browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Fraude eleitoral nos EUA desmorona dia a dia. Segundo semestre será decisivo

Posted by on 28/05/2021

Fraude eleitoral nos Estados Unidos desmorona dia a dia. Segundo semestre será decisivo:  Para entender o que está acontecendo nos EUA em relação às eleições do ano passado, é preciso encontrar notícias da mídia americana não alinhadas ao regime dos chamados órgãos convencionais [PRE$$TITUTE$] da mídia mainstream. Na verdade, o que está acontecendo nas últimas semanas é algo sem precedentes nos EUA. Cada vez mais estão surgindo evidências de fraudes eleitorais massivas e de longo alcance, bos processos judiciais, fraudes perpetradas particularmente nos principais estados dos EUA, que sempre foram decisivos para o destino das eleições para presidente.

Tradução, ediçãoe imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Retorno de Trump estaria próximo ?

Fonte:  La Cruna dell’Ago

Várias evidências forenses de fraude maciça já haviam sido apresentadas em novembro e dezembro passado, mas quase todos os tribunais federais e a própria Suprema Corte dos Estados Unidos se recusaram a sequer considerá-las. A principal diferença entre então e agora é que as verificações necessárias estão finalmente sendo feitas nos boletins de voto.

Quase ninguém na Itália, e provavelmente no mundo, se você apenas ler a ‘propaganda’ da “mídia oficial” [PRE$$TITUTE$], tem a menor ideia de onde Maricopa [Arizona] está situada e o que está acontecendo nesta pequena cidade do Arizona EM RELAÇÃO À APURAÇÃO DA FRAUDE ELEITORAL. É aqui que esta onde foi acionado um mecanismo que pode mudar a história dos Estados Unidos e de todo o mundo.

Em 31 de março, o Senado do Arizona decidiu confiar o contrato de recontagem e revisão dos boletins de voto no condado de Maricopa, o quarto maior condado dos Estados Unidos, à empresa Cyber-Ninja especializada em conhecimentos de TI. A reação dos lacaios do establishment foi de puro pânico. Os democratas imediatamente tentaram impedir a recontagem tentando apelar para um juiz local, que , no entanto, pediu aos demandantes que depositassem um milhão de dólares como fiança . Os democratas recusaram e a recontagem continuou.

Para entender a seriedade da pesquisa sobre boletins de voto em andamento em Maricopa no Arizona, certamente é útil ler a crônica do jornal americano “The Gateway Pundit”, que descreveu como a recontagem e verificação da autenticidade das cédulas é extremamente séria e precisa .

Os cartões são passados ​​sob luz ultravioleta para verificar a presença de uma marca d’água especial que atesta sua autenticidade ou não. Quando este blog falou sobre essa tecnologia em novembro passado , muitos, incluindo apoiadores de Trump, gritaram ser “notícias falsas”, mesmo sem saber que esse método de verificação de cartões já existia há algum tempo, mesmo mencionado no site da CYSA., a agência de segurança cibernética dos Estados Unidos.

Agora está realmente acontecendo, para que todos vejam. E o sistema, ao não relatar o que acontece em Maricopa, está simplesmente se comportando como um avestruz enfiando a cabeça na areia, na vã esperança de que ignorar o que acontece na superfície possa mudar as coisas de alguma forma. Para usar a terminologia cara ao regime globalista contra o próprio regime, pode-se dizer que essas pessoas sofrem da síndrome do “negador”.

Enquanto isso, a contagem prossegue e já surgiram ilegalidades significativas. Milhares de cartões duplicados foram encontrados, que são duplicatas que substituem os cartões originais se forem considerados inutilizáveis ​​ou danificados. Para ser válido, o cartão duplicado deve ter o mesmo código de seis dígitos do cartão original, caso contrário, o cartão duplicado deve ser considerado em todos os aspectos cartão “fantasma” ou simplesmente falso.

Maricopa, no entanto, deu início ao efeito dominó. Assim que a recontagem começou neste estado, do outro lado dos Estados Unidos, em Michigan, no lado oriental, um corajoso advogado local Matthew DePerno, que atende um cliente que apelou contra a fraude, apresentou provas maciças da existência de fraude em Michigan. A situação não é muito diferente da do Arizona. Há milhares de cédulas falsas ilegais inscritas na votação final e a contagem dessas cédulas falsas resultaram na “vitória” do candidato democrata Joe Biden.


E NÃO SE ESQUEÇAM de que Joe Biden está tão senil que admitiu, diante das câmeras, em uma falha bizarra em seu discurso [talvez pela sua senilidade galopante] que os democratas produziriam “a mais ampla organização de fraude eleitoral da história da política americana”. Você pode vê-lo admitindo isso aqui, ESTA GRAVADO:

We’re in a situation where we have put together, I think, the most extensive and exclusive voter fraud organization in the history of american politics. [Estamos em uma situação em que montamos, creio eu, a organização de fraude eleitoral mais ampla e exclusiva da história da política americana.]


Em particular, constatou-se que os votos foram todos movimentados em um determinado momento e na mesma quantidade e essa circunstância por si só denota a impossibilidade da mão humana em mover os votos que foram atribuídos a Biden por meio de um algoritmo. O senil marionete Joe Biden não é, portanto, o presidente legítimo dos Estados Unidos e o que está acontecendo agora nos vários estados americanos confirma o que já havia surgido em novembro.

Na América, houve uma operação massiva tanto dentro dos Estados Unidos quanto além de suas fronteiras nacionais que levou ao empossamento subversivo de um presidente impostor.

O golpe contra Trump teve dois lados: um nacional e outro internacional

A fraude, na verdade, teve duas origens. A primeira foi interna,a que acabamos de descrever, no qual milhares de cartões falsos foram criados do nada para mudar a escala e aumentar os votos para Joe Biden. Neste ponto, porém, antes de continuar, é útil retornar por um momento à noite de 3 de novembro. Provavelmente muitos leitores se lembram do que aconteceu naquele momento em que todos os apuradores pararam de contar os votos simultânea e exatamente nos estados-chave.

O establishment [e seus marionetes do partido Democrata] percebeu uma possibilidade simples.  Trump ainda estava vencendo, apesar do fato de que milhares de cédulas falsas estavam surgindo em todos os estados para dar a Biden uma vantagem que não se materializava até àquele momento, pois a votação em Trump era massiva.

Não foi o suficiente incluir cédulas de votação falsas em grande número. Era necessária uma fraude ainda maior. É aqui que o lado internacional do golpe entra em jogo. É importante lembrar que nos diversos estados dos EUA o servidor que gerenciava a contagem eletrônica é propriedade da empresa canadense Dominion. A Dominion é uma empresa profundamente ligada aos homens mais próximos do Partido Democrata, como o especulador financeiro George Soros e a fundação Clinton.

Então algo sem precedentes aconteceu nesta eleição presidencial dos EUA. Essa empresa administrou todo o processo eleitoral substituindo os representantes eleitorais dos diversos estados que nunca tiveram acesso a senhas de seus modems. A apuração das eleições foi, portanto, privatizada em alguns aspectos muito importantes. Mas, para ser definitivamente bem-sucedida, a fraude não apenas precisava criar cédulas falsas para Biden, mas também transferir uma grande quantidade de votos de Trump para Joe Biden.

É aqui que entra a Itália, que teria simplesmente desempenhado um papel decisivo para permitir o sucesso da operação de fraude eleitoral nos EUA. Em suma, segundo fontes próximas ao Italiagate , o governo Conte autorizou a fraude por meio da participação da empresa aeroespacial Leonardo SpA, com a participação societária do estado italiano via Ministério da Economia com 30% das suas ações.

O deslocamento de votos de Trump para Joe Biden teria sido coordenado de dentro da embaixada dos Estados Unidos na via Veneto, em Roma, pelo general Graziano e outro homem do Departamento de Estado dos Estados Unidos, um certo Stephan Serafini. Por outro lado, um hacker profissional, Arturo D’Elia, que ostenta um extenso currículo de colaborações como especialista em TI para a OTAN e para a procuradoria de Nápoles, teria administrado a operação técnica da mudança de votos legítimos de Trump para Joe Biden e assim mudar o resultado das eleições por meio de fraude.

Como Trump evitou uma guerra civil e enganou o “sistema” [Deep State] e seus lacaios marionetes

Agora, o que muitos estão legitimamente se perguntando é por que, se Trump estava perfeitamente ciente do que estava acontecendo, ele não interveio em primeira instância para declarar algum tipo de estado de emergência e declarar as eleições ilegais como resultado de uma extensa operação subversiva perpetrada contra o presidente dos Estados Unidos em sua reeleição. Em outras palavras, porque o famoso Kraken , a metáfora do monstro mitológico freqüentemente mencionada pela advogada próximo a Trump, Sidney Powell, não foi divulgada imediatamente.

Nesse ponto, imagine o que resultaria em uma declaração oficial de Trump impondo a lei marcial nos Estados Unidos, ou melhor, a lei contra a insurgência. De um ponto de vista estritamente constitucional, Trump tinha todo o direito de recorrer a tais medidas, uma vez que um verdadeiro ataque à soberania dos Estados Unidos estava em andamento com o objetivo de derrubar o comandante-chefe legítimo por meio de um golpe ao fraudar a sua reeleição.

Do ponto de vista prático, entretanto, essas decisões teriam levado a uma nova guerra civil no pais ainda mais devastadora e sangrenta do que a que ocorreu em 1860 sob a presidência de Lincoln, e foi isso que fez Trump recuar da imposição da Lei Marcial.

Estados liderados por democratas, como Califórnia e Nova York, teriam clamado pela secessão e a ONU, a instituição próxima à família Rockefeller que na ideia de globalismo será a base do futuro governo mundial, teria condenado a decisão de Trump se ele agisse e empurrasse a situação para uma intervenção militar de potências estrangeiras contra o presidente dos EUA [essa era uma das intenções do Deep State, acusá-lo de ditador].

Teria sido uma situação explosiva e sem precedentes. A obra-prima de Trump, por outro lado, era fazer o que precisava ser feito sem nunca chegar a um confronto frontal e aberto com a cabala globalista do Deep State. Trump abraço a máxima de Sun Tzu [A Arte da Guerra] que recomendava que, se o inimigo for muito forte em um determinado momento da guerra, evite o confronto direto e aberto, em vez disso, recorra ao engano, sobre o qual toda a arte da guerra se baseia.

E o engano do sistema parece ter funcionado perfeitamente. Em Washington, foi estabelecida uma administração do senil marionete Joe Biden que parece estar completamente desprovida dos poderes atribuídos ao comandante-chefe dos EUA que nem acesso ao código dos misseis nucleares teve acesso,pois foi negado pelo Estado Maior das Forças Armadas dos EUA.

Até o momento, Joe Biden, o fantoche que deveria arrastar os Estados Unidos para a Grande Restauração e para um confronto armado contra a Rússia, o outro grande inimigo do globalismo, falhou completamente nos objetivos que deveria ter alcançado. As tensões com a Rússia não só não estão aumentando, mas estão diminuindo. Além dos insultos estrondosos de Biden dirigidos a Putin, o presidente dos Estados Unidos (?) Não cometeu nenhum ato substancial que realmente prejudique a Rússia.

O apoio militar foi negado à Ucrânia [governada por um judeu khazar], que há semanas tenta provocar a Rússia abertamente, e ao mesmo tempo, parece que Biden pretende suspender as sanções à construção do gasoduto russo Nord Stream 2 na Europa [Alemanha] o que efetivamente ser uma enorme abertura para normalizar as relações com Moscou.

A essa altura, perguntamos quem está realmente no comando dos cordões que manipulam o senil marionete Joe Biden e quem realmente comanda os Estados Unidos? 

A jogada de Trump, ou melhor, a obra-prima dele e de seus patriotas apoiadores, segundo várias fontes próximas ao presidente, poderia ter sido adotar essa estratégia de “dar corda para seu inimigo se enforcar”. Assine o ato anti-insurgência antes de sua saída “temporária” da Casa Branca e entregue o poder da presidência temporariamente aos militares que não reconhecem o atual presidente.

Tudo isso sem fazer nenhum anúncio oficial, sem dramas, sem traumas, silenciosamente.

Trump, dessa forma, teria enfraquecido desde a sua posse o governo Biden ao reduzi-lo ao papel de uma presidência fantoche, destituída de legitimidade efetiva e controlada por poderes, como os militares americanos, patriotas que ainda são leais a Trump.

Esta situação lembra muito uma profecia, que nas últimas semanas está se tornando popular entre os apoiadores de Trump , feita por Kim Clement, um cantor e pastor sul-africano que previu o advento de Trump na Casa Branca anos antes de sua candidatura.

A profecia em questão diz respeito a uma espécie de diarquia [dois poderes paralelos] que em algum momento da história teria dominado os Estados Unidos.

Por diarquia, queremos dizer dois presidentes que governam no mesmo momento histórico e no mesmo país. Uma situação que parece coincidir perfeitamente com o que está acontecendo agora na América, com Trump, um possível comandante-chefe oculto, e o senil marionete Joe Biden, um presidente virtual que não parece estar realmente no cargo.

No entanto, essa diarquia está destinada a terminar em um determinado momento e, de maneira incrível, em suas profecias Clemente fala do papel da Itália para pôr fim a esta situação sem paralelo na história dos EUA. O pastor sul-africano estava se referindo ao Italiagate e ao papel desse escândalo em trazer à luz o golpe internacional contra a reeleição legítima de Trump?

Certamente é difícil dizer, mas o que aconteceu até agora teria sido apenas um recuo estratégico de Trump. Agora vem a segunda parte do seu plano e doas patriotas que o apóiam.

Trump está preparando o terreno para novas eleições antes de 2024

Para que haja eleições justas, é necessário primeiro remover uma das principais causas que permitiram a fraude em larga escala nos vários estados, nomeadamente as leis eleitorais que permitiam intencionalmente a contagem de votos ilegais e eleitores sem direito de voto, tais como imigrantes ilegais.

Em quase metade dos estados americanos, as regras já foram alteradas nesse sentido. Trump está, portanto, habilmente preparando o terreno para uma nova eleição que provavelmente ocorrerá antes de 2024 e está fazendo isso reduzindo substancialmente a probabilidade de nova fraude eleitoral.

O próprio presidente em sua última entrevista com Chanel Rion , repórter do One America News, deixou isso claro. “Algo deve ser feito antes de 2022”, quando numa entrevista anterior a Joe Pagliarulo , disse que Biden “de jure et de facto” não poderá continuar a governar porque as recontagens mostrarão inevitavelmente que ele perdeu as eleições e as fraudou.

As aparições de Trump e suas declarações contra a fraude eleitoral em 2020 estão aumentando exponencialmente com o surgimento da comprovação de fraudes em vários estados. Os homens próximos ao presidente, ao mesmo tempo, deixaram claro que seus comícios massivos serão  retomados em junho e que sua rede social estará pronta para 4 de julho.

Todos esses movimentos de Trump pressagiam a preparação de uma reviravolta da campanha eleitoral que ocorrerá bem antes de 2024. Mike Lindell, o empresário de My Pillow , falou sobre um possível retorno do presidente ao cargo já em agosto.

É difícil dizer se Trump será presidente novamente naquele mês, mas certamente pode-se concluir que Trump já está se movendo para retornar em uma data que não precederá apenas as eleições presidenciais de 2024. A precisão do tempo é difícil, senão impossível, porque esta é uma situação inédita e sem precedentes.

Estamos de fato em um território desconhecido em que e tudo é possível no meio desta batalha entre os Filhos da Luz e os servidores das trevas.

Os Rothschilds entendem a estratégia de Trump e estão prontos para qualquer coisa

Do lado da escuridão das trevas, eles perceberam imediatamente a eficácia da estratégia de Trump e a família Rothschild interveio a este respeito diretamente. Este evento em si é extremamente raro. A família Rothschild, desde o início de sua dinastia, que remonta ao final do século 18 na cidade alemã de Frankfurt, adora atuar desde as espessas sombras das trevas.

Os Rothschilds construíram seu imenso império financeiro ao longo dos séculos seguindo uma regra de ouro. Para sempre financiar os dois lados envolvidos na batalha e, então, ser capaz de controlar os dois através das imensas dívidas de guerra. Acima de tudo, como afirmou um dos membros da família, Nathan, é essencial controlar o poder de emissão das moedas dos estados nacionais [pelo sistema de bancos centrais criados pelos Rothschilds]. Se você controla o dinheiro de uma nação, você controla o próprio estado.

Mas agora os Rothschilds abriram uma exceção à sua regra porque a situação é obviamente muito séria para a execução de seus planos de criar um governo totalitário mundial, uma Nova Ordem Mundial.

Lynn de Rothschild, esposa do banqueiro Evelyn de Rothschild, ex-proprietário da The Economist, uma revista bastante importante para as comunicações simbólicas da cabala satânica globalista,  convocou 100 CEOs de grandes corporações americanas que representam todo o establishment econômico e financeiro [Deep State] dos Estados Unidos.

No encontro realizado via Zoom, a famosa plataforma de videoconferência, estiveram presentes nomes do calibre de Mary Barra, CEO da General Motors, e James Murdoch, filho do conhecido magnata Rupert Murdoch. O evento parecia ser uma repetição do que aconteceu no ano passado, quando toda a elite econômica dos Estados Unidos se coordenou para realizar a fraude ocorrida nas eleições presidenciais.

A própria revista Time revelou como todo o establishment americano trabalhou de perto para permitir o golpe eleitoral contra o presidente Trump. Eles são os principais inspiradores e instigadores deste golpe. Os satânicos membros da família Rothschild.

Na reunião do Zoom em abril passado, os Rothschilds transmitiram [impuseram] seus novos pedidos [agenda]aos grandes nomes de Wall Street e da indústria americana. É necessário evitar que as leis eleitorais ESTADUAIS E FEDERAIS sejam reformadas em um sentido “restritivo”, pois isso significa uma vitória praticamente certa para Trump.

Este, portanto, nada mais é do que o enésimo capítulo de uma longa guerra entre esta família que quer dominar o mundo através do estabelecimento da Nova Ordem Mundial e Donald Trump e o seu grupo de patriotas e de militares que o apoiaram desde o início desta batalha em sua primeira eleição contra a satanista Hillary Rodhan Clinton em 2016.

Você pode chamá-los de QAnon se quiser, mas isso não importa. Estes são os campos que se enfrentam pela salvação da América e do mundo inteiro, pois a América democrática é o maior empecilho para a criação de um governo global totalitário. Se os EUA cair definitivamente, o ocidente também CAI JUNTO. Pela primeira vez em décadas, durante os quatro anos do mandato de Trump os Estados Unidos escaparam da lógica dos presidentes peões, meros marionetes [como Clinton, Obama, et caterva]  controlados pelos Rothschild.

Pela primeira vez em muitos anos, há um presidente que não quer sacrificar e destruir seu país no altar de uma tirania dominada pela Maçonaria e esta família de banqueiros que pretende tomar o lugar de Deus.

O globalismo da cabala, Deep State, et caterva, tem uma ideia fixa em mente. Para ser capaz de arrastar a humanidade e o mundo em direção à Nova Ordem Mundial, o controle total dos Estados Unidos é necessário. Não é possível alcançar um governo mundial sem a participação da primeira superpotência mundial.

Esta é a obsessão dos Rothschilds que declararam guerra aos Estados Unidos desde o início de sua existência para ter o controle do “novo mundo”.  Na ideia da Maçonaria, Deep State e da cabala globalista, é a nova Atlântida que de alguma forma desempenha o papel principal na construção da nova Torre de Babel.

É um choque que vai além dos limites puramente materiais para pousar no campo espiritual que ajuda a realmente entender o que está acontecendo no mundo nos derradeiros dias de hoje. Existe uma passagem na Bíblia que ajuda a entender verdadeiramente o momento histórico que vivemos e que é o dos Efésios.

“Nossa luta [dos filhos da Luz] não é contra o sangue e a carne, mas contra os principados, contra as autoridades, contra os governantes deste mundo das trevas, contra as [forças] espirituais da maldade que estão nos lugares celestiais”. 

Como o “redde rationem” [a “prestação de contas” dos atos de cada um] parece estar se aproximando [e rapidamente], parece que a Luz pode ser vista no final do túnel. A outra parte [os servidores das trevas] entendeu isso perfeitamente e está pronta para fazer qualquer coisa para evitar seu fracasso e condenação. O globalismo e seus aliados é como um animal selvagem mortalmente ferido. Ele está pronto para qualquer ação extrema antes de finalmente expirar.

Saiba mais sobre a satânica família Rothschild:

Qualquer pessoa que tenha entendido a natureza desse conflito [espiritual] não tem nada a temer.  De qualquer maneira, a Luz vencerá. O mal das trevas que oprime o mundo há milênios será eliminado. O tempo das forças das trevas do mal está chegando ao fim.

Este blog é financiado por doações de leitores. Se você quiser ajudar também com informações gratuitas, clique abaixo.


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda manteve o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


“O futuro será encontrar uma forma de reduzir a população … Claro, não seremos capazes de executar pessoas ou construir acampamentos [campos de concentração]. Livramo-nos deles fazendo-os acreditar que é para o seu próprio bem … Vamos encontrar ou causar alguma coisa, uma pandemia que atingirá certas pessoas, uma crise econômica real ou não, um vírus que afeta os idosos, tanto faz, os fracos e os medrosos sucumbirão a ela. O estúpido vai acreditar nisso e pedir para ser tratado.  Teremos cuidado de ter planejado o tratamento, um tratamento que será a solução.A seleção dos idiotas [para abate], portanto, será feita por si mesmos: eles irão para o matadouro sozinhos”.  – Excerto de livro de 1981 de Jacques Attalli [Membro do Grupo Bilderberger, num exemplo de mentalidade dos psicopatas da Elite]


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

3 Responses to Fraude eleitoral nos EUA desmorona dia a dia. Segundo semestre será decisivo

  1. Thomas Tschoepke

    Na lista dos malignos ainda temos a falsa invasão alienígena e a ameaça da colisão de um cometa… Sem falar em uma Plandemia digital e o “Grande Reset”.

    Então, pessoalmente, ainda não vejo luz alguma no fim do túnel…

    • Dante

      É amigo, concordo, nao consigo ver nenhuma luz no fim do túnel também. Embora muitas pessoas fiquem fazdndo discursos “inspiradores” para motivar o povo, eu realmente ache que essa luta ja foi gamha do lado deles.

      • Thoth3126

        Caro Dante, para a imensa maioria (cerca de 85%) da massa de zumbis não existe sequer um túnel. O restante 15% ESTA FAZENDO A DIFERENÇA e para esses “haverá um novo céu e uma nova Terra” porque eles a construirão. Muita Luz e Paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.