro-ministro em um governo de ampla unidade até agosto de 2023, quando o Lapid de Yesh Atid assumiria.

Naftali Bennett e Yair Lapid se encontram com os líderes do partido que formam sua nova coalizão em 6 de junho de 2021 (Crédito: ELAD GUTTMAN)

Naftali Bennett e Yair Lapid se encontram com os líderes do partido que formam sua nova coalizão em 6 de junho de 2021 (Crédito: ELAD GUTTMAN)

Bennett supervisionará uma coalizão difícil de administrar, que está fragmentada ideologicamente, composta por oito partidos diferentes e tem potencial para se separar em qualquer nova crise. No entanto, o governo tem objetivos claros – aprovar um orçamento de dois anos, fornecer aos ministérios as ferramentas de que precisam para trabalhar e fazer tudo o que estiver ao seu alcance para criar tranquilidade no país.

Amotz Asa-El contribuiu para este artigo.


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda manteve o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa). 


“Mas, conhecendo ele os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino, dividido contra si mesmo, será assolado; e a casa, dividida contra si mesma, cairá.
Lucas 11:17

“Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá”.  Mateus 12:25


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.