browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Enorme tempestade (classe ‘G1’) solar está para atingir a Terra

Posted by on 15/03/2018

Uma enorme tempestade solar está para atingir a Terra, e é provável que atinja nosso planeta hoje ou amanhã. A tempestade poderia saturar satélites, interromper fornecimento de fontes de energia elétrica e provocar exibições deslumbrantes das luzes do norte, as auroras boreais.

A Nasa detectou um potente Flare solar que liberou uma ejeção de massa coronal no início desta semana, se dirigindo para atingir à Terra.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Uma tempestade solar maciça que poderia atingir a Terra com possibilidade de desligar fontes de energia, danificar satélites e desencadear auroras boreais deslumbrantes no polo norte

  • Nasa detectou um potente Flare solar que liberou uma ejeção de massa coronal no início desta semana
  • A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) emitiu um aviso de tempestade solar classe ‘G1’
  • Isso coincide com a formação de “rachaduras de equinócios” no sol, que se formam em torno do dia dos equinócios em 20 de março e 23 de setembro e enfraquecem o campo magnético

A emissão de energia do sol foi criada na semana passada por uma enorme explosão na atmosfera do sol conhecida como um alargamento solar, e as partículas carregadas desse flare agora estão a caminho do nosso planeta. A chegada da tempestade solar coincide com a formação de “rachaduras de equinócios” no campo magnético da Terra, que alguns cientistas acreditam acontecer em torno dos equinócios em 20 de março e 23 de setembro de cada ano. 

Essas rachaduras enfraquecem a proteção natural do nosso planeta contra as partículas solares carregadas de energia e podem deixar os vôos comerciais e os sistemas GPS expostos à tempestade recebida. As fissuras também significam que os stargazers são mais propensos a vislumbrar as luzes do norte (Aurora Boreal) nesta semana.

Isso pode incluir latitudes mais baixas em partes da Escócia e do norte da Inglaterra, bem como o “nível norte” dos EUA, incluindo partes de Michigan e Maine. Deslocar para baixo para o vídeo

Uma enorme tempestade solar está chegando para a Terra, e é provável que a atinja amanhã(15). Pode desencadear as luzes do norte em partes da Escócia e do norte da Inglaterra. Esta animação mostra a previsão da aurora para quarta-feira 14 e quinta-feira 15 de março (o horário GMT é mostrado em cima para a direita)

As partículas magnéticas carregadas da tempestade solar podem interferir com as máquinas dos satélites na órbita terrestre, bem como na superfície do planeta, como sistemas GPS e sinais de rádio. Eles também podem ameaçar as companhias aéreas, ao perturbar o campo magnético da Terra.

Flares muito grandes podem até criar correntes dentro das redes elétricas e eliminar o fornecimento de energia elétrica de modo generalizado.

“Um aviso de tempestade geomagnética menor está vigente nos dias 14 e 15 de março de 2018. A Aurora Boreal pode ser visível em altas latitudes”, descreveu a US National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) em um comunicado.

As partículas carregadas de energia, que vieram do sol após as chamas solares terem lugar nos dias 6 e 7 de março, podem causar “flutuações da rede de energia elétrica” e um “menor impacto nas operações de satélites”, de acordo com a NOAA.

A Nasa disse que a primeira das duas chamas – classificadas na potente classe X e virada diretamente na Terra – foi a maior desse ano. Foi um dos maiores deste ciclo conhecido como o mínimo solar, que começou no início de 2007. As tempestades geomagnéticas são classificadas em uma escala de severidade, com G na parte inferior, R no meio e S na parte superior.

As partículas carregadas, que vieram do sol após as chamas solares terem lugar em 6 de março (foto) e 7, poderiam saturar satélites, interromper fontes de energia e provocar exibições deslumbrantes das Luzes do Norte

As partículas carregadas, que vieram do sol após as chamas solares terem lugar em 6 de março (foto) e 7, poderiam saturar satélites, interromper fontes de energia e provocar exibições deslumbrantes das Luzes do Norte

QUAIS SÃO AS TEMPESTADES SOLARES E SEUS PERIGOS?

As tempestades solares ou a atividade solar podem ser divididas em quatro componentes principais que podem ter impactos diretos em nossa vida na Terra:  

  • Flares solares: uma grande explosão na atmosfera do sol. Essas fendas são feitas de fótons que viajam diretamente do local do flare. As chamas solares afetam a Terra apenas quando ocorrem no lado do sol que esta direcionado para a Terra.
  • Ejeção de massa coronal (CME’s): grandes nuvens de plasma carregadas de energia e campo magnético que irrompe do sol. Essas nuvens podem entrar em erupção em qualquer direção, e depois continuam naquela direção,  através do vento solar. Essas nuvens só causam impactos na Terra quando elas são direcionadas diretamente para a Terra.
  • Fluxos de vento solar de alta velocidade: estes vêm de buracos da coroa no sol, que se formam em qualquer lugar de nossa estrela e, geralmente, apenas quando estão mais próximos do equador solar, os ventos impactam a Terra.
  • Partículas energéticas solares: partículas carregadas de alta energia, que se pensa serem liberadas principalmente por choques formados na frente de Ejeção de massa coronal e emissão de Flares solares. Quando uma nuvem de CME emitida através do vento solar, partículas solares de energia podem ser produzidas e porque são carregadas, seguem as linhas de campo magnético entre o Sol e a Terra. Somente partículas carregadas que seguem linhas de campo magnético que cruzam a Terra terão um impacto em nosso planeta.

Embora estes possam parecer eventos perigosos, os astronautas não estão em perigo imediato desses fenômenos devido à órbita relativamente baixa de missões tripuladas. No entanto, eles devem se preocupar com a exposição cumulativa durante as caminhadas espaciais.

Esta foto mostra os orifícios corais do sol em uma imagem de raio-x. A atmosfera solar externa, a corona, é estruturada por campos magnéticos fortes, que quando fechados podem fazer com que a atmosfera libere de forma repentina e violenta bolhas de gás e campos magnéticos chamados de ejeções de massa coronal

Esta foto mostra os orifícios na Coroa Solar em uma imagem de raio-x. A atmosfera solar externa, a corona, é estruturada por campos magnéticos fortes, que quando fechados podem fazer com que a atmosfera libere de forma repentina e violenta bolhas ou línguas de gás e campos magnéticos chamados de ejeções de massa coronal

6 Responses to Enorme tempestade (classe ‘G1’) solar está para atingir a Terra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.