Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Um cometa Potencialmente Espetacular passará pela Terra em 2024

Astrônomos profissionais e amadores esperam que o cometa C/2023 A3 [Tsuchinshan-ATLAS] brilhe nos céus da Terra em setembro de 2024, embora o comportamento dos cometas sejam notoriamente difíceis de prever quando se aproximam da Terra e do Sol. Com origem na nuvem de Oort foi descoberto pelo Purple Mountain Observatory em 9 de janeiro de 2023 e também foi encontrado de forma independente pelo sistema ATLAS [Asteroid Terrestrial-impact Last Alert System-SAAO], no observatório da África do Sul, em 22 de fevereiro de 2023.

Um cometa Potencialmente Espetacular passará pela Terra em 2024

Fonte: Scientificamerican.com – Meghan Bartels

²¹ E sobre os homens caiu do céu uma grande saraiva, pedras do peso de um talento; e os homens blasfemaram de Deus por causa da praga da saraiva; porque a sua praga era mui grande. – Apocalipse 16:21 [Um Talento usado na Palestina nos tempos do Novo Testamento pesava 58,9 kg (130 lb)]

Cientistas e astrônomos amadores estão na trilha do que poderia ser o próximo grande cometa a passar pelo interior do nosso sistema solar quando em seu periélio.

Era apenas uma mancha tênue vista através de poderosos telescópios na Terra quando os astrônomos descobriram o cometa C/2023 A3, também conhecido como cometa Tsuchinshan-ATLAS, no início deste ano. Mas, apesar da aparência inicial despretensiosa deste objeto, sua órbita foi imediatamente atraente: o cometa Tsuchinshan-ATLAS está a caminho de passar bem perto do Sol e da Terra na primavera de 2024, preparando o cenário para o que poderia ser um espetáculo celestial fantástico.

O cometa C/2023 A3 (Tsuchinshan – ATLAS) é um cometa com origem na nuvem de Oort e foi descoberto pelo Purple Mountain Observatory em 9 de janeiro de 2023 e também foi encontrado de forma independente pelo sistema ATLAS [Asteroid Terrestrial-impact Last Alert System-SAAO], no observatório da África do Sul, em 22 de fevereiro de 2023. O cometa passará pelo periélio a uma distância de 0,39 UA do sol ( 58 milhões de km) em 27 de setembro de 2024, quando poderia se tornar visível a olho nu. 

“Quase imediatamente, começou um burburinho na comunidade de estudo dos cometas, porque as previsões estavam a confundi-lo em termos do quão brilhante ele poderá ficar”, diz Ariel Graykowski, astrônoma planetária do Instituto SETI em Mountain View, Califórnia.

Ela diz que as estimativas atuais sugerem que o cometa Tsuchinshan-ATLAS pode se tornar mais brilhante do que o cometa NEOWISE, que deslumbrou os observadores do céu em 2020, e que pode até rivalizar com o cometa Hyakutake , que fez uma aproximação impressionante da Terra em 1996. As projeções mais otimistas prevêem que o cometa recém-descoberto poderia superar até mesmo esses notáveis ​​antepassados, tornando-se tão brilhante quanto o planeta Vênus.

Mas os astrônomos ficaram desapontados com muitos cometas promissores que se revelaram um fracasso desanimador, diz Quanzhi Ye, astrônomo planetário da Universidade de Maryland, que se descreve como “cautelosamente entusiasmado” com o cometa Tsuchinshan-ATLAS. “Os cometas são como os gatos: também têm caudas; mas eles fazem o que eles querem”, diz Ye. “Quase todos os casos não vão terminar da maneira que nós previmos… Não saberemos até chegarmos lá.”

Muitas vezes descritos como bolas de gelo gigantes e sujas, os cometas são relíquias empoeiradas e geladas da formação planetária que foram lançadas para a periferia do sistema solar há milhares de anos por interações gravitacionais com Júpiter ou outros mundos gigantes. Como sobras velhas esquecidas no fundo do freezer cósmico, eles passam a maior parte do tempo inertes e despercebidos no escuro.

O Cometa McNaught (C/2006 P1), também chamado de o Grande Cometa de 2007, é um cometa não periódico descoberto em 7 de agosto de 2006 pelo astrônomo anglo-australiano Robert H. McNaught. Foi o mais brilhante cometa dos últimos 40 anos, e pôde ser observado a olho nu em ambos os hemisférios da Terra entre janeiro e fevereiro de 2007. Com uma magnitude aparente estimada em -6.0, foi o segundo cometa mais brilhante desde 1935. Atingiu o seu periélio em 12 de janeiro e sua cauda alcançou uma extensão de 35º em seu máximo.

Mas quando eles se aproximam do interior do sistema solar rumo ao sol, a energia solar transforma parte do gelo de um cometa em gás num processo chamado sublimação, formando uma [cauda] nuvem difusa e brilhante chamada coma. O gás do gelo sublimado e banhado pelo sol também sopra a poeira misturada para longe da superfície, formando uma distinta cauda de cometa.

Mas diferentes cometas são feitos de diferentes misturas de gelo, e a sublimação pode ser um processo peculiar. Os cometas podem subitamente brilhar em uma explosão, cair em pedaços ou simplesmente desaparecer. “Todas estas variáveis contribuem para o fato do comportamento dos cometas serem muito difíceis de se prever”, diz Ye.

Uma questão chave ainda em aberto é se o cometa Tsuchinshan-ATLAS já passou antes pelo interior do sistema solar. Se assim for, é o que os cientistas chamam de um cometa dinamicamente antigo – um veterano endurecido de múltiplas aproximações ao Sol que pode apresentar um espetáculo confiável no próximo ano sem desmoronar.

Se o cometa for de primeira viagem, o seu gelo primitivo poderá ser mais frágil, aumentando a probabilidade de se desintegrar e gerar uma cauda à medida que se aventura mais profundamente no interior do sistema solar. Determinar se um cometa é dinamicamente antigo ou novo é complicado, no entanto, exigindo uma extrapolação da órbita do objeto no tempo.

Em última análise, apenas a paciência revelará precisamente como o cometa Tsuchinshan-ATLAS se comportará nos céus em seu periélio. Mas essa paciência não será ociosa: entre agora e a maior aproximação do cometa ao Sol, em setembro de 2024, e à Terra, em outubro seguinte, os astrônomos profissionais e os amadores tê-lo-ão em vista com os seus telescópios.

Por exemplo, Graykowski trabalha com uma rede global de astrônomos amadores de rastreamento de cometas, promovida pelo fabricante de telescópios Unistellar. Através desta rede, ela pode verificar o cometa quase todos os dias e obter rapidamente novas observações em resposta a quaisquer mudanças repentinas na sua aparência. Essa combinação será poderosa na monitorização da aproximação do cometa durante o próximo ano, diz ela. Os observadores da rede já começaram a acompanhar o cometa, embora ele permaneça fraco nos seus telescópios.

E no caso do cometa Tsuchinshan-ATLAS, os astrônomos amadores de fundo de quintal podem ter uma vantagem sobre os profissionais, observa Graykowski. Isto porque, durante todo o tempo em que o cometa estiver mais próximo da Terra, brilhará no céu perigosamente perto do Sol – onde os telescópios mais poderosos geralmente relutam em procurar por medo de sobrecarregar os seus delicados sensores óticos.

“Isso poderia ser muito legal [para os astrônomos amadores] porque o cometa poderá ser brilhante o suficiente para ser visto enquanto o Sol ainda brilha, um cometa diurno”, diz Graykowski. “Mas também pode tornar mais difícil de ver do que seria de outra forma.” Só o tempo irá dizer.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *