browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Encontro de Eisenhower com seres Extraterrestres: 65 anos do Primeiro Contato? (2)

Posted by on 01/02/2019

Na noite e madrugada de 20 a 21 de fevereiro de 1954, durante suas férias em Palm Springs, na Califórnia, o presidente Dwight Eisenhower desapareceu e supostamente foi levado à base da Força Aérea então chamada de Muroc Army Air Field (atual Edwards Air Force Basepara uma reunião secreta com seres extraterrestres.  Quando ele apareceu na manhã seguinte em um culto na igreja em Los Angeles, os repórteres foram informados de que ele teve que fazer tratamento odontológico de emergência na noite anterior e tinha visitado um dentista local. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Encontro de 1954 do presidente Eisenhower com seres extraterrestres: há 65 anos houve o primeiro contato?

Fonte: http://exopolitics.org/archived/Study-Paper-8.htm

© Michael E. Salla, PhD – PRIMEIRA PARTE AQUI.

O alegado dentista mais tarde apareceu em uma função naquela noite e se apresentou como o “dentista” que havia tratado Eisenhower. A noite e a manhã em que Eisenhower sumiu subseqüentemente alimentaram rumores de que o então presidente dos EUA estava usando a suposta visita do dentista como uma cobertura para participar de um evento secreto e extraordinário, o “Primeiro Contato” formal de uma delegação com o presidente dos EUA com diferentes raças de extraterrestres!. 


SEGUNDA PARTE:

Outra fonte de denúncias para um tratado ter sido assinado com seres extraterrestres da raça GREY é o insider e denunciante Phil Schneider, um engenheiro geológico que foi um ex-funcionário das grandes corporações contratadas pelo governo e militares dos EUA para construir bases subterrâneas conjuntas com aliens que trabalhavam extensivamente em projetos black ops (de orçamento negro) envolvendo extraterrestres Greys e reptilianos. Ele revelou seu próprio conhecimento do tratado nos seguintes termos:

“Em 1954, sob o governo Eisenhower, o governo federal decidiu contornar a Constituição dos Estados Unidos e formar um tratado com entidades extraterrestres. Foi chamado de “Greada Treaty” de 1954, que basicamente fez o acordo de que os alienígenas envolvidos poderiam pegar algumas vacas e testar suas técnicas de implantação em alguns seres humanos, mas que eles tinham que dar detalhes sobre as pessoas sequestradas envolvidas”. [20]

O conhecimento de Phil Schneider do tratado teria vindo de sua familiaridade com uma variedade de projetos negros compartimentados e interação com outras pessoas que trabalhavam com os extraterrestres em bases subterrâneas (nota Thoth: especialmente a mais importante e talvez a primeira, a gigantesca Base Subterrânea de DULCE, localizada em Archuleta Mesa, estado do Novo México, com sete níveis, usada para experimentação genética com seres humanos abduzidos)

Ainda outra fonte de denúncia para um acordo que foi assinado é o Dr. Michael Wolf, que afirma ter servido em vários comitês de elaboração de políticas responsáveis ​​por assuntos extraterrestres durante vinte e cinco anos. [21] Ele afirma que a administração de Eisenhower entrou no tratado com uma raça extraterrestre e que este tratado nunca foi ratificado como constitucionalmente exigido. [22]



Significativamente, um número de denunciantes e insiders argumenta que o tratado que foi assinado envolveu alguma compulsão pelo engano por parte dos extraterrestres. Don Phillips é um ex-funcionário da Força Aérea e funcionário de projetos de aviação clandestinos que testemunhou ter visto documentos descrevendo a reunião entre o Presidente Eisenhower e extraterrestres, e os antecedentes de um acordo subsequente:

