browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Encontrada na Antártida ‘poeira espacial’ de explosão de uma antiga estrela supernova

Posted by on 22/08/2019

Nebulosa da Formiga, nuvem de poeira cósmica e gás

A poeira cósmica encontrada na neve antártica foi provavelmente nascida em uma supernova distante que explodiu milhões de anos atrás. A jornada interestelar da poeira finalmente trouxe o material para a Terra, onde os cientistas descobriram os grãos antigos. Essa poeira se destacou porque contém um isótopo de ferro chamado ferro-60, que é comumente liberado por explosões de supernovas, mas muito raro na Terra.  (Isótopos são versões de elementos que diferem no número de nêutrons em seus átomos.)

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Poeira espacial de explosão de uma antiga supernova foi encontrada por cientistas na Antártida. Os grãos cósmicos originaram-se de uma explosão estelar há milhões de anos.

Fonte: https://www.nbcnews.com/

Por Mindy Weisberger, Ciência Viva

Na busca por poeira espacial indescritível, os cientistas analisaram mais de 1.100 libras. (500 kg) de neve superficial que eles coletaram de uma região de alta altitude da Antártica, perto da Estação Antártica alemã Kohnen.  Naquele local, a neve estaria praticamente isenta de contaminação por poeira terrestre, relataram os pesquisadores em um novo estudo.

=Scientists found interstellar space dust after collecting more than 1,000 lbs. of snow near Germany's Kohnen Station in Antarctica.

Os cientistas descobriram poeira cósmica interestelar depois de coletar mais de 1000 libras de neve perto da estação Kohnen da Alemanha, no Instituto Antártica Wegener da Antártida

Os investigadores então enviaram a neve ainda congelada para um laboratório em Munique, onde foi derretida e filtrada para isolar partículas de poeira que poderiam conter vestígios de material do espaço. Quando os cientistas examinaram a poeira incinerada usando um espectrômetro de massa acelerado, eles detectaram o raro isótopo ferro-60 – uma relíquia de uma antiga explosão de supernova.

O espaço é um lugar poeirento, rico em partículas expelidas por supernovas e derramadas em planetas, asteróides e cometas. Nosso sistema solar está atualmente passando por uma grande nuvem de poeira espacial conhecida como Local Interstellar Cloud (LIC), e os grãos desta nuvem encontrados na Terra podem revelar muito sobre como o nosso sol e seus planetas interagem com a poeira cósmica.

Para descobrir se a poeira espacial veio de uma supernova distante, os cientistas primeiro tiveram que descartar se ela se originou dentro do nosso sistema solar. A poeira irradiada pelos planetas e outros corpos pode conter ferro-60, mas a exposição à radiação cósmica também cria outro isótopo: o manganês-53. Os pesquisadores compararam as proporções de ferro-60 e manganês-53 nos grãos da Antártica, descobrindo que a quantidade de manganês era muito menor do que se a poeira fosse local.

Supernova é um evento astronômico que ocorre durante os estágios finais da evolução de algumas estrelas, que é caracterizado por uma explosão final muito brilhante. Por um curto espaço de tempo, isto causa um efeito similar ao surgimento de uma “estrela nova”, antes de desaparecer lentamente ao longo de várias semanas ou meses. Em apenas alguns dias o seu brilho pode intensificar-se em 1 bilhão de vezes a partir de seu estado original, tornando a estrela tão brilhante quanto uma galáxia, mas, com o passar do tempo, sua temperatura e brilho diminuem lentamente. A explosão de uma supernova de tipo II pode expulsar para o espaço até 90% da matéria da estrela progenitora como poeira cósmica. FONTE

Como os cientistas sabiam que o ferro 60 na neve antártica não se originou na Terra? Pode ter havido ferro-60 em nosso planeta durante a sua infância, mas todo esse raro isótopo há muito que caiu na Terra, escreveram os pesquisadores no estudo. Testes de bombas nucleares poderiam ter criado e dispersado ferro-60 em todo o planeta, mas cálculos mostraram que a quantidade de isótopo produzida por tais testes teria sido muito menor do que a quantidade de ferro 60 encontrada na neve da Antártida.

Ferro-60 também é produzido em reatores nucleares; no entanto, a quantidade de isótopo que os reatores geram é “insignificante” e está confinada aos reatores onde é feita, disseram os cientistas. Até o momento, até mesmo acidentes nucleares graves, como o desastre da usina nuclear de Fukushima Daiichi em 2011, não introduziram ferro-60 ao meio ambiente em quantidades mensuráveis, de acordo com o estudo.

Remanescente de supernovana constelação do Cisne Remanescente de supernova é um invólucro de gás, composta com os restos mortais de uma estrela que foi destruída por uma violenta explosão supernova, marcando a morte desta. Esta violenta explosão gera uma onda de choque e ejeta o material estelar da antiga estrela que se afasta a grande velocidade do núcleo estelar chegando a atingir velocidades de 3.000 km/s levando consigo, tudo que estiver em seu caminho, no meio interestelar.

Anteriormente, ferro-60 na Terra era encontrado apenas em antigos depósitos de profundidade ou em rochas que se originaram no espaço, “como meteoritos ou na lua”, os cientistas relataram on-line em 12 de agosto na revista Physical Review Letters“Descartando as fontes terrestres e cosmogênicas [formadas pelos raios cósmicos], concluímos que encontramos, pela primeira vez, ferro-60 com origem interestelar na Antártida”, escreveram os pesquisadores. Quantas surpresas ainda nos reserva o continente gelado?


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

One Response to Encontrada na Antártida ‘poeira espacial’ de explosão de uma antiga estrela supernova

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.