browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Impacto de Asteroides, Guerra, Colapso Econômico! O mundo está caminhando para um desastre iminente?

Posted by on 04/12/2018

Graças à internet, somos bombardeados 24/7 com notícias de desastres e desastres iminentes, a ponto de enfurecer. As coisas estão realmente tão ruins quanto a mídia e Hollywood dizem? Ou estamos indo para um futuro feliz de uma era techno? Numa outra noite, em busca de algum entretenimento, me deparei com um filme do diretor australiano John Hillcoat, intitulado The Road (2009). Este fascinante drama pós-apocalíptico centra-se nos sofrimentos de pai e filho enquanto caminhavam a pé por um devastado deserto americano após um desastre cataclísmico.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Impacto de Asteroides, guerra, colapso econômico! O mundo está caminhando para um desastre iminente?

Fonte: https://www.rt.com/

O que motiva os personagens a perseverar em sua jornada impossível, que os apresenta com todo tipo de pesadelo imaginável e inimaginável, é simplesmente a busca pela sobrevivência FÍSICA. Por que alguém iria querer sobreviver em meio a tal devastação total é outra questão.

Um elemento interessante do filme é que nunca nos é dito o que causou tanta destruição. Tudo o que sabemos é que algum evento noturno transformou os Estados Unidos, e possivelmente todo o planeta, em um deserto devastado. Hillcoat joga com nossos medos modernos de que algum evento incontrolável, seja por força da natureza ou feito pelo homem, esteja espreitando ao virar da esquina, esperando para nos devorar. A mídia é certamente culpada por dar vida a esses medos.


Por meio de alguns exemplos, considere os terrores que espreitam vindos do espaço profundo. Parece que a cada mês a NASA descobre um novo asteroide ou, pior ainda, uma gangue de asteróides que ” faltou” atingir a Terra por milhões de quilômetros, poupando-nos de novo o destino do pássaro dodô.

Mas se a morte pela queda de um asteroide não é sua xícara de chá, você pode tremer ao pensar no supervulcão borbulhando logo abaixo da superfície no noroeste dos EUA. Conhecida pelos cientistas como a Caldeira de Yellowstone, o maior sistema vulcânico da América explodiu por último há 640 mil anos. Os observadores de vulcões estão empolgados com as perspectivas de que ele sopre novamente em nossa vida geologicamente curta.

Embora a chance de algum desastre como esse estragar nossa xícara matinal de café seja baixa, apenas a possibilidade de que algum deles possa ocorrer tomou conta de nossa imaginação coletiva. Essa visão sombria e imprevisível de um futuro imprevisível é aquela que tende a dominar a mentalidade ocidental. Uma rápida olhada no grande número de produções de Hollywood distópicas ao longo dos anos parece validar o ponto.

O problema é que fomos condicionados a acreditar na inevitabilidade de um futuro orwelliano que corre o risco de se tornar uma profecia auto-realizável. Ou talvez Hollywood e a mídia estejam servindo como nossa consciência coletiva, por assim dizer, alertando os humanos que nós ultrapassamos os limites da ciência e da tecnologia e agora estamos arriscando consequências severas – muito parecido com o personagem mítico Prometheus, que foi punido por roubar o fogo de Zeus e da-lo aos mortais.

E talvez em nenhum outro campo a humanidade tenha empurrado o envelope tecnológico para além do campo de batalha.

Terceira Guerra Mundial, a fronteira final?

Se alguma vez houve um evento que poderia literalmente acabar com o planeta em um piscar de olhos, WWIII (uma terceira – e ultima – guerra mundial) é isso. Como Albert Einstein uma vez brincou: “Eu não sei com que armas a WWIII será travada, mas a WWIV será travada com paus e pedras“. Uma profecia tão sombria pode até agora ter esfriado o entusiasmo por um conflito global, mas não frustrou a crença de que, nas palavras de Clausewitz, “a guerra é a continuação da política por outros meios”.

Esse tipo de pensamento não é mais realista a menos que estejamos dispostos a aceitar as consequências mais graves.

Considere a terrível situação na Síria, onde cerca de uma dúzia de países jogadores diferentes estão agora disputando posições, para entender os incrivelmente altos riscos envolvidos. Em um dos últimos desenvolvimentos, um avião de reconhecimento russo foi derrubado acidentalmente por um míssil sírio, enquanto os caças israelenses realizavam uma operação ilícita contra a soberana República Árabe. Mais tragédia foi evitada, mas o incidente levou o clima geral da Síria a um grau ainda maior de incerteza.

No passado, as nações tinham uma tendência a entrar em guerra com grande prazer. No entanto, o bombardeio atômico das cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki nos momentos finais da Segunda Guerra Mundial teve uma maneira de mudar nossas mentes sobre o assunto. No entanto, ao mesmo tempo, essa lição cruel não fez nada para reduzir nossa disposição de armazenar armas de destruição em massa suficientes para destruir o planeta muitas vezes.



Qual é a resposta para esse enigma mortal? A escolha parece bastante direta. Embora seja uma tarefa difícil, especialmente considerando-se quanto dinheiro é gerado pelos gastos militares, os líderes políticos devem aceitar o fato de que recorrer a meios militares para resolver questões globais é uma forma extinta de “política”. É um paradoxo, mas a incrível letalidade das armas de destruição em massa tornou a guerra quase impossível.

Ou aceitamos este fato ou entendemos que os próprios humanos, junto com o planeta e suas outras formas de vida, serão extintos. É a escolha mais simples de todas, mas qual país seria o primeiro a entregar suas armas?

Repartição de capital

Nem todos os eventos que resultam em catástrofe estão relacionados a ‘atos de Deus’ ou conflito militar. Considere nossa relação atual com o chamado “mercado livre”. Embora muitos argumentem que este é o melhor sistema para organizar os assuntos econômicos dos países, ele é ocasionalmente atingido por crises violentas que podem ser melhor descritas como desastrosas.

Quando tais recessões acontecem, como aconteceu com a crise financeira de 2008, são os bancos e corporações “grandes demais para falir” que são generosamente socorridos pelo governo, que despeja bilhões de dólares em operações de socorro, enquanto a pessoa, o cidadão médio é forçado a afundar ou nadar por terras que parece em nenhum lugar à vista. Isso prova o aforismo de que o que realmente temos é “socialismo para os ricos e capitalismo para os pobres”.

Recentemente, tem havido uma série de sinais de alerta – incluindo quedas íngremes em Wall Street – que estamos mais uma vez nos aproximando de tempos perigosos. O ex-congressista republicano Ron Paul, em recente entrevista à CNBC , alertou que uma desaceleração maciça da economia global é inevitável, porque a economia dos EUA está se baseando na “maior bolha da história da humanidade” (será a última).

Mais cedo, o investidor Jim Rogers, apontando para a enorme quantidade de dívida nos mercados globais, especialmente nos EUA, previu que “Quando tivermos um mercado em baixa novamente, e vamos ter um mercado em baixa novamente, ele será o pior momento em nossas vidas”.

Embora esses dois indivíduos possam estar errados, não pode haver dúvida de que outra crise econômica acabará ocorrendo novamente. Então, como devemos nos preparar agora para o inevitável? Dadas as lições da crise financeira de 2008, parece imperativo que os bancos e as grandes corporações entendam que o governo não estará disponível para cobrir (de NOVO) suas más práticas comerciais.



Grandes socorros para grandes empresas não são a resposta. Se as empresas entenderem que vão cair na próxima crise, elas se comportarão de maneira mais responsável.

Ao mesmo tempo, garantias devem ser feitas aos cidadãos comuns de que eles não serão deixados para trás se e quando ocorrer a próxima recessão. Como o desemprego sempre aumenta à medida que os lucros diminuem em Wall Street, uma maneira de lidar com qualquer colapso futuro do mercado é garantir o desemprego de longo prazo e planos médicos para aqueles afetados por quaisquer choques repentinos no sistema.

Talvez esta seja a melhor maneira de lidar com as notícias diárias de tristeza e desgraça iminentes, que vemos em uma variedade de lugares, desde o campo de batalha militar até o campo de batalha econômico: que as pessoas saibam que não apenas soluções estão sendo procuradas, mas que seus melhores interesses estão no coração.

@Robert_Bridge


Image result for puppet gif

A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

One Response to Impacto de Asteroides, Guerra, Colapso Econômico! O mundo está caminhando para um desastre iminente?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.