“Temos registros de 1954 de que houveram reuniões entre nossos próprios líderes deste país e ETs aqui na Califórnia. E, pelo que entendi da documentação escrita, nos perguntaram se permitiríamos que eles estivessem aqui e fizessem pesquisas. Eu li que a nossa resposta foi bem, como podemos parar vocês? Vocês são tão avançados (TECNOLOGICAMENTE). E eu vou dizer través da imagem desta câmera e de seu som, que foi o presidente Eisenhower que teve esse encontro”. [23]

O coronel Phillip Corso, um oficial altamente condecorado que serviu no Conselho de Segurança Nacional de Eisenhower, fez alusão a um tratado assinado por Eisenhower com extraterrestres registrado em suas memórias. Ele escreveu: “Nós havíamos negociado uma espécie de rendição com eles [extraterrestres], desde que não tínhamos como combatê-los. Eles ditaram os termos porque eles sabiam que o que mais temíamos era que sua presença fosse revelada publicamente”[24]   A alegação de Corso de uma “rendição negociada” sugere que algum tipo de acordo ou algum “tratado” foi alcançado com o qual ele não estava satisfeito. O que sabemos dos Extraterrestres (Greys) Cinzentos que assinaram o Tratado?

Base Subterrânea de DULCE, localizada em Archuleta Mesa, estado do Novo México, com sete níveis, usada para experimentação genética com seres humanos abduzidos



De acordo com Willian Cooper, os extraterrestres Greys que assinaram o tratado nunca foram confiáveis:

“Já em 1955, tornou-se óbvio que os alienígenas haviam enganado o governo de Eisenhower e quebrado o tratado.  Suspeitava-se que os alienígenas não apresentassem uma lista completa de contatos e abdução dos seres humanos para o Grupo Majestic-12 e suspeitava-se que nem todos os abduzidos tivessem sido devolvidos”. [25]


Da mesma forma, Lear argumentou que os extraterrestres Grey rapidamente quebraram o tratado e não podiam ser confiáveis:

“… Foi feito um acordo que, em troca de tecnologia avançada dos alienígenas, permitiríamos que eles seqüestrassem um número “muito pequeno” de pessoas e que periodicamente recebêssemos uma lista dessas pessoas raptadas. Conseguimos algo menos do que a tecnologia que nós negociamos e descobrimos que os sequestros e abduções foram excedidos em um milhão de vezes em relação ao que ingenuamente nós concordamos”.[26]

Outros denunciantes e insiders também sugeriram que os extraterrestres que assinaram o tratado com Eisenhower não eram confiáveis. Phil Schneider alegou que, apesar das provisões do tratado sobre o número de humanos que seriam “sequestrados” para experimentos genéticos, “os alienígenas alteraram a barganha até que decidiram que não aceitariam nada.” [27]



Como mencionado anteriormente, o coronel Phillip Corso também acreditava que os extraterrestres Greys com os quais o governo de Eisenhower fez acordos não eram confiáveis. Corso acreditava que estes forçaram uma “rendição negociada”, sugerindo uma agenda extraterrestre suspeita. Enquanto o general Douglas MacArthur não mencionou diretamente qualquer tratado do governo com extraterrestres, ele deu um famoso aviso em outubro de 1955, sugerindo que existia alguma presença extraterrestre que ameaçava a soberania humana sobre o planeta:

“Você agora enfrenta um novo mundo, um mundo de mudanças. Falamos em termos estranhos, de aproveitar a energia cósmica, do conflito final entre uma raça humana unida e as forças sinistras de alguma outra galáxia planetária. As nações do mundo terão que se unir, pois a próxima guerra será interplanetária. As nações da Terra devem, algum dia, formar uma frente comum contra o ataque de pessoas (extraterrestres) vindas de outros planetas”. [28]

MacArthur pode muito bem estar se referindo aos mesmos extraterrestres que Corso, Cooper, Schneider e Lear acreditavam ter entrado em acordo com o governo Eisenhower. Significativamente, os relatos de contatos com extraterrestres começaram a mudar quando o alegado tratado começou a ser implementado. Os amigáveis ​​relatórios dos “irmãos espaciais” envolvendo contatados da década de 1950 mudaram quando relatos de seqüestros começaram a surgir após o primeiro caso de abdução registrado publicamente em 1961, com grande repercussão na mídia de então, envolvendo o casal Barney e Betty Hill

