browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

George Soros, um oligarca nefasto e suas marionetes

Posted by on 30/12/2019

Raramente o mundo tem uma visão verdadeira do submundo corrupto dos oligarcas ocidentais, especialmente dos EUA e das manipulações descaradas que eles usam para melhorar suas fortunas à custa do bem público de diferentes povos. O texto a seguir vem da correspondência pessoal do oligarca bilionário judeu khazar nascido húngaro, agora especulador norte americano naturalizado, George Soros. O grupo de hackers CyberBerkut publicou cartas  confidenciais on-line supostamente escritas por Soros que o revelam não apenas como um mestre de marionetes do regime ucraniano apoiado pelos oligarcas dos EUA… 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A suja e imunda história de corrupção de um oligarca americano khazar George Soros, um mestre de marionetes

Fonte:  https://www.lewrockwell.com/2019/12/no_author/an-american-oligarchs-dirty-tale-of-corruption/

Eles também revelam suas maquinações com o governo dos EUA e os funcionários da União Européia em um esquema em que, se ele conseguir, ele poderá ganhar [novamente] bilhões na pilhagem de ativos na Ucrânia. Tudo isso, é claro, seria as custas dos cidadãos ucranianos e dos contribuintes da UE.

‘Stop Soros’: o governo húngaro ‘expulsou’ o oligarca magnata da sua própria pátria

O que os três documentos hackeados revelam é um grau de manipulação nos bastidores dos mínimos detalhes do regime de Kiev pelo bilionário khazar, agora de Nova York.

No memorando mais longo, datado de 15 de março de 2015 e marcado como “Confidencial”, Soros descreve um mapa detalhado das ações para o regime da Ucrânia. Intitulado “Uma estratégia abrangente de curto e médio prazo para a NOVA Ucrânia”, o memorando de Soros pede medidas para “restaurar a capacidade de combate da Ucrânia sem violar o acordo de Minsk”. Para fazer a restauração, Soros observa alegremente que o “General Wesley Clark, o general polonês Skrzypczak e alguns especialistas  sob os auspícios do Conselho Atlântico  [grifo nosso – fwe] aconselharão o presidente Poroshenko sobre como restaurar a capacidade de combate da Ucrânia “sem violar o Acordo de Minsk“.

Soros também pede o fornecimento de armas letais à Ucrânia e o treinamento secreto do exército ucraniano na Romênia para evitar a presença direta da OTAN na Ucrânia. O Conselho do Atlântico é uma das principais think tank pró-NATO e Washington tanque .

Notavelmente, Wesley Clark também é sócio de George Soros na BNK Petroleum, que atua na Polônia.

Fotografia oficial do general Wesley Clark, editada.jpg

O General que quis atacar tropas russas aliadas da OTAN no conflito da Sérvia

Wesley Clark, alguns devem se lembrar, foi o [imbecil] General da OTAN mentalmente instável encarregado do bombardeio da Sérvia em 1999, que ordenou que os soldados da OTAN disparassem contra soldados russos que guardavam o Aeroporto Internacional de Pristina. Os russos estavam lá como parte de uma operação conjunta de manutenção da paz OTAN-Rússia, que deveria policiar o Kosovo. O comandante britânico, general Mike Jackson, refutou Clark, respondendo-lhe: “Não vou começar a Terceira Guerra Mundial para você. Agora Clark aparentemente decidiu sair da aposentadoria pela chance de ir diretamente à Rússia.

O “Sequestro” [eufemismo para ROUBO] de ativos crus

Em seu memorando de março de 2015, Soros escreve ainda que “a primeira prioridade do então presidente ucraniano Poroshenko deve ser recuperar o controle dos mercados financeiros”, que assegura a Poroshenko que Soros estaria pronto para ajudar: “Estou pronto para ligar para Jack Lew, do Tesouro dos EUA para sondá-lo sobre o contrato de troca. “

Ele também pede à UE que conceda à Ucrânia um montante anual de ajuda de US$ 11 bilhões de euros por meio de um mecanismo especial de financiamento da UE. Soros propõe, com efeito, o uso da principal classificação de crédito “AAA” da UE para fornecer um seguro de risco para investimentos na Ucrânia.


{Excerto do post: EUA “confiscou” as reservas de ouro da Ucrânia

Um site russo de notícias na internet, o Iskra (Fagulha) com base na cidade de Zaporozhye, na Ucrânia do Leste, informou  que em 7 de Março de 2014:

“As reservas de ouro da Ucrânia haviam sido apressadamente transportadas por via aérea para os Estados Unidos embarcadas a partir do Aeroporto de Borispol, a Leste de Kiev”.

ucrania-ouro

Esta alegada remoção aérea e confisco das reservas em ouro físico da Ucrânia pelo New York Federal Reserve não foi confirmada pelos meios de imprensa ocidentais. Segundo o Iskra News :

Às 2 horas da manhã [do dia 7 de Março] um avião de  transporte  de  cargas     não identificado estava na pista do Aeroporto de Boryspil International Airport em Kiev. Segundo a equipe do aeroporto, antes da vinda do avião chegaram ao local quatro caminhões e dois miniônibus Volkwagen, todos eles sem matrícula de identificação.

Quinze pessoas com uniformes negros, usando máscaras e armadura corporal saíram, alguns pesadamente armados com metralhadoras. Eles carregaram o avião com mais de 40 pesadas caixas. Depois disso chegou um homem misterioso que entrou no avião. Todo o carregamento foi feito às pressas. O avião decolou numa condição em base de emergência (emergency basis).  Aqueles que assistiram esta “misteriosa operação especial” imediatamente notificaram os responsáveis do aeroporto, os quais lhes disseram para não se meterem nos assuntos dos outros.

Posteriormente um telefonema de resposta de um alto funcionário responsável do antigo Ministério das Receitas Fiscais informou naquela noite que, por ordens de um dos “novos líderes” da Ucrânia, os Estados Unidos haviam tomado a custódia de todas as reservas em ouro da Ucrânia.  iskra-news.info. Zaporozhye, Ukraine, March 7, 2014, traduzido do russo pelo Gold Anti-Trust Action Committee Inc (GATA) , ênfase acrescentada) Fim de Citação}


De qual risco a UE se seguraria?

George Soros detalha: “Estou preparado para investir até €$ 1 bilhão em negócios ucranianos. É provável que isso atraia o interesse da comunidade de investimentos internacionais. Como dito acima, a Ucrânia deve se tornar um destino atraente para investimentos”. Para não deixar dúvidas, Soros continua: “Os investimentos serão com fins lucrativos, mas prometerei contribuir com os lucros para minhas fundações. Isso deve aliviar as suspeitas de que estou defendendo políticas em busca de ganhos pessoais”.

Qualquer pessoa familiarizada com a história das Fundações da Sociedade Aberta de Soros na Europa Oriental e em todo o mundo desde o final dos anos 80, saberá que seus supostos projetos filantrópicos de “construção da democracia” na Polônia, Rússia ou Ucrânia nos anos 90 permitiram ao empresário Soros pilhar literalmente os ex-países comunistas usando o messias da “terapia de choque” da Universidade de Harvard, e um associado de Soros, o também judeu khazar e ECONOMISTA Jeffrey Sachs, para convencer os governos pós-soviéticos a privatizar e abrir seus países a um “mercado livre” de uma só vez, em vez de gradualmente [o velho e bom liberalismo do economista Milton Friedman, também judeu khazar nascido no antigo reino da Hungria, como George [nascido Schwartz György – literalmente Jorge NEGRO] Soros.

O exemplo da atuação do “filantropo” George Soros na Libéria é instrutivo para entender a interação aparentemente perfeita entre Soros, o empresário [vampiro] astuto, e Soros, o [falso] filantropo. Na África Ocidental, George Soros apoiou uma ex-funcionária da sua fundação Open Society, a ganhar a Presidência da Libéria Ellen Johnson Sirleaf, dando-lhe publicidade internacional e por sua influência, até organizando um Prêmio Nobel da Paz para ela em 2011, assegurando sua eleição como presidente. Antes de sua presidência, ela havia sido bem doutrinada no jogo do “mercado livre ocidental”, estudando economia em Harvard e trabalhando para o Banco Mundial, controlado pelos [Rothschild] EUA, em Washington, e para o Rockefeller Citibank, em Nairóbi. Antes de se tornar presidente da Libéria, ela trabalhou para Soros diretamente como presidente de sua Open Society Initiative for West Africa ( OSIWA ).

Uma vez no cargo, a Presidente Sirleaf abriu as portas para Soros assumir os principais ativos de recursos naturais liberianos de metais básicos e ouro, juntamente com seu parceiro, um expoente judeu khazar Nathaniel Rothschild. Um de seus primeiros atos como presidente foi também convidar o novo Comando Africano do Pentágono, o AFRICOM, para a Libéria, cujo objetivo, conforme revelado por uma investigação liberiana, era “proteger as operações de mineração de George Soros e Rothschild na África Ocidental, em vez de defender a estabilidade e os direitos humanos do seu país”. E assim o “liberalismo” atua por onde passa …

Naftogaz, o alvo na Ucrânia

O memorando de Soros deixa claro que ele está de olho no controle do monopólio estatal ucraniano de gás e energia, Naftogaz. Ele escreve: “A peça central das reformas econômicas será a reorganização da Naftogaz e a introdução de preços de mercado para todas as formas de energia, substituindo subsídios estatais ocultos  …”

Em uma carta anterior que Soros escreveu em dezembro de 2014 ao presidente Poroshenko e ao primeiro-ministro Yatsenyuk, Soros pediu abertamente pela aplicação [liberalismo] de sua “Terapia de Choque” [big bang]:

“Quero apelar para que você se una aos reformadores do seu governo e dê seu apoio sincero a uma abordagem radical, tipo de abordagem ‘big bang’. Ou seja, os controles administrativos seriam removidos e a economia passaria aos preços de mercado rapidamente, em vez de gradualmente … Naftogaz precisa ser reorganizada com um big bang substituindo os subsídios ocultos  … ”

A divisão da Naftogaz em empresas separadas poderia permitir à Soros assumir o controle de uma das novas filiais e privatizar essencialmente seus lucros. Ele já sugeriu que indiretamente contratasse a empresa de consultoria norte americana McKinsey para aconselhar a Naftogaz na privatização radical do tipo “big bang“.

O [vampiro sanguessuga] mestre de marionetes?

A totalidade do que é revelado nos três documentos invadidos mostra que o oligarca khazar George Soros é efetivamente o mestre de marionetes que puxa a maioria das cordas de Kiev e outros lugares A filial da Ucrânia na Fundação Soros, a International Renaissance Foundation (IRF) está envolvida na Ucrânia desde 1989. Sua IRF distribuiu mais de US$ 100 milhões para ONGs ucranianas dois anos antes da queda da União Soviética, criando as condições prévias para a independência da Ucrânia da Rússia em 1991. Soros também admitiu financiar os protestos da Praça Maidan de 2013-2014 que levaram o atual governo ao poder após a derrubada de Poroshenko.

As “fundações” de Soros também estiveram profundamente envolvidas na Revolução Laranja de 2004 na Ucrânia, que levou o corrupto, mas pró-interesses OTAN, Viktor Yushchenko, ao poder com sua esposa americana, que estava no Departamento de Estado dos EUA. Em 2004, apenas algumas semanas após a International Renaissance Foundation (IRF) de Soros ter conseguido obter Viktor Yushchenko como Presidente da Ucrânia, Michael McFaul escreveu uma OpEd para o Washington Post. McFaul, especialista na organização de revoluções coloridas, que mais tarde se tornou embaixador dos EUA na Rússia, revelou:

“Os americanos se intrometeram nos assuntos internos da Ucrânia? Sim. Os agentes americanos de influência preferem linguagem [eufemismos usados por HIPÓCRITAS] diferente para descrever suas atividades – assistência democrática, promoção da democracia, apoio à sociedade civil etc. -, mas seu trabalho, embora rotulado, procura influenciar mudanças políticas na Ucrânia. A Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional, a National Endowment for Democracy e algumas outras fundações patrocinaram certas organizações americanas, incluindo a Freedom House, o Instituto Republicano Internacional, o Instituto Nacional Democrático, o Centro de Solidariedade, a Eurasia Foundation, a Internews e várias outras. pequenas subvenções e assistência técnica à sociedade civil ucraniana. A União Européia, países europeus individuais e a International Renaissance Foundation (IRF) , financiada por gEORGE Soros, fizeram o o mesmo .

Soros molda a ‘Nova Ucrânia’

Hoje, os documentos hackeados do CyberBerkut mostram que o dinheiro do IRF de Soros está por trás da criação de um Conselho Nacional de Reforma, um órgão organizado por decreto presidencial de Poroshenko, que permite ao presidente ucraniano aprovar projetos de lei na legislatura ucraniana. Soros escreve: “A estrutura para reunir os vários ramos do governo também surgiu. O Conselho Nacional de Reforma (NRC) reúne a administração presidencial, o gabinete de ministros, a Rada e seus comitês e a sociedade civil. A Fundação International Renaissance Foundation (IRF), que é o ramo ucraniano das Fundações Soros, era o único apoiador financeiro do NRC até  agora … ”

O NRC de Soros, na verdade, é o veículo para permitir que o presidente anule o debate parlamentar para promover “reformas”, com a primeira prioridade declarada sendo a privatização da Naftogaz e aumentando os preços do gás drasticamente para a indústria e as famílias ucranianas, algo que o país falido [e com suas reservas de ouro enviadas para os EUA] dificilmente pode pagar .

Em sua carta a Poroshenko e Yatsenyuk, Soros sugere que ele desempenhou um papel fundamental na seleção de três importantes ministros não ucranianos – Natalia Jaresko, uma ex-funcionária americana do Departamento de Estado como Ministra das Finanças; Aivras Abromavicius, da Lituânia, como ministro da Economia e ministro da Saúde da Geórgia. Soros em sua carta de dezembro de 2014, referindo-se à sua proposta de privatização de Naftogaz e “aumento de grandes bancos”, declara: “Você tem sorte de ter nomeado três ministros ‘novos ucranianos’ e vários nativos comprometidos com essa abordagem.

Em outros lugares, Soros fala sobre criar de fato a impressão dentro da UE de que o então governo de Yatsenyuk está finalmente limpando a notória corrupção que domina todos os regimes de Kiev desde 1991. Criar essa ilusão de reforma temporária, ele observa, convencerá a UE a tossir o fundo de seguro de investimento anual de 11 bilhões de euros. Seu documento de março de 2015 diz que: “É essencial que o governo produza uma demonstração visível durante os próximos três meses para mudar a imagem amplamente prevalecente da Ucrânia como um país totalmente corrupto”. UE para fazer o fundo de investimento de 11 bilhões de euros em garantia de seguro.

Ao dizer que é importante mostrar a Ucrânia como um país que não é corrupto, Soros revela que tem pouco preocupação quando transparência e procedimentos adequados bloqueiam sua agenda. Falando sobre suas propostas de reforma da constituição da Ucrânia para permitir privatizações e outras medidas favoráveis ​​a Soros, ele reclama: “O processo foi desacelerado pela insistência da recém-eleita Rada [poder legislativo unicameral da Ucrânia. Composto por 450 membros eleitos.] em procedimentos adequados e total transparência“.

Soros sugere que ele pretende criar essa “demonstração visível” por meio de suas iniciativas, como o uso do Conselho Nacional de Reforma, financiado por Soros, um órgão organizado por decreto presidencial que permite ao presidente ucraniano aprovar projetos de lei na legislatura ucraniana. George Soros também está usando seu novo think tank do Conselho Europeu de Relações Exteriores para pressionar sua estratégia na Ucrânia, com membros de seu conselho como Alexander Graf Lambsdorff ou Joschka Fischer ou Karl-Theodor zu Guttenberg, para não mencionar o ex-chefe do BCE, Jean-Claude Trichet, sem dúvida, colocando um papel sutil.

George Soros, agora com 84 anos, nasceu na Hungria como judeu khazar, George Sorosz. Soros certa vez se gabou em uma entrevista na TV em que ele se colocou durante a guerra como um gentio [não judeu] com papéis forjados, ajudando o governo Horthy a apreender propriedades de outros judeus húngaros que estavam sendo enviados para os campos de extermínio nazistas. Soros disse ao moderador da TV: “Não havia nenhum sentido de que eu não deveria estar lá, porque isso era – bem, na verdade, de uma maneira engraçada, é como nos mercados – que se eu não estivesse lá – é claro, eu não estava fazendo isso, mas alguém o faria“. [receber as terras de seus compatriotas judeus mandados para campos de extermínio].

Essa é a mesma ética e moralidade aparentemente por trás das atividades de Soros na Ucrânia hoje e em vários outros países do mundo. Parece mais uma vez que não importa para ele que o governo ucraniano que ele ajudou a levar ao poder em fevereiro de 2014, num golpe de estado patrocinado pelos EUA que está repleto de anti-semitas explícitos e neo-nazistas auto-proclamados do Partido Svoboda e Pravy Sektor. George Soros é claramente um devoto da “parceria público-privada”, um ícone dos liberais. Somente aqui é que o [recurso] público é forçado a enriquecer investidores privados, vampiros como Soros et caterva [como os Rothschilds]. Cinica e hipocritamente, Soros assina seu memorando de estratégia na Ucrânia, “George Soros – um advogado nomeado pela nova Ucrânia em 12 de março de 2015”.

As opiniões dos autores não coincidem necessariamente com a opinião do conselho editorial do site.


“Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és muito rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás”.  Apocalipse 2:9

“Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não o são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo”.   Apocalipse 3:9


{George Soros, Húngaro: Soros György, nascido  György Schwartz (em português Jorge  NEGRO), em 12 agosto de 1930, é um  “Investidor”  húngaro-americano, oligarca de negócios, “filantropo” e autor. Soros é um dos investidores (especulador e manipulador de mercados) mais bem-sucedidos do mundo.  George  Soros (Schwartz-NEGRO) nasceu em Budapeste no Reino da Hungria em uma família de judeus khazares bem-sucedida, que, como muitos judeus húngaros da classe média alta na época, estavam desconfortáveis ​​com suas raízes. Em 1936, a família de Soros mudou seu nome do Schwartz (NEGRO) alemão-judeu para Soros, como camuflagem protetora na Hungria cada vez mais antissemita. Seu pai Tivadar gostou do novo nome porque é um palíndromo e por causa do seu significado. No húngaro, Soros significa “next in line” ou “sucessor designado”; no  esperanto, significa “vai subir”.}


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Sobre os Judeus Khazares, saiba mais acessando os links:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.