browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Giordano Bruno, queimado pela igreja há 415 anos

Posted by on 17/02/2019

Giordano_Bruno

Há 419 anos, em 17 de fevereiro de 1600, uma quinta-feira ensolarada, Roma presenciou um espetáculo dantesco.

Centenas de pessoas lotaram o Campo dei Fiori (Campo das Flores), uma praça no centro da cidade, para assistir à morte na fogueira de Giordano Bruno, por ordem da “Santa Inquisição”.

“Posso ter sido qualquer coisa, menos um blasfemador”

 

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Giordano Bruno, em 17/02/1600, há exatos 419 anos foi queimado pela igreja de Roma.

Fontehttp://dw.de/p/1Fl1

Deutsche Welle – Autoria Norbert Ahrens (gh)

“Posso ter sido qualquer coisa, menos um blasfemador”Esta frase teria sido dita por Giordano Bruno no dia de sua execução. Em 17 de fevereiro de 1600, ele foi queimado vivo no Campo dei Fiori, em Roma, onde é relembrado desde 1899 com um monumento.

giordano-bruno

Ao contrário de Galileo Galilei (1564–1642), Bruno negou-se a refutar a teoria do astrônomo alemão Johannes Kepler (1571–1630) de que a Terra girava em torno do Sol. Além disso, por ser padre e teólogo, suas heresias e dúvidas, em relação à Santíssima Trindade, por exemplo, partiam de dentro da Igreja e foram interpretadas como um ato de insubordinação ao papa.

Nascido numa família da nobreza de Nola (próximo ao Vesúvio) em 1548, inicialmente chamava-se Fellipo Bruno. Aos 13 anos, começou a estudar Humanidades, Lógica e Dialética em Nápoles, no mesmo convento em que São Tomás de Aquino vivera e ensinara.

Em 1565, aos 17 anos, recebeu o hábito de dominicano, ocasião em que mudou o nome para Giordano. Ordenado sacerdote em 1572, continuou seus estudos de Teologia no convento, concluindo-os em 1575.

Fuga das autoridades eclesiásticas

Sua vida acadêmica foi marcada pela fuga constante das autoridades eclesiásticas. Lecionou em Nápoles, Roma, Gênova, Turim, Veneza, Pádua e Londres, antes de se mudar para Paris em 1584. Passou o período de 1586 a 1591 em Praga e nas cidades alemãs de Marburg, Wittenberg, Frankfurt e Helmstedt, onde escreveu a que é considerada sua principal obra: “Sobre a associação de imagens, os signos e as ideias”.

Apesar das advertências de amigos, voltou para a Itália em 1591, convicto de que na liberal Veneza não cairia nas garras da Inquisição. Mas logo foi preso e levado para Roma, onde passou seu últimos anos na prisão.

GiordanoBruno_TBRZ

O lugar em que Bruno foi queimado pela Inquisição, em Roma, tem hoje uma estátua em sua homenagem

Giordano Bruno teria caído numa armadilha ao retornar à Itália. Na Feira do Livro de Frankfurt de 1590, uma dupla de livreiros a serviço do nobre veneziano Giovanni Mocenigo o teria convidado a ir a Veneza ensinar Mnemotécnica, a arte de desenvolver a memória, na qual era um perito. Pouco depois de sua volta, desentendeu-se com Mocenigo, que o trancou num quarto e chamou os agentes da Inquisição.

Encarcerado na prisão de San Castello no dia 26 de maio de 1592, seu julgamento começou em Veneza, foi transferido para Roma em 1593 e chegou à fase final na primavera europeia de 1599. Durante os sete anos do processo romano, Bruno negou qualquer interesse particular em questões teológicas e reafirmou o caráter filosófico de suas especulações.

Essa defesa não satisfez os inquisidores, que pediram uma retratação incondicional de suas teorias. Como se mantivesse irredutível, foi condenado devido à sua doutrina teológica de que Jesus Cristo era apenas um mágico de habilidade incomum, que o Espírito Santo era a alma do mundo e que o demônio seria salvo um dia.

Ao ouvir sua sentença, a 8 de fevereiro de 1600, teria dito aos juízes: “Vocês pronunciam esta sentença contra mim com um medo maior do que eu sinto ao recebê-la”.

caveiraemchamas

A inquisição da igreja de Roma queimou milhares de pessoas, a grande maioria injustamente. O dia do acerto de contas desta “santa instituição” esta muito PRÓXIMO…

Contribuição intelectual decisiva

A Congregação do Santo Ofício, presidida pelo papa Clemente VIII (1592–1605), ainda concedeu ao “herege impertinente e pertinaz” oito dias de clemência para um eventual arrependimento.

A capitulação de Bruno teria um forte efeito propagandístico num ano da “graça” como o de 1600. Mas ele preferiu enfrentar a pena de morte a renegar suas idéias. Seus trabalhos foram proibidos e publicados no Índex da igreja de Roma em agosto de 1603 e só foram liberados pela censura do Vaticano em 1948.

Segundo os historiadores, Giordano Bruno prestou uma contribuição intelectual decisiva para acabar de vez com a Idade Média. Morto aos 52 anos, tornou-se um mártir do livre pensamento. Ele foi vítima da intolerância religiosa típica da chamada Contrarreforma, a batalha travada pela Igreja Católica contra a Igreja Reformada.

O martírio de Giordano Bruno em 1600, seguido do julgamento de Galileo Galilei em 1616, abriu um fosso de desconfiança entre a ciência e a igreja de Roma.

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

3 Responses to Giordano Bruno, queimado pela igreja há 415 anos

  1. Sidney

    Excelente matéria! como sempre em alto nível.

    Obrigado por isso toth3126, sempre com matérias envolventes para todos nós que buscamos a verdade em diversos seguimentos.

    Sidney

  2. HELCIO GONÇALVES DA SILVA

    BOM DIA
    18/02/2019

    Senhores. Há muitas coisas acumuladas neste 2.019 anos de existência da Igreja Católica em detrimento do comportamento dos membros da Igreja. Queimavam pessoas, Serravam pessoas ao meio e muitas outras formas de torturas de pessoas vivas só para assistirem elas gritarem.Como aconteceu com GIORDANO BRUNO que se vivesse hoje certamente teria outro tratamento científico.
    PADRE mata estrupa viola menino pequeno, comete adultério, ameaça e se o fiel não faz as suas vontades é punido.
    Agora a humanidade é responsável porque deixou que isto acontecesse.JESUS CRISTO DISSE: AMAI-VOS UNS AOS OUTROS. AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS E AO PRÓXIMO COMO A TI MESMO. AÍ QUEIMARAM O GIORDANO BRUNO E MUITOS OUTROS COM PERVERSIDADE.
    SAUDAÇÕES

    HÉLCIO GONÇALVES DA SILVA
    LABREA – AMAZONAS
    B R A S I L

  3. Lívia Miranda Torres

    Hélcio Gonçalves , você em poucas palavras disse tudo… A própria Doutrina Espírita Kardecista , já informou através de livros que os responsáveis por essas crueldades , cada um deles , já estão pagando , pois nada foge aos olhos do nosso Pai eterno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.