“Outro padrão aparente que ocorreu na Ufologia é o domínio dos irmãos do espaço na década de 1950 que foram gentis, interagiram com pessoas que ficaram conhecidas como contatados, e levaram pessoas para passeios em suas naves espaciais. Este padrão mudou drasticamente com o rapto de Betty e Barney Hill no início dos anos 1960. Os tipos humanos irmãos do espaço dos anos 50 pareceram desaparecer, e foram substituídos na literatura sobre OVNIs por outro tipo de alienígena. No início dos anos 60, o primeiro rapto envolvendo o casal Barney e Betty Hill deu início a um novo padrão, no qual os alienígenas eram alienígenas “malvados”, que sequestravam pessoas contra sua vontade e realizavam procedimentos médicos à força. Havia, até onde este autor sabe, nenhum caso confirmado de abduções “clássicas” nos anos 50. Ao contrário dos “bons” irmãos espaciais dos anos 1950″ [29] 

De acordo com Wolf, os extraterrestres eram Greys do quarto planeta do sistema estelar binário de Zeta Reticulum 1 e 2, enquanto Cooper afirma que eram Greys altos de Betelgeuse, estrela-sol da constelação de Orion. Diferentes versões de Wolf e Cooper provavelmente refletem uma relação próxima entre Greys de Rigel e Betelguese, e que mais de uma espécie de extraterrestres pode ter sido coberta pelo tratado. Wolf descreveu os Greys como tendo motivações positivas em relação à sua presença na Terra, mas foram inibidos e alvo de elementos desonestos nas forças armadas dos EUA. [30] 

Da mesma forma, Robert Dean acredita que os extraterrestres que visitam a Terra são amigáveis. [31] Isso contrasta com os testemunhos de Cooper, Lear, Schneider, Corso e, possivelmente, sobre MacArthur sobre as verdadeiras motivações dos Greys. Vale a pena repetir a alegação de Gerald Light de “um terrível conflito entre as várias ‘autoridades’” sobre informar o público em geral ou não quando do “Primeiro Contato”. É provável que essas diferentes perspectivas sobre as motivações dos Greys refletissem uma incerteza que continuou a dividir intensamente os formuladores de políticas até o presente sobre como responder melhor à presença alienígena extraterrestre e o que dizer ao público (aos zumbis) em geral.[32]

Sistema solar de duplos sois Zeta Reticulum 1 e 2, provável origem da raça GREY que fez acordo com os EUA e se instalaram na base subterrânea de DULCE.

Mantendo a credibilidade de sigilo e testemunha

A incerteza sobre as motivações e o comportamento dos extraterrestres Greys parece ter desempenhado um grande papel na decisão do governo dos EUA de não divulgar a presença extraterrestre e o tratado que Eisenhower assinou com eles. A seguinte passagem de um ‘suposto documento oficial’ vazado para pesquisadores de OVNIs descreve a política oficial de sigilo adotada desde abril de 1954, dois meses depois de Eisenhower ter o ”Primeiro Contato” com raças de extraterrestres (Tall Whites) que foram rejeitados pela administração Eisenhower:

“Qualquer encontro com entidades conhecidas como de origem extraterrestre deve ser considerado como uma questão de segurança nacional e, portanto, classificado como TOP SECRET. Sob nenhuma circunstância o público ou a imprensa em geral deve saber da existência dessas entidades. A política oficial do governo é a de que tais criaturas não existem e que nenhuma agência do governo federal está envolvida em qualquer estudo de extraterrestres ou seus artefatos. Qualquer desvio desta política declarada é absolutamente proibido”. [33]

