browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Encontrado fragmento (Meteorito) do núcleo do planeta MALDEK na Austrália

Posted by on 28/11/2019

Fragmento do núcleo do planeta MALDEK

O pedaço de minério foi encontrado ao lado de uma estrada em uma remota cidade australiana dos tempos da corrida do ouro.  Antigamente, a região de Wedderburn era um ponto de acesso para garimpeiros – ainda é ocasionalmente -, mas ninguém nunca viu uma pepita como essa. Chamada de Meteorito de Wedderburn, foi encontrado ao nordeste da cidade em 1951, era um pequeno pedaço de 210 gramas de rocha espacial de aparência estranha que caiu do céu

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Cientistas confirmam a descoberta de um mineral nunca antes visto na natureza

Fonte:  https://www.sciencealert.com/

Por Peter Dockrill

Por décadas, os cientistas tentam decifrar seus segredos e os pesquisadores apenas decodificam outro. Em um novo estudo liderado pelo mineralogista Chi Ma do Caltech, da Califórnis, EUA, os cientistas analisaram o meteorito Wedderburn e verificaram a primeira ocorrência natural do que eles chamam de ‘edscottite‘: uma forma rara de mineral de carboneto de ferro que nunca foi encontrada na natureza aqui na Terra.

Desde que as origens espaciais do meteorito Wedderburn foram identificadas pela primeira vez, a distinta rocha preta e vermelha (as cores de Lúcifer, Bel, Baal, Marduk e seus servidores…) foi examinada por várias equipes de pesquisa – na medida em que apenas cerca de um terço do meteorito original ainda permanece intacto, mantido dentro da coleção geológica dos Museus. Victoria na Austrália.

O restante foi retirado em uma série de fatias, extraídas para analisar a composição do meteorito. Essas análises revelaram traços de ouro e ferro, juntamente com minerais mais raros, como kamacita, schreibersita, taenita e troilita. Agora podemos adicionar edscottite a essa lista.

descoberta da edscottita – nomeada em homenagem ao especialista em meteoritos e cosmoquímico Edward Scott da Universidade do Havaí – é significativa porque nunca antes confirmamos que essa formulação atômica distinta de mineral de carboneto de ferro ocorre naturalmente aqui na Terra.

Essa confirmação é importante, porque é um pré-requisito que os minerais sejam oficialmente reconhecidos como tal pela  International Mineralogical Association (IMA). Uma versão sintética do mineral de carboneto de ferro é conhecida há décadas –  uma fase produzida durante a fundição de ferro .

Mas, graças à nova análise do Chi Ma e do geofísico da UCLA Alan Rubin, a ‘edscottite’ agora é um membro oficial do clube mineral do IMA, que é mais exclusivo do que você imagina. “Descobrimos 500 mil a 600 mil minerais no laboratório, mas menos de 6.000 são de substâncias produzidas naturalmente pela natureza”, disse ao The Age o curador sênior de geociências do Victoria Museums, Stuart Mills, que não esteve envolvido no novo estudo .

Não se sabe ao certo como esse pedaço de edscottita natural acabou encontrado na área rural de Wedderburn, mas de acordo com o cientista planetário Geoffrey Bonning, da Universidade Nacional Australiana, que não estava envolvido no estudo, o mineral poderia ter se formado no núcleo aquecido e pressurizado de um planeta antigo.

Há muito tempo, este infeliz planeta produtor do mineral que aqui seria batizado de ‘edscottita’ poderia ter sofrido algum tipo de colisão cósmica colossal – envolvendo outro planeta, uma lua ou um grande asteroide – quando este planeta foi destruído, com os pedaços fragmentados deste mundo destruído sendo lançados no espaço (*), e um desses fragmentos caiu na Terra, disse Bonning ao The Age .

Milhões de anos depois, continua o pensamento, um desses fragmentos desembarcou por acaso nos arredores de Wedderburn – e nossa compreensão do Universo ficou mais rica com a sua análise.

Os resultados são relatados na American Mineralogist .

Cinturão de asteroides, os restos da explosão do PLANETA MALDEK


(*) Nota de Thoth: A descoberta deste meteorito – pedaço do núcleo de um planeta que explodiu, segundo o cientista planetário Geoffrey Bonning – que caiu na Austrália, COMPROVA  a existência de mais um planeta, que existia entre as órbitas de Marte e Júpiter, chamado de MALDEK, e que explodiu à cerca de 251 milhões de anos no passado de nosso sistema solar.

Os restos materiais da existência deste planeta hoje são chamados de “Cinturão de Asteroides” que esta situado no mesmo local da órbita original de MALDEK, entre Marte e Júpiter. O maior asteroide encontrado na região foi denominado de planeta anão Ceres.

