browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Entrevista com Epidemiologista da estratégia anti-bloqueio COVID-19 bem sucedida da Suécia

Posted by on 12/09/2020

Bloqueios rígidos pela pandemia “É como usar um martelo para matar uma mosca” declara epidemiologista chefe da estratégia anti-bloqueio COVID-19 da bem sucedida Suécia:  Quando os livros de história forem escritos por volta de 2020 sobre a “grande pandemia”, Anders Tegnell, o humilde epidemiologista sueco e arquiteto da ‘estratégia da Suécia’ que desafia o consenso [estupidez] global, inevitavelmente aparecerá em todo o texto. Mas se ele será retratado como um herói ou vilão pode – como tantas coisas nesta era altamente polarizada – em última instância depender de quem está escrevendo o texto.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Bloqueios rígidos pela pandemia “É como usar um martelo para matar uma mosca” declara epidemiologista da estratégia anti-bloqueio COVID-19 da bem sucedida Suécia

Fonte:  Financial Times, por  em Estocolmo 

No início deste ano, Anders Tegnell era apenas um burocrata discreto em um país de 10 milhões de habitantes, chefiando um departamento que coleta e analisa dados sobre saúde pública do pais nórdico. Hoje, ele se tornou uma das figuras mais conhecidas – e mais controversas – de como se combater a crise global do coronavírus. Para muitos suecos, o epidemiologista do estado incorporou uma abordagem racional, já que outros países parecem sacrificar a ciência às suas emoções [manipulações do sistema de controle].

O médico epidemiologista sueco de 64 anos deveria passar 2020 ajudando a Somália a estabelecer uma agência de saúde pública, bem como enviar questionários aos suecos para avaliar diferentes aspectos de seu bem-estar. Em vez disso, sua abordagem no combate à Covid-19 – para manter as escolas, restaurantes, academias de ginástica e as fronteiras do pais abertas enquanto se recusava a seguir a China na imposição de um bloqueio formal e total – o tornou uma figura polarizadora improvável para uma era polarizada.

Epidemiologista sueco Anders Tegnell

Para muitos suecos, o epidemiologista do estado incorporou uma abordagem racional, já que outros países parecem sacrificar a ciência às suas emoções [manipulações do sistema de controle]. “Gostaria de ir com você para conhecê-lo”, confidenciou-me um dos principais executivos-chefes da Suécia pouco antes de eu ir ver Tegnell. “É admirável a forma como ele defende aquilo em que acredita, enquanto o resto do mundo faz outra coisa”.

O apoio público dos suecos a Tegnell permaneceu alto durante um período em que a vida, embora muito diferente de antes, tem sido mais normal do que em muitos outros países. Tal é o seu conceito na Suécia que há histórias de pessoas que têm a sua face [de Tegnell] tatuada em seus corpos, enquanto alguns na direita americana e britânica se apoderaram de Tegnell como um campeão das liberdades que sentem que perderam durante o confinamento em seus países.

Mas para uma minoria doméstica, e muitos internacionalmente, ele é uma figura muito mais “problemática” [especial e fundamentalmente porque agiu com independência em relação ao establihsment] . Os populistas democratas suecos pediram que ele renunciasse depois que milhares de idosos em asilos morreram. Isso deu à Suécia a quinta maior taxa de mortalidade per capita da Europa, cinco vezes maior do que a vizinha Dinamarca e cerca de 10 vezes mais do que a Noruega e a Finlândia.

Para alguns especialistas locais, o fato de Tegnell [e a Suécia] estar sozinho enquanto o mundo trancado não inspira nenhuma veneração ao médico sueco. “Tegnell é conhecido por sua teimosia. Você se pergunta como seria uma pessoa diferente no comando”, diz um epidemiologista sueco que já foi crítico de Tegnell. A mídia internacional foi ainda mais dura: o New York Times [PRE$$TITUTE] chamou a Suécia de “estado pária” e “uma história de advertência do mundo”.

O homem tão venerado mas também tão condenado trabalha em um prédio sem graça em um subúrbio ao norte de Estocolmo, perto do maior hospital da capital. Tegnell emerge da cantina da agência de saúde pública sorrindo sem máscara e parecendo descansado e bronzeado em uma camisa pólo azul de manga curta. É um dia quente de final de agosto e nós nos sentamos ao sol do meio-dia em uma mesa de piquenique instável, ele segurando uma caneca de café preto, eu uma tigela de cervo e ensopado de cogumelos selvagens. Eu começo pedindo a ele que dê a si mesmo um boletim escolar – e sua resposta é o clássico Tegnell, defendendo a abordagem da Suécia com determinação e lançando gentis calúnias sobre os outros.

“No início, falamos muito sobre sustentabilidade e acho que isso é algo que conseguimos manter. E também ser um pouco resistente a consertos rápidos, de perceber que isso não vai ser fácil, não vai ser uma coisa de curto prazo, não vai ser consertado por um tipo de medida [mágica]. Vemos uma doença com a qual teremos que lidar por muito tempo no futuro e precisamos construir sistemas para fazer isso”, diz ele, com os braços cruzados firmemente sobre o peito como ficam por quase todo o entrevista de uma hora.

Nosso encontro acontece quando as coisas parecem estar indo do jeito dele. À medida que os casos de coronavírus aumentam em praticamente todos os outros países europeus, levando ao temor de uma segunda onda, inclusive no Reino Unido, eles vêm diminuindo durante todo o verão na Suécia. Em uma base per capita, eles estão agora 90 por cento abaixo de seu pico no final de junho e abaixo dos números da Noruega e da Dinamarca pela primeira vez em cinco meses. Tegnell me disse na primeira vez que conversamos na primavera que seria no outono quando se tornasse mais evidente que seria visto o sucesso de cada país.

Hoje, o arquiteto da abordagem mais leve da Suécia diz que o país terá “um baixo nível de propagação” com surtos locais ocasionais. “O que será em outros países, eu acho que vai ser mais crítico. Eles provavelmente são mais vulneráveis ​​a esses tipos de picos. Esse tipo de coisa provavelmente será maior quando você não tiver um nível de imunidade que pode travar a situação”, acrescenta.

A imunidade do rebanho é um dos conceitos mais controversos da crise da Covid-19. Tegnell está inflexível quanto ao fato de que não era objetivo da Suécia permitir que o vírus continuasse seu curso até que uma quantidade suficiente da população fosse exposta e a taxa de infecção diminuísse. Mas ele argumenta que a imunidade é, pelo menos em parte, responsável pela queda recente nos casos suecos e questiona como seus vizinhos se sairão sem ela. “O que está protegendo Copenhague hoje? Veremos”, acrescenta.

A abordagem da Suécia à pandemia foi incomum em grande parte porque sua governança é incomum. Ao contrário de quase todos os outros países, não são os políticos que tomam as grandes decisões na área de saúde, mas a agência de saúde pública da Suécia, devido à sua constituição que confere grandes poderes a autoridades independentes. Na prática, isso significa Tegnell. “Toda essa abordagem é de Tegnell. O governo aceitou sem questionar”, diz o crítico epidemiologista.

Isso faz com que sua capacidade de permanecer sozinho enquanto o resto do mundo trancado pelos bloqueios impostos pareça ainda mais notável. Eu pergunto a ele sobre isso, sugerindo que deve ser mais fácil apenas seguir o fluxo. “Sim, claro que é. Mas eu não estou sozinho”, diz ele, listando obedientemente o apoio dos 500 funcionários da agência de saúde pública, bem como do governo e da população da Suécia.

O único outro país que não bloqueou totalmente na Europa foi a autoritária Bielorrússia, digo eu. Ele irrompe em uma gargalhada nervosa: “Isso não é comparação.” Ele parece estranho quando menciono um forte apoio à estratégia da Suécia de alguns libertários dos EUA e defensores do Reino Unido de um Brexit rígido. “Companheiros estranhos”, é seu único comentário.

Assim estava o bairro de Sodermalm em Estocolmo em 20 de agosto. Parece que os descendentes dos Vikings são menos medrosos e ignorantes em relação ao ocidente (Fredrick Sandberg / EPA)

Sua antipatia por rígidos bloqueios nacionais é óbvia. “É realmente usar um martelo para matar uma mosca”, ele insiste. Em vez disso, sua abordagem tem sido sobre ter uma estratégia que pode funcionar por anos, se necessário, em vez do errático cortar e mudar constantemente visto no resto da Europa. “Não vemos como viável esse tipo de fechamento, abertura e fechamento drásticos. Você não pode abrir e fechar escolas. Isso vai ser um desastre. E provavelmente você também não pode abrir e fechar restaurantes e coisas do tipo muitas vezes. Uma ou duas vezes, sim, mas então as pessoas ficarão muito cansadas e os negócios provavelmente sofrerão mais do que se você fechá-los completamente”, diz ele.

A abordagem da Suécia foi baseada na tentativa de manter seu sistema de saúde funcionando, mas também olhando para a saúde pública no sentido mais amplo, ao invés de tentar minimizar as mortes por Covid-19. Assim, os esportes infantis continuaram, assim como as aulas da escola primária, as sessões de ioga, beber e comer fora em bares e restaurantes com os amigos e fazer compras.

Esta viagem é a minha primeira vez em Estocolmo em seis meses – estou baseado em Oslo e estive na Suécia uma vez durante a pandemia, em Gotemburgo em junho – e logo me sinto no meu ritmo habitual. Vou às compras de discos em vários dos meus lugares favoritos, faço várias pechinchas, tomo um café com um contato próximo e pego o metrô para ir às reuniões e ao meu hotel. Durante todo o processo, quase não vejo uma única pessoa com uma máscara por onde passo.

Sugiro a Tegnell que um estrangeiro pousando na Suécia teria dificuldade em saber que há uma pandemia em curso, enquanto na Inglaterra, Espanha ou na França, com o uso de máscaras predominantes, eles perceberiam imediatamente. Ele argumenta que embora isso possa ser verdade na superfície, especialmente com máscaras – que a Suécia é um dos poucos países que não recomenda o uso das máscaras em público – as diferenças em outros lugares são exageradas. Os suecos pararam de viajar tanto quanto os vizinhos; hotéis e restaurantes podem não ter fechado, mas foram severamente afetados.

Ele aponta para as marcações nos supermercados que mostram as pessoas onde ficar e as restrições detalhadas sobre os restaurantes em termos de quantas pessoas elas podem ter e como elas servem.

Banhistas suecos aproveitam uma praia de Estocolmo em junho © Andres Kudacki

“Essas restrições desta forma [mais branda e sem imposição] não existem quase em nenhum outro lugar, exceto na Suécia. Nós realmente tentamos nos concentrar em lugares que sabíamos que seriam realmente perigosos, ao passo que entrar em uma loja de discos e comprar um disco não fará com que centenas de pessoas sejam infectadas”, diz ele, acrescentando: [O vírus] “Está lá, mas acho que, como um alienígena, você precisa ficar aqui um pouco mais para ver”.

De repente, uma jovem loira corre atrás dele, dá um grande beijo em sua bochecha e diz em sueco: “Eu sabia que te encontraria aqui”. Devo parecer um pouco perplexo quando Tegnell a apresenta como sua filha, Emily. “Eu sou outra fã, atacando ele. Devo ligar para alguém? ” ela diz jocosamente. A estratégia sueca do coronavírus falhou?

Emily também é uma médica, de cuidados intensivos que normalmente mora em Gotemburgo, mas está atualmente em Estocolmo para um curso. Um amigo de cabelos escuros que a acompanha se aproxima de Tegnell e simplesmente diz: “Bom trabalho.” Sugiro que Emily deve estar mais relaxada do que nos meses anteriores, quando o coronavírus afetou a saúde sueca.

“Ela trabalhava para MSF [Médicos Sem Fronteiras] no Congo com Ebola, então acho que ela não está tão chateada com isso”, diz ele, com naturalidade. O fato de Emily e Annemiek, outra de suas filhas, que é enfermeira, trabalharem na área da saúde o ajudou a avaliar melhor as pressões no sistema? “É bom conversar com elas porque podem me dar uma visão diferente”, diz ele. Ele ri que dizem que ele não é mais “um verdadeiro médico”, mas apenas um burocrata.

Elas também o provocam sobre artigos que têm, por exemplo, Tegnell, em poucos meses, tornando-se o sueco mais famoso, tanto em casa quanto no exterior. “É um exagero”, diz ele. “E é completamente surreal.” Ele conta a história de uma mulher e seu filho aparecendo em sua casa com um retrato dele feito de contas de plástico. Ele tenta argumentar que epidemiologistas em outros lugares tornaram-se conhecidos, antes de admitir que “as pessoas não tatuariam o rosto nos braços”.

Ele diz que sua fama é um “problema” e nunca foi sua ambição. Ele defende a liberdade de expressão, mas comentários comparando-o a Hitler ou Stalin “não são bons”, e ele falou com a polícia sobre ameaças de morte. A combinação de sua fama repentina e ele parecer estar sozinho o faz defender suas posições ainda mais teimosamente? “Não, realmente não. Mas, é claro, isso significa que tenho que ser muito cauteloso com o que estou dizendo”, diz ele. Existe o perigo de que ele se torne muito distanciado, demais no nível  de aumento das estatísticas gerais, ao invés da tragédia de 5.800 mortes? “Isso, claro, é um perigo, mas eu acho, então, que é bom ter o tipo de experiência que eu tenho. Eu trabalhei em hospitais. Já vi epidemias de gripe e pessoas chegando e inundando os hospitais. Eu trabalhei com o Ebola na África”.

Tegnell teve uma infância sueca normal até os 12 anos e sua família mudou-se para a Etiópia. Ele diz que a mudança de cenário o afetou profundamente. Ele conheceu sua esposa holandesa na universidade nos Estados Unidos antes de viajar bastante. Em vez de sua luta contra o Ebola no que era então o Zaire em 1995, ele diz que seu tempo antes de trabalhar em programas de vacinação no Laos para a Organização Mundial de Saúde foi o mais formativo.

“Aprendi muito sobre a importância do pensamento amplo em saúde pública. Acho que isso também está em parte por trás de nossa estratégia e também do que a agência está fazendo. Não estamos trabalhando apenas com doenças transmissíveis, estamos trabalhando com a saúde pública como um todo”, afirma.

Portanto, ele vê as escolas para crianças não apenas como um local onde o vírus pode se espalhar, mas também como a parte mais importante da saúde de um jovem. “Se você tiver sucesso lá, sua vida será boa. Se você falhar, sua vida será muito pior. Você vai viver muito menos. Você vai ficar mais pobre. Isso, claro, fica na sua cabeça quando você começa a falar sobre o fechamento de escolas”, acrescenta.

Em junho, Tegnell descreveu a corrida para bloquear o resto da Europa e os EUA como “foi como se o mundo tivesse enlouquecido”. Ele parece mais emoliente hoje, mas ainda mostra sinais de descrença nas abordagens dos outros. A adoção de máscaras faciais é “mais uma afirmação do que realmente uma medida científica”. Ele acrescenta: “As máscaras são uma solução fácil e não confio em soluções fáceis para problemas complexos”. Eu pergunto a ele sobre outro comentário anterior: ele não disse que a Suécia, no vernáculo local, tinha “gelo nas veias” enquanto outras nações agiam emocionalmente?

“Isso volta à sustentabilidade. Sustentabilidade, até certo ponto, é ter gelo nas veias porque é preciso acreditar nos efeitos de longo prazo do que se está fazendo e não começar a duvidar muito cedo da eficácia”, afirma. Tegnell parece ter poucas dúvidas. Ele causou agitação em junho ao sugerir que a Suécia teria sido mais dura se soubesse no início da pandemia o que sabia então. Mas quando pergunto a ele hoje se ele teria feito algo diferente, ele responde que, embora teria sido bom saber como a Covid-19 se desenvolveria “Não tenho certeza se teria mudado muito”

Nossa conversa termina com Tegnell nadando novamente contra a maré, e avisando que uma vacina – se e quando vier – não será a “bala de prata”. Ele acrescenta: “Mais uma vez, não gosto muito de soluções fáceis para problemas complexos e acredito que, uma vez que a vacina esteja aqui, poderemos voltar e viver como sempre fizemos. Acho que é uma mensagem perigosa de se enviar porque não vai ser assim tão fácil”.

Richard Milne é o correspondente nórdico e báltico do Financial Times – Siga @FTLifeArts no Twitter para saber mais sobre nossas histórias mais recentes.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

2 Responses to Entrevista com Epidemiologista da estratégia anti-bloqueio COVID-19 bem sucedida da Suécia

  1. Silvio J B Maia

    Parece-me só uma coisa possa explicar toda essa disparidade -não ser um só virus em ação.

    • Thoth3126

      Meu Caro, não há disparidade nenhuma, a diferença, caso voce não tenha percebido, foi como a SUÉCIA tratou do problema. Não se trata de haver vírus diferentes, mas o modo como a SUÉCIA encarou a pseudo pandemia. Muita gente morreu mas eles não ADOTARAM O LOCKDOWN GENERALIZADO, esta é que foi a diferença, e não MÚLTIPLAS VARIAÇÕES DO VÍRUS. Muita LUZ e Paz.

Deixe uma resposta para Silvio J B Maia Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.