As penalidades pela divulgação de informações classificadas sobre extraterrestres são bastante severas. Em dezembro de 1953, o Estado-Maior Conjunto publicou a publicação 146 da Força Aérea da Marinha e da Força Aérea, que tornou ilegal a liberação de informações sobre OVNIs no âmbito da Lei de Espionagem, punível com até 10 anos de prisão e multa de US$ 10.000. [34] De acordo com Robert Dean, essa penalidade draconiana é o que impede a maioria dos ex-militares de se apresentarem para divulgar informações sobre UFOs e alienígenas. [35]

As estratégias para lidar com os ex-militares, funcionários das corporações ou testemunhas corajosas ou “tolas” o suficiente para apresentar informações secretas são intimidar, silenciar, desacreditar e/ou eliminar esses indivíduos. Essa política envolve estratégias como a remoção de todos os registros públicos de ex-militares ou empregados corporativos, forçando os indivíduos a fazer retratações públicas, deliberadamente distorcer declarações ou desacreditar indivíduos. O denunciante e insider Bob Lazar, por exemplo, afirmou ser um ex-físico empregado em engenharia reversa de tecnologias extraterrestres. Ele descreveu o desaparecimento de todos os seus registros universitários e públicos, indicando como as agências de inteligência militar ativamente desacreditam os denunciantes e insiders. [36]

Nos casos das testemunhas citadas até o momento, como Cooper, Schneider, Lear, Wolf, Lazar, todos foram submetidos a algumas ou todas essas estratégias, tornando difícil chegar a conclusões sólidas sobre seus depoimentos. Como a criação de controvérsias, incertezas e confusões é o modus operandi das agências de inteligência militar na manutenção do sigilo da presença extraterrestre, então os testemunhos de ex-funcionários / empregados / testemunhas / insiders precisam ser considerados por seus méritos. Embora questões de credibilidade, credenciais e desinformação sejam importantes no estudo da presença extraterrestre, uma metodologia rigorosa para lidar com os esforços de agências de inteligência militar para desacreditar, intimidar ou criar controvérsia em torno de testemunhas específicas ainda precisa ser desenvolvida. 

Por exemplo, numerosos esforços para desacreditar Cooper em particular, referindo-se a inconsistências em suas declarações, retratações, comportamento notório e posições declaradas, podem ser devidos em parte ou na totalidade à política de oficiais de inteligência militar de desacreditar e / ou intimidar Milton Willian Cooper de vazar informações classificadas que ele pode muito bem ter testemunhado em suas capacidades oficiais (nota Thoth: salientamos que ele foi morto à tiros ao resistir à policiais que cercaram sua casa em incidente ocorrido em 05 de novembro de 2001, aos 58 anos). 

Uma vez que o registro militar de Cooper indica que ele serviu em uma posição oficial na equipe de instrução do Comandante da Frota do Pacífico, é muito provável que muito do seu testemunho seja crível. Quaisquer que sejam as imprecisões em termos de suas lembranças do tempo das reuniões entre a administração de Eisenhower e os extraterrestres, pode ter sido devido a lapsos de memória ou talvez deliberadamente introduzidos como um mecanismo de autoproteção.[37] O polêmico Willian Cooper foi submetido, sem dúvida, ao mais longo e mais intenso esforço de inteligência militar para desacreditar ou intimidar qualquer informante insider que revelasse informações confidenciais, até ser eliminado em um tiroteio com a polícia.

A política de não divulgação desenvolvida para a presença extraterrestre deve-se provavelmente a um profundo “dilema político” por parte das “autoridades” responsáveis ​​pela segurança nacional. Esse dilema vem da incerteza sobre quais foram os verdadeiros benefícios do suposto tratado de 1954 e quais seriam as conseqüências do tratado.  Embora a assinatura do tratado fornecesse às agências de segurança nacional dos EUA uma oportunidade de estudar tecnologias extraterrestres e de observar o programa genético extraterrestre com civis sequestrados, parecia que o tratado não era tão benéfico quanto se pensava devido ao excessivo sequestro de civis norte-americanos e a deliberada decepção pelos aliens ao transferirem sua tecnologia (que não funcionava corretamente) para fins de uso militar.

