browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Enorme Tempestade (“Evento Solar”) Geomagnética prestes a ocorrer depois de 159 anos?

Posted by on 03/09/2018

Pouco antes do meio-dia de 1 de setembro de 1859, os astrônomos ingleses Richard C. Carrington e Richard Hodgson fizeram, de forma independente, as primeiras observações de uma erupção solar  gigantesca. O evento foi associado com uma grande ejeção de massa coronal (EMC), que viajou diretamente para a Terra e completou a viagem de 93 milhões de milhas em apenas 17,6 horas. Entre 1 e 2 de setembro de 1859, uma das maiores tempestades geomagnéticas já registradas ocorreu na Terra. Auroras polares foram vistas em todo o mundo, do hemisfério norte até o Caribe; sobre as Montanhas Rochosas foram tão brilhantes que sua luminosidade acordou garimpeiros, que começaram a preparar o café da manhã, porque achavam que estava amanhecendo.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

HÁ 159 ANOS ATRÁS UMA MEGA-TEMPESTADE GEOMAGNÉTICA ACONTECEU

Fonte: http://spaceweather.com/

Imagine o seguinte cenário: Uma gigantesca ejeção de massa coronal (CME) emitida pelo Sol, de cerca de um bilhão de toneladas bate no campo magnético da Terra. Os campistas nas Montanhas Rochosas acordam no meio da noite, pensando que o brilho que percebem é o nascer do sol. Não, são as luzes do norte, as auroras boreais acontecendo em latitudes mais próximas do Equador. As pessoas em Cuba leram seu jornal matutino pela iluminação avermelhada da aurora boreal. A Terra foi salpicada de partículas tão energéticas que alteraram a química do gelo polar.

Difícil de acreditar? Isso realmente aconteceu – exatamente 159 anos atrás. Este mapa mostra onde as auroras foram avistadas na madrugada de 2 de setembro de 1859:

Fenômeno de auroras boreais (Luzes do Norte) foram percebidas próximas até do Equador.

À medida que o dia se desdobrava, a tempestade de aglomeração eletrificava as linhas telegráficas, chocando os técnicos e ateando fogo aos papéis do telégrafo. A “Internet vitoriana” foi desativada. Magnetômetros em todo o mundo registraram fortes distúrbios no campo magnético planetário por mais de uma semana.

A causa de tudo isso foi uma extraordinária explosão solar testemunhada no dia anterior pelo astrônomo britânico Richard Carrington. Seu avistamento em 1 de setembro de 1859 marcou a descoberta de erupções solares e prenunciou um novo campo de estudo: o clima espacial. De acordo com um estudo financiado pela NASA pela Academia Nacional de Ciências, se um “Evento de Carrington” semelhante ocorresse hoje, poderia causar danos substanciais à infra-estrutura de alta tecnologia da sociedade e exigir anos para uma recuperação completa.

Auroras polares, como as da imagem, puderam ser vistas até mesmo em Cuba e no Havaí durante o Evento Carrington de setembro de 1859.

Isso poderia acontecer de novo? Quase certamente. Em um artigo publicado há poucos meses, pesquisadores da Universidade de Birmingham usaram a Teoria do Valor Extremo para estimar o tempo médio entre “explosões semelhantes a Carrington”. Sua melhor resposta: ~ 100 anos. Em outras palavras, podemos estar atrasados ​​para uma tempestade realmente grande. Leia sua pesquisa original aqui.

tempestade solar de 1859, também conhecida como Evento Carrington, foi uma poderosa tempestade solar geomagnética ocorrida em 1859 durante o auge do ciclo solar. A ejeção de massa coronal solar (CME-Coronal Mass Ejection), atingiu a  magnetosfera da Terra e induziu uma das maiores tempestades geomagnéticas já registradas.

Um “feixe de luz branca na fotosfera solar foi observado e registrado pelos astrônomos ingleses Richard C. Carrington e Richard Hodgson. Acredita-se que a velocidade relativamente alta desta EMC (EMCs típicas levam vários dias para chegar à Terra) foi possível graças a uma EMC anterior, talvez a causa das grandes auroras relatadas em 29 de agosto, que “abriu o caminho” do ambiente de vento solar e plasma para o evento Carrington.

Em 31 de agosto de 2012 material que estava pairando na coroa solar entra em erupção como uma gigantesca CME-Ejeção de Massa Coronal, em direção ao espaço e forma uma longa proeminência solar, sem ser direcionada à Terra.

Estudos têm demonstrado que se uma tempestade solar desta magnitude acontecesse hoje provavelmente causaria grandes e generalizados problemas para a civilização humana moderna, que é muito dependente de energia elétrica e de sistemas de comunicações e transmissão de dados. Estima-se que existe uma probabilidade de 12% de um evento semelhante ao de 1859 ocorrer entre os anos de 2012 e 2022. A tempestade solar de 2012 teve uma magnitude similar, mas passou pela órbita da Terra sem acertar o planeta.


 “Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o TEMPO DA GRANDE COLHEITA se aproxima RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes.

Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. Saiba mais AQUI 


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL sobre atividade solar, saiba mais:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

3 Responses to Enorme Tempestade (“Evento Solar”) Geomagnética prestes a ocorrer depois de 159 anos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.