browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Como a indústria [Big Pharma] farmacêutica inventa crises e normaliza a dependência às suas “drogas”

Posted by on 15/08/2021

FÁBRICA DE DOENÇAS E DE “DROGAS”: A indústria farmacêutica vale US$ 1 trilhão, metade da receita do qual vem de vendas das suas “drogas” nos EUA. A indústria de saúde alternativa, em comparação, vale apenas US$ 59 bilhões. A Big Pharma suborna médicos, domina a publicidade e impulsiona a narrativa anti-natural da saúde. As maiores empresas multibilionárias são a Pfizer (EUA), Novartis (Suíça), Roche (Suíça), Johnson & Johnson (EUA), Merck & Co. (EUA), Sanofi (França), GlaxoSmithKline (GSK Reino Unido), AbbVie (EUA), Takeda (Japão) e AstraZeneca (Reino Unido-Suécia). 

A “fábrica” de doenças: Como a indústria [Big Pharma] farmacêutica inventa crises e normaliza a dependência às suas “drogas”

Fonte: New Dawn Magazine

A maior parte de seus lucros vem de medicamentos prescritos. A Big Pharma mata pessoas de duas maneiras: 1) eliminando do mercado o preço de medicamentos que salvam vidas e 2) fazendo marketing agressivo de produtos potencialmente perigosos.

Muitas vezes é mais barato para a Big Pharma infringir a lei e pagar multas do que seguir regulamentos que impedem os seus lucros astronômicos. Todos os anos, pelo menos uma grande empresa farmacêutica é multada por um ou mais dos seguintes motivos:

  • suborno,
  • segurança dos medicamentos,
  • alegações falsas,
  • fraudes,
  • corrupção em países estrangeiros,
  • promoção off-label e não comprovada,
  • fixação [abusiva] de preços e
  • violação da proteção da saúde do consumidor [ratos/zumbis de laboratórios].

Desde o ano de 2000, apenas nos EUA, a Pfizer já foi multada pelas autoridades federais 47 vezes, totalizando US$ 4,4 bilhões; a Merck 42 vezes por US$ 3 bilhões; a J&J 28 vezes por US$ 3,4 bilhões; a Abbott 25 vezes por US$ 2,3 bilhões; a Novartis 22 vezes por US$ 1,2 bilhão; e a GSK foi multada 13 vezes por US$ 3,9 bilhões.

Os lucros são impulsionados pelo que Elaine Hollingsworth chama de “a indústria da doença”.  Apesar de viver mais, a obesidade, depressão, demência, aumento do câncer e outras morbidades significam que os ocidentais agora estão menos saudáveis ​​do que há apenas algumas gerações. A Big Pharma patologiza doenças menores e torna as pessoas dependentes de suas drogas, em vez de encorajar o uso de medicamentos naturais como alternativas mais saudáveis E SEM GRAVES EFEITOS COLATERAIS. A crise da influência [CORRUPÇÃO] da indústria farmacêutica sobre a profissão médica, desde relatar resultados de testes até influenciar os médicos, levou o British Medical Journal (BMJ) a lançar uma “Iniciativa de Influência Comercial na Saúde” para expor a influência mortal da Big Pharma sobre a saúde da população.

“Fictionosis”: de doenças falsas a jornais falsos

O marketing de remédios falsos remonta pelo menos à América do século 19, quando ‘mostras de remédios patenteados’ – que promoviam produtos que não eram patenteados nem mesmo eram remédios – prometiam curas para fadiga, calvície e escrófula. Empresas de milhões de dólares incluíam a Ayer Hair Vigor e a Sarsaparilla de Scovill. O Dr. Larry Dossey escreve que, nos’ anos 1900, as empresas médicas buscaram “inflar uma condição comum do dia a dia ao nível da patologia”. Este foi o início do que a escritora científica Julie Deardoff chama de “fictionose”.

Para provar como é fácil inventar novas doenças, os médicos Ray Moynihan e David Henry afirmaram ter descoberto uma “nova” doença da preguiça, potencialmente fatal: “transtorno de deficiência motivacional”. Os dados foram supostamente fornecidos por um certo Dr. Leth Argos; um trocadilho com letargia. Sua intencional pesquisa falsa foi publicada no BMJ .

O termo “fomentador de doenças” foi cunhado por Lynn Payer, que identificou dez métodos usados ​​pela Big Pharma para nos convencer de que estamos doentes: anormalidade das condições normais; retratando consumidores potenciais como sofredores; identificar condições comuns para maximizar o público-alvo; definir condições como doenças; trabalhar com profissionais médicos para ganhar credibilidade; selecionar questões; usando estatísticas seletivas; usando referências de endpoint; implicando que a tecnologia é isenta de riscos; e desvalorizando doenças reais para as quais não existem curas.

