browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Dragão mostra suas garras: China prestes a substituir os EUA como super potência naval

Posted by on 23/12/2019

A China poderá em breve mudar o equilíbrio naval mundial e derrubar os EUA como o mestre moderno dos mares. O processo parece já estar em andamento acelerado, e há pouco que Washington possa fazer para detê-lo. Visivelmente abalada com o que viu em uma foto que mostra apenas um dos estaleiros militares da China perto de Xangai, a revista de negócios Forbes recentemente contou a seus leitores uma história alarmante sobre a “taxa impressionante” e a “grande escala” da modernização naval chinesa.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O Dragão mostra suas garras: China prestes a substituir os EUA como super potência naval e para Washington é tarde demais

Fonte:  https://www.rt.com/news/476527-chinese-navy-replace-us-strongest/

O estaleiro em questão realmente parece ser uma visão impressionante de se ver. Lá, pode-se ver um total de nove contratorpedeiros recém-construídos alinhados ao longo do cais e atracados em uma bacia interna do estaleiro. Por outro lado, toda a Marinha Real do Reino Unido possui um total de apenas seis navios de classe semelhante, observa a Forbes.

Como se não bastasse, o mesmo estaleiro também está construindo o mais novo porta-aviões da China – o terceiro consecutivo. O segundo, chamado Shandong, foi encomendado pela Marinha do Exército de Libertação Popular (PLAN) no início desta semana. Projetado para transportar 36 caças J-15, é o primeiro porta-aviões totalmente produzido na China.

Imagem Análise de foto do estaleiro chinês mostrando vários navios de guerra em vários estágios de construção… [+] SUTTON H, COM PERMISSÃO DE @LOONGNAVAL

O que está em construção no estaleiro de Xangai deverá ser ainda maior e melhor. Em particular, ele terá uma catapulta eletromagnética – assim como o mais novo navio da Marinha dos EUA, o USS Gerald R. Ford.
Mais importante ainda, este estaleiro é apenas uma espiada nas reais capacidades da China, pois existem “muitos estaleiros em toda a China, que são igualmente impressionantes”, alerta a Forbes aos leitores.

‘Bom motivo’ para se preocupar

O que pode ter sido uma surpresa para a Forbes tem ocupado as mentes de todos os tipos de analistas militares há algum tempo. A mídia e os think tanks dos EUA estão todos unidos em suas preocupações com o crescente poder militar naval de Pequim.

Em junho, o Centro para uma Nova Segurança Americana (CNAS), um think tank com sede em Washington, argumentou que as capacidades industriais e tecnológicas da China poderiam ajudá-la a “derrotar os americanos no seu próprio jogo” e obter uma vantagem na nova corrida armamentista.

“Os soviéticos nunca foram capazes de igualar, muito menos superar, a imensa superioridade tecnológica dos EUA. O mesmo pode não valer para a China”, alerta o CNAS paper, acrescentando que Pequim “se esforça para alcançar a paridade tecnológica e, eventualmente, o domínio tecnológico”.

O estaleiro Jiangnan em 18 de setembro de 2019. © CSIS / ChinaPower / Airbus 2019 via REUTERS

Da mesma forma, uma grande variedade de meios de comunicação, desde o The Diplomat to the National Interest, não poupou esforços para dizer a seus leitores que a modernização militar da China representa “um desafio” para os EUA e dá a Washington “boas razões” para se preocupar. A Harvard Policy Review deu um passo adiante e se perguntou se a estratégia de Pequim poderia colocá-la em um “caminho para a hegemonia”, eventualmente admitindo que depende principalmente de “até onde a China está disposta a ir”.

Enquanto isso, a RAND Corporation – um importante think tank militar dos EUA – mostrou em sua pesquisa que o rápido programa de desenvolvimento militar da China já permitiu reduzir drasticamente a lacuna em energia e tecnologia e até mesmo colocar os EUA em desvantagem tecnológica e militar em certos cenários.

Os think tanks e a mídia aparentemente acreditam que é hora de Washington começar a se preocupar em perder sua superioridade militar em relação ao dragão chinês, que parece estar apenas abrindo suas asas. Mas quando se trata de despender energia na área naval, talvez já seja tarde demais.

‘Programa sem precedentes que os americanos nem podem sonhar’

Pequim fez de suas forças navais a pedra angular de sua modernização militar, disseram analistas à RT. A China está buscando ativamente o papel de uma potência militar global capaz de projetar sua força militar em qualquer canto do mundo, e os EUA podem não ter a capacidade industrial de competir.

RT

Porta-aviões da China Liaoning. © Imprensa Global Look / Zeng Tao

“É mais fácil para a China aumentar o número de frotas navais [composta por vários e diferentes navios e submarinos capitaneados por um porta aviões], pois já é o maior construtor de navios do mundo. Eles têm imensas capacidades de estaleiro, que os EUA carecem, pois sua construção comercial foi desarrumada nas últimas décadas”, diz Vasily Kashin, Far East pesquisador na Academia Russa de Ciências.

O cientista político e especialista militar Aleksandr Khramchikhin, vice-chefe do Instituto de Análise Política e Militar da Rússia, descreveu o programa de desenvolvimento da marinha chinesa como “totalmente sem precedentes“. Não se pode nem contar todos os navios que estão sendo construídos lá. O programa chinês moderno é incomparável em todo o mundo e os americanos nem sequer podem sonhar com esse ritmo”.

Khramchikhin acredita que Pequim poderá rivalizar com Washington em termos de tamanho da frota em cerca de uma década. Ele observou particularmente que a China conseguiu construir fragatas, corvetas e até destroiers às dúzias nas últimas décadas.

FOTO: O presidente chinês Xi Jinping se reúne com marinheiros da tripulação da unidade de porta-aviões e do fabricante em um porto naval em Sanya, província de Hainan, sul da China, em 17 de dezembro de 2019. © Global Look Press / Li Gang

“Dez anos atrás, os EUA tinham 15 porta-aviões e a China nenhum. Em dez anos, eles podem se tornar iguais … Eles têm mais construtores e estaleiros navais do que o resto do mundo todo somados.”

Fechando a lacuna tecnológica

Uma vantagem que os EUA parecem ter certeza é a superioridade tecnológica. Poderia tentar conter o poder naval emergente da China, limitando o acesso de Pequim às tecnologias modernas. É improvável que essa estratégia funcione, acreditam os analistas, já que a China já possui algumas tecnologias de ponta que poderiam facilmente ser desenvolvidas. Além disso, a China também pode abordar seu parceiro estratégico, a Rússia.

“Eles fazem grandes avanços tecnológicos”, diz Kashin. Ele ressalta que os chineses foram a segunda nação no mundo a equipar seus navios com sistemas de armas universais integrados que rivalizavam com o Aegis da América – um sistema avançado de comando e controle que usa computadores e radares poderosos para rastrear e guiar as armas dos navios.

Khramchikhin acredita que as tecnologias navais chinesas já são, em muitos aspectos, comparáveis ​​às dos EUA. “Quando se trata de navios de superfície, os chineses já possuem algumas das tecnologias mais avançadas”.

É verdade que algumas tecnologias militares são difíceis de dominar e levam décadas para serem desenvolvidas. É particularmente relevante no caso de submarinos, um campo em que a China ainda está atrás dos EUA. Aqui, no entanto, uma estreita cooperação entre Pequim e Moscou pode virar a balança, acreditam os analistas.

Mais recentemente, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse em uma entrevista coletiva de final de ano em Moscou que a Rússia continuará trabalhando com a China como um “parceiro estratégico” no campo das tecnologias de defesa, apesar de negar planos de entrar em uma aliança militar formal com Pequim.

O casco do terceiro porta-aviões da China pode ser concluído em 12 meses, indicam FOTOS por satélite do estaleiro

“Alguns projetos de desenvolvimento conjunto, componentes sofisticados de equipamentos … todos podem vir da Rússia”, acredita Kashin.

Washington pode estar deixando a China se distanciar um pouco em algum momento, mas, do jeito que as coisas parecem agora, os EUA não parecem ter meios credíveis e convincentes para impedir que a China se torne a próxima superpotência naval do mundo em uma ou duas décadas.


“Somos confrontados em todo o mundo por uma conspiração monolítica e implacável que se baseia principalmente em meios secretos para expandir sua esfera de influência – em infiltração em vez de invasão, em subversão em vez de eleições, em intimidação em vez de livre escolha, em guerrilhas pela noite em vez de luta com exércitos à luz do dia. Seus preparativos  são ocultos, secretos, não são publicados. Seus erros estão enterrados, não são noticiados. Seus dissidentes são silenciados, ninguém ora por eles. Nenhuma despesa é questionada, nenhum rumor é impresso, nenhum segredo é revelado. Ela induz à Guerra Fria, em suma, com uma disciplina de tempo de guerra, nenhuma democracia jamais esperaria ou desejaria ter que enfrentar tal situação.” –  [parágrafo de um discurso de John F. Kennedy, sete dias antes de ser assassinado!!!!]


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

2 Responses to Dragão mostra suas garras: China prestes a substituir os EUA como super potência naval

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.