Planeta SERPO, do sistema estelar de Zeta Reticulum 1 e 2, origem da raça GREY que encontrou em contato formal com o governo de Eisenhower.

O comportamento subsequente dos Greys em suas interações com as agências de segurança nacional dos EUA foi o motivo mais provável para adiar a decisão de divulgar notícias do tratado e a presença extraterrestre para o público global. Segundo o testemunho de Gerald Lights, Eisenhower havia indicado aos presentes, em 20 e 21 de fevereiro de 1954, que um anúncio seria feito logo após o evento do Primeiro Contato. Como isso nunca ocorreu, e um tratado foi finalmente assinado com um grupo diferente de extraterrestres, os Greys, isso sugeriu que as agências de segurança nacional estavam profundamente divididas sobre a conveniência de divulgar essa informação, e alarmadas pela possível reação pública às atividades extraterrestre dos Greys.

Em seu discurso de despedida em 1961, o Presidente Eisenhower possivelmente estava aludindo ao crescente poder das agências de segurança nacional que lidavam com a presença extraterrestre e estavam ganhando grande poder sobre o governo formal dos EUA (nota Thoth: desse fato surge um “Governo Paralelo” – que atualmente é chamado de DEEP STATE, Estado Profundo – dentro da estrutura de poder dos EUA, que realmente comanda os destinos desse país desde então) como resultado do dilema sobre o que fazer com a presença extraterrestre:

“Nos conselhos de governo, devemos nos precaver contra a aquisição de influência indevida, quer procurada ou não, pelos grandes conglomerados de indústrias de defesa do Complexo Industrial Militar. O potencial para o aumento desastroso do poder extraviado existe e persistirá. Nunca devemos deixar que o peso dessa combinação coloque em risco nossas liberdades ou processos democráticos.  Devemos tomar nada como garantido. Somente uma cidadania alerta e conhecedora pode obrigar a articulação adequada do enorme mecanismo industrial e militar de defesa com nossos métodos e objetivos pacíficos, para que a segurança e a liberdade possam prosperar juntas”.

Se o presidente Eisenhower estava insatisfeito com a não divulgação da presença extraterrestre, seu discurso indicava que as agências de segurança nacional responsáveis ​​estavam dominando as políticas públicas e adotando uma “linha-dura” que era inconsistente com os ideais democráticos norte americanos.



Nas décadas subsequentes, parece que em várias ocasiões, a divulgação oficial da presença e do contato com raças de extraterrestres foi seriamente contemplada. Por exemplo, Robert Emenegger e Allan Sandler alegaram que foram abordados pelo Pentágono em 1972 para produzir um vídeo oficialmente sancionado que seria usado para divulgação pública oficial da presença extraterrestre no planeta. Quando a oferta foi retirada mais tarde, a razão dada foi que o tempo não era mais adequado devido ao escândalo de Watergate. 

Embora seja sem dúvida verdade que fatores políticos teriam impacto em fazer um anúncio formal de divulgação ao público em geral da presença extraterrestre, é mais provável que a não revelação tenha sido causada pela falta de clareza sobre quais eram as verdadeiras motivações dos aliens extraterrestres, e o impacto que um anúncio teria em atividades extraterrestres. Fazer qualquer anúncio da presença extraterrestre naturalmente levaria a questões relativas às motivações e atividades dos alienígenas. Se as autoridades não pudessem concordar com as respostas apropriadas, elas provavelmente decidiram que era melhor adiar a divulgação do que ameaçar a segurança nacional fazendo anúncios imprecisos.

Em 1979 houve vários combates entres forças especiais de militares dos EUA contra os alienígenas Greys e Reptilianos instalados na Base Subterrânea de DULCE em evento que ficou conhecido como “As Guerras de DULCE”

A natureza precisa das abduções de civis pelos extraterrestres e os programas médicos implementados pelos Greys têm sido extensivamente pesquisados ​​e discutidos por vários pesquisadores ufológicos. Suas conclusões variam amplamente, sugerindo que o profundo desacordo entre os pesquisadores particulares sobre as motivações e atividades dos Greys, muito provavelmente reflete o das fontes oficiais do governo. [38] Enquanto essa incerteza continuar, parece que a divulgação da existência e do contato com seres extraterrestres pode continuar a ser adiada até que os principais eventos globais deixem de viabilizar a política de não divulgação.


Conclusão

Um exame das evidências apresentadas neste artigo em termos de denunciantes insiders ou testemunhos levanta enormes problemas em termos de chegar a uma opinião conclusiva sobre: ​​primeiro, a verdade da suposta reunião do ‘Primeiro Contato’ entre Eisenhower e extraterrestres; segundo, alegações de mais de um conjunto de extraterrestres reunidos com a administração Eisenhower; e terceiro, as várias questões políticas que surgem das reuniões e do tratado subseqüente que foi supostamente assinado. O mais desconcertante é como ver os testemunhos de denunciantes insiders que parecem sinceros, positivamente motivados e têm histórias plausíveis, mas são atormentados por controvérsias, alegações de fraude, inconsistência e outras irregularidades. Devido à política oficial de sigilo adotada para a presença extraterrestre pelo governo dos EUA,

Embora continue havendo incertezas causadas pela controvérsia envolvendo testemunhos de denunciantes e o papel das agências de inteligência militar na geração dessa controvérsia, a maior parte das evidências aponta para uma reunião do ‘Primeiro Contato’ ocorrida durante as férias de Eisenhower em 20 e 21 de fevereiro de 1954. Os testemunhos sugerem que os extraterrestres no evento First Contact, uma raça de extraterrestres ‘nórdicos’ altos {Tall Whites} foram rejeitados devido à sua relutância em fornecer tecnologia avançada em um acordo. Uma reunião e um tratado subseqüentes foram então assinados com uma raça diferente de extraterrestres, comumente chamados Greys, que não tinham a mesma relutância em trocar sua tecnologia extraterrestre como parte de um acordo com os EUA.

A maior parte da evidência disponível que encontrou seu caminho na arena pública sugere que a raça extraterrestre com a qual o tratado foi assinado, os Greys, é na melhor das hipóteses um enigma e, na pior das hipóteses, simplesmente indigno de confiança no tratamento de civis seqüestrados para experimentação genética em imensas bases subterrâneas. A mudança subsequente em relatos de testemunhas de “contatos” extraterrestres amigáveis ​​a “raptos” perturbadores sugere que a administração de Eisenhower assinou um tratado com extraterrestres cujas motivações e atividades são um enigma no que diz respeito ao interesse do público geral. 

As atividades dos extraterrestres cinzentos (Greys) aparentemente continuam a aumentar a incerteza para as agências de segurança nacional dos EUA em termos de uma resposta estratégica apropriada. [39]  Pelo contrário, os amistosos “irmãos espaciais” nórdicos desapareceram do cenário desde que o governo Eisenhower os considerou não suficientemente motivados para servir aos objetivos tecnológicos e estratégicos das agências de segurança nacional dos EUA.

DE ACORDO COM LAURA EISENHOWER, BISNETA DO PRESIDENTE IKE, A INVASÃO DE EXTRATERRESTRES REPTILIANOS NA TERRA JÁ ACONTECEU!

A questão de quando a divulgação do tratado assinado por Eisenhower e da presença extraterrestre pode ocorrer é uma que já foi antecipada. Um evento econômico recente pode ser um sinal de que alguma forma de divulgação é possível no futuro próximo. De acordo com Craig Copetas, correspondente da Bloomberg News em Paris, o Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, de 21 a 25 de janeiro de 2004, discutiu extraterrestres em uma ou mais sessões fechadas. Em uma reportagem publicada em 21 de janeiro, Copetas afirmou que “oficiais do fórum mantêm seu programa de cinco dias em Parceria para Segurança e Prosperidade requer um exame inequívoco da presença de extraterrestres na Terra.” [40]

O Fórum de Davos é um indicador de tendências na economia global e discute vários tópicos que têm um efeito a longo prazo nos negócios internacionais. A inclusão de teorias de conspiração de uma presença extraterrestre e tecnologias na agenda formal tem um significado muito além da natureza hipotética da discussão. Vários governos nacionais podem muito bem estar deixando tacitamente a palavra para seus “amigos na comunidade empresarial”, que é melhor começar a explorar como uma futura divulgação de uma presença extraterrestre e suas tecnologias influenciarão o mundo dos negócios. Dada a discussão em Davos, em 21 de janeiro de 2004, sobre uma possível presença extraterrestre e o próximo 65º aniversário do tratado de Eisenhower em 20 e 21 de fevereiro, pode-se especular que um anúncio de divulgação poderá ser feito em breve.

Ao nos aproximarmos do 65º aniversário de uma reunião do Primeiro Contato entre os EUA e raças de seres extraterrestres, devemos fazê-lo com admiração pela natureza impressionante desta ocasião. Ao mesmo tempo, devemos fazer o que for necessário para tornar públicos todos os detalhes dessa reunião e a aparente rejeição do que parece ser uma raça extraterrestre de princípios que rejeitou transferências de tecnologia enquanto programas de armas perigosas estavam em vigor nos EUA e em outros lugares, no planeta. A subsequente assinatura de um tratado em uma data posterior com uma raça extraterrestre disposta a trocar tecnologia em troca de “experimentos genéticos limitados” em instalações em bases subterrâneas, cuja construção foi autorizada pelo próprio tratado assinado com os aliens, com civis certamente ficará na história como um evento profundamente significativo cujos efeitos negativos continuam a repercutir na sociedade humana. 

Finalmente, devemos estar atentos às crescentes evidências de que, embora um tratado tenha sido assinado após o evento do ”Primeiro Contato” de 1954, ele pode ter sido assinado com os “aliens, os extraterrestres errados”, e que isso poderia afetar negativamente a humanidade nas últimas quase sete décadas se não fosse tratado de forma aberta de maneira transparente e verdadeira. Vivemos à beira de um novo futuro ousado com muitas incertezas sobre o sigilo em torno da presença extraterrestre e sua influência na história da humanidade, pois essas informações entram na arena pública, o que melhor nos preparará para essa divulgação serão a nossa fé, valores democráticos e dedicação à verdade.


Sobre o autor: O Dr. Michael E. Salla, Ph.D., ocupou cargos acadêmicos na Escola de Serviço Internacional, Universidade Americana, Washington DC (1996-2001) e no Departamento de Ciência Política da Universidade Nacional da Austrália, Canberra, Austrália (1994-96). Ele lecionou como professor adjunto da Universidade George Washington, em Washington DC, em 2002. Atualmente está pesquisando métodos de Paz Transformadora como Pesquisador Residente no Centro para a Paz Global (2001-2004) e dirigindo o Programa de Embaixadores da Paz do Centro, que usa técnicas de paz transformacional para auto-capacitação individual. Ele é PhD em Governo pela University of Queensland, Austrália, e MA em Filosofia pela University of Melbourne, Austrália. Ele é o autor de  “Exopolitics: Political Implications of the Extraterrestrial Presence” (Dandelion Books, 2004); and “The Hero’s Journey Toward a Second American Century” (Greenwood Press, 2002) e co-editor / autor de três outros livros e autor de mais de setenta artigos, capítulos e resenhas de livros sobre paz, conflitos étnicos e resolução de conflitos.  Ele conduziu pesquisas e trabalho de campo nos conflitos étnicos em Timor Leste, Kosovo, Macedônia e Sri Lanka.  Ele organizou uma série de workshops internacionais envolvendo participantes de nível médio a alto desses conflitos. Ele é o fundador do site: http://www.exopolitics.org


ENDNOTES:

[20] Phil Schneider, “MUFON Conference Presentation, 1995,” available online at: http://www.anomalous-images.com/text/schneid.html
[21] See Chris Stoner, ‘The Revelations of Dr Michael Wolf on the UFO Cover Up and ET Reality,” (October 2000)http://www3.mistral.co.uk/futurepositive/mdrwolf.htm
[22] See Richard Boylan, “Official Within MJ-12 UFO-Secrecy Management Group Reveals Insider Secrets,”  http://www.drboylan.com/wolfdoc2.html
[23]   “Testimony of Don Phillips,” Disclosure, ed., Stephen Greer (Crossing Point, 2001) 379
[24]   Phillip Corso, The Day After Roswell (Pocket Books, 1997) 292.
[25] Milton William Cooper, “Origin, Identity, and Purpose of MJ-12,” http://www.geocities.com/Area51/Shadowlands/6583/maji007.html, also in Cooper, Behold a Pale Horse, 209.
[26] “John Lear Disclosure Briefing,” Coast to Coast Radio (November, 2003) http://www.coasttocoastam.com/shows/2003/11/02.html
[27] Phil Schneider, MUFON Conference Presentation, 1995, available online at: http://www.anomalous-images.com/text/schneid.html
[28] “UFO Quotes by Astronauts and Cosmonauts,” http://ufos.my100megs.com/ufoquotes.htm
[29] “’Good’ versus ‘Bad Alien’, http://www.presidentialufo.com/good_bad_alien.htm
[30] See Chris Stoner, ‘The Revelations of Dr Michael Wolf on the UFO Cover Up and ET Reality,” (October 2000)http://www3.mistral.co.uk/futurepositive/mdrwolf.htm
[31] 21st Century Radio’s Hieronimus & Co. “Transcript of Interview with Bob Dean, March 24, 1996,”  http://www.planetarymysteries.com/hieronimus/bobdean.html
[32] For description of Wolf’s association with the Greys, see Chris Stoner, ‘The Revelations of Dr Michael Wolf on the UFO Cover Up and ET Reality,” (October 2000)http://www3.mistral.co.uk/futurepositive/mdrwolf.htm
[33] Majestic 12 Group, “Special Operations Manual, SOM1-01 – Extraterrestrial Entities and Technology, Recovery and Disposal,” April 1954   Part 2 http://209.132.68.98/pdf/som101_part2.pdf
[34] 21st Century Radio’s Hieronimus & Co. “Transcript of Interview with Bob Dean, March 24, 1996,”  http://www.planetarymysteries.com/hieronimus/bobdean.html
[35] See 21st Century Radio’s Hieronimus & Co. “Transcript of Interview with Bob Dean, March 24, 1996,”  http://www.planetarymysteries.com/hieronimus/bobdean.html
[36] “Bob Lazar on the Billy Goodman Happening” December 20, 1989 http://www.swa-home.de/lazar3.htm
[37] Author interviews with anonymous whistleblowers.
[38] See Michael Salla, “Disinformation, Extraterrestrial Subversion & Psychological Reductionism – A Reply to Dr Richard Boylan,” www.exopolitics.org January 7, 2004. http://exopolitics.org/Exo-Comment-11.htm
[39] For discussion of US strategy in dealing with extraterrestrials, see Michael Salla, The Failure of Power Politics as a Strategic Response to the Extraterrestrial Presence – Developing Human Capacity as a Viable Global Defense Strategy, www.exopolitics.org (January 1, 2004). http://www.exopolitics.org/Study-Paper-7.htm
[40] A. CRAIG COPETAS, “Extraterrestrial edge helps the balance sheet,” Bloomberg News (01/21/04). Available online at: http://www.chron.com/cs/CDA/ssistory.mpl/business/2365195

A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. “Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br/

 

One Response to Encontro de Eisenhower com seres Extraterrestres: 65 anos do Primeiro Contato? (2)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.