browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Fungo C. Auris se espalha pelo mundo, com alta taxa de infecção e mortalidade

Posted by on 12/04/2019

Imagine um futuro de ficção científica distópico onde os sistemas de ventilação de hospitais estão bombeando para o ar externo uma superbactéria mortal, direto para a atmosfera aberta, nas cidades, onde os ventos levam-no para todas as comunidades e fazendas locais, infectando pessoas, culturas e alimentos com cepas fúngicas resistentes a produtos químicos que têm uma taxa de fatalidade relatada de 41% a 88% em humanos. E imagine que o CDC soubesse disso, mas se recusou a lhe dizer quais hospitais estavam infectados.  Os hospitais locais esconderam o fato de que seus próprios quartos de atendimento e unidades de terapia intensiva estavam sendo invadidos e foram infectados por esses fungos mortais, e que todos os especialistas epidemiológicos do mundo não tinham ideia de onde o patógeno mortal e indestrutível teria se originado e/ou como pará-lo.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

ALERTA MÉDICO: Hospitais estão liberando fungos de superbactérias mortais ao ar livre, que estão “colonizando” a população com patógenos perigosos que têm uma alta taxa de mortalidade de 41% a 88% entre os infectados.

Fonte:  https://www.naturalnews.com/

Mas todos eles mantiveram isso em segredo, porque não queriam “alarmar” o público. E com certeza não queriam que os hospitais fossem vistos como centros de infecções por superbactérias resistentes e altamente infecciosas.  Bem, não imagine mais. ISSO JÁ É REALIDADE e ESTA ACONTECENDO EXATAMENTE AGORA, enquanto voce esta lendo esta matéria.

Essa pandemia espalhou-se silenciosamente nos últimos quatro anos, com praticamente zero de reportagens da mídia sobre o fato, muito pouca informação do CDC e uma cobertura coordenada dos hospitais do mundo ocidental para manter os pacientes no escuro enquanto eles estão sendo infectados e mortos por um patógeno mortal que circula livremente por entre suas instalações sem ser eliminado.

Esta é a verdadeira história por trás do novo fungo Candida auris, uma cepa de fungos que surgiu mais principalmente pelo uso generalizado e indiscriminado de fungicidas químicos na agricultura. Neste relatório estendido da Natural News – inicialmente baseado em um relatório do New York Times, mas expandido significativamente – você vai aprender porque essa pandemia silenciosa já invadiu os hospitais dos Estados Unidos e por que não pode ser combatida pelo uso de qualquer defesa médica conhecida. Já pode ser tarde demais para o planeta. Ao abusar de produtos químicos agrícolas, a humanidade deu origem a uma superbactéria que poderia, sob as condições certas, matar um bilhão de pessoas e derrubar todo o sistema médico ocidental.

E você pode já ter sido “colonizado” por {ser um portador} este fungo, servindo como um portador que infectará outras pessoas em sua própria família e comunidade, por onde voce transitar.

Como isso aconteceu? Compreendendo o fungo Candida Auris:

De acordo com uma investigação bombástica do jornal New York Times sim, até mesmo o New York Times ocasionalmente comete atos de jornalismo real – essa pandemia já encontrou seu caminho em alguns dos maiores hospitais de Nova York, Chicago e Londres. O fungo super resistente se espalhou para lares de idosos e é transportado de paciente para paciente pelos próprios profissionais de saúde que os atendem. Ela cresce em qualquer ambiente, em sistemas de ventilação, infecta aventais, instrumentos, utensílios e roupas hospitalares.  Esforços de esterilização agressivos usando peróxido de hidrogênio em aerossol não fazem nada para matar esse fungo, é inócuo e o encobrimento continua, mesmo quando as taxas de infecções e mortes estão explodindo em todo o mundo ocidental.

O fungo é chamado Candida auris, ou C. auris abreviado. Chama-se Auris porque foi originalmente descoberto no ouvido de uma mulher no Japão. Mas agora, ele se espalhou para todos os continentes, e sua ascensão à categoria de epidemia só foi agravada por um encobrimento coordenado e conjunto pelo CDC, os hospitais e a indústria médica corrupta que coloca seus próprios lucros acima da segurança da saúde pública. Se houvesse uma vacina para o fungo Candida auris, essas infecções já seriam notícia de primeira página em todo o mundo, e os jornalistas estariam gritando para que todos se injetassem com a vacina. Mas desde que o establishment médico não tem nenhum tratamento para este agente patogênico mortal, eles conspiraram para encobri-lo.

Este relatório da Natural News tem como objetivo explicar como isso está acontecendo e como as mentiras científicas dos gigantes agrícolas químicos colocam toda a raça humana em risco a partir desse agente patogênico, uma superbactéria. Para entender como chegamos a esse ponto de contaminação silenciosa, temos que voltar alguns anos e observar mais de perto fungos que crescem naturalmente em solos agrícolas.

A contaminação química em massa dos solos agrícolas em nome do aumento dos “rendimentos das colheitas” de grãos

O solo é um ecossistema vivo e complexo, e os solos abrigam naturalmente uma surpreendente variedade de microbiologia, incluindo bactérias, fungos e vírus. Em solos saudáveis, os organismos mais perigosos são expulsos pelos bons organismos. Esta competição de sobrevivência mantém os insetos realmente desagradáveis ​​e danunhos sob controle, impedindo-os de expandir suas colônias e ganhar terreno.

Mas a agricultura moderna depende muito de pesticidas químicos, herbicidas e fungicidas. Esses produtos {venenos} químicos, que são pulverizados rotineiramente em plantações de alimentos, demonstram toxicidade química seletiva que mata alguns organismos, mas deixa outros intocados. Pior ainda, algumas cepas desenvolvem resistência a produtos químicos agrícolas através de um processo de adaptação e seleção natural microbiológica. Isso leva ao surgimento das chamadas superbactérias. (Veja Superbugs.news para mais relatórios.)

“Superbugs” é um termo genérico que pode ser aplicado a insetos que desenvolvem resistência química, ou pode descrever micróbios e até mesmo fungos que desenvolvem resistência a substâncias químicas que, de outra forma, os matariam. Qualquer organismo que sobreviva ao ataque de produtos químicos tóxicos e desenvolve um mecanismo de sobrevivência fisiológico para anular ou eliminar esses produtos químicos, de repente se verá capaz de crescer, multiplicar e se espalhar a um ritmo feroz. Isso porque sua concorrência foi eliminada pelos venenos agrícolas, como os fungicidas. Assim, como os agricultores pulverizaram fungicidas em praticamente todos os vegetais e frutas existentes, essa prática levou à inevitável ascensão de um super cepa de Candida auris., que agora se encontra capaz de se replicar e se espalhar de maneiras que nunca poderiam ter sido possíveis quando todos os outros fungos estavam competindo pelos mesmos recursos.

Matar os fungos “bons”, em outras palavras, permitiu que as cepas fúngicas realmente perigosas tivessem sucesso como nunca antes. E quanto mais produtos químicos são pulverizados nas culturas alimentares, mais perigosos são os patógenos. Tudo isto é causado pela intervenção humana através da agricultura química – uma forma artificial, irresponsável e danosa ao meio ambiente, de produzir alimentos para as massas.

Milhões de toneladas de fungicidas são pulverizados em plantações de alimentos todos os anos nos Estados Unidos

Até 2023, estima-se que os gastos anuais com fungicidas cheguem a US$ 21 bilhões em todo o mundo . Em 2016, uma média de 4,26 libras {quase 2 quilos} de produtos químicos fungicidas foram aplicados por acre nos Estados Unidos, e uma das maiores classes de produtos químicos fungicidas é chamada de “fungicidas azólicos”.

Os “fungicidas azólicos” respondem agora por um terço das vendas globais de fungicidas, e vários derivados de azóis são aplicados pesadamente em cultivos todos os dias, em todo o mundo, incluindo triazóis e benzimidazóis . Esses produtos químicos acabam não apenas em nossa comida, mas no escoamento da agricultura, acabando por contaminar o abastecimento de água, os rios, lençóis freáticos e até mesmo os oceanos. Com o tempo, à medida que essas substâncias químicas azole foram repetidamente aplicadas a cultivos alimentícios ano após ano, o fungo  Candida auris desenvolveu imunidade robusta a esses produtos químicos, permitindo que o fungo sobrevivesse em lavouras de alimentos devido ao fato de agora não ter competição, já que a maioria das outras linhagens de fungos foram mortos pelos produtos químicos.

Assim, as colheitas colhidas em campos de alimentos transportavam esse fungo para mercados de alimentos e mercearias, ou seja seja, migrava do campo para às cidades. Lá, os consumidores compravam os produtos e os preparavam em casa, tocando aquelas frutas e legumes com as próprias mãos e transferindo as colônias fúngicas para suas casas, roupas e outros membros da família. Quase instantaneamente, o resistente fungo Candida auris se espalhou de alimentos para ambientes domésticos, persistindo em cozinhas úmidas, gavetas escuras e closets, efetivamente colonizando seres humanos que, em seguida, os transportavam e os levavam para outros seres humanos.

A partir daqui, foi apenas uma questão de tempo até que o fungo C. auris encontrasse seu caminho para infectar hospitais, lares de idosos, centros cirúrgicos e centros de aposentadoria. Hoje, o fungo C. auris sem dúvida está colonizando crianças em creches; colegas de trabalho em ambientes de escritório; amigos em reuniões sociais e familiares em eventos de férias.

Tudo nos quartos do hospital estava infectado: os trilhos da cama, persianas, cortinas, portas, cama e até o teto

Quando um homem morreu no hospital Mount Sinai, no Brooklyn, em N. York, após ser infectado por C. auris , seu quarto de hospital foi testado para o patógeno, como relata o New York Times:

“Tudo foi positivo – as paredes, a cama, as portas, as cortinas, os telefones, a pia, o quadro branco, os postes, a bomba”, disse o Dr. Scott Lorin, presidente do hospital. “O colchão, os trilhos da cama, os buracos da caixa, as persianas da janela, o teto, tudo na sala era positivo, tudo estava contaminado.”

O fungo ataca aqueles com sistema imunológico enfraquecido, incluindo bebês e idosos. Seus sintomas incluem fadiga extrema, e em certas populações enfraquecidas pelo sistema imunológico, até agora, foi observado que ele mata 41% daqueles que infecta. (Veja abaixo mais estatísticas mostrando uma taxa de fatalidade ainda maior).

Pessoas com forte sistema imunológico aparentemente são capazes de combater os efeitos da contaminação do fungo C. auris, mas mesmo que não apresentem sintomas, podem ser portadores da cepa, infectando outros que podem sofrer de uma função imunológica debilitada. Isso inclui bebês e idosos, mas também pode impactar aqueles que pegaram um resfriado ou uma gripe, ou até mesmo pessoas que passaram por um treino extremamente árduo no ginásio, colocando-se em uma condição imunossuprimida por 2-3 dias. “Eles são mais letais para pessoas com sistema imunológico imaturo ou comprometido, incluindo recém-nascidos e idosos, fumantes, diabéticos e pessoas com distúrbios autoimunes que tomam esteroides que suprimem as defesas do corpo”, explica o NYT.

É evidente que o fungo C. auris também atacará aqueles que estão tomando antibióticos, já que sua própria flora intestinal é exterminada pelos antibióticos exatamente da mesma maneira que os fungos amigáveis ​​são exterminados pelos campos de cultivo pelos fungicidas azóis. Assim, as pessoas que se submetem a procedimentos cirúrgicos em hospitais e recebem antibióticos rotineiramente como parte do tratamento também estão sendo mantidas nos mesmos quartos do hospital onde o próprio fungo Candida auris está cada vez mais presente infectando tudo.

Essa combinação é uma catástrofe de saúde pública que está prestes a acontecer e a nível global. Os hospitais agora se tornaram centros de colonização de agentes onde os seres humanos são expostos a fungos mortais. Os Hospitais, em um sentido muito real, ao invés de centros de cura estão espalhando a pandemia. Mais uma vez, citamos o NY Times:

“Os germes são facilmente espalhados – transportados em mãos e equipamentos dentro dos hospitais;  transportados em vegetais fertilizados com esterco contaminado das fazendas; transportados através das fronteiras pelos viajantes e nas exportações e importações de produtos; e transferido por pacientes e visitantes de lar de idosos para o hospital e vice versa”.

Cinco advertências do especialista em fungos do CDC, Dr. Tom Chiller

O chefe da divisão de pesquisa de fungos do CDC, Dr. Tom Chiller, alerta sobre o fungo Candida auris , “se comportando de maneira inesperada e preocupante, causando doenças graves em pessoas de países do mundo todo, inclusive nos Estados Unidos”. Em um artigo Medscape publicado em 2017  o Dr. Chiller apresenta alguns fatos sobre o fungo Candida auris que até o New York Times decidiu não divulgar. Através do aviso do Dr. Chiller: (meus comentários são adicionados entre parênteses)

Aviso 1) C auris pode se espalhar entre os pacientes nas unidades de saúde e causar surtos. Desta forma, parece comportar-se como algumas bactérias multirresistentes (por exemplo, Staphylococcus aureus resistente à meticilina ou Acinetobacter).

Atenção 2) O fungo C auris pode colonizar a pele de um paciente por meses ou mais. (Sim, meses. Isso significa que as operadoras podem permanecer portadoras por um tempo muito longo).

Aviso 3) Este fermento resistente pode sobreviver em superfícies por um mês ou mais, e testes preliminares sugerem que compostos de amônio quaternário comumente usados ​​para desinfecção de cuidados de saúde podem não ser suficientemente eficazes contra o C auris. (Em outras palavras, os produtos químicos usuais que os hospitais usam para limpar os quartos simplesmente não funcionam contra o fungo Candida auris.)

Atenção 4) O C auris está rapidamente se tornando mais comum. Em algumas instituições de saúde internacionais, passou de um patógeno desconhecido para uma causa de 40% de infecções invasivas por Candida em poucos anos. Precisamos agir agora para evitar que isso aconteça nos Estados Unidos. (Tarde demais. Também já é endêmico nos hospitais dos EUA em Illinois, Nova Jersey e Nova York, embora o CDC se recuse a nos dizer quais hospitais foram colonizados pelo fungo.)

Atenção 5) C auris é frequentemente resistente a múltiplas drogas. Algumas cepas foram resistentes a todas as três principais classes de antifúngicos, incluindo as equinocandinas, o tratamento de primeira linha para infecções por Candida.

Mas é muito pior do que tudo isso, na realidade. O fungo Candida auris é transportada por via aérea, e flutua no ar dentro de hospitais, infectando pacientes, funcionários do hospital, visitantes e colonizando quartos de hospitais e áreas cirúrgicas. Ainda pior, o patógeno mortal agora está escapando dos hospitais e infectando suas comunidades vizinhas. Os hospitais tornaram-se, de fato, centros de disseminação dessa superbactéria mortal em todo o país e em todo o mundo.

“Amostras aéreas de hospitais” testam positivo para o patógeno mortal … agora os hospitais são fábricas que produzem essa doença mortal

Em 2013, um artigo científico publicado examinou a disseminação do Aspergillus fumigatus resistente ao azole, decorrente do uso agrícola de fungicidas azóis. O artigo foi publicado no periódico PLOS Pathogens, com o título “ Emergência de cepas Aspergillus fumigatus resistentes ao azole devido ao uso de azole agrícola cria uma ameaça crescente à saúde humana ”.

O artigo apóia a surpreendente conclusão de que as pessoas estão adquirindo cepas resistentes a fungicidas por meio de “fontes ambientais”, em vez de sofrerem mutações fúngicas em seus próprios corpos enquanto são tratadas com drogas antifúngicas. Como o estudo explica:

Diversas descobertas recentes apoiam a hipótese de que as cepas de ARAF (A. fumigatus resistentes ao azole) em pacientes com aspergilose invasiva tinham maior probabilidade de serem adquiridas de fontes ambientais do que de mutação e seleção de novo dentro de pacientes durante a terapia com azol.

A evidência de apoio para essa realização extremamente preocupante também é citada pelo artigo da ciência como segue:

  1. “As cepas de ARAF foram encontradas em pacientes que nunca haviam sido tratados com antifúngicos azólicos”.
  2. “As linhagens ARAF foram encontradas em muitos nichos ambientais, incluindo canteiros de flores, adubo, folhas, sementes de plantas, amostras de solo de jardins de chá, arrozais, ambiente hospitalar e amostras aéreas de hospitais.” Isso significa que os hospitais estão efetivamente bombeando as cepas fúngicas para as suas áreas vizinhas.
  3. “Estas cepas mostraram resistência cruzada ao voriconazol, posaconazol, itraconazol e a seis fungicidas triazóis amplamente utilizados na agricultura.” Em outras palavras, é quase certo que o fungo emergiu da exposição repetida aos fungicidas agrícolas, uma vez que estes são as substâncias químicas para as quais desenvolveu resistência inata.

Como o artigo explica, é o uso agrícola de fungicidas azólicos que fornece a explicação mais provável para fungos de superbactérias resistentes a fungicidas:

Por exemplo, os fungicidas azóis são amplamente utilizados para controlar o míldio e a ferrugem de grãos, frutas, vegetais e plantas ornamentais; oídio em cereais, frutos silvestres, videiras e tomates; e vários outros fungos patogênicos de plantas. Mais de um terço das vendas totais de fungicidas são azóis (principalmente triazóis) e mais de 99% dos DMIs (inibidores de desmetilase) são utilizados na agricultura. Além disso, existem mais de 25 tipos de DMIs azólicos para uso agrícola, muito mais do que os três triazóis médicos licenciados para o tratamento da aspergilose. Além disso, os azóis podem persistir e permanecer ativos em muitos nichos ecológicos, como solo agrícola e ambientes aquáticos, por vários meses.

A aplicação generalizada de fungicida para uso agrícola, em outras palavras, é a explicação racional e credível para o desenvolvimento generalizado de cepas de fungos resistentes aos azóis que colonizam e matam pessoas, incluindo pessoas que, o primeiro lugar, nunca foram reconhecidas como portadoras das cepas não resistentes.

Aspergilose Azole-resistente matou pacientes humanos com uma taxa de mortalidade de 88%

Uma das descobertas mais terríveis dos cientistas que estudam fungos resistentes aos azóis é a taxa de mortalidade surpreendentemente alta. Aspergilose Azole-resistente foi encontrada para matar 88% dos pacientes que estavam infectados. Como o estudo PLOS Pathogens citado anteriormente descreve:

Na verdade, sabe-se que 50% dos pacientes com aspergilose invasiva devido à ARAF são cepas azólicos e o desfecho de pacientes com aspergilose invasiva resistente ao azole tem sido desanimador, com uma taxa de mortalidade de 88%. (Van der Linden JWM, Snelder E, Kampinga GA, Rijnders BJA, Mattsson E, et al. (2011) Implicações clínicas da resistência aos azóis em Aspergillus fumigatus , Holanda, 2007–2009. Emerg Infect Dis 17: 1846–1852.)

Ainda mais alarmante, parece que os pacientes atualmente sendo diagnosticados como tendo infecções pulmonares crônicas podem realmente ser vítimas de infecções fúngicas resistentes ao azol. Como o estudo explica, a análise genética (via PCR) de tecidos de pacientes com infecções pulmonares crônicas revelou que mais da metade apresentou mutações características de cepas fúngicas resistentes aos azóis:

[O] mesmo mecanismo também foi relatado em pacientes com infecções pulmonares crônicas e alérgicas [20]. Por exemplo, Denning et al. detectaram mutações TR34 / L98H e M220 em 55,1% de amostras respiratórias de pacientes com PCR e ABPA por PCR direto…

Este mesmo genótipo foi “encontrado em 90% dos isolados de ARAF obtidos de pacientes que nunca fizeram uso de azóis”, relata o estudo, o que significa que é praticamente certo que esses pacientes foram colonizados por cepas fúngicas resistentes aos azóis.

A agricultura química desencadeou um patógeno global mortal sem nenhum tratamento médico conhecido … e todo o establishment médico está enterrando a verdade ao expor à contaminação milhões de pacientes hospitalares todos os dias.

O resultado de tudo isso é que a agricultura química deu origem a um patógeno global mortal que se espalhou pelo mundo e não tem tratamento médico conhecido. O artigo do NY Times cita o Dr. Lynn Sosa, vice-epidemiologista estadual de Connecticut, dizendo: “É praticamente imbatível e difícil de identificar”. Essa história acrescenta que quase 50% dos pacientes que contraem Candida auris morrem em 90 dias, segundo o que parece ser declarações relutantes do CDC. Lá, o chefe do ramo de pesquisa de fungos, Dr. Tom Chiller, descreveu a superbactéria fúngica como “uma criatura da lagoa negra”, relatou o NY Times. “Borbulhou e agora está em toda parte.”

Só que não tem que ser assim. Houve um encobrimento desse fato grave nos últimos anos. O próprio establishment médico encarregado de manter as pessoas seguras contra patógenos mortais tornou-se virtualmente o centro de distribuição para espalhar a doença, ao mesmo tempo em que é conivente com o CDC para esconder a verdade sobre tudo isso do público. São os hospitais que hoje são “fábricas de fungos” que estão espalhando a doença, literalmente liberando patógenos de superbactérias para o ar livre, contaminando comunidades inteiras com esporos de fungos que são mais fortes do que qualquer tratamento químico conhecido na medicina ocidental.

Simplesmente não há tratamento existente, nem a cura e muito pouca honestidade sobre a realidade da situação.  Para seu crédito, o Dr. Chiller do CDC postou um aviso sobre tudo isso em 2017, mas o próprio CDC se recusou a nomear os hospitais onde esses surtos estão ocorrendo. O NY Times descreve a combinação bizarra de pânico e conluio que está ocorrendo agora em hospitais em todo o mundo:

No final de 2015, a doutora Johanna Rhodes, especialista em doenças infecciosas do Imperial College London, recebeu uma ligação em pânico do Royal Brompton Hospital, um centro médico britânico fora de Londres. C. auris se enraizou meses antes, e o hospital não conseguiu liberá-lo. “’Não temos ideia de onde está vindo. Nós nunca ouvimos falar disso. É apenas espalhado como um incêndio ”, disse Rhodes. Ela concordou em ajudar o hospital a identificar o perfil genético do fungo e limpá-lo dos quartos.

Sob sua direção, os funcionários do hospital usaram um dispositivo especial para pulverizar peróxido de hidrogênio em aerossol em torno de uma sala usada para um paciente com C. auris, a teoria é que o vapor iria vasculhar cada canto e recanto. Eles deixaram o aparelho por uma semana. Em seguida, eles colocaram uma “placa de estabilização” no meio da sala com um gel no fundo que serviria como um local para qualquer micróbio sobrevivente crescer, disse Rhodes.

Apenas um organismo cresceu de volta. O fungo C. auris.

O fungo estava se espalhando, mas a notícia disso não foi veiculada por nenhum meio de comunicação. O hospital londrino, centro especializado em pulmões e coração que atrai pacientes ricos do Oriente Médio e da Europa, alertou o governo britânico e disse aos pacientes infectados, mas não fez nenhum anúncio público.

“Não houve necessidade de lançar um comunicado de imprensa durante o surto”, disse Oliver Wilkinson, porta-voz do hospital. Esse pânico silencioso está ocorrendo em hospitais em todo o mundo. Instituições individuais e governos nacionais, estaduais e municipais têm relutado em divulgar surtos de infecções resistentes, argumentando que não há motivo para assustar pacientes – ou prospectivos.

Agora o fungo C. Auris chegou à América … e está se espalhando silenciosamente enquanto médicos, hospitais e o CDC ainda escondem fatos importantes do público

De acordo com o CDC, um total de 617 casos de infecção pelo Candida auris foram relatados até agora nos Estados Unidos. Esta situação é detalhada na pagina sobre o Candida Auris do CDC, que adverte que o fungo C. Auris tem “surtos causados nos serviços de saúde”, significando hospitais e lares de idosos que estão agora a espalhar o patógeno da superbactéria por toda à América.

A página de rastreamento do CDC para Candida auris adverte que hospitais em todo o mundo estão espalhando a doença, nomeando especificamente os seguintes países como locais onde a transmissão de patógenos relacionados à assistência médica foi relatada:

Índia, Quênia, Kuwait, Paquistão, África do Sul, Japão, Emirados Árabes Unidos e Venezuela

Fora dos hospitais, vários casos de Candida auris estão atualmente sendo rastreados pelo CDC e foram registrados nos seguintes países:

Austrália, Canadá, China, Colômbia, França, Alemanha, Índia, Israel, Japão, Quênia, Kuwait, Omã, Paquistão, Panamá, Rússia, Arábia Saudita, Cingapura, África do Sul, Coréia do Sul, Espanha, Reino Unido, Estados Unidos (principalmente da área da cidade de Nova York, Nova Jersey e da região de Chicago) e Venezuela

O CDC até adverte que os hospitais estão espalhando a doença, dizendo que “em alguns desses países, a transmissão extensiva de C. auris foi documentada em mais de um hospital”.

Illinois, Nova York e Nova Jersey são os centros de infecções por Candida auris em hospitais e instalações de saúde nos EUA

A Candida auris está se espalhando rapidamente pelos Estados Unidos, e o CDC publica um gráfico com estatísticas estado por estado sobre onde as infecções estão sendo encontradas, mesmo recusando-se a informar ao público quais hospitais estão infectados: https://www.cdc.gov/fungal/candida-auris/tracking-c-auris.html

Atualmente, a página de rastreamento do CDC mostra 144 infecções registradas em Illinois, 104 em Nova Jersey e 309 em Nova York. Doze casos foram relatados na Flórida, 7 em Massachusetts com um punhado de relatórios isolados da Califórnia, Texas, Virgínia e Connecticut.

É importante ressaltar que até agora o CDC está se recusando a nomear os hospitais ou asilos onde esses casos estão sendo encontrados . Isso significa que o CDC, como de costume, está escondendo a verdade sobre um surto mortal do público. Esse comportamento do CDC obviamente levará ainda mais pessoas a serem infectadas, visitando os hospitais onde a colonização de Candida auris já está completa. Mas o CDC parece mais interessado em proteger os lucros dos hospitais do que em proteger o público de um patógeno letal de superbactérias, então parece provável que o sigilo continue.

De forma alarmante, até mesmo o CDC diz que os números publicados até agora em Illinois, Nova Jersey e Nova York são apenas o começo“Além da contagem de casos clínicos relatados acima, um adicional de 1056 pacientes foram encontrados colonizados com o fungo C. auris por triagem direcionada em sete estados com casos clínicos”, diz o CDC. No entanto, para surpresa de ninguém, o CDC se recusa a nomear quais são os sete estados.

Morte pelo sigilo

Ser “colonizado” por Candida auris significa que você está carregando, espalhando-o para outras pessoas, mesmo que você não demonstre nenhum sintoma. Como o CDC explica, “Colonização significa que esses pacientes são portadores de C. auris em seus corpos, mesmo que não estejam doentes com a infecção”.

Se há 1.056 pessoas em sete estados que já foram encontrados colonizados por Candida auris, isso significa que estamos muito além do cenário de contaminação pelo mortal vírus Ebola que assustou a nação há alguns anos, quando os “gênios” do CDC trouxeram um paciente de Ebola para um hospital no Texas, onde esse paciente prontamente espalhou o vírus Ebola para pelo menos uma enfermeira, causando um pânico nacional sobre um surto viral que felizmente não explodiu em todo o coração dos EUA. Mas o fungo Candida auris já explodiu em toda a América, e os números iniciais são apenas uma sugestão do escopo do problema real, dado que a “triagem de colonização” nem sequer começou a abranger todas as cidades ou todos os estados da América.

Com o CDC escondendo os nomes dos hospitais onde este patógeno mortal está se espalhando – e com a aplicação contínua de fungicidas da classe azole em produtos agrícolas em todo o país – parece que já estamos em uma pandemia de estágio seis que apenas começou a ser totalmente realizado. É como se estivéssemos todos velejando no Titanic, e o navio já está 80% debaixo d’água quando percebemos que algo está errado. Este patógeno já é endêmico na América.

É provável que quase todos os hospitais, lares de idosos, escolas públicas e creches dos Estados Unidos já estejam colonizados por Candida auris (ou estarão em breve). Nenhuma pessoa pode visitar qualquer hospital ou estabelecimento de saúde sem a expectativa razoável de estar exposto a essa variedade de fungos associado com cepas fúngicas resistentes aos azóis, o que significa que cada visita ao hospital é agora uma possível sentença de morte, especialmente considerando as taxas de fatalidade de 41% a 88% até agora.

Por que a medicina ocidental vai ignorar a solução óbvia: luz ultravioleta

O que é ainda mais assustador sobre tudo isso é que ninguém no sistema médico ocidental parece capaz de pensar fora do campo dos tratamentos químicos, então todos eles perdem a solução óbvia: o uso da luz ultravioleta. A luz UV – que todos podem obter de graça do sol – mata quase todos os fungos e cepas virais. Mas hospitais, casas de repouso e outras instalações de saúde são lugares não naturais, caracterizados por luz artificial e corredores e quartos escuros e úmidos. Os hospitais são locais de reprodução de colônias de fungos e, combinados com as altas taxas de insucesso da lavagem das mãos entre os profissionais de saúde, é inevitável que as cepas fúngicas resistentes ao azol colonizem todos os hospitais da América nos próximos anos.

Com as persianas desenhadas para manter a luz apagada, os hospitais tentarão combater o fungo com ainda mais substâncias químicas, criando, em última análise, cepas ainda mais perigosas e resistentes a drogas que poderão um dia deixar o sistema de saúde ocidental do mundo em total colapso.

Até esse dia chegar, hospitais em toda a América e em todo o mundo estão bombeando bilhões de esporos de fungos para o ar livre, contaminando solos, ruas e edifícios nas comunidades vizinhas. Mesmo estando perto de um hospital, você é uma provável vítima de colonização por esses fungos. E, assim como o holocausto das vacinas, que mata crianças em toda a América, a mídia controlada por conglomerados Big Pharma de produtos farmacêuticos certamente enterrará essa pandemia e condenará aqueles que a alertam como “teóricos da conspiração”.

O fato de o New York Times ter relatado isso é praticamente um evento de seis sigmas, mas é uma exceção, não a nova regra. Quando os dólares dos cuidados de saúde estão em jogo, o jornalismo rapidamente se dobra aos interesses lucrativos das poderosas corporações. Logo, a simples menção de Candida auris será denunciada como “anti-ciência”, e a Organização Mundial de Saúde alertará que “histórias assustadoras” sobre o fungo superbug estão impedindo as pessoas de visitar pacientes, consultar médicos e ir à hospitais, interferindo assim nos cuidados de saúde globais. (Isso é exatamente o que a OMS fez para os céticos das vacinas que ousam falar sobre os riscos para a saúde de ingredientes de vacinas tóxicas, como adjuvantes baseados em esqualeno, mercúrio ou alumínio).

Não muito tempo depois da repressão à censura da “conspiração de Candida”, o CDC vai apagar seu próprio site de qualquer menção ao patógeno, assim como o CDC excluiu todas as páginas da web que admitiram que 98 milhões de americanos foram expostos a vírus cancerígenos  de vacinas contaminadas contra a poliomielite. A medicina ocidental não é boa para resolver problemas de saúde, mas é muito boa em encobri-los.

Lembre-se: o condado de Rockland, em Nova York, recentemente declarou estado de emergência devido a um punhado de casos de sarampo . No entanto, um agente patogênico fúngico mortal que agora ameaça colonizar e invadir todos os hospitais e lares de idosos no país recebe quase zero menção em qualquer lugar. É claro que os funcionários do governo e os propagandistas da mídia não têm real interesse em proteger a saúde pública, mas têm um enorme interesse em promover os interesses financeiros da indústria farmacêutica Big Pharma.

Conclusão: A agricultura química já afeta a humanidade profundamente… é tarde demais para acabar com isso

Cinco anos atrás, eu avisei que a agricultura química iria levar à destruição da humanidade. Eu fui atacado e difamado por várias publicações científicas, é claro, e rotulado como um caso de “anti-ciência”. Nos anos seguintes, lancei o que agora se tornou uma instalação de laboratório credenciada pela ISO de vários milhões de dólares CWClabs.com ); Eu co-autoria de um artigo científico revisado por pares publicado no jornal de cromatografia LC / GC ; Eu lancei um livro – “ Food Forensics ” – que alcançou o primeiro lugar em ranking de livros científicos na Amazon.com; e eu fui premiado com duas patentes científicas pelo Escritório de Marcas e Patentes dos EUA:

  • Patente 1) Eliminador de Césio , uma invenção para a remoção de isótopos radioativos de césio-137 do trato digestivo humano. (Veja o link de patentes do Google aqui .)
  • Patente 2) Heavy Metals Defense , uma invenção que remove metais pesados ​​tóxicos de alimentos ou líquidos que são consumidos por pessoas ou animais. (Veja o link de patentes do Google aqui .)

Também durante esses anos, os júris da Califórnia confirmaram por duas vezes que o herbicida glifosato {da Monsanto} causa câncer, o que significa que o suprimento de comida dos EUA está fortemente saturado com um químico mortal que mata pessoas. Usando a análise de espectrometria de massa quádrupla, meu laboratório desenvolveu e validou um método para a quantificação de glifosato em alimentos e água, e estamos usando esse método para investigar itens alimentares de varejo vendidos em supermercados em toda a América. (Nosso artigo científico descrevendo este método será submetido em breve para publicação em revistas científicas).

Em quase todas as amostras de alimentos frescos que testamos, encontramos produtos químicos fungicidas.  Encontramos também vestígios de glifosato num bom número de amostras (cereais, cerveja, vinho, feijão, legumes, etc.) e encontramos níveis surpreendentemente elevados de chumbo e cádmio em muitos superalimentos, suplementos dietéticos e produtos nutricionais.

Com a pandemia de Candida auris agora confirmada até por um veículo da mídia mainstream, o New York Times, os últimos cinco anos confirmaram que meu aviso original estava correto. Produtos químicos agrícolas estão matando a humanidade; e apenas começamos a entender os vetores de patógenos emergentes que transformaram virtualmente todo o sistema de saúde global em uma missão suicida do ponto de vista dos pacientes.

Químicos agrícolas nem precisam nos matar diretamente para ser uma ameaça apocalíptica à humanidade, vocês veem: eles meramente têm que dar origem a patógenos mortais que invadem, colonizam e infectam todos os hospitais, casas de repouso, estações de metrô, ônibus de transporte público, shopping, cinema, igreja e sinagoga em toda a América. São esses patógenos que realizam a matança, não os produtos químicos agrícolas originais que deram origem à sua existência.

Em essência, a agricultura química gerou o que o Dr. Tom Chiller, do CDC, chama de “uma criatura da lagoa negra”. Nas palavras arrepiantes do Dr. Chiller, ele resume o que eu venho tentando alertar a humanidade há quinze anos: “Borbulhou e agora está em toda parte.”

E a Big Pharma não tem respostas, nem tratamento e nem cura. A verdadeira resposta é, literalmente, a luz do sol. No entanto, os gigantes da droga não podem patentear o sol nem cobrar royalties, de modo que a luz solar nunca será mencionada pelo establishment como a arma mais óbvia e poderosa para erradicar esse patógeno insidioso.

Enquanto isso, hospitais em toda a América continuarão servindo alimentos tóxicos e administrando drogas tóxicas a seus pacientes, divertindo-se com o negócio recorrente que vem da doença e do sofrimento que agora caracterizam a abordagem química da civilização ocidental para tudo. O moto “Melhor conviver com a química” agora entrou em colapso. O futuro que enfrentamos agora é “o suicídio quimicamente induzido da raça humana”.

Essa é a verdadeira história de como os fungicidas agrícolas transformaram cada visita hospitalar em uma missão suicida. Se a comida não te mata primeiro, a visita ao médico certamente o fará. Fique informado. Leia o site  NaturalNews.com e assista a mais vídeos de verdade no Brighteon.com.


Saiba mais em:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.