browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Escândalo de Pedofilia e abuso sexual de menores envolve Clinton

Posted by on 05/12/2017

O jato LOLITA EXPRESS – Orgias sexuais de pedófilos no ar: o milionário pedófilo e abusador sexual de menores, o judeu Khazar Jeffrey Epstein, o bilionário e suas conexões em abuso sexual de menores com o ex presidente Bill Clinton, o ator Kevin Spacey, magnata Robert Maxwell, Principe Andrew (Duque de York), socialite Ghislaine Maxwell, o ator Chris Tucker …

Tradução, edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

Os registros de vôos da aeronave “Lolita Express”  mostram que Bill Clinton voou no jato do pedófilo e agressor sexual muito mais vezes do que o conhecido anteriormente

Por Malia Zimmerman – Fonte: http://www.foxnews.com/

O ex-presidente dos EUA Bill Clinton foi um passageiro muito mais frequente no infame jato apelidado de Lolita Express do pedófilo e infrator sexual condenado pela justiça, Jeffrey Epstein (um Judeu Khazar) do que o relatado anteriormente, com registros oficiais de vôos mostrando o ex-presidente em pelo menos 26 viagens a bordo do “Lolita Express” – mesmo aparentemente abandonando seus agentes do Serviço Secreto em pelo menos cinco dos vôos, de acordo com os registros obtidos pela FoxNews.com.

A presença de Clinton a bordo do Boeing 727 (o Lolita Express) de Jeffrey Epstein em 11 ocasiões foi relatada, mas os registros de vôo mostram que o número é mais do que o dobro e as viagens entre 2001 e 2003 incluíram “festas sexuais” estendidas ao redor do mundo com Epstein e outros passageiros identificados em manifestos por suas iniciais ou primeiro nome, incluindo “Tatiana”. O jato do pedófilo Epstein ganhou seu apelido de inspiração Nabakov (escritor do romance Lolita) porque, segundo notícias, estava equipado até com uma cama onde os passageiros praticavam sexo grupal com meninas e garotas jovens.



“Bill Clinton … associado a um homem como Jeffrey Epstein, que todos em Nova York, certamente em seus círculos internos, sabiam que era um pedófilo”, disse Conchita Sarnoff, da Alliance to Rescue Victims of Trafficking iniciativa sem fins lucrativos baseada com sede em Washington, no resgate de vítimas de tráfico sexual e humano, e autora de um livro sobre o caso Epstein chamado “TrafficKing“. “Por que um ex-presidente dos EUA se associaria a um homem assim?”

Residência do bilionário pedófilo Epstein em Palm Beach

Virginia Roberts, hoje com 32 anos, que afirma ter sido molestada sexualmente por Epstein aos 15 anos, afirmou anteriormente que viu Clinton no refúgio de Epstein em 2002, mas logs não mostram Clinton a bordo de nenhum vôo para St. Thomas, o aeroporto mais próximo capaz de receber o avião Lolita Express” de EpsteinEles mostram Clinton a bordo do avião de Epstein para destinos como Hong Kong, Japão, Cingapura, China, Brunei, Londres, Nova York, Açores, Bélgica, Noruega, Rússia e África.

Entre os que viajavam regularmente com Clinton, estavam os associados de Epstein, a socialite de Nova York Ghislaine Maxwell e a assistente de Epstein, Sarah Kellen, ambas investigadas pelo FBI e pela Polícia de Palm Beach por recrutar meninas para orgias sexuais para Epstein e seus amigos.

Em resposta a um pedido separado da FOIA da FoxNews.com, o Serviço Secreto dos EUA disse que não tem registros mostrando que os agentes já estiveram na ilha com Clinton. Um porta-voz de Clinton não respondeu e-mails solicitando comentários sobre o relacionamento do ex-presidente e suas viagens com Jeffrey Epstein. A Biblioteca Clinton disse que não tinha informações relevantes e não acompanha os registros de viagens de Clinton.

Martin Weinberg, o atual advogado da Epstein, não respondeu a várias perguntas. Epstein disse em uma declaração judicial que disse que ele e seus associados “foram objeto dos ataques e alegações mais estranhos e ofensivos, e simples invenções”.

A polícia de Palm Beach, na Flórida, lançou uma investigação de um ano em 2005 contra Epstein, depois que os pais de uma garota de 14 anos disseram que sua filha foi abusada sexualmente por ele. A polícia entrevistou dezenas de testemunhas, confiscou seu lixo, realizou vigilância e procurou sua mansão de Palm Beach, identificando, em última instância, 20 meninas entre 14 e 17 anos que disseram terem sido abusadas sexualmente por Epstein.

Em 2006, a pedido da Polícia de Palm Beach, o FBI lançou uma pesquisa federal sobre as alegações de que Epstein e seus assistentes pessoais “usaram instalações do comércio interestadual para induzir as meninas entre 14 e 17 anos a praticar atividades sexuais ilegais”.

Virginia Roberts, a mulher no centro das acusações contra Jeffrey Epstein, que afirma ter sido molestada por Epstein sexualmente aos 15 anos foi fotografada no Colorado 

De acordo com documentos judiciais, os investigadores da polícia encontraram uma “indicação clara de que a equipe da Epstein estava freqüentemente trabalhando para encontrar múltiplas meninas jovens entre as idades de 12 e 16 anos literalmente todos os dias, muitas vezes duas ou três vezes por dia”.

Uma vítima, em testemunho  assinalado, disse que Epstein começou a atacá-la sexualmente quando tinha 13 anos e a molestou em mais de 50 ocasiões nos seguintes próximos três anos. As meninas testemunharam que foram atraídas para a casa de Epstein depois de lhes serem prometido centenas de dólares para serem modelos ou massagistas, mas quando chegaram no local, ele ordenava que elas tirassem suas roupas e massageassem seu corpo nu enquanto ele se masturbava e usava brinquedos sexuais com elas.

O procurador dos EUA para o Distrito do Sul da Flórida preparou documentos de cobrança que acusavam Epstein de abuso sexual infantil, adulteração de testemunhas e lavagem de dinheiro, mas Epstein fez um acordo antes de uma acusação formal poder ser entregue.

Em 24 de setembro de 2007, em um acordo envolvido em segredo que deixou vítimas alegadas chocadas por sua indulgência, Epstein concordou com uma sentença de 30 meses, incluindo 18 meses de prisão e 12 meses de prisão domiciliar e o acordo para pagar dezenas de jovens sob um estatuto federal que prevê indemnizações às vítimas de abuso sexual infantil.



Em troca, o Ministério Público dos EUA prometeu não prosseguir quaisquer acusações federais contra o judeu khazar Epstein ou contra seus co-conspiradores e abusadores, como Bill Clinton.

O advogado da Flórida, Brad Edwards, que representou algumas das supostas vítimas de Epstein, está processando o governo federal sobre o acordo secreto não judicial, na esperança de que ele seja revogado. Edwards reivindicou em registros judiciais que o governo e Epstein dissimularam o acordo das vítimas “para evitar que eles expressassem qualquer objeção e evitar a tempestade de controvérsia que teria surgido se tivesse sido sabido que o governo estava imunizando uma conexão politicamente bilionária e todos os seus co-conspiradores e abusadores sexuais de perseguição de centenas de crimes sexuais federais contra meninas menores de idade”.

O advogado dos EUA para o Distrito do Sul da Flórida não respondeu a um pedido de comentários sobre o acordo. Outros políticos, atores, celebridades e empresários, incluindo o candidato presidencial Donald Trump, foram acusados ​​de confraternização com Epstein. O advogado de Trump Alan Garten disse ao FoxNews.com em uma declaração que Trump e Epstein não são amigos.

“Nunca houve relacionamento entre Jeffrey Epstein e Donald Trump”, disse ele. “Eles não eram amigos e eles não se socializavam juntos”. 

Malia Zimmerman é uma repórter investigativa premiada com foco em crimes, segurança interna, crimes de imigração ilegal, terrorismo e corrupção política. Siga-a no twitter no @MaliaMZimmerman


Sobre os criadores e controladores do sistema, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

6 Responses to Escândalo de Pedofilia e abuso sexual de menores envolve Clinton

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *