browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

“Eu fiz parte disso”. Jornalista britânico denuncia manipulação Covid-19 pela Mídia Pre$$titute

Posted by on 09/09/2020

A MSM do Reino Unido obedece servilmente ao governo e sua manipulação sobre o Covid-19 como o braço dócil de um estado despótico e fascista. Eu sei porque como jornalista eu fiz parte disso”.  As “líderes de torcida pró-bloqueio” na mídia tradicional têm seguido as ordens dos moradores do endereço da Downing Street No. 10 [a sede do governo britânico] e erroneamente rotulando todos os céticos sobre o bloqueio, distanciamento social, lockdowns, e uso de máscaras como malucos teóricos da conspiração – mas a maré está mudando.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

“EU FUI PARTE DISSO”

Fonte:  https://www.rt.com/op-ed/500189-lockdown-mainstream-media-covid/

Por Matt Drake, um jornalista britânico que cobre notícias e filmes. Bylines incluem Spiked, The Spectator, The Telegraph, The Independent, Evening Standard, LBC, The Sun e o Daily Express.

Mais e mais pessoas estão percebendo que a imposição pelo governo do bloqueio foi um grande erro. Mesmo assim, os jornais e a TV, pelo menos aqui no Reino Unido, ainda perseguem firmemente os dissidentes e classificam cada um como uma espécie de lunático que precisa, bem, ser preso, é claro.

Aqueles céticos que são mais difíceis de serem colocados num manicômio ou numa prisão, como Lord Sumption, uma das mentes mais brilhantes da Grã-Bretanha, foram simplesmente ignorados pela mídia { MainStream – PRE$$TITUTE} tradicional.

Lord Sumption, como ex-chefe da Suprema Corte escreveu no The Times em 31 de março que o Reino Unido estava “escorregando para um estado policial” depois que o Parlamento recebeu poderes sem precedentes no projeto de lei Coronavirus (que foi carimbado sem debate na Câmara dos Comuns), esses intelectos liberais conseguiram muita atenção da imprensa? Não, claro que não. Ela, a mídia ficou estrondosamente quieta e em silêncio. A grande mídia MainStream – PRE$$TITUTE simplesmente não estava interessada em nenhuma outra narrativa além do perigo oficial e exagerado do vírus pela agenda do governo, mesmo vindo de um ex juiz da Suprema Corte como Lord Sumption.

A mídia falhou em fazer seu trabalho adequadamente, a menos que esse trabalho seja ser a líder de torcida do governo. Além de algumas exceções corajosas, o trabalho de seus repórteres tem sido relatar cada tosse, espirro e susto (literal) como uma grave ameaça à saúde e a vida de todos britânicos, tudo para gerar cliques online e muito MEDO. Cada nova morte, qualquer nova história de terror médico, era rapidamente escrita e lançada online com manchetes sensacionalistas. Foram enterrados os avisos de gente como Jonathan Sumption, cuja profissão é realmente pensar para o melhor viver, de que tudo isso era uma “histeria” prejudicial.

© REUTERS/Henry Nicholls

A imprensa moderna [Mídia MainStream – PRE$$TITUTE] não tem inteligência mental para assumir um confronto com um intelecto como Lord Sumption. O resto de nós [as ovelhas obedientes] tem sido alvos mais fáceis.

Quando houve uma reunião relativamente grande de céticos do bloqueio em Trafalgar Square no mês passado, a mídia {Mídia MainStream – PRE$$TITUTE} esteve longe de ser gentil. Muitas das manchetes seguiam as mesmas linhas do Evening Standard:

“Milhares se reúnem em Trafalgar Square para promover as teorias da conspiração contra o coronavírus em um protesto ‘anti-lockdown’.”

Agora, embora houvesse alguns excêntricos indubitáveis ​​na multidão – incluindo o orador principal David Icke, que acredita que os lagartos [reptilianos] controlam o mundo, e um homem na parte de trás desfraldando brevemente uma bandeira fascista – excluindo esses dois todos ali eram realmente teóricos da conspiração?

Os teóricos da conspiração estão à margem da política e da sociedade dominante. Mas no mesmo dia, dezenas de milhares de manifestantes também marcharam em Berlim – que o New York Times zombou como um evento “bizarro” e que a mídia PRE$$TITUTE não citou a importante presença de Robert F. Kennedy Jr., sobrinho de JFK, discursando abertamente contra a manipulação efetuada pelo establishment.

Isso significa que as teorias da conspiração estão se tornando mais populares? Ou, mais provavelmente, talvez houvesse pessoas perfeitamente normais assistindo a esses protestos que estão perturbadas com o estado de seu país e que se preocupam com “questões triviais”, mas vitais, como sua liberdade e a liberdade de expressão. São pessoas que acreditam que os lagartos têm mais probabilidade de ser encontrados tomando sol em pântanos e charnecas do que sentadas no Palácio de Buckingham [familia real britânica… de anacrônicos “lagartos”] ou na Downing Street No.10, a sede do “governo”.

Pessoas normais e comuns como a britânica Rose, que não quis me dar seu sobrenome, mas participou de todos os três protestos contra o bloqueio. Ela me disse esta semana:

“Estou muito preocupada com o país e não sou uma teórica da conspiração. Sinto que o governo está abusando de seu poder. Suas ações não fazem sentido depois de algumas mortes de Covid por dia”.

A maioria das pessoas que compareceu aos comícios anti-lockdown, anti máscaras e anti distanciamento social reluta em dar seus nomes ou mesmo admitir que compareceu, por medo de ser considerada teórica da conspiração – ou pior, perder o seu emprego. Um homem, que desejou permanecer anônimo, disse:

“Acho que David Icke fez muito sentido no protesto, mas não acredito no que ele diz o resto do tempo. Mas, de acordo com a BBC, nós [os que protestam] somos todos teóricos da conspiração. ”

 

Outros admitiram não comparecer, apesar de quererem, porque não queriam ser rotulados de excêntricos. Kayleigh Barnes, 27, do sudeste da Inglaterra, disse que gostaria de participar dos protestos, mas não podia devido a problemas de saúde em curso. Ela acrescentou:

“Não acredito nos teóricos da conspiração 5G ou que a Rainha seja uma “lagarto”. o Covid-19 é real, mas o [os governos do] mundo apenas reagiu exageradamente.  Os manifestantes não receberam cobertura alguma ou foram pintados como loucos por conspiração egoístas. Não havia neutralidade [da mídia]. ”

Talvez os protestos parecessem mais ridículos se o Reino Unido não agisse como um estado policial. Piers Corbyn, irmão do ex-líder trabalhista Jeremy Corbyn, foi agarrado, preso e multado em £$ 10.000 por organizar uma reunião pacífica. Enquanto isso, vários outros protestos ocorreram naquele dia e seus organizadores não foram incomodados pela polícia. Corbyn acredita que a ordem para sua prisão veio “do alto” e é difícil não acreditar que foi politicamente motivado.

A Polícia de Victoria disse em um comunicado que qualquer pessoa que pense em participar do protesto que ela promoveu pode esperar uma “resposta rápida e firme da polícia”, em uma tentativa óbvia de assustar as pessoas e fazê-las obedecer. No entanto, o The Guardian ainda se concentrava nos “teóricos da conspiração”, que agora estão aparentemente “energizados” pelas restrições de bloqueio. Mas por que se concentrar neles?

Como a loucura de 2016, quando a elite da mídia liberal zombou dos apoiadores de Trump e a possibilidade de sua eleição e também zombaram de um possível Brexit, eles poderiam muito bem ter um rude despertar. Quanto mais as pessoas podem aguentar sendo chamadas de estúpidas e loucas por presunçosos aparatos e arautos de mera {Mídia MainStream – PRE$$TITUTE} propaganda da agenda do governo como os veículos da BBC, CNN e Sky News?

E sim, eles são apparatchiks, porque estão realmente no bolso do governo britânico e defendem e propagandeiam a sua agenda. Por minha própria experiência pessoal, assim como por relatos de jornalistas da BBC, o governo teve uma influência excessiva sobre a mídia, manipulando os efeitos da pandemia, “sugerindo” histórias para eles cobrirem se seguirem entusiasticamente a linha do governo e “pegarem leve” com os ministros ao entrevistá-los.

Enquanto trabalhava para uma “determinada publicação importante” {da Mídia MainStream – PRE$$TITUTE} em nossa primavera escaldante, quando as pessoas só podiam fazer exercícios de uma hora por dia, meus editores revelaram que foram solicitados por Downing Street 10 a “martelar a mensagem” de que as pessoas não deveriam aproveitar o sol nos fins de semana .

“Todos os repórteres foram informados de que não deviam publicar nada que pudesse ir contra a linha do discurso do governo”.

Isso foi acoplado à autocensura, uma decisão editorial de “não relatar protestos anti-lockdown” para não “legitimizar” sua plataforma – ao mesmo tempo dando bastante espaço de reportagem para os movimentos de protestos do tipo Extinction Rebellion e Black Lives Matter.

Manifestantes [COM CONSCIÊNCIA] se reúnem e protestam contra as restrições à pandemia COVID-19, lockdowns, uso de máscaras, distanciamento social, et caterva, em Trafalgar Square, Londres, sábado, 29 de agosto de 2020. © PA via AP / Yui Mok

Isso tem todas as características do tipo de imprensa não-livre e não isenta encontrada em um estado despótico. Afinal, como é realmente o totalitarismo? Para a maioria das pessoas, eles pensarão na antiga URSS, na Alemanha nazista ou na Coréia do Norte. O tipo de regime brutal que inspirou o livro distópico “1984” de George Orwell. Mas outro romance, ‘Brave New World’, escrito por Aldous Huxley muitos anos antes em 1932, prenunciava um tipo diferente de distopia. Uma ditadura [pseudo] científica na qual as pessoas seguem cegamente a [pseudo] autoridade científica e realmente amam sua servidão.

Como na URSS, onde os dissidentes eram classificados como mentalmente perturbados, hoje qualquer dissidente no ocidente é considerado um “teórico da conspiração”. Suas opiniões são patologias, não pontos de vista legítimos a serem levados a sério, sobre nosso estado policial de fato, ou sobre a ameaça amplificada e exagerada do coronavírus, ou sobre os terríveis danos causados ​​à nossa economia e à nossa saúde pelo pânico e medo generalizado causados pelos bloqueios impostos pelos governos.

Em vez disso, somos hereges perigosos e excêntricos [àqueles que questionam e contestam a narrativa do governo] que só merecem ser zombados, desprezados e expulsos da sociedade, enquanto o resto [do gado] veste suas máscaras, obedece aos bloqueios e distanciamento social e aplaude a polícia por reprimir os não-conformistas.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

One Response to “Eu fiz parte disso”. Jornalista britânico denuncia manipulação Covid-19 pela Mídia Pre$$titute

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.