browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Com a derrota na Síria os EUA vão atacar a Rússia mais do que nunca

Posted by on 14/09/2017

A vitória espetacular desta semana para as forças e aliados do estado sírio ao libertar a região de Deir ez-Zor prescreve o fim da guerra. Mas as celebrações devem ser temperadas pela percepção de que os “inimigos da Síria” mudarão sua agenda para conflitos em outros lugares. 

Relatos  de que as forças militares dos EUA têm levado os “insurgentes” (mercenários treinados e pagos pelo ocidente, EUA, União Europeia e Israel) para fora de perigo na Síria sugerem que Washington está salvando seus bens e agentes terroristas para lutar outro dia, talvez em algum outro país infeliz visando uma mudança de regime.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Perdendo Na Síria, os EUA vão atacar a Rússia Mais Do Que Nunca

Por Finian Cunningham – Fonte: http://www.informationclearinghouse.info/

Se separarmos os muitos protagonistas do conflito da Síria, os dois principais rivais que emergem do combate corpo a corpo são os Estados Unidos e a Rússia. A Rússia pode ter ganhado uma vantagem na Síria. Mas, ironicamente, ganhar a paz na Síria pode desencadear guerras em outros lugares.

Relatos  de que as forças militares dos EUA têm levado os “insurgentes” (mercenários treinados e pagos pelo ocidente-EUA-União Europeia e Israel) para fora de perigo na Síria sugerem que Washington está salvando seus bens e agentes terroristas para lutar outro dia, talvez em algum outro país infeliz visando uma mudança de regime.

A guerra de seis anos na Síria nunca foi realmente sobre a Síria sozinha. Não foi apenas mais um campo de batalha em uma guerra global pelo domínio dos EUA e seus aliados no planeta. A Síria foi apenas um dos muitos países onde os EUA procuraram estabelecer sua soberania através da guerra por uma mudança de regime.

Quando a Rússia entrou para defender seu aliado sírio no final de 2015, esse foi o motivo causador da mudança do jogo. Até esse ponto, o governo do presidente Bashar Assad parecia decididamente precário, na medida que os mercenários (falsamente chamados de “terroristas”) apoiadas pelos EUA e seus aliados no objetivo da mudança do regime de Assad.

A libertação de Aleppo, em dezembro passado e esta semana, da cidade oriental de Deir ez-Zor pelo exército sírio apoiado pelo forte e letal poder aéreo russo anunciaram a derrota final da guerra patrocinada pelos agentes estrangeiros contra a Síria. No entanto, esse não é ainda o fim do caso.

Há meses, os EUA e seus parceiros da OTAN e regionais (Israel) perceberam que o jogo estava na Síria. O presidente da Síria, Assad, revelou recentemente  que o financiamento estrangeiro para os militantes anti-governo secou. Um marcador-chave foi o fechamento de dois meses atrás das operações de apoio da CIA para os militantes na Síria pelo presidente Trump.

Com a queda da guerra liderada pelos EUA para a mudança de regime na Síria, os vários co-conspiradores estrangeiros estão lutando para realinhar os seus interesses. A Rússia está emergindo como o pivô na situação síria. A Turquia está supostamente  apoiando plenamente as negociações de paz negociadas pelos russos que serão retomadas na capital do Cazaquistão, Astana.

O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, estava em Moscou nesta semana, onde anunciou em uma conferência de imprensa com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, que Paris não exigia mais o presidente Assad se afastar. Uma mudança da visão do antecessor Laurent Fabius, expressa repetidamente, de que “não havia lugar na Terra para Assad” nas negociações do acordo. A França, como a Turquia, percebe que sua melhor aposta agora é mergulhar em conversas de paz na esperança de influenciar o acordo final com algum dividendo.

Enquanto isso, a Arábia Saudita está pedindo que Moscou exerça a sua nova autoridade na Síria, de forma a conter a influência do Irã. O Irã, juntamente com o Hezbollah do Líbano, também foi fundamental para o sucesso militar da Síria contra os mercenário “jihadistas” apoiados pelos estrangeiros dos EUA-OTAN-Israel. Os governantes sauditas sabem que a escrita está na parede para a guerra liderada pelos EUA contra Assad. No mês passado, os sauditas teriam dito aos vários grupos (mercenários) “terroristas” na Síria que o financiamento tinha acabado.

O que os sauditas estão focados agora é no quadro maior de ter de enfrentar o Irã, que eles vêem como seu inimigo na região. Israel, também, apoiou o cavalo errado na Síria e, como os outros patrocinadores da agenda de mudança de regime, está ansioso para suportar suas perdas. A visita de surpresa do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu a Moscou no final do mês passado foi motivada por seu alarme sobre a posição robusta do Irã agora conquistada na vizinha Síria (o tiro dos judeus saiu literalmente pela culatra).

O ataque aéreo israelense nesta semana na Síria (alegadamente do espaço aéreo libanês para evitar mísseis russos S-400) pode ser melhor entendido como um ato de vingança israelense pela vitória do exército sírio em Deir ez-Zor. O comentarista político sírio, Afraa Dagher, escreveu que os EUA, Israel e os outros conspiradores de mudança de regime na Síria esperavam dividir a autoridade central de Assad fazendo Deir ez-Zor “uma nova Berlim” – uma divisão simbólica do país.

Embora o governo sírio esteja recuperando substancialmente o controle de todo o seu território – com relatórios  durante o fim de semana do exército indicando que se esforçam para liberar mais território – não se pode descartar que os inimigos estrangeiros tenham desistido inteiramente de sua agenda nefasta. O intensificado bombardeamento aéreo dos EUA da cidade de Raqqa, no nordeste do país, e seu apoio à milícia curda, trata do mesmo objetivo de esculpir a integridade territorial da Síria, com o objetivo de minar a autoridade do governo Assad em Damasco.

Enquanto os inimigos estrangeiros da Síria parecem se resignar a aceitar a derrota em seu objetivo de derrubar Assad, o país ainda estará sujeito a interferências externas incômodas. Os turcos e os franceses, sem dúvida, tentarão manter seus remos no processo político para influenciar o resultado. Os sauditas e os israelenses mudarão sua animosidade transferindo-a para o Irã de alguma outra forma, o que provavelmente envolverá uma maior violação da soberania síria.

Quanto aos Estados Unidos e seu fiel bulldog britânico, a agenda na Síria foi sempre sobre a imagem macro de exercer um domínio global em relação aos rivais percebidos da Rússia, China e Irã. Os EUA sofreram um grave revés na Síria. Nenhuma dúvida sobre isso. Pode-se dizer que a Rússia ganhou, e por um tempo é o pivô, quando o país árabe devastado pela guerra começar a se reconstruir. Mas podemos esperar que novos campos de batalha surjam na luta dos EUA pelo controle hegemônico do planeta.

A crise provocada pelo programa de armas nucleares da Coréia do Norte parece mais do que uma coincidência com o sofrimento das ambições americanas na Síria. A abordagem bélica de Washington para a Coréia do Norte ajudou a desestabilizar a região e deu aos EUA uma cobertura perfeita para expandir suas forças estratégicas nas fronteiras distantes da China e da Rússia.

Na Ucrânia, os EUA estão desestabilizando imprudentemente esse conflito, movendo-se para abastecer o regime dos seus marionetes de Kiev com armas letais. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, advertiu sobre a escalada da violência e a busca de qualquer esperança para um acordo pacífico se os EUA prosseguirem com seus planos para armar o regime de Kiev.

Ganhar a guerra de seis anos na Síria é uma vitória estratégica seminal para o povo sírio e seus aliados, principalmente a Rússia, graças à valente decisão de Putin de intervir há quase dois anos. Os EUA e seus parceiros de crime contra a Síria estão lambendo suas feridas.

No entanto, a agenda norte-americana de hegemonia global e “dominância de espectro completo” não vai parar por aí. Temos que entender a guerra síria como sendo apenas uma frente em uma série de frentes globais para os EUA afirmarem violentamente suas ambições de poder. Essa dinâmica incorrigível decorre da natureza inerente do capitalismo dos EUA e sua forma imperialista.

A Rússia está ajudando a conquistar a paz na Síria apesar de um ataque criminal de seis anos liderado pelos EUA, Grã-Bretanha, França, Turquia, Israel, Arábia Saudita e outros. Mas este é talvez o momento exato em que a guerra entrará em erupção em algum outro lugar. Mais ainda porque a Rússia desafiou espetacularmente o bullying global americano na Síria.

Finian Cunningham escreve extensivamente sobre assuntos internacionais, com artigos publicados em várias línguas. É graduado de mestrado em Química Agrícola e trabalhou como editor científico da Royal Society of Chemistry, em Cambridge, Inglaterra, antes de prosseguir uma carreira no jornalismo. Ele também é músico e compositor. Por quase 20 anos, trabalhou como editor e escritor em importantes organizações de mídia de notícias, incluindo The Mirror, Irish Times e Independent. Este artigo foi publicado pela primeira vez pela RT 


contagem-regressiva-azul

“O medo é a emoção predominante das massas que ainda estão presas no turbilhão da negatividade da estrutura de crença da (in)consciência de massa. Medo do futuro, medo da escassez, do governo, das empresas, de outras crenças religiosas, das raças e culturas diferentes, e até mesmo medo da ira divina. Há aversão e medo daqueles que olham, pensam e agem de modo diferente (os que OUVEM e SEGUEM a sua voz interior), e acima de tudo, existe medo de MUDAR e da própria MUDANÇA.” –  Arcanjo Miguel

“Conhece-te a ti mesmo e conheceras todo o universo e os deuses, porque se o que tu procuras não encontrares primeiro dentro de ti mesmo, tu não encontrarás em lugar nenhum”.  –  Frase escrita no pórtico do Templo do Oráculo de Delphos, na antiga Grécia.


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *