browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

EUA aprovou lei que protege corporações que operam secretamente no espaço

Posted by on 06/12/2018

Fonte: http://exopolitics.org/

Em 25 de novembro de 2016, ao final do seu mandato presidencial, o presidente Obama promulgou em lei um projeto que oferece proteção federal legal para as grandes corporações (o Complexo Militar Industrial) dos EUA envolvidas na mineração espacial. A ação de Obama é apresentada como a proteção dos interesses corporativos dos EUA para empreendimentos de mineração espacial previstos para começar em torno de 2025.

bases-lua-marte-sspNo entanto, há provas convincentes de que a verdadeira intenção é proteger as corporações, até o final de 2022, de operações de mineração que já ocorrem secretamente, há décadas no espaço interplanetário dentro do sistema solar.

Os advogados da Lei de Competitividade de Comercialização do Espaço dos Estados Unidos (HR 2262, aka “Ato Espacial de 2015“) acreditam que a lei aumenta a competitividade das corporações norte-americanas ao cortar o poder regulatório do governo no nascimento de novas indústrias no espaço, como na mineração de asteróides.

O então candidato presidencial republicano, senador Marco Rubio declarou:

“Em toda a nossa economia, precisamos eliminar regulamentos desnecessários que custam muito e tornam mais difícil para os inovadores americanos criar empregos. As reformas incluídas aqui tornam mais fácil para os nossos inovadores e empreendedores em retornar os americanos ao espaço suborbital e vai ajudar a indústria espacial americana a continuar empurrando para o espaço mais do que nunca. Estou orgulhoso de que o projeto de lei final inclua propostas que eu havia apresentado anteriormente no Senado, incluindo uma relacionada à recuperação comercial de recursos espaciais “.

A Lei do Espaço fornece uma janela de oito anos para as indústrias aeroespaciais desenvolverem um “quadro de segurança” antes que a regulamentação federal, se houver, se torne aplicável, como se explica na seção seguinte:

(8) REVISÃO INDEPENDENTE – Até 31 de dezembro de 2022, uma organização independente de engenharia de sistemas e assistência técnica ou organização de desenvolvimento de padrões contratada pelo Secretário de Transportes apresentará … uma avaliação da prontidão da indústria espacial comercial e da Governo Federal para a transição para um quadro de segurança que pode incluir regulamentos . [enfase adicionada]

A  Space Act of 2015 (Lei do Espaço) passa a descrever que a organização contratada pelo Secretário de Transportes irá avaliar no desenvolvimento de um “quadro de segurança” baseado em “padrões de consenso da indústria”, que inclui práticas de contratação:

Como parte da revisão, a organização contratada deve avaliar –

“(A) o progresso da indústria espacial de exploração comercial em adotar padrões voluntários de consenso da indústria como relatado pelo Secretário …

“(B) o progresso da indústria espacial de exploração comercial em direção ao atendimento às métricas-chave da indústria … incluindo o conhecimento e a experiência operacional obtidos pela indústria espacial comercial, ao mesmo tempo em que presta serviços de remuneração ou aluguel;

Nossa Lua é artificial e completamente oca, com várias bases extraterrestres e da própria humanidade, construídas em seu lado oculto.

Nossa Lua é artificial e completamente oca, com várias bases extraterrestres e da própria humanidade, construídas em seu lado oculto.

Basicamente, as corporações de mineração espacial têm um passe livre até 2022 para fazer o que é necessário, o que “deve ser feito” para estabelecer um “quadro de segurança” que governará sua indústria, incluindo as normas trabalhistas.

É importante enfatizar que a linguagem da Lei do Espaço é claramente projetada para aplicar regulamentos federais “se houver”, depois que as normas de segurança foram propostas e adotadas pela indústria de mineração espacial, em consulta com o Congresso e a Secretaria de Transportes.

Isso significa que todas as atividades de mineração espacial até 2022 estão livres de quaisquer medidas regulatórias. Talvez o mais importante seja o fato de que a Lei Espacial é retroativa em termos de tudo o que diz respeito às atividades de mineração espacial ocorridas antes de 2022, com todas as atividades passadas também isentas de regulação federal e qualquer supervisão governamental.

Ao contrário da percepção generalizada do público de que a mineração espacial é algo que ocorrerá uma década ou mais no futuro, há testemunhos perturbadores de insiders e denunciantes alegando que já existe uma indústria de mineração espacial muito rentável e florescente explorando o espaço interplanetário de todo o sistema solar e até mesmo além. Sua existência foi entre os segredos mais altamente classificados mantidos em segredo pela comunidade de inteligência militar dos EUA.

Corey Goode causou bastante agitação na mídia alternativa e comunidades exopolíticas com suas alegações sobre a existência de programas espaciais secretos e de o programa abusar dos seus trabalhadores e estar envolvido em um comércio de escravos galácticos. Suas reivindicações foram examinadas em uma série de artigos (veja aquie aqui ), onde evidência circunstancial significativa foi citada em apoio da sua denúncia.

De acordo com Goode, a exploração mineral através da mineração no espaço envolvendo as grandes corporações dos EUA tem sid osecretamente executado desde o final de 1950 com o abuso criminal em curso de trabalhadores que foram enganados, exploradas e / ou fisicamente abusados em conjunto com as suas famílias. Em suma, as condições de trabalho escravo relatadas existem em operações de mineração espacial que remontam aos anos 50, em que os pioneiros foram alemães nazistas dissidentes que detinham a tecnologia para a construção de espaçonaves, os discos voadores, desde o final da década dos anos 1930..

Talvez ainda mais perturbador seja as afirmações de Goode de que essas operações de mineração espacial foram feitas em colaboração com um grupo alemão separatista associado aos avançados programas aeroespaciais da Alemanha nazista. Como é fato histórico bem estabelecido, os nazistas foram pioneiros no uso do trabalho escravo  em massa em programas de tecnologia avançada.

secret-space-program-UFOs

Em sua última entrevista no Cosmic Disclosure, Goode descreve como operações de mineração espaço progredido além das bases alemães secretas estabelecidas em Marte, com mineração inicial do cinturão de asteróides, nas luas de Júpiter e em outros lugares no sistema solar.

A matéria-prima reunida nessas operações de mineração foi levada de volta para Marte e transformada em produtos acabados em instalações industriais para uma indústria de alta tecnologia. Nas décadas que se seguiram às primeiras colônias alemãs em Marte nos anos 40, Goode afirma que corporações americanas se integraram em uma joint venture com o grupo nazista separatista alemão chamado Conglomerado Empresarial Interplanetário-ICC.

Os produtos de alta tecnologia em Marte são agora parte de um comércio florescente, que de acordo com um relatório de Goode, envolve trocas comerciais de todo tipo com cerca de até 900 diferentes civilizações extraterrestres. A maior parte destes produtos deriva do uso do trabalho escravo em centros de manufatura em Marte, e com recursos de matérias primas obtidos em diferentes locais de mineração remotos no espaço (Nota de Thoth: E há quem pense que a história contada no filme de James Cameron, AVATAR, é apenas ficção).

Se as incríveis declarações de Goode forem verdadeiras, então claramente o poder regulador do governo deve ser significativamente reforçado para prevenir crimes corporativos no espaço, especialmente quando as grandes corporações dos EUA, conglomerados do famigerado Complexo Industrial Militar estão envolvidas. A Lei do Espaço, no entanto, concede exatamente o oposto, na medida em que dá explicitamente às empresas até o ano de 2022 para desenvolverem um “quadro de segurança”, que inclui o uso do trabalho humano. Por quê?

avatar-pandora

O roteiro apresentado no filme AVATAR esta muito próximo da realidade aqui apresentada, da exploração de recursos minerais no espaço por um conglomerado de grandes empresas …

Enquanto grande parte da Space Act of 2015 (Lei do Espaço) trata de incentivar as corporações a investir em atividades espaciais ao cortar o poder regulatório do governo federal dos EUA, há partes do projeto de lei que parecem ir muito além disso. Um artigo anterior discutia a Seção 51302 do Ato Espacial que suscitava preocupação com a intenção real da Lei. A maior atenção foi dada ao seguinte :

(A) Em geral. – O Presidente dos EUA, agindo por intermédio das agências federais apropriadas, …

(3) promover o direito das entidades comerciais dos Estados Unidos de explorar o espaço exterior e utilizar os recursos espaciais, de acordo com as obrigações internacionais existentes dos Estados Unidos, livres de interferências prejudiciais …

De acordo com Timothy Nelson , especialista em Direito Espacial, o termo “livre de interferências prejudiciais”

[…] espelha a obrigação dos Estados Unidos, no OST [Tratado sobre o Espaço Exterior da ONU], de salvaguardar contra a atividade de seus próprios entes nacionais que “causaria interferência potencialmente prejudicial às atividades de outros Estados Partes na exploração e utilização pacífica do espaço, A Lua e outros corpos celestes “.

Nelson sugere que um dos significados da frase é assegurar que outras entidades corporativas ou indivíduos que interfiram nas atividades de mineração espacial de uma corporação dos EUA, possam ser processados em um Tribunal Federal dos Estados Unidos.

Além disso, a expressão “livre de interferências prejudiciais” também sugere que as operações de mineração espacial seriam livres do tipo de escrutínio que essa indústria normalmente receberia tanto de governos nacionais como de reguladores internacionais até 2022.

A linguagem da Space Act of 2015 (Lei do Espaço) vai muito além do que seus defensores, como o senador Rubio e outros argumentam, em termos de cortar a burocracia. Uma coisa é que uma empresa de mineração espacial não tenha de cumprir os complexos regulamentos da NASA com relação aos lançamentos espaciais, a fim de ser competitiva com seus rivais internacionais. É uma questão completamente diferente para uma corporação norte-americana não cumprir com os padrões de trabalho dos EUA na realização de operações fora do nosso mundo.

Embora os defensores da Space Act of 2015 (Lei do Espaço) possam ser perdoados por desconsiderar a ideia de que a futura mineração espacial dos Estados Unidos pode explorar o trabalho escravo, o mesmo não pode ser dito para um programa corporativo classificado e secreto existente há décadas e que foi acusado por Goode e outros de fazer precisamente isso.

Vale ressaltar que quando Goode surgiu pela primeira vez no início de 2015 com afirmações de que o trabalho escravo estava sendo usado em bases das grandes corporações industriais dos EUA em Marte, na exploração mineral do cinturão de asteróides e em outras partes do sistema solar, não parecia haver muita evidência em apoio de suas alegações de décadas de exploração de mineração secreta  por empresa do ICC-Conglomerado Empresarial Interplanetário.

Na verdade, a mineração espacial parecia estar pelo menos uma década longe de se tornar uma realidade no que diz respeito ao público (a massa ignorante) em geral. No entanto, a legislação já foi rapidamente aprovada sobre a mineração espacial com pouca consciência ou debate público.

A rápida aprovação da Space Act of 2015 (Lei do Espaço) sugere que foi projetada dar uma janela de mais cinco anos (até 2022), para aqueles envolvidos em crimes na exploração comercial dos recursos do espaço; Para encobrir as transgressões passadas para escapar da acusação, ou para renunciar ao poder em negociações secretas em troca da anistia legal.

mineração-asteroide

Aqui estão quatro razões pelas quais a passagem do Space Act of 2015 (Lei do Espaço) pode ser concluída para ser relacionada, pelo menos em parte, às reivindicações de Goode que as corporações têm usado o trabalho escravo no espaço por décadas.

Em primeiro lugar, ao mesmo tempo em que Goode primeiro divulgou suas incríveis alegações, o Congresso dos Estados Unidos começou a discutir a proteção legal para uma “futura” indústria de mineração espacial. Em 19 de março de 2015, o “Space Resource Exploration and Utilization Act de 2015.” foi introduzido pela primeira vez ao Congresso.

A “Lei de Exploração e Utilização de Recursos Espaciais” foi eventualmente incorporada no projeto de lei maior, “HR2262 – Ataque de Competitividade de Comercialização do Espaço Comercial dos EUA” como Título IV. Foi o último projeto de lei que foi aprovado pela Câmara dos Deputados em 17 de novembro, pelo Senado dos EUA em 10 de novembro, e assinado em lei por Obama em 25 de novembro.

Parece ser uma “coincidência extraordinária”, dadas as afirmações de Goode, que a legislação seria aprovada para proteger a mineração espacial, que está ainda há mais de uma década longe de se tornar (pretensamente) uma realidade, de acordo com o conhecimento público convencional sobre as atividades empresariais das grandes empresas no espaço. Em segundo lugar, a introdução de legislação para proteger a mineração espacial como uma indústria futura onde um “quadro de segurança” seria desenvolvido e implementado até 2022, sem nenhuma regulamentação governamental até então, é altamente suspeito.

Por que a linguagem escrita na Space Act of 2015 (Lei do Espaço) protege as empresas de “interferência prejudicial” e a relevância de quaisquer normas trabalhistas até 2022? A Space Act of 2015 (Lei do Espaço) oferece proteção legal às corporações que “voluntariamente se submeteram” à jurisdição do Tribunal Federal dos EUA sobre suas atividades espaciais, que podem ter padrões trabalhistas mínimos ou abusivos, até 2022.

Por exemplo, no caso de uma empresa de mineração espacial que impôs condições de trabalho escravo em operações secretas passadas, a cláusula “livre de interferências prejudiciais” sugere que organizações internacionais como o Tribunal Penal Internacional não teriam o poder de intervir diretamente.

Basicamente, proprietários e gerentes de operações de mineração espacial poderiam voluntariamente se submeter à jurisdição dos EUA e, doravante, seriam protegidos pela Lei Federal dos Estados Unidos de organizações internacionais que os investigassem por usarem trabalho escravo até 2022.

Uma terceira razão é a de que vários estudiosos do direito internacional salientaram que a Lei Espacial é potencialmente ilegal na medida em que viola o Tratado do Espaço Exterior de 1967, que proíbe explicitamente a exploração comercial do espaço. O artigo 1º do Tratado dispõe:

A exploração e utilização do espaço exterior, incluindo a lua e outros corpos celestes, será realizada em benefício e no interesse de todos os países, independentemente do seu grau de desenvolvimento econômico ou científico, e será da competência de toda a humanidade.

Claramente, as empresas de mineração do espaço por razões comerciais não estão fazendo isso para beneficiar “toda a humanidade”, mas agindo para o seu próprio interesse. Se as alegações de Goode forem verdadeiras, então parece que a Space Act of 2015 (Lei do Espaço) dos EUA foi projetada para proteger grandes corporações que secreta e voluntariamente violaram o direito internacional desde pelo menos 1967 em operações de mineração espacial por razões comerciais.

A última razão a considerar é que, em 11 de junho, a British Interplanetary Society começou uma reunião de dois dias sobre: “Como derrubar uma ditadura marciana” de acordo com um artigo da BBC. A reunião prevê a “existência” uma colônia de Marte governada por um ditador implacável que pisoteou os direitos dos trabalhadores em uma sociedade futurista controlada por uma corporação empresarial. O ditador precisava ser derrubado sem destruir a própria colônia e os seus recursos. De acordo com o autor do artigo da BBC publicado em 22 de junho, Richard Hollingham, o encontro reuniu 30 proeminentes cientistas, engenheiros e filósofos que levaram sua “tarefa muito a sério”, e isto a apenas “dois quarteirões da sede do serviço britânico de segurança MI6 “Sugerindo assim o apoio oficial do governo e serviço de inteligência britânico para a reunião.

Coincidentemente, Goode divulgou um relatório em 22 de junho detalhando uma excursão de inspeção alegada que conduziu com outro insider denunciante do programa espacial secretos dos EUA de uma instalação industrial de uma colônia secreta em Marte. O relatório de Goode descreveu um gerente de programa tirânico que explorava trabalhadores, e não toleraria mesmo críticas brandas para visitantes.

As semelhanças nos cenários discutidos na reunião da Sociedade Interplanetária Britânica de 11 de junho e os relatórios independentes de 22 de junho de Goode e Hollingham sugerem que figuras-chave no establishment científico da Grã-Bretanha estão se preparando para divulgações futuras sobre colônias secretas em Marte e em outros lugares que funcionam com governantes de ditaduras corporativas por tiranos megalomaníacos que têm abusado de trabalhadores humanos por décadas.

Como remover esses ditadores da Colônia de Marte sem que eles matassem seu pessoal e / ou destruíssem suas valiosas instalações industriais é um problema que os políticos britânicos e outros políticos nacionais terão que enfrentar em breve. A Space Act of 2015 (Lei do Espaço) fornece um meio pelo qual estes hipotéticos “ditadores de Marte” poderiam ser persuadidos a renunciar ao poder. Essencialmente, os proprietários e / ou gerentes de bases de fabricação ou de mineração em todo o sistema solar receberão anistia se eles entregarem o controle de suas instalações antes de 2022.

ContagemRgressivaEmbora a aprovação pelo governo dos EUA da Space Act of 2015 (Lei do Espaço) em lei aparentemente seja projetada para proteger os interesses corporativos dos EUA para empreendimentos de mineração espacial previstos para começar por volta de 2025, parte da verdadeira intenção parece proteger as corporações de seus abusos criminosos em operações secretas de mineração já EXISTENTE HÁ DÉCADAS.

© Michael E. Salla, Ph.D.


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.