browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Fonte radioativa oculta de calor esta derretendo o leste da Antártida a partir de baixo

Posted by on 21/09/2019

Quando se trata de medir a perda de gelo nos pólos e prever o que pode acontecer a seguir, os cientistas precisam de dados tão precisos quanto possível – e um novo estudo sugere que há uma grande fonte de calor geotérmica e radioativa na Antártida Oriental que ainda não havíamos consignado em nossos cálculos.  O gelo nesta área parece derreter de baixo para cima, de acordo com as leituras de radar feitas por uma aeronave voando sobre a região do continente congelado. O radar foi capaz de penetrar três quilômetros (quase duas milhas) de gelo para mapear as condições abaixo dele.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Uma fonte de calor radioativa oculta parece derreter a Antártida Oriental a partir de baixo

David Nield – Fonte:  https://www.sciencealert.com/

À medida que a base da camada de gelo da Antártica derrete, a água derretida escorre e enche lagos subglaciais a jusante. Embora esse processo possa não ser um dos principais contribuintes para a acelerada perda de gelo no momento, a equipe internacional de cientistas diz que isso pode causar um derretimento mais rápido no futuro, pois a água e o gelo podem escapar mais facilmente.

Equipamento de pesquisa geofísica e o avião BAS Twin Otter, FP – VBL, com fenômeno solar Sundog ao fundo fotografado no Talos Dome East Antarctica

“O processo de derretimento que observamos provavelmente está acontecendo há milhares ou talvez milhões de anos e não está contribuindo diretamente para a mudança da camada de gelo”diz o principal pesquisador Tom Jordan , do British Antarctic Survey (BAS).

“No entanto, no futuro, a água extra no leito de gelo pode tornar essa região mais sensível a fatores externos, como as mudanças climáticas”.

A equipe de especialistas acredita que rochas radioativas e água quente que jorram do interior da crosta terrestre estão contribuindo para esse derretimento adicional, com base em observações realizadas a 750 quilômetros (quase 470 milhas) desde o interior da costa da Antártida.

gelo gelo derretido 2

O que pode estar acontecendo em partes da Antártica Oriental. (Tom Jordan)

Sem a mais recente tecnologia de radar, teríamos apenas observações de superfície para estudar. O projeto PolarGAP do qual esta pesquisa faz parte foi desenvolvido para preencher algumas das lacunas deixadas pelas leituras obtidas do satélite GOCE, agora aposentado.

Como você deve se lembrar, os dados do GOCE – o Gravity Field e o Steady State Circulation Ocean – foram usados ​​para mapear o terreno sob a Antártica em um estudo publicado no início deste mês, medindo pequenas flutuações na atração gravitacional.

Ser capaz de mapear os contornos ocultos e as principais fontes de calor sob a camada de gelo é crucial para descobrir o que acontecerá com a Antártica nos próximos anos.

E agora o projeto PolarGAP forneceu algumas observações vitais como parte dessa missão. Não podemos ter certeza do que está causando o derretimento, mas a hipótese das rochas quentes e da água aquecida parece ser a mais provável – que estudos futuros podem levar em consideração.

O avião Twin Otter da Base britânica de Pesquisa British Antarctic Survey (BAS) sobrevoam a Estação do Pólo Sul na Antártica. Crédito: Tom Jordan

Também essa não foi a única fonte de calor recém-descoberta na Antártica. Um estudo publicado no ano passado sugere que uma quantidade extensa de aquecimento subterrâneo também está acontecendo na Antártida Ocidental, talvez derretendo o gelo mais rapidamente do que ele pode acumular.

Em julho, os cientistas anunciaram que haviam descoberto o que poderia ser outra fonte de calor vulcânica debaixo da Antártica, desta vez sob o glaciar Pine Island .

Vale a pena repetir que os cientistas não estão sugerindo que essas fontes de calor repentinamente transformarão a Antártica em água no espaço de alguns anos, mas são fatores extras a serem considerados quando medimos os efeitos contínuos das mudanças climáticas.

Como fontes de calor geotérmica, como a recém-identificada, provavelmente existem há muito, muito tempo, não estamos errados quando se trata de causar derretimento acelerado do gelo nos pólos norte e sul.

O próximo passo é descobrir como essas rochas quentes podem influenciar as mudanças de gelo do futuro.

“Este foi um projeto realmente emocionante, explorando uma das últimas regiões totalmente não-vigiadas do nosso planeta”, diz Jordan “Nossos resultados foram inesperados, pois muitas pessoas pensaram que essa região da Antártica era feita de rochas antigas e frias, que tiveram pouco impacto na camada de gelo acima. Mostramos que, mesmo no antigo interior continental, a geologia subjacente pode ter um impacto significativo no gelo”.

O co-autor Dr. René Forsberg, da Universidade Técnica da Dinamarca, disse:

“Este foi um ótimo exemplo de como as nações que trabalham juntas podem explorar as regiões mais desafiadoras do nosso planeta. Em particular, agradecemos ao programa Antártico dos EUA por sua excelente hospitalidade na estação do Polo Sul e ao British Antarctic Survey por sua incrível eficiência logística. É também um exemplo de como um projeto – originalmente projetado para aumentar os dados de satélite da Agência Espacial Européia, pode produzir resultados científicos completamente inesperados”.

Quando se trata de medir a perda de gelo nos pólos e prever o que pode acontecer a seguir, os cientistas precisam de dados tão precisos quanto possível – e um novo estudo sugere que há uma grande fonte de calor geotérmica e radioativa na Antártida Oriental que ainda não havíamos consignado em nossos cálculos.

A pesquisa foi publicada em Relatórios Científicos .


{Excerto do post: Revelada Base Subterrânea Aliens/EUA na Antártica (1)

“Foi depois dessa missão de resgate médico que nós fomos informados por alguns agentes de aparência assustadora (agentes de inteligência eu presumi) chegados de Washington DC para que não falássemos sobre o que vimos da área que sobrevoamos. A outra vez que chegamos muito perto da área “The Air Sampling Camp” no Polo Sul tivemos falhas elétricas no avião e de navegação e nos foi dito para que nos afastássemos imediatamente da área e nos reportássemos ao nosso comandante do esquadrão quando voltássemos para a Base McMurdo“.

“É desnecessário dizer que o nosso piloto (Aircraft Commander) sofreu uma severa repreensão e nossa equipe não foi designada para voar sobre o Pólo Sul durante mais de um mês. Houve muitas outras ocasiões em que vimos coisas que estavam fora do comum. Um acampamento periférico existente perto de Marie Byrd Land, onde deixamos alguns cientistas e seus equipamentos, ficou fora de comunicação com a Base McMurdo durante mais de 2 semanas”. 

“Nossa equipe de resgate foi mandada de volta para o acampamento para descobrir se os cientistas estavam bem. Nós não encontramos ninguém na base e nenhum sinal de que qualquer coisa errada tivesse acontecido. O rádio estava funcionando bem, pois chamávamos a Base McMurdo para verificar o seu funcionamento adequado. Saímos do acampamento e voamos de “mãos vazias” de volta para a Base McMurdo como ordenado pelo nosso CO”.

Antarctica-base-subterranea-ufo-aliens-Hercules LC-130F-brian-crew

O avião Lockheed Hercules LC-130F e sua tripulação, equipamento usado pelo Esquadrão VXE-6 na Estação Amundsen-Scott dos EUA no Pólo Sul . Imagem cedida por Brian.

“Uma semana mais tarde, os cientistas voltaram (não se sabe onde eles estiveram) para o acampamento e chamaram por rádio a Base McMurdo pedindo para uma aeronave ir buscá-los. A nossa equipe foi designada para voltar lá e ir buscá-los, uma vez que nós os havíamos levados ao acampamento e conhecíamos o terreno e sua localização”.

“Durante o voo de resgate nenhum dos cientistas se comunicou com nenhum dos tripulantes no avião e todos me pareceram estar muito assustados. Assim que desembarcaram de volta na Base em McMurdo, eles (os cientistas) foram colocados em outra de nossas aeronaves do esquadrão e foram levados de avião para Christchurch na Nova Zelândia e de lá para os EUA”.  FIM DE CITAÇÃO.} 


“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o tempo da grande colheita se aproxima muito rapidamente  ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“.  SAIBA MAIS no LINK 


Mais informações sobre ANTÁRTIDA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.