browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Engenheiro de software expõe estratégias de censura da ‘Big Tech’ que incluem o uso de IA e ‘Listas Negras’

Posted by on 17/01/2021

Engenheiro de software expõe estratégias de censura da ‘Big Tech’ que incluem o uso de IA e “listas negras” : As Big Tech gigantes do Vale do Silício continuam a ser criticadas por vigilância pública excessiva, negligenciando a redução e reciclagem de lixo eletrônico tóxico (E-Waste) , colocando a humanidade em perigo com o uso indevido de Inteligência Artificial (IA) e, claro, praticando abertamente a censura. Um segmento de 2 partes sobre o aumento da censura na Internet foi apresentado no episódio desta semana de “Full Measure with Sharyl Attkisson”.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Engenheiro de software expõe estratégias de censura da ‘Big Tech’ que incluem o uso de IA e “listas negras”

Fontes:  Activist Post  e  Fullmeasure – Por BN Frank

Censura da Big Tech: Parte 1 – Por FULL MEASURE STAFF

A semana passada viu um início turbulento do fim do mandato sem precedentes do presidente Trump. Uma manifestação em Washington apoiando o presidente e os apelos para derrubar a eleição se tornaram violentos. Os manifestantes invadiram as duas câmaras do Congresso e um foi baleado antes de ser expulso do Capitólio. Membros do Congresso voltaram para certificar Joe Biden como presidente eleito. Enquanto isso, Facebook, Twitter e YouTube adotaram novas medidas agressivas para reprimir duramente as contas de mídia social do presidente Trump e seus seguidores.

Entre outras objeções, o Twitter disse que o presidente Trump violou as políticas em seu vídeo pedindo aos manifestantes que fossem pacíficos e voltassem para casa, porque ele reiterou as alegações sobre fraude eleitoral. Alguns acolhem bem a repressão da Big Tech; outros dizem que é uma violação radical da liberdade de expressão. Ele destaca uma longa batalha das Big Tech pelo controle sobre “O QUE É VERDADE” das informações online. Esse é o foco de nossa investigação especial.

Sharyl: você pode dar uma versão resumida de como você descobriu ou passou a acreditar que algo errado estava acontecendo?

Zachary Vorhies: Sim. Eu estava trabalhando no YouTube em 2016 e estava tudo muito bom. Mas então algo aconteceu. E o que aconteceu foi que Donald Trump ganhou a eleição. Clipe de notícias de 2016, âncora de notícias: Agora podemos projetar o vencedor da corrida presidencial, Donald Trump, que ganhará a presidência. E depois que ele ganhou a eleição, a empresa simplesmente dobrou à esquerda e decidiu que abandonaria seus princípios liberais e passaria a uma forma autoritária de gestão de seus produtos e serviços.

Zachary Vorhies foi um insider por mais de oito anos DENTRO DO SISTEMA, um engenheiro de software sênior no Google e no YouTube do Google.

Sharyl: Você pode descrever como isso se manifestou, essa mudança de direção que você descreve?

Vorhies: Aconteceu na primeira semana logo depois que Donald Trump ganhou a eleição. O Google tinha uma reunião geral, que costumam fazer todas as semanas, chamada TGIF. A CFO começou a chorar contando como estava se comunicando com o escritório de Nova York sobre como eles perderiam a eleição. O fundador Sergey Brin disse que ficou pessoalmente ofendido com a eleição de Donald Trump. E Sundar Pichai, o CEO, disse que uma das coisas mais bem-sucedidas que eles fizeram na eleição foi aplicar o aprendizado de máquina para esconder notícias falsas.

A candidatura de Donald Trump não apenas desencadeou uma nova tendência de manipulação pesada e censura no Google. Dez dias depois de Trump ser eleito, Mark Zuckerberg, do Facebook, anunciou esforços nunca antes vistos. O Facebook começaria a julgar e classificar as organizações de notícias em termos de confiabilidade e anexando rótulos de advertência ao conteúdo. Também mudou a forma como os “tópicos de tendência” funcionam, não refletindo mais o número de pessoas discutindo algo.

O grupo de propaganda liberal Media Matters, fundado pelo apoiador de Hillary Clinton, David Brock, recebeu o crédito por convencer o Facebook a dar novos passos drásticos. Poucos dias após a posee de Trump em janeiro de 2017, toda a estratégia foi delineada em um memorando confidencial aos doadores pela Media Matters e algumas de suas afiliadas, American Bridge, CREW, Citizens for Responsibility and Ethics in Washington e ShareBlue.

O memorando afirmava que a Media Matters era uma “parceira” do Facebook e outros jogadores da Big Tech para reprimir informações online que a Media Matters não gostava“O Facebook precisava de nossa ajuda para compreender totalmente o problema e identificar soluções concretas. Temos nos envolvido com a liderança do Facebook nos bastidores para compartilhar nossa experiência” com o objetivo de fazer o Facebook “ajustar seu modelo” Media Matters também disse que pressionou o Google a “cortar o acesso à receita” de “40 dos piores sites de notícias falsas ”- conforme identificado pela Media Matters, é claro.

Existe vídeo interno que vazou mostrando a CEO do YouTube do Google, Susan Wojcicki, discutindo sua nova abordagem.

Susan Wokcicki (vídeo de 2017): Estamos eliminando as notícias falsas e rebaixando-as, aumentando e promovendo as “notícias confiáveis”. O conteúdo que não é que não pensamos ser uma notícia oficial, mas apenas encorajar as pessoas a olharem, não é verdade.  Trabalhamos com o Google News para definir o que são fontes confiáveis.

Sharyl: E quando você diz ‘Eles se gabaram de efetivamente reprimir as “notícias falsas”, isso parece uma coisa boa?

Vorhies: Sim, você pensaria. Mas quando olhei os documentos de design, comecei a notar algo muito interessante, que eram muitas das notícias falsas que eles estavam usando como exemplos de coisas que deveriam censurar eram coisas que envolviam Hillary Clinton. E eu fui meio apolítico, mas comecei a pensar comigo mesmo, essas notícias são realmente falsas? Por que o Google está definindo isso como uma notícia falsa para justificar a censura? Então, quando percebi que havia um regime de notícias falsas que eles estavam usando e parecia que era político, comecei a procurar o que poderia ser essa execução de censura. E eu encontrei e o projeto se chamava Machine Learning Fairness.

Sharyl: O que o Machine Learning Fairness descreve?

Vorhies: o aprendizado de máquina é um tipo de IA. Você já tem IA que joga xadrez e damas.

Sharyl: Inteligência artificial?

Vorhies: Sim.

Vorhies vazou um documento confidencial do Google descrevendo o que ele chama de censura de Inteligência Artificial, projetada para reorganizar toda a Internet ao tornar o “aprendizado de máquina intencionalmente centrado no homem” para “intervir pela justiça”.

Sharyl: Você acha que há evidências de que as instruções que o Google basicamente deu a seu programa ou máquina IA sobre como sinalizar notícias falsas foram distorcidas de forma injusta e em favor dos interesses liberais sobre os interesses conservadores?

Vorhies: Quer dizer, eu nem os chamaria de liberais porque eles são meio autoritários, totalitários agora. E sim, a prova disso é que sempre que você acessa news.google.com ou digita uma pesquisa no Google, está sempre sendo direcionado para um sentimento anti-Trump. E a razão disso é porque eles estão treinando esses classificadores com pessoas altamente tendenciosas.

Ao mesmo tempo, Vorhies diz que o Google estava trabalhando na reconstrução social para corrigir o que chama de “injustiça algorítmica”.

Sharyl: O que é injustiça algorítmica?

Vorhies: Injustiça algorítmica é qualquer tipo de algoritmo que reforce os estereótipos existentes.  Portanto, uma pergunta realmente boa que foi respondida no Google é: poderia a realidade objetiva ser algoritmicamente injusta? E a resposta do Google foi sim. E o exemplo que eles deram foi, digamos que você esteja fazendo uma busca por CEOs. E digamos que o Google retorne um monte de imagens e a maioria dessas imagens são imagens de homens. Agora, mesmo que isso reflita a realidade objetiva, isso ainda pode ser considerado algoritmo injusto e justificar a intervenção do produto a fim de corrigir.

Sharyl: E isso estava acontecendo no Google?

