browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Guerra perpétua dos EUA custou US$ 6,4 trilhões nos últimos 20 anos e 801 mil mortos

Posted by on 23/11/2019

A quantidade exorbitante de dinheiro gasta de US$ 6,4 trilhões até o ano fiscal de 2020 nessas guerras, desde o 11 de setembro, não pode transmitir completamente seu puro desperdício. As guerras são sempre caras, e geralmente acabam sendo muito mais caras do que se imagina no início, mas quando essas guerras são desnecessárias e inúteis, o custo exorbitante é muito mais repugnante. O dinheiro e os recursos gastos em quase vinte anos de guerras fracassadas poderiam ter sido aplicados a qualquer número de usos mais produtivos. Em vez disso, essa vasta soma de mais de 6 trilhões foi derramada pelo ralo. Os EUA têm pouco ou nada a mostrar pelo enorme investimento mal feito na luta e na morte de seus soldados às centenas de milhares em todas essas guerras inúteis. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Estado de Guerra perpétua dos EUA custou US$ 6,4 trilhões nos últimos 20 anos e 801 mil mortos em 80 países

Fonte:  https://moneymaven.io/ – https://www.theamericanconservative.com/

Desde o final de 2001, os Estados Unidos se apropriaram e foram obrigados a gastar um valor estimado de cerca de US$ 6,4 trilhões até o ano fiscal de 2020 em custos orçamentários relacionados a e causados pelas guerras pós-11 de setembro – um valor estimado em US$ 5,4 trilhões com um mínimo adicional de mais US$ 1 trilhão para as obrigações dos EUA de cuidar dos veteranos dessas guerras nas próximas décadas.

A missão pretensa missão das guerras pós-11 de setembro, como originalmente definida, era defender Estados contra futuras ameaças terroristas da Al Qaeda e organizações afiliadas. Desde 2001, as guerras se expandiram dos combates no Iraque e Afeganistão para as guerras e operações em outros lugares, em mais de 80 países – tornando-se uma {pseudo} verdadeira “guerra global contra o terror”. Além disso, o Departamento de Segurança Interna foi criado em parte para coordenar a defesa dos EUA contra “ataques terroristas”.

Desde o ataque terrorista (falso) às torres gêmeas do WTC em New York, em 11 de setembro de 2001, o custo da Guerra Eterna já totaliza US$ 6,4 trilhões e cerca de 801.000 mortos, incluindo 335.000 civis mortos. Para quê? Neta C. Crawford é professora e presidente do Departamento de Ciência Política da Universidade de Boston e co-diretora do projeto Costs of War no Watson Institute da Brown University e The Frederick S. Pardee Center da Boston University.que calculou o custo [de 20 anos de guerra] em seu relatório do custo da guerra eterna de 13 de novembro de 2019.

Resumo dos gastos relacionados à guerra

Mudando os nomes das guerras para ocultar o Custo Total

Uma barreira potencial para os civis compreenderem a escala e os custos totais das guerras pós-11 de setembro são as mudanças no nome das guerras. As forças armadas dos EUA designam as principais zonas de guerra no Afeganistão, Paquistão, Iraque e Síria como operações nomeadas. A guerra mais longa até agora, no Afeganistão e no Paquistão, teve dois nomes: Operation Enduring Freedom (Operação “Liberdade” Duradoura), designada a primeira fase da guerra no Afeganistão a partir de outubro de 2001; foi designado Operation Freedom’s Sentinel (Sentinela da Operação “Liberdade”) em 1º de janeiro de 2015.

A guerra no Iraque foi designada Operation Iraqi Freedom (Operação Liberdade do Iraque) de março de 2003 a 31 de agosto de 2010, quando se tornou a Operação New Dawn. Quando os EUA começaram a lutar na Síria e no Iraque, a guerra foi designada Operation Inherent Resolve. Para facilitar a compreensão, os custos não são rotulados aqui pela designação de OCO, mas pelas principais zonas de guerra – Afeganistão e Paquistão,

Esconder o financiamento de emergência

Os gastos com OCO (Overseas Contingency Operations) são considerados gastos de emergência. As dotações de emergência para o DoD (U.S. Department of Defense) não estão sujeitas à mesma supervisão e limites detalhados do Congresso que as dotações regulares, ou de base, não emergenciais do orçamento, para custos que suportam se os EUA estão ou não em guerra.

Base DoD, OCO e OCO para gastos básicos autorizados e solicitados período fiscal de EF 2001-2020 em bilhões de dólares atuais.

Mudança de despesas para exceder o orçamento

No ano fiscal de 2019, o governo Trump tornou pública a prática de transferir as dotações de emergência do OCO para o orçamento base quando introduziu novas maneiras de categorizar os gastos do Departamento de Defesa relacionados às operações de contingência no exterior. Parte do financiamento anteriormente designado para operações militares específicas agora foi transferido para uma categoria chamada “OCO para requisitos de teatro duradouro e missões relacionadas” e outra “OCO para requisitos de base”.

Essas mudanças são específicas e explicitamente destinadas a contornar os limites impostos pelo Congresso no orçamento básico da defesa. O pedido do Departamento de Defesa AF2020 declarou explicitamente o seguinte: “Esses requisitos básicos de orçamento são financiados no orçamento da OCO devido a limites nos limites de defesa orçamentária promulgados na Lei de Controle de Orçamento de 2011 “.

Cuidados médicos para veteranos de guerra e compensação por incapacidade

Em 2018, havia 4,1 milhões de veteranos de guerra pós-11 de setembro, compreendendo cerca de 21% de todos os veteranos e 16% de todos os veteranos atendidos pelo Departamento de Assuntos de Veteranos (VA). Os veteranos de guerra pós-11 de setembro são, em geral, menos saudáveis ​​do que os veteranos de guerras anteriores. Os avanços na medicina de trauma e no campo de batalha fizeram com que os veteranos dessas guerras, também chamados de veteranos da Segunda Guerra do Golfo, tenham sobrevivido a viver com mais deficiências relacionadas a serviços do que os veteranos de guerras anteriores. Esses veteranos, expostos a diferentes condições de campo e que muitas vezes serviram a várias implantações, precisam de mais e diferentes tipos de assistência médica do que os veteranos de guerras anteriores e esses custos apenas aumentam.

Quantos morreram?

O The American Conservative comenta os custos do estado de guerra perpétuo: 335.000 civis mortos e US$ 6,4 trilhões de dólares dos contribuintes.

A quantidade de dinheiro gasta nessas guerras não pode transmitir completamente seu puro desperdício. As guerras são sempre caras, e geralmente acabam sendo muito mais caras do que se imagina no início, mas quando essas guerras são desnecessárias e inúteis, o custo exorbitante é muito mais repugnante. O dinheiro e os recursos gastos em quase vinte anos de guerras fracassadas poderiam ter sido aplicados a qualquer número de usos mais produtivos. Em vez disso, essa vasta soma foi derramada pelo ralo. Os EUA têm pouco ou nada a mostrar pelo enorme investimento mal feito na luta contra essas guerras. Essas guerras não tornaram os EUA mais seguros, criaram mais inimigos do que destruíram e incendiaram suas respectivas regiões, o que levará anos para queimar. Por mais impressionante que seja o valor de US $ 6,4 trilhões, não capta o quão ruinosas essas guerras foram. Os EUA continuarão a pagar por essas guerras muito tempo depois de terminadas de várias maneiras.

Figura 1. Estimativa da despesa da guerra global ao terrorismo até o ano fiscal 2020 em bilhões de Dólares e porcentagens atuais de cada tipo de custo em relação ao total:

Um cálculo completo dos custos de nossas guerras deve incluir centenas de milhares de mortos, milhões de deslocados e os destroços de vários países. Estas são as perdas verdadeiramente sem sentido que poderiam ter sido evitadas. O relatório também detalha esses custos :

O relatório, do Instituto Watson de Assuntos Públicos e Internacionais da Universidade Brown, também mostra que mais de 801.000 pessoas morreram como resultado direto dos combates. Desses, mais de 335.000 são civis. Outros 21 milhões de pessoas foram deslocadas devido à violência dos conflitos, desde a Síria até o distante Afeganistão.

A morte e a destruição que nossas guerras infligem às pessoas que vivem nesses países raramente são mencionadas em nossos debates sobre política externa, e essas perdas quase nunca são levadas em consideração quando se pensa nos custos dessas guerras. Isso incentiva os políticos e formuladores de políticas dos EUA a adotarem uma abordagem muito descuidada para apoiar o uso da força em outras partes do mundo e permite que eles escapem da responsabilidade pelos danos que essas políticas causam.

Nos últimos vinte anos, não houve limite para o que os EUA gastariam em guerras estrangeiras, e o Congresso e os presidentes de ambos os partidos jogaram mais dinheiro de maneira confiável no Pentágono para sustentar essas guerras invencíveis. Embora possa haver discussões ocasionais sobre “desperdício, fraude e abuso”, não houve nenhum esforço sério e consistente para controlar essas guerras ou o orçamento militar. Tem havido ainda menos interesse em lidar com os horríveis custos humanos de nossa política externa militarizada. Isso precisa mudar e começa exigindo que os EUA terminem definitivamente suas guerras fracassadas e abertas no exterior.

“Drenando o pântano”… uma ova!

Os republicanos defendem “orçamentos equilibrados”, exceto, é claro, quando eles ocupam o cargo de Presidência. O pântano é impossível de SER DRENADO.

Eles se recusam a financiar as guerras e os gastos militares que exigem. Escorra o pântano é uma fantasia. Quem esperava que Trump “drenasse o pântano” esta iludido por algo impossível. Se você não concorda, consulte “Peak Trump”, de David Stockman: Book Review .

Arte do Compromisso

O compromisso nada mais é do que republicanos concordando em mais gastos sociais, desde que os democratas concordem em mais gastos militares. Democratas iludidos são tão ruins quanto os piores republicanos.

Observe o preço verde do novo acordo comercial da congressista AOC, de US$ 51 a US$ 93 trilhões versus o custo de não fazer nada. Não há controles em lugar algum para parar essa loucura.

Como isso aconteceu?

A resposta é fácil. Em 1971, Nixon removeu as amarras de gastos públicos impostas pelo “Padrão Ouro“, encerrando todos os controles de gastos com déficit público. Isso permitiu que o governo e o Congresso gastassem à vontade e as nações em geral abandonassem toda a responsabilidade fiscal. O resultado hoje soma cerca de inimagináveis US$ 250 trilhões em dívida pública global impagável e irresgatável.

Perguntei: US$ 250 trilhões em dívida global: isso pode ser pago?

A resposta curta é que “não”. Uma crise cambial aguarda no horizonte a humanidade, conforme observado no link acima. Enquanto isso, os gastos estão um pouco fora de controle e permanecerão fora de controle até que algum tipo de crise monetária global e irremediável resolva o problema quebrando todo o sistema. (Mike “Mish” Shedlock)


“Nos indivíduos, a loucura é rara, mas em grupos, partidos (“agências” de inteligência), nações e ÉPOCAS, é a regra”.  –  Friedrich Nietzsche


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):  “A Matrix é um  sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse  sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.