Na década de 1960, o Dr. Keith Connors foi pago pela empresa farmacêutica CIBA para testar a Ritalina.  Connors abriu um precedente para testar estudos de drogas patrocinados pela Big Pharma em crianças por meio de clínicas afiliadas a universidades. Connors viu esse modelo ficar fora de controle a ponto de chamar os diagnósticos errados de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) de “um desastre nacional”. O jornalista Alan Schwarz revelou que, embora apenas 5 por cento das crianças americanas realmente tenham TDAH, 15 por cento são diagnosticados com o transtorno. Isso se deve em grande parte ao fato de a Big Pharma empurrar seus produtos para médicos e as famílias. Trinta por cento de todos os meninos na América do Sul (ou seja, os estados pobres) são diagnosticados incorretamente.

Schwarz afirma que a Big Pharma pagou “todos os principais pesquisadores” para publicar estudos afirmando que os medicamentos para TDAH são seguros. A Big Pharma então pegou os dados falsos de seus estudos subsidiados e construiu anúncios direcionados a pais preocupados. O anúncio do Adderall XR, por exemplo, afirmava que a droga aumentava as notas da criança de acordo com sua inteligência. Schwarz diz que “muitos medicamentos para TDAH – Adderall XR, Concerta, Vyvanse, Metadate, o que você quiser – recebeu uma reprimenda formal da [US Food and Drug Administration] por publicidade falsa e enganosa”.

Mesmo assim, muitos [pseudo medicamentos] permanecem sendo disponíveis e vendidos no mercado. você escolhe [a Big Pharma] – receber uma reprimenda formal da US Food and Drug Administration – FAA por publicidade falsa e enganosa.

Os ghostwriters médicos “não divulgam seus pagadores” em que recebem pelas empresas para “influenciar” os legisladores e os médicos. Elsie Langdon-Neuner estima que mais de 10 por cento das publicações de jornais são escritas por “fantasmas”. A escrita fantasma torna-se aparente apenas graças a denunciantes e ordens judiciais. Os pesquisadores Healy e Cattell descobriram 85 artigos acadêmicos escritos por empresas farmacêuticas com o nome do autor ainda a ser determinadoCinquenta e cinco foram escritos pela Pfizer e 30 foram financiados pela Pfizer ou baseados em dados da Pfizer. Apenas dois artigos declararam conflito de interesses e todos relataram resultados positivos. Em 1999, a Merck lançou o analgésico Vioxx. Em 2004, foi retirado após ser associado a doenças cardiovasculares.

A Big Pharma até pagou pela publicação de jornais falsos com revisão por pares que relatam resultados positivos de testes de drogas sem divulgar o financiamento. O escritório da Elsevier na Austrália publicou seis dessas revistas entre 2000-05: Australasian Journal of General Practice , Australasian Journal of Neurology , Australasian Journal of Cardiology , Australasian Journal of Clinical Pharmacy , Australasian Journal of Cardiovascular Medicine e Australasian Journal of Bone & Joint Medicine .

Lobby: “Eles vendem mentiras”

O número de mortes causadas por medicamentos e terapias alternativas é tão pequeno que nenhuma estatística generalizada foi compilada, com exceção do câncer; a saber, que pacientes com terapia complementar de câncer têm cinco vezes mais probabilidade de morrer do que pacientes com câncer alopático.

Compare isso apenas com o Reino Unido, onde erros de prescrição de remédios matam 20.000 pacientes por ano.  Nos Estados Unidos, os erros de prescrição matam 250.000. A Organização Mundial da Saúde afirma que, em 2012, 80 por cento da população mundial estava usando terapias alternativas de saúde, incluindo pessoas nos chamados países desenvolvidos. Naquela época, 400 médicos e cientistas australianos de renome formaram o Friends of Science in Medicine, um lobby para remover cursos alternativos de graduação em saúde das universidades.

Hoje, a Big Pharma gasta US$ 50 bilhões por ano – quase o valor de toda a indústria de saúde alternativa – em publicidade e Relações Públicas [lobby]. O ex-vendedor e ex-líder do Nordic Cochrane Center, Dr. Peter C. Gøtzsche, escreve:

“As empresas farmacêuticas não vendem drogas, vendem mentiras sobre as drogas”. 

Ele cita The Lancet dizendo que as revistas médicas “se transformaram em operações de lavagem de informações para a indústria farmacêutica”. Em 2010, 85 por cento dos ensaios de novos medicamentos financiados por empresas farmacêuticas produziram resultados positivos para os cinco principais produtos (por exemplo, antidepressivos), em comparação com apenas a metade para estudos financiados pelo governo.

Na Austrália, em 2017, Lisa Bero, do Charles Perkins Centre da Sydney University, descobriu que os ensaios de medicamentos e equipamentos patrocinados pela indústria farmacêutica tinham 30 por cento mais probabilidade de relatar resultados favoráveis. “Atualmente, não temos uma forma validada de detectar ou avaliar essas tendências sutis, mas sistemáticas.

O gasto com lobby significa que os preços dos medicamentos na Austrália são o dobro dos do Reino Unido e três vezes os preços dos medicamentos na Nova Zelândia. Em 2017, os australianos estavam pagando US$ 500 milhões acima da média por sete medicamentos comuns.

Nos EUA, a Big Pharma é o maior lobista individual do pais, gastando mais de US$ 200 milhões em 2018 em comparação com empresas de eletrônicos, manufatura e seguros, que gastaram mais de US  100 milhões cada. Em 2015, o congressista americano Tom Price comprou ações da Innate Immunotherapeutics. Um ano depois, ele comprou ações da Amgen, Biogen, Bristol-Myers Squibb, Eli Lilly, McKesson e Pfizer.

Price então foi à Austrália como parte de uma visita ao Congresso, onde fez lobby para que o governo abandonasse suas medidas protecionistas no acordo de Parceria Trans-Pacífico liderado pelos EUA. A Innate Immunotherapeutics, que tem um escritório em Sydney, ofereceu a Price um desconto em ações adicionais, gerando um lucro de US$ 159 mil. Price depois passou a se tornar secretário de Saúde e Serviços Humanos de Donald Trump.

Parte da estratégia de RP da Big Pharma inclui o financiamento de grupos de defesa de pacientes: lançamento do mês de Conscientização do Câncer de Mama pela AstraZeneca para impulsionar as vendas de seu Tamoxifeno; Associação da Pfizer com a Associação de Alzheimer; e a promoção da Hoechst-Russel da droga arterial Trental por meio de seu apoio ao National Council of Aging. O obscurecimento adicional ocorre na promoção de drogas, incluindo Viagra e Prozac, como drogas de estilo de vida em que a competência de julgamento do consumidor é comparada com a do médico qualificado.

Como parte de sua estratégia de marketing, as empresas farmacêuticas australianas se envolvem nas chamadas trocas de ativos com organizadores da comunidade, pacientes e GPs. Eles pagam anonimamente palestrantes para promover as maravilhas das drogas em conferências, levam médicos para jantar fora, infiltram-se em salas de bate-papo on-line de pacientes e assim por diante.

Morte e Vício: “Just Like Doritos”

No ano de 2001, cerca de 100 milhões de mulheres em todo o mundo usaram drogas de Terapia de Reposição Hormonal (Hormone replacement therapy (HRT), gerando US$ 3,8 bilhões para várias empresas farmacêuticas, particularmente a Wyeth, com sede nos Estados Unidos, que dominava o mercado. Na ausência de evidências científicas, os produtores de medicamentos de TRH gastaram bilhões de dólares em grupos de relações públicas como o HRT Aware e RED Consultancy, promovendo a TRH como uma “cura” para demência, doenças cardíacas, menopausa e seus sintomas, humor, osteoporose, função sexual , e vitalidade.

A HRT Aware apresentou mulheres que afirmavam ter melhorado suas carreiras, saúde geral, vida sexual e bem-estar geral – tudo graças à HRT. A HRT Aware acabou por ser um grupo da indústria farmacêutica composto por produtores de estrogênio, incluindo Janssen-Cilag, Novo Nordisk, Organon, Solvay e Wyeth.

Considere também a atual crise de opióides (analgésicos) dos EUA. Cerca de 170.000 americanos morrem anualmente em acidentes: em casa, acidentes de carro, acidentes de trabalho, etc. Incluídos nessa estatística estão 70.000 mortes por overdose de drogas, o que significa que a overdose de drogas é a principal causa de morte por acidente nos EUA. Quase sete em cada dez vítimas de overdose não morreram de heroína, crack-cocaína ou ecstasy, mas de opióides ingeridos ilicitamente ou com receita médica. A cada ano, 18 milhões de americanos fazem uso indevido de medicamentos prescritos, incluindo opioides, antidepressivos e estimulantes. Todos os dias, mais de 5.400 americanos fazem uso indevido de analgésicos pela primeira vez.

Os opióides incluem carfentanil (um tranquilizante para elefantes), fentanil (50 vezes mais forte que a morfina), oxicodona (50% mais forte que a morfina), Tylenol (para dores de cabeça e corpo) e Vicodin (combinando hidrocodona e paracetamol).

Produtores como a Purdue Pharma – que comercializava “agressivamente” o OxyContin (gastando US$ 200 milhões em propaganda apenas em 2001) – visavam deliberadamente a médicos que atendiam pacientes de minorias étnicas sabidamente em risco de dependência em áreas desindustrializadas como Kentucky e Ohio, onde comunidades insatisfeitas sucumbem a “mortes de desespero”.

Um dos grandes negociantes de opióides, a Mallinckrodt (paraíso fiscal na Irlanda), faliu depois de pagar US$ 1,6 bilhão em acordos por causa do escândalo de opióides nos EUA. A Johnson & Johnson; concordou em pagar US$ 5 bilhões de multa em nove anos e três distribuidores, a McKesson, Cardinal Health e Amerisource Bergen pagarão mais US$ 21 bilhões de multas em 18 anos, para encerrar cerca de 4.000 ações judiciais apresentadas por vários estados e cidades em todo o país, informou a procuradora Letitia James em nota.

Entre 2006 e 2012, a Mallinckdroft sozinha inundou os EUA com 76 bilhões de comprimidos de hidrocodona e oxicodona. O distribuidor de Ohio, Steve Cochrane, brincou: “É como se as pessoas fossem viciadas nessas coisas ou algo assim. Oh, espere, as pessoas estão” … O gerente de contas Victor Borelli respondeu: “Assim como Doritos, eles continuam comendo. Faremos mais”.

A cada ano, apenas um em cada quatro adultos na Inglaterra (12 milhões de pessoas) recebe medicamentos que causam dependência, incluindo antidepressivos e opióides. Pelo menos um milhão de pessoas na Inglaterra estão potencialmente viciadas em analgésicos, assim como 1,4 milhão de australianos.

A cada ano, cerca de 1.000 australianos morrem de overdose de opioides: sete em cada dez de opioides farmacêuticos. Em 2018, 4,3 milhões de australianos tomaram 39 milhões de medicamentos prescritos para problemas de … saúde mental. Indicativo da facilidade com que os médicos diagnosticam e prescrevem, 86,3 por cento das prescrições vieram de médicos clínicos gerais em comparação com pouco mais de 12 por cento de médicos especialistas em saúde mental. A esmagadora maioria das prescrições eram antidepressivos (mais de 70 por cento), em comparação com apenas 10 por cento para antipsicóticos e 5,6 por cento para sedativos e hipnóticos.

Revidando

Há muitas ações legais contra a Big Pharma. Países da África do Sul à Tailândia estão dizendo ‘não’ aos tratados internacionais que permitem que gigantes farmacêuticas monopolizem patentes e cobrem preços inacessíveis, às vezes para medicamentos inúteis e/ou prejudiciais à saúde. A Big Pharma reconhece o apetite do público por produtos naturais, daí seu esforço para monopolizar o mercado. Jornalistas de responsabilidade, como os da ProPublica, expõem os conflitos de interesse dos médicos clínicos gerais por meio do projeto “Dólares para Documentos”, como os 2.500 médicos que receberam mais de US$ 500.000 cada um entre 2014 e 2018 de empresas de medicamentos e dispositivos médicos (700 dos quais receberam US$ 1 milhão).

O dinheiro veio na forma de honorários de “consultoria e palestras”. A Alliance for Natural Health International documenta os esforços da chamada Good Thinking Society, Quackwatch e outros, para excluir os perfis da Wikipedia de defensores da saúde natural e alternativa e / ou inserir material potencialmente difamatório em suas biografias. As vítimas incluem os médicos Malcolm Kendrick, Aseem Malhotra, Joseph Mercola e Nina Teicholz.

Um número cada vez maior de pessoas está se alimentando de forma mais saudável e procurando tratamentos não alopáticos. O Hartman Group observa que “os consumidores progressivos são uma janela para o futuro da saúde e do bem-estar”. O ano de 2019 viu o maior crescimento em suplementos dietéticos à base de ervas nos Estados Unidos em mais de duas décadas, totalizando US$ 8,8 bilhões. Os adaptógenos, ayurvédicos, óleos canabinóides, goji berries e pastilhas e pastilhas naturais para a tosse estão entre os mais vendidos.

Embora a maioria dos médicos clínicos gerais sejam boas pessoas que realizam um ótimo trabalho, é importante também vê-los como potenciais representantes de uma enorme indústria antiética, a Big Pharma, e aprender a distinguir os medicamentos necessários dos desnecessários.


“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Mais informações, leitura adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.