Vorhies: Isso estava acontecendo no Google. E você poderia dizer isso porque você pode entrar na pesquisa do Google e dizer, “os homens podem”, e então deixar o Google completar automaticamente. E o que estava fazendo era dizer “homens podem ter bebês”, “homens podem menstruar”, “homens podem engravidar”. E então você tenta fazer a mesma coisa, mas para as mulheres, e o Google retorna resultados como “as mulheres podem ser convocadas”, “as mulheres podem fazer qualquer coisa”. Portanto, é essa inversão dos estereótipos que eles estavam tentando impor. E não era só eles serem iguais. Na verdade, eles estavam tentando inverter os papéis de gênero. E isso é o que eles pensam ser um mecanismo algoritmicamente justo.

Enquanto isso, Vorhies diz que as pessoas do Google começaram a organizar ativismo anti-Trump por meio de uma lista de e-mail: “Resista no Google ponto com”. e sugestões de cantos como: “O que queremos? JUSTIÇA! Quando nós queremos isso? AGORA!”

Em junho de 2019, a próxima campanha presidencial estava se preparando. Depois de mais de oito anos no Google, Vorhies disse que decidiu renunciar e denunciar.

Vorhies: Percebi que não podia mais ficar calado e que tinha que ir buscar e divulgar isso ao público porque parecia que o Google estava tentando um golpe contra o presidente.

Sharyl (na câmera): Após uma pausa, nossa investigação continua sobre como a formação de informações da Big Tech acelerou e impactou as eleições de 2020.


Veja também a entrevista de 6 de agosto de Spiro no Activist Post com Zach Vorhies:

O Activist Post relata regularmente sobre tecnologia não segura. Para mais informações visite nossos arquivos .

Aqui está onde encontrar Post ativista: The Big Tech Exodus Has Begun – Junte-se a nós! (Atualizada)


Censura da Big Tech: Parte 2

Não é por acaso que tanta checagem de fatos e rótulos da Big Tech surgiram antes das eleições de 2020. Milhões investiram nos esforços nos bastidores. Continuamos nosso relatório sobre a censura da Big Tech, agora seguindo o dinheiro.

O denunciante Zach Vorhies diz que os seus chefes no Google ficaram arrasados ​​com a vitória inesperada do presidente Trump em 2016. O então CEO da empresa-mãe [Alphabet] do Google, Eric Schmidt, foi um grande doador e voluntário da democrata Hillary Clinton.

Além do ativismo político, a Big Tech também aumentou o controle sobre as informações públicas.  Quando o coronavírus atingiu o auge do pânico, o Google direcionou as pesquisas para a OMS – Organização Mundial de Saúde, o próprio grupo criticado por “deixar a China assumir o controle” e elogiar a nação comunista onde a pandemia supostamente começou. Então veio o desastre das máscaras [focinheiras]. Seguindo dicas de orientações de saúde pública em março passado, muitas máscaras usadas são declaradas que “NÃO são eficazes” no combate ao vírus. E o Facebook proibiu anúncios de “venda de máscaras faciais”.

Mas se os especialistas em saúde pública agora estão corretos em sua reviravolta nas máscaras, foi o Facebook e as verificações de fatos que espalharam a desinformação e custaram vidas.  Cindy Cohn, a entrevistada a seguir, dirige a Electronic Frontier Foundation, que apoia a liberdade de expressão e o acesso aberto à informação.

Sharyl: Você se preocupa com o fato de que as informações disponíveis ao público que antes eram praticamente irrestritas online estão se tornando cada vez mais controladas ou mesmo manipuladas por aqueles que podem, sejam as empresas de tecnologia ou terceiros?

Cindy Cohn: Acho que estamos fazendo, agora apenas estamos vendo visivelmente o que costumava acontecer de forma invisível antes. Quero dizer, a maioria das pessoas sabia que, quando você pegou o jornal local, o que ele viu foi o que o dono do jornal local queria que você visse. Agora temos esses algoritmos sofisticados que decidem o que as pessoas veem, bem como as próprias plataformas. E acho que isso está deixando algumas pessoas inquietas.

Por uma contagem, os grupos de checagem de fatos mais do que quadruplicaram em número em cinco anos, de 44 para 195. É uma indústria de vários bilhões de dólares que beneficia certos interesses dependendo de como as checagens de fatos são afetadas.

Hoje, o Facebook e o Google são os principais financiadores de organizações de notícias e esforços de checagem de fatos que gastam centenas de milhões de dólares. O republicano Lindsey Graham questionou Mark Zuckerberg do Facebook [em audiência no senado] sobre quem determina exatamente o que é a verdade.

Sen. Graham: (novembro de 2020): Quando se trata de verificação de fatos, você nos daria uma lista de pessoas que você usa para verificar os fatos?

Mark Zuckerberg: (novembro de 2020): Sim, trabalhamos com várias organizações independentes que são credenciadas pelo Poynter Institute, incluindo a Reuters, a Associated Press, a agencia France Presse Estados Unidos, USA Today, Factcheck.org, Science Feedback, PolitiFact, Check Your Fact, Leadstories e o Dispatch in the United States.

Mas não importa o quão bem intencionado seja, os críticos dizem que a lista de fontes confiáveis ​​do Facebook está repleta de conflitos de interesse. Por exemplo, o PolitiFact do Poynter Institute recebeu milhões de dólares de grupos que apoiam a “reinvenção do capitalismo”, contando os imigrantes ilegais no censo dos EUA e mudando as eleições presidenciais do sistema de votação eleitoral para o voto popular.

Um grupo, o Fundo para a Democracia, deu ao PolitiFact US$ 900.000 e também é um grande financiador de esforços políticos anti-Trump. US$ 1,3 milhão para a International Fact-Checking Network da Poynter veio do oligarca da esquerda George Soros via “Open Society Foundations” e da Omidyar Network. Como outros grupos, Poynter insiste que sua checagem de fatos é independente e os doadores não têm influência no seu desempenho.

Outra “fonte confiável” do Facebook, o Science Feedback, foi usada para desacreditar um documentário que examinava supostos links de coronavírus para um laboratório em Wuhan, na China. Acontece que o Science Feedback dependia de um cientista americano que trabalhava no laboratório de Wuhan. A Science Feedback também se posiciona ao lado dos defensores das mudanças climáticas e da indústria [Big Pharma] de vacinas.

E QUEM SÃO as organizações de notícias com as quais o Facebook conta para verificar os fatos?  Coletivamente, eles cometeram muitos erros de relatório. O USA Today informou incorretamente sobre o status de imigração de Melania Trump e citou falsamente Trump, dizendo que a invasão da Síria pela Turquia “não era problema nosso”. A France Press afirmou que 100.000 crianças migrantes estavam detidas sob o comando de Trump. Mas o número era do ano de 2015 no governo Obama. A AP disse que a confiança da mídia caiu sob Trump, citando erroneamente uma velha pesquisa feita na verdade sob o governo Obama. Conservadores incorretamente informados financiaram o dossiê anti-Trump, foi na campanha dos democratas de Hillary Clinton. E relatou erroneamente que a escolha de Trump para a Diretora da CIA, Gina Haspel, tinha afogado e zombado de um terrorista dezenas de vezes. Mas ela nem estava lá.

Vorhies diz que seu ponto crítico aconteceu quando o CEO do Google, Sundar Pichai, disse em audiência ao Congresso que a empresa não coloca sites na lista negra.

Sundar Pichai (dezembro de 2018): não intervimos manualmente em nenhum resultado de pesquisa específico.

Zachary Vorhies: E foi quando eu vi que Sundar Pichai estava mentindo para o congresso, dizendo que eles não usam listas negras. E eu estava sentado lá como um funcionário em tempo integral, perguntando: “Eles não usam listas negras?” E eu digitei lista negra e literalmente cheguei a uma lista negra que era chamada de “lista negra”.

Vorhies pediu demissão do Google e denunciou o fato. Na mesma época, outro ex-insider, Mike Wacker, também expôs as listas negras do Google. O que levou a uma atuação de comando do CEO do Google antes da audiência no Congresso.

Rep. Matt Gaetz (julho de 2020): Ajude-nos a entender a inconsistência. Existe um componente manual ou não existe um componente manual. Qual é?

Pichai (julho de 2020): Para criar essas listas, esse processo pode envolver um componente manual.

Rep. Gaetz (julho de 2020): OK, ótimo. Bem, esse é o tipo de preocupação que tenho. Você disse que uma das razões pelas quais você mantém esta ferramenta manual é para impedir a interferência nas eleições. Acredito que seja, de fato, sua empresa que está se envolvendo na interferência eleitoral.

Pichai (julho de 2020): Deputado, com todo respeito, discordo veementemente dessa caracterização. Não abordamos este trabalho com nenhum ponto de vista político.

Vorhies: E eles estão dizendo ao Congresso agora que “Não, não usamos preconceito político ou não filtramos ideologia política”. E isso não é verdade.

Se as gigantes Big Tech do Vale do Silício desenvolveu uma mão pesada antes, durante e após a eleição de Trump, isso tornou-se uma marreta nas semanas finais da campanha de 2020. O Twitter rotulou e censurou muitos dos tweets do presidente Trump. Censurou uma exposição do New York Post sobre o escândalo de corrupção do filho de Joe Biden. E após as eleições, o YouTube proibiu vídeos contestando a vitória de Biden. Zuckerberg do Facebook, Pichai do Google e Jack Dorsey do Twitter recusaram os nossos pedidos de entrevista.

Em depoimento em audiência no Congresso, eles defenderam vigorosamente suas práticas, dizendo que responderam a chamadas para impedir a desinformação perigosa e notícias falsas.

Jack Dorsey (novembro de 2020): Mais de um ano atrás, “o público nos pediu” para oferecer um contexto adicional para ajudar a tornar mais aparentes as informações potencialmente enganosas. Fizemos exatamente isso. Aplicação de rótulos em mais de 300.000 tweets de 27 de outubro a 11 de novembro.

Mark Zuckerberg (novembro de 2020): Estaremos sempre trabalhando duro para minimizar os danos. Da mesma forma que uma cidade não vai minimizar todos os crimes. Você tenta reduzi-lo e fazer com que seja o mínimo possível.

Sharyl: O que há de errado em uma empresa tentar, como eles podem dizer, ser responsável e garantir que informações irresponsáveis ​​ou infundadas e conspirações não cheguem a um lugar onde o público possa vê-las facilmente?

Vorhies: O problema é que eles são um monopólio. E a questão é que, se eles decidirem que vão colocar o dedo na narrativa pública, isso vai interferir na eleição. O Congresso está ameaçando punir a Big Tech, privando-as da proteção legal que têm sob uma disposição de uma lei chamada Seção 230.

Sharyl: Mas então o governo intervém e diz: “Talvez possamos ajudar”. Isso não acrescenta, porém, outra camada de complicação potencial?

Cindy Cohn: Com certeza. Eu acho que um dos, só porque você tem um problema, não significa que toda solução é a certa. E acho que poderíamos realmente pular de uma lareira para o fogo se decidirmos que vamos deixar quem já esteve no comando do governo decidir o que veremos.

Sharyl (na tela): Ambas as partes [republicanos e democratas] dizem que querem fazer algo sobre [o monopolio] a Big Tech – mas não concordam quanto ao problema. Alguns querem menos censura; outros estão pressionando a Big Tech a ser mais agressiva no controle do que consideram informações prejudiciais e manipulação dos fatos.

Insider do Twitter grava secretamente seu chefe, o CEO Jack Dorsey, detalhando a agenda para censura política adicional especificando ataque a Trump – [Projeto Veritas]


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


Sua contribuição é fundamental para manter o site funcionando e independente. Somos censurados pelas gigantes de TI [Big Techs] em relação ao material por nós publicado, com consequente impacto e completa suspensão dos anúncios. Considere fazer uma pequena contribuição mensal (valores entre $ 10 e $ 50 reais, ou qualquer outra moeda e valor) se utilizando do mecanismo  PayPal disponibilizado pelo site. Para pgto único, entre em contato pelo e-mail Thoth3126@protonmail.ch e solicite os dados de nossa conta bancária. Sem a ajuda imediata de nossos assíduos leitores não conseguiremos arcar com todos os custos inerentes à manutenção do Blog e iremos encerrar o nosso trabalho em março.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

One Response to Engenheiro de software expõe estratégias de censura da ‘Big Tech’ que incluem o uso de IA e ‘Listas Negras’

  1. Silvio J B Maia

    A conscientização sensata deve honrar seu próprio trabalho, de conseguir configurar-se assim, conduzindo-se pé ante pé em todos os focos de opiniões para, então, com extremo cuidado, receber uma investigação como verdade ou evidência a constatar ou não.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.