browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Dívida global dos países atingiu US$ 184 trilhões (R$ 717 trilhões)

Posted by on 18/12/2018

Estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontam que a dívida global dos países atingiu US$ 184 trilhões (R$ 717 trilhões), cerca de 225% do PIB mundial, o que equivale a mais de US$ 86 mil (R$ 335 mil) de dívida por pessoa. Essa enorme dívida global pode causar outra catástrofe econômica e se assim for, será a última, com graves consequências na relação entre os países.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Colapso à vista: Dívida global dos países atingiu US$ 184 trilhões (R$ 717 trilhões)

Fonte: https://br.sputniknews.com/

O indicador leva em conta dados compilados no final de 2017, com base em informações fornecidas por 190 países desde 1950, sendo que os Governos de todo o mundo atingiram um endividamento de cerca de US$ 70 trilhões (R$ 272 trilhões), segundo escreve a colunista da Sputnik Natalia Dembinskaya.

De acordo com o relatório do FMI, os países mais endividados são os EUA, a China e o Japão, acumulando mais de metade da dívida global, o que excede suas participações na produção mundial. A dívida externa da Rússia é uma das mais baixas do mundo, equivalendo a US$ 525 bilhões (R$ 2 trilhões), 18,7% do PIB do país, além de a Rússia ter eliminado seu déficit orçamentário.



A organização financeira global alertou em outubro que a dívida total dos países do mundo corre o risco de desencadear uma nova crise (a última). Em 2008, a relação média entre a dívida global e o PIB era de 36%, e agora já é mais de 50%.

“Na maioria dos países, as autoridades falharam em quase todas as reformas necessárias para proteger o sistema bancário (um gigantesco CASSINO) — em primeiro lugar, das ações arriscadas e precipitadas dos financistas, que causaram uma poderosa reação em cadeia uma década atrás”, observaram especialistas.

Uma das causas da nova crise pode ser a China, onde o setor de créditos sombra (sistemas financeiros paralelos) cresceu em proporções alarmantes e onde os bancos estão cada vez mais dispostos a financiar instituições não bancárias, como corretoras e seguradoras, intermediários entre bancos e empresas.

O montante de empréstimos do setor de sombra chinês atingiu quase US$ 7 trilhões (R$ 27 trilhões), podendo esta “bolha” vir a explodir e fazer desmoronar a economia do país, provocando uma nova crise asiática, semelhante ao colapso de 1997.



No entanto, juntamente com o aumento da dívida global, o valor dos ativos do Estado também está crescendo.  “Somente a renda de empresas estatais e não financeiras, assim como de ativos financeiros estatais, pode chegar a 3% do PIB anual, o que equivale à arrecadação anual de impostos corporativos nas economias desenvolvidas”, disse o FMI.

Os especialistas do Instituto de Finanças Internacionais (IIF) acreditam que é mais apropriado considerar não a dívida global dos países, mas sim os focos específicos de dívida no mundo, por exemplo os EUA, onde a probabilidade de uma crise é maior. A carga de dívida já exorbitante do endividamento dos Estados Unidos, mais de US$ 21,5 trilhões (R$ 8,3 trilhões), devido ao crescente déficit orçamentário, pode tornar-se incontrolável.

“O país gasta mais do que recebe e é forçado a pedir dinheiro emprestado. O déficit estrutural cria um ‘efeito de dependência’. Acho que estamos nos movendo em direção ao abismo”, disse o congressista republicano Andy Biggs, adicionando que as despesas orçamentárias não devem exceder US$ 700 bilhões (R$ 2,7 trilhões) e, em 2018, já atingiram US$ 1,3 trilhão (R$ 5 trilhões).

“Poderemos depreciar a moeda, declarar inadimplência ou tentar aumentar os impostos e matar nossa economia. Essas são as nossas perspectivas nos próximos oito a dez anos”, complementou o congressista.



No governo Trump, a dívida nacional vem crescendo com as taxas mais altas nos últimos seis anos. O FMI enfatiza que os ativos do setor público americano estão amplamente concentrados em fundos de pensão estatais, hipotecas e empréstimos estudantis. Em um cenário que pressupõe taxas de juros mais altas a longo prazo e uma queda rápida nos preços das ações e imóveis, o capital público dos Estados Unidos será reduzido para 26% do PIB até 2020.

Para o bilionário americano Ray Dalio, a recessão na economia americana não pode ser evitada devido ao triplo déficit (orçamento, balança comercial e conta corrente). Isso acabará por afastar os compradores estrangeiros de títulos do Tesouro dos EUA, causando um crescimento explosivo na sua rentabilidade e uma drástica queda de 30% na taxa de câmbio do dólar.


Image result for puppet gif

A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

2 Responses to Dívida global dos países atingiu US$ 184 trilhões (R$ 717 trilhões)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.