browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Dezenas de ‘Fetos foram Abortados’ e seus órgãos usados para produção de vacinas

Posted by on 08/02/2021

Feto com 12 semanas.

O Inventor da Vacina Contra Rubéola Admite que Dezenas de Bebês Foram Estratégica e Intencionalmente Abortados para Estabelecer uma Linha Celular Adequada para Produzir Vacinas: O cientista pioneiro, Dr. Stanley Plotkin, criador da vacina contra a rubéola, que ajudou a desenvolver a primeira linha celular diplóide humana para o desenvolvimento de vacinas, admite que dezenas de bebês foram estrategicamente abortados para encontrar uma linha celular adequada para a replicação do vírus.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O Inventor da Vacina Contra Rubéola Admite que Dezenas de Bebês Foram Estrategicamente Abortados Para Estabelecer Uma Linha Celular Adequada para Produzir Vacinas 

por Lance D Johnson – Fonte:  Humans Are Free

Um dos aspectos mais repugnantes e depravados da “ciência” da criação de vacinas é que muitas vacinas foram desenvolvidas usando órgãos estrategicamente colhidos de bebês abortados.

O cientista original, que ajudou a desenvolver a primeira linha celular diplóide humana para o desenvolvimento de vacinas, admite que dezenas de bebês foram estrategicamente abortados para encontrar uma linha celular adequada para a replicação do vírus.

O ato de multiplicar os vírus em culturas de células é fundamental para a ciência da vacinação, pois os vírus devem ser atenuados (enfraquecidos) antes de serem cultivados e introduzidos por agulha no corpo da pessoa.

O Inventor Da Vacina Contra Rubéola Liderou O Uso De Células Fetais Abortadas Em Vacinas

O Dr. Stanley Plotkin é considerado o inventor da vacina contra a rubéola na década de 1960. Na época, a maioria de seus colegas não concordava com a prática antiética de usar fetos abortados para testar e fabricar vacinas de vírus vivos atenuados.

Na época, uma das principais vozes de dissidência era o desenvolvedor de vacina oral contra a poliomielite, Albert Sabin . No entanto, não importava o quão moralmente corretos fossem os argumentos de Sabin, ele não podia provar que as linhas de células fetais não eram seguras para uso.

O ónus da prova recaiu sobre os dissidentes; portanto, a prática antiética de colher órgãos fetais abortados acabou sendo aceita como segura para uso no desenvolvimento de vacinas. As agências reguladoras eventualmente concordaram com a prática antiética e permitiram que os pesquisa dos desenvolvedores de vacinas tirassem proveito das operações de colheita de órgãos de fetos.

Durante a década de 1960, as mulheres foram coagidas a abortar seus bebês por medo de contrair rubéola durante a gravidez.

Em vez de encorajar o desenvolvimento pré-natal saudável e fortalecer a função imunológica natural das mulheres grávidas, a instituição médica assustava as mulheres e faziam com que elas abortassem seus bebês se elas não recebessem a vacina contra rubéola contaminada pelo aborto.

Hoje, a história oficial sobre células fetais em vacinas é embelezada, para fazer o sacrifício de vidas humanas parecer justificado. Os verificadores de fatos tendenciosos do Facebook e os principais resultados do mecanismo de busca do Google toleram o uso de linhagens de células fetais abortadas em vacinas.

A história oficial conclui que “apenas dois bebês” foram abortados para desenvolver as linhas celulares WI-38 WI-26 e WI-44 . Isso não poderia estar mais longe da verdade. Embora essas linhagens celulares tenham sido usadas por décadas para replicar vírus para o desenvolvimento de vacinas, seu desenvolvimento original exigiu a morte de dezenas de bebês.

Dezenas De Bebês Foram Sacrificados, Seus Órgãos Extraídos Estrategicamente, Para Criar As Vacinas De Hoje

Em 11 de janeiro de 2018, o Dr. Stanley Plotkin deu um depoimento , admitindo que setenta e seis bebês foram abortados para estabelecer a linha celular WI-38.

O Dr. Plotkin prestou depoimento na frente de um advogado que defendia os direitos de uma mãe que se recusou a vacinar seu filho devido a preocupações com os ingredientes das vacinas.

Esses bebês mortos não eram produto de abortos espontâneos ou emergências médicas.  Plotkin confessou que os bebês foram “estrategicamente selecionados” para aborto após o terceiro mês de gestação.

Para obter órgãos viáveis, os pesquisadores da vacina coletaram estrategicamente as glândulas pituitárias, pulmões, pele, rins, baço, coração e línguas dos bebês. Dezenas de órgãos fetais foram colhidos e usados ​​para estudar as melhores linhagens celulares para a replicação do vírus.

No final, essa pesquisa macabra foi usada para estabelecer a linha celular WI-38, desenvolvida no Instituto Wistar em Filadélfia, PA.

A linhagem celular é derivada de partes cortadas do corpo de um bebê abortado retirado de uma família específica que não tinha doenças familiares na história de nenhum dos pais e nenhuma história de câncer especificamente nas famílias.

Esta linha celular foi preservada por décadas e é continuamente submetida à divisão celular para criar mais substrato para o desenvolvimento contínuo das vacinas. Hoje, a linha celular WI-38 é usada no desenvolvimento de vacinas direcionadas à varicela (catapora), rubéola (na vacina MMR), vacina contra hepatite A, herpes zoster e vacinas anti-rábicas.

O uso do WI-38 pelo Dr. Plotkin “inspirou” o desenvolvimento de outras linhas de células fetais, que também requerem vários bebês mortos para entender quais órgãos fetais melhor buscam a replicação viral. Pesquisadores britânicos desenvolveram a linha celular MCR-5 em 1966, em última análise, estabelecendo-se em tecido pulmonar saudável retirado de um feto de 4 meses.

Essas células fetais abortadas são usadas para fazer as vacinas atuais contra difteria, tétano, pertussis (DTP), vacinas contra hepatite A e B, vacinas contra poliomielite e adenovírus. Em 1985, pesquisadores americanos desenvolveram a linha celular PER C6, que foi retirada da retina de um bebê abortado cuidadosamente selecionado. Foi usado no desenvolvimento de vacinas contra o Ebola e o HIV.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”

 

6 Responses to Dezenas de ‘Fetos foram Abortados’ e seus órgãos usados para produção de vacinas

  1. LEANDRO BATISTA COSTA

    Que coisa.
    Obrigado por compartilhar.

  2. Keanu Reeves

    Infelizmente é verdade, procurei aqui… Gostaria que fosse FAKE NEWS!

  3. Rod Bagnara

    Irão todos os envolvidos pro inferno, que é o lugar deles.

  4. Gabriel Mesquita

    Essa é a mente arimânica, que Steiner, falava à mais de 100 anos. Eis um exemplo contundente.

  5. Silvio J B Maia

    Imagine-se os critérios bandidos e gananciosos desses abortos …

Deixe um comentário para Silvio J B Maia Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.