A civilização que habitava MALDEK, de cerca de 145 milhões de habitantes quando o planeta explodiu, esta muito ligada à história antiga da Terra, com a construção das pirâmides no México e no Egito e com o eterno conflito entre as forças da Luz e as forças das trevas.

SAIBA MAIS ACESSANDO:  Histórias da Terra, Maldek e do sistema solar


[Excerto do post: Historias da Terra, MALDEK e do sistema solar – DOY uma mulher de Maldek (1)

Despertei na semi-escuridão e levantei-me da cama. Toquei um controle e as cortinas se abriram, deixando a luz do sol inundar o quarto. Na varanda abaixo havia várias pessoas tomando o café da manhã. Eu sabia quem eram, embora nunca as tivesse visto em forma física …Vesti uma túnica amarela que pendia de um gancho em forma de pescoço de cisne, e abri a porta. Este era o quarto no qual eu dormira sem parar, durante mais de treze anos terrestres, e do qual nunca saíra. 

Reuni-me a meu pai Nass-Kolb, mãe Orma e irmã mais velha Sibrette na varanda. Segundo o costume de nosso povo, o pai da pessoa recém-desperta (se disponível) era o primeiro a falar ao novo integrante da família. Meu pai sorriu-me, perguntando: “Você está bem, Doy?” Respondi: “Sim, estou bem, Pai.” Com essas palavras, começou minha vida física no planeta Maldek.

Quando fui dormir, umas quinze horas depois, foi em um quarto novo. No dia seguinte, minha mãe e eu conversamos sobre o que eu precisaria em termos de roupas. Pelo meio da tarde do segundo dia depois de meu despertar, fui visitada por BrigStura, emissário do conselho regente, que examinou-me fisicamente e perguntou se eu tinha alguma mensagem de nosso deus, a consciência/energia criadora do nosso planeta MALDEK (o el que vocês chamam  Lúcifer  e nós chamávamos de  BAAL ) para transmitir ao Conselho.

Eu não tinha mensagem nenhuma. Meu pai recentemente voltara do planeta Sarus (Terra)onde a construção das Grandes Pirâmides fora praticamente concluída. Tinha conhecimento de que toda nossa família estaria retornando com ele à Terra para presenciar a colocação do spiel (cume) de cristal  Astrastone na maior das três estruturas (HOJE A PIRÂMIDE DE QUEOPS). Eu estava presente quando aquele cristal foi posto em seu devido lugar.

piramides-ufo

Naquele dia, acompanhada de uma escolta de quatro krates e dois criados simms, perambulei pelo planalto de Gizé, assimilando as visões e olhando os diferentes tipos de pessoas de outros mundos que circulavam lentamente pelo local. Alguns tinham uma essência psíquica apenas tolerável e outros causavam uma estática desagradável em minha “Wa” (harmonia emocional). Lembro-me de pensar na época, por que pessoas tão repulsivas conspurcavam o universo físico?

Eu admirava meus acompanhantes krates, que tinham sido treinados para tolerar raças de outros mundos, algumas das quais, pensei na época, eram o supra-sumo da feiúra física e psíquica. Aqueles entre os que estiverem lendo este artigo que nutrirem sentimentos hostis em relação a quem não pertencer à sua própria raça ou religião talvez me concedam sua solidariedade e compreensão (apreciação) com relação a como me sentia naquela época.

Posso apenas dizer que meus fortes sentimentos em relação a outras raças formavam um contraste extremo com a alegria e segurança que sentia na presença de minha própria gente. Minhas observações de povos de outro mundos acabaram sendo influenciadas pela curiosidade. Essas observações poderiam ser facilmente comparadas àquelas que vocês fariam numa visita ao jardim zoológico. Sim, nós, de Maldec, daqueles tempos antigos, considerávamos os seres humanos que não fossem de nosso mundo meros animais.

Do mesmo modo que vocês ordenhariam uma vaca para obter alimento para nutrir o poder físico, não víamos diferença alguma em ordenhar emocionalmente animais humanos inferiores para obter sua essência psíquica, a qual nos propiciava a expansão do alcance de nosso poder psíquico. Na verdade, era emocionante fazer parte de um grupo de nossa própria raça que coletivamente sentia-se superior e tinha como meta aumentar ao máximo sua superioridade. A palavra de seu idioma que teria descrito todo e qualquer maldequiano dos tempos anteriores à Barreira de Freqüência seria “fanático”, que significa alguém fortemente parcial em relação a seu próprio grupo racial, religioso ou político, sendo totalmente intolerante com quem é diferente…

Trecho traduzido do Livro “THROUGH ALIEN EYES (Através de Olhos Alienígenas), páginas 297 a 342, escrito por Wesley H. Bateman, Telepata da FEDERAÇÃO. Fim de citação]


“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. –  João 8:32


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